daily menu » rate the banner | guess the city | one on oneforums map | privacy policy | DMCA | news magazine | posting guidelines

Go Back   SkyscraperCity > Latin American & Caribbean Forums > Fóruns Brasileiros > Fóruns Gerais > Infraestrutura e Transporte > Infraestrutura e Transporte > Transporte Rodoviário



Global Announcement

As a general reminder, please respect others and respect copyrights. Go here to familiarize yourself with our posting policy.


Reply

 
Thread Tools Rate Thread
Old July 12th, 2012, 05:22 PM   #81
Valderi
RFFSA, só para corajosos.
 
Valderi's Avatar
 
Join Date: Mar 2010
Location: Itaquera, São Paulo, SP
Posts: 1,676
Likes (Received): 227

Quote:
Originally Posted by guigao View Post


Amigo, não estava me referindo a simples concessões do governo para empresas que lhe agrade e financia campanhas. Estou me referindo a uma sociedade totalmente referenciada pela livre iniciativa e sem monopólio do Estado.

Nesse caso, não haveria motivos para os moradores de seu bairro se preocuparem.
Primeiro, não há nenhuma lógica em supor que sempre só poderá haver uma única via de acesso, nenhum argumento físico ou geográfico poderá impedir a criação de vias concorrentes.
Segundo, se a empresa for uma porcaria ela irá falir e/ou será comprada por agentes mais competentes.
Terceiro, sempre haverá concorrência entre meios de transporte, vias, decisão entre viajar ou não e em último caso, os moradores de seu bairro mudariam-se, deixando a via abandonada e sem lucro. Ou seja, não haveria nenhum incentivo para a empresa oferecer um mal serviço.
Quarto, na situação em que as vias públicas já estão, na maioria dos lugares, alguém teria que se esforçar muito para piorar a situação viu. Considerando o que vc já paga de impostos e taxas, garanto que vc saberia gastar melhor esse dinheiro.
Não existe serviço essencial, existe aquilo que os consumidores consideram como prioritário. A grande injustiça social é as pessoas pensarem que possuem poder nas eleições e o governo fingir que trabalha e que ajuda os mais necessitados.

Abraços
Guigão,

No primeiro item você disse que não há bairros com uma única ligação com a cidade. Digo que há cidades, estados e até países com uma única via de ligação com o mundo, e construir outra via de ligação dispensaria uma enormidade de somas de dinheiro.

No segundo, até a empresa entrar em falência e o serviço repassar para outra empresa, demoraria dias, até meses, e aí, como fica o cidadão?

No terceiro, é muito difícil moradores de um bairro o deixar hoje em dia, quanto menos se a via está péssimas condições. O cidadão vai embora por motivo de violência, desemprego ou até baile funk, mas não porque a rua está esburacada.

No quarto, aí que está o problema. Nunca saberemos como as empresas privadas gastam o dinheiro.
Valderi no está en línea   Reply With Quote

Sponsored Links
 
Old July 12th, 2012, 08:18 PM   #82
guigao
Registered User
 
guigao's Avatar
 
Join Date: Sep 2010
Posts: 147
Likes (Received): 41


Valderi,

1) Se vc puder me dar 1 único exemplo onde as pessoas só possuem um único meio de transporte/via de acesso e que neste mesmo lugar é impossível adotar outra opção, eu agradeço. Será uma tarefa impossível para vc. Não vale locais onde uma ditadura impõe isso por meio de força. A premissa é que haja liberdade.

2) A empresa falir é uma antecipação do que irá acontecer. Nenhum empresário vai esperar seu patrimônio depreciar e falir sendo que já pode vender para alguém mais competente e lucrar com isso.
Em todo caso, vc está assumindo que o Estado fará um processo de falência durar meses com suas regulamentações e leis absurdas. Eu não estou assumindo excesso de burocracia. Mesmo essa sendo a realidade atual, não deixa de ser irracional e absurda. Na sua visão mais pessimista, uma via abandonada por um tempo permaneceria exatamente como agora, abandonada pelo estado, mas as pessoas teriam ainda o dinheiro não sugado para Brasília.

3) Não sei onde vc mora. Em São Paulo, por exemplo, centenas de empreendimentos imobiliários são lançados a cada dia e a maioria de seus compradores é de pessoas que saem de bairros distantes para morar mais próximo ao trabalho ou ao metrô. Fugindo, dessa forma, do isolamento causado por vias engarrafadas e sem dono.

4) Não precisamos saber onde empresas privadas gastam seu dinheiro, apesar de empresas de capital aberto mostrarem. O que vc precisa saber é onde gastar o seu próprio dinheiro com liberdade e que não haja barreiras à livre iniciativa. Mesmo sem vc saber, empresas em ambiente de inovação e concorrência irão fazer o melhor para lhe agradar. As pessoas não precisaram controlar os gastos da Dell, Apple, IBM etc, para terem acesso hoje a computadores, Ipad's, fóruns de discussão, maquinas fotográficas etc.

Abraços
guigao no está en línea   Reply With Quote
Old July 13th, 2012, 01:51 AM   #83
Uhr Ban
Uhrrhrhrhhshsjzshzinjzzxz
 
Uhr Ban's Avatar
 
Join Date: Dec 2007
Location: St. Teresa RJ
Posts: 1,742

Quote:
Originally Posted by Suburbanist View Post
Sim, isso é o ideal, mas não na condição brasileira em que o custo fixo de ter carro é alto e o preço de aquisição também.

Eu acho que o futuro do transporte individual é o PRT.



Aqui no RJ, já temos o nosso PRT...
Uhr Ban no está en línea   Reply With Quote
Old July 21st, 2012, 09:59 PM   #84
Daniel_Sousa
Registered User
 
Daniel_Sousa's Avatar
 
Join Date: Dec 2011
Location: São Paulo
Posts: 6,521
Likes (Received): 2917

Compartilhamento de ‘bikes’: uma tendência que veio para ficar

12 DE JUNHO DE 2012

Todo e qualquer ranking suscita polêmicas, discussões, discordâncias. Mas, quando o assunto é o uso da bicicleta nos centros urbanos, um levantamento do portal americano Askmen.com dá ao menos um norte sobre quais praças levam a sério esse meio de transporte que não gera poluentes e ainda colabora para o bem-estar. E, se metade das dez cidades do mundo mais amigas das “magrelas” está na Europa (Amsterdã e Copenhague lideram a lista), ao menos o Brasil surge no horizonte: Curitiba, no Paraná, aparece numa surpreendente quarta colocação. As bikes vêm, de fato, caindo no gosto dos brasileiros. Em abril, o sistema de aluguel compartilhado do Rio atingiu a marca das 500 mil viagens. São mais de 66 mil usuários cadastrados e cerca de 4 mil viagens por dia. Agora é a vez de São Paulo.

A capital paulista inaugurou no final de maio o Bike Sampa, nos mesmos moldes do sistema em operação na capital fluminense: as estações estarão conectadas a uma central de operações wireless e serão alimentadas por energia solar. Em uma primeira fase, serão apenas seis estações em operação, mas até o fim do ano cem pontos devem ser implementados. O paulistano interessado em fugir do trânsito e usar a bicicleta como meio de transporte desembolsará apenas R$ 10 por mês pelo passe. Viagens de até 30 minutos serão gratuitas.

Numa metrópole que coleciona recordes de congestionamentos, alavancar o uso das “magrelas” parece ser muito mais do que uma questão de modismo. Na iminência da invasão das bicicletas elétricas, o Brasil dá cada vez mais espaço nas ruas e avenidas para ciclovias e ciclofaixas. No vídeo, o Manifesto Holstee, em favor das bikes, criado por dois irmãos americanos.

Fonte: http://www.respostassustentaveis.com.br/mobilidade/
__________________
Tango Alfa Mike JJ3720 Time: 1132Z
DEP: SBSP ARR: SBBR EET: 0132 FL: 370 TAS: 450
Route: UZ2 ARX DCT MOVTO UZ5 KUKOL
EQPT: A319 Airbus Industries (Wilco)
METAR: SBSP 261100Z 19006KT 9999 BKN012 FEW012 BKN090 17/13 Q1021
/Ready to Copy!
Daniel_Sousa no está en línea   Reply With Quote
Old July 21st, 2012, 10:51 PM   #85
Rodalvesdepaula
Registered User
 
Rodalvesdepaula's Avatar
 
Join Date: Apr 2008
Location: Sorocaba (SP)/Curitiba (PR), Brazil
Posts: 25,979
Likes (Received): 7867

Quote:
Originally Posted by Daniel_Sousa View Post
Compartilhamento de ‘bikes’: uma tendência que veio para ficar

12 DE JUNHO DE 2012

Todo e qualquer ranking suscita polêmicas, discussões, discordâncias. Mas, quando o assunto é o uso da bicicleta nos centros urbanos, um levantamento do portal americano Askmen.com dá ao menos um norte sobre quais praças levam a sério esse meio de transporte que não gera poluentes e ainda colabora para o bem-estar. E, se metade das dez cidades do mundo mais amigas das “magrelas” está na Europa (Amsterdã e Copenhague lideram a lista), ao menos o Brasil surge no horizonte: Curitiba, no Paraná, aparece numa surpreendente quarta colocação. As bikes vêm, de fato, caindo no gosto dos brasileiros. Em abril, o sistema de aluguel compartilhado do Rio atingiu a marca das 500 mil viagens. São mais de 66 mil usuários cadastrados e cerca de 4 mil viagens por dia. Agora é a vez de São Paulo.

A capital paulista inaugurou no final de maio o Bike Sampa, nos mesmos moldes do sistema em operação na capital fluminense: as estações estarão conectadas a uma central de operações wireless e serão alimentadas por energia solar. Em uma primeira fase, serão apenas seis estações em operação, mas até o fim do ano cem pontos devem ser implementados. O paulistano interessado em fugir do trânsito e usar a bicicleta como meio de transporte desembolsará apenas R$ 10 por mês pelo passe. Viagens de até 30 minutos serão gratuitas.

Numa metrópole que coleciona recordes de congestionamentos, alavancar o uso das “magrelas” parece ser muito mais do que uma questão de modismo. Na iminência da invasão das bicicletas elétricas, o Brasil dá cada vez mais espaço nas ruas e avenidas para ciclovias e ciclofaixas. No vídeo, o Manifesto Holstee, em favor das bikes, criado por dois irmãos americanos.

Fonte: http://www.respostassustentaveis.com.br/mobilidade/
Engraçado como o Integrabike, sistema de aluguel gratuito de Sorocaba, nunca é citado pela mídia especializada...
__________________
Rodalvesdepaula está en línea ahora   Reply With Quote
Old July 21st, 2012, 11:48 PM   #86
DFranca
BANNED
 
Join Date: Jul 2007
Location: Curitiba/Rio de Janeiro
Posts: 1,213
Likes (Received): 306

Quote:
Originally Posted by Valderi View Post
Guigão,

No primeiro item você disse que não há bairros com uma única ligação com a cidade. Digo que há cidades, estados e até países com uma única via de ligação com o mundo, e construir outra via de ligação dispensaria uma enormidade de somas de dinheiro.

No segundo, até a empresa entrar em falência e o serviço repassar para outra empresa, demoraria dias, até meses, e aí, como fica o cidadão?

No terceiro, é muito difícil moradores de um bairro o deixar hoje em dia, quanto menos se a via está péssimas condições. O cidadão vai embora por motivo de violência, desemprego ou até baile funk, mas não porque a rua está esburacada.

No quarto, aí que está o problema. Nunca saberemos como as empresas privadas gastam o dinheiro.
Complementando o que o Guigão já te respondeu.
Poderiam existir ruas bancadas por associações de moradores do bairro, e quando o serviço de administração da via não estivesse de acordo simplesmente se trocaria a empresa contratada.

O problema de engarrafamentos é claramente um problema de oferta finita sem sistema de precificação, ou seja, as pessoas não pagam para usar um recurso finito, que são as vias.
Por outro lado gastamos muito dinheiro com milhões de impostos incluindo o IPVA para termos ruas totalmente abandondas.
E hoje se uma rua está abandonada o máximo que podemos fazer é esperar 4 anos, votar em outro candidato e ficar solicitando para que algo seja feito.
Em um sistema livre, sem o monopólio Estatal, isso poderia ser feito por qualquer empresa, ou mesmo por uma associação de moradores.
DFranca no está en línea   Reply With Quote
Old July 22nd, 2012, 05:10 AM   #87
Positronn
Registered User
 
Positronn's Avatar
 
Join Date: Jan 2008
Location: Joinville / SC
Posts: 10,700
Likes (Received): 1448

Quote:
Originally Posted by DFranca View Post
Complementando o que o Guigão já te respondeu.
Poderiam existir ruas bancadas por associações de moradores do bairro, e quando o serviço de administração da via não estivesse de acordo simplesmente se trocaria a empresa contratada.
...
E hoje se uma rua está abandonada o máximo que podemos fazer é esperar 4 anos, votar em outro candidato e ficar solicitando para que algo seja feito.
Em um sistema livre, sem o monopólio Estatal, isso poderia ser feito por qualquer empresa, ou mesmo por uma associação de moradores.
Pois é, eu tava pensando nisso essa semana! Poderíamos concessionar a manutenção total da via pública, repartindo a cidade em setores, ou ruas, ou bairros, sei lá (pra não ficar tudo na mão de um só). Aí o IPTU torna-se apenas um imposto menor, tipo o IPVA (que não serve pra fazer estradas) e paga-se uma taxa para essas empresas manterem a via. A cada ano, ou a cada 2 anos, faz-se uma avaliação e votação e troca-se a empresa se a população do bairro,setor, rua, não estiver satisfeita.
Positronn no está en línea   Reply With Quote


Reply

Thread Tools
Rate This Thread
Rate This Thread:

Posting Rules
You may not post new threads
You may not post replies
You may not post attachments
You may not edit your posts

BB code is On
Smilies are On
[IMG] code is On
HTML code is Off



All times are GMT +2. The time now is 02:33 AM.


Powered by vBulletin® Version 3.8.8 Beta 1
Copyright ©2000 - 2014, vBulletin Solutions, Inc.
Feedback Buttons provided by Advanced Post Thanks / Like v3.2.5 (Pro) - vBulletin Mods & Addons Copyright © 2014 DragonByte Technologies Ltd.

vBulletin Optimisation provided by vB Optimise (Pro) - vBulletin Mods & Addons Copyright © 2014 DragonByte Technologies Ltd.

SkyscraperCity ☆ In Urbanity We trust ☆ about us | privacy policy | DMCA policy

Hosted by Blacksun, dedicated to this site too!
Forum server management by DaiTengu