search the site
 daily menu » rate the banner | guess the city | one on oneforums map | privacy policy | DMCA | news magazine | posting guidelines

Go Back   SkyscraperCity > Latin American & Caribbean Forums > Brasil > Fóruns Gerais > Infraestrutura e Transporte > Infraestrutura e Transporte > Transporte Ferroviário



Global Announcement

As a general reminder, please respect others and respect copyrights. Go here to familiarize yourself with our posting policy.


Reply

 
Thread Tools Rating: Thread Rating: 15 votes, 5.00 average.
Old April 17th, 2010, 09:39 PM   #1
Timbu
Vida que Segue
 
Timbu's Avatar
 
Join Date: Jan 2008
Location: Recife
Posts: 8,571
Likes (Received): 1096

Bondes do Recife | História, Fotos e Mapa dos 141 km de linhas


ATENÇÃO:
O crédito do trabalho de pesquisa exposto nesse thread é do
Sr. Allen Morrison, na maioria das fotos e informações que,
foram retiradas de seu website abaixo:

http://www.tramz.com/br/re/re.html

Imperdível, não deixem de conferir, o maior acervo do mundo sobre Bondes.






O primeiro bonde brasileiro surgiu em 1859, no Rio de Janeiro, puxado a burro, fazendo a ligação
entre o Largo do Rocio e o Alto da Boa Vista. Em 1862, com a substituição da tração animal
pelas máquinas a vapor, os bondes se espalharam pela cidade. Trinta anos mais tarde, em 1892,
foi inaugurada a primeira linha de bondes movidos à energia termoelétrica e, em 1896, foram
eletrificadas as primeiras linhas, a começar por Santa Teresa, e, em seguida, houve uma grande
expansão dos bondes na cidade.

Após o advento da eletrificação dos bondes cariocas, em 1892, cerca de 40 cidades brasileiras
passaram a contar com sistemas de bondes, tais como Porto Alegre, Pelotas e Rio Grande, Curitiba,
São Paulo, Santos, Itatinga, Guarujá, Campinas, São Carlos, Sorocaba, Campos do Jordão, Piracicaba,
Niterói, Petrópolis, Belo Horizonte, Juiz de Fora, Recife, Fortaleza e São Luis, entre outras.
Link http://www.cbtu.gov.br/noticias/elet...09/120908.htm#

Há registro de quase 100 cidades ou distritos brasileiros com serviços de bondes, todos com histórias
semelhantes, geralmente de início com os veículos de tração animal, seguidos pelos de tração elétrica,
pelo declínio e fim do serviço. Em 1945, o Anuário Estatístico do Brasil relacionava assim o estado dos
serviços de bondes e assemelhados, em página enviada a O Bonde pelo pesquisador norte-americano Allen Morrison


Link http://www.novomilenio.inf.br/santos/bondes/aeb1945.jpg

As Cidades de Pernambuco com serviços de Bonde:
- Recife
- Afogados da Ingazeira
- Arcoverde
- Carpina
- Caruaru
- Garanhuns
- Goiana
- Limoeiro
- Palmares
- Pesqueira
- Timbaúba
- Triunfo



Link http://www.novomilenio.inf.br/santos/bondes/bras03.jpg

Recife/Pernambuco

Recife, capital do estado de Pernambuco, foi visitada em 11 de dezembro de 1928
pelo escritor brasileiro Mário de Andrade (1893-1945), quando viajava como cronista do Diário Nacional,
obrigando-se a enviar diariamente textos para a coluna "O Turista Aprendiz".

O bonde é o centro dessa composição fotográfica de linhas e sombras que o escritor modernista captou
com "Codaque", como ele designava a sua câmera Kodak.

A imagem foi publicada em "Mário de Andrade, Fotógrafo e Turista Aprendiz", editado em 1993 pelo Instituto
de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo (USP), em comemoração ao centenário de nascimento do escritor.



Link http://www.tramz.com/br/re/re11.jpg
Foto cedida pelo pesquisador norte-americano Allen Morrison, de New York/EUA

A imagem acima (da coleção do pesquisador Allen Morrison, de New York), é de um cartão postal do início do
século XX, que circulava ainda em 1954, com a estação dos bondes junto ao Arco de Santo Antônio.

Destaca o especialista estadunidense Allen Morrison que Recife foi a segunda cidade brasileira (depois do
Rio de Janeiro) a operar bondes a vapor, podendo ter sido a primeira no mundo a operar locomotivas a vapor
construídas especialmente para rodar nas ruas.
As duas primeiras dessas locomotivas foram construídas
em 1866 pela Manning Wardle & Co. (de Leeds, Inglaterra) para a empresa inglesa Brazilian Street Railway, que
no Brasil foi conhecida como Estrada de Ferro de Caxangá.

A primeira linha de bondes a vapor, entre o porto e o bairro Apipucos, foi inaugurada em 5/1/1867, com
bitola de 1.219 mm (4 pés), sendo nesse ano estendida ao bairro Dois Irmãos e em 24/6/1870 a Caxangá. Um
ramal para Arraial (Casa Amarela) começou a funcionar em 24/12/1871.

Outra linha, com bitola de 1,4 metro, foi instalada com capitais brasileiros da Trilhos Urbanos do Recife a Olinda
e Beberibe, sendo inaugurada em Olinda a 20/6/1870, com o acréscimo no mês seguinte da rota para o rio Beberibe,
usando também locomotivas inglesas da Manning Wardle e carros de passageiros fabricados por John Stephenson em
New York. Uma rota mais direta para Caxangá foi construída em 1885 e os trilhos passando por Dois Irmãos foram
removidos. Os bondes a vapor rodaram no Recife até a Primeira Guerra Mundial.

A Pernambuco Street Railway, depois Ferro-Carril de Pernambuco, abriu uma linha com tração animal para Madalena
em 22/9/1871. Os primeiros veículos eram fechados como os ônibus locais e assim eram chamados de ônibus pelo
público. Quando a empresa instalou luzes elétricas, os passageiros rebatizaram os bondes como electroburros.
Usava-se então a mão de direção inglesa, pela esquerda da rua, como se pode notar na foto abaixo, e animais extras
eram colocados ao longo do caminho para reposição dos que se cansassem:


Link http://www.novomilenio.inf.br/santos/bondes/bras03d.jpg
Foto: autor desconhecido

Apesar de seu espírito pioneiro, Recife foi a última das grandes capitais brasileiras a instalar bondes elétricos,
depois de 21 outras cidades no Brasil.
Isso ocorreu em 1912, com a Pernambuco Tramways & Power Company,
criada em Londres em 24/1/1913, que iniciou os testes em 11/1913 e inaugurou a primeira linha elétrica (da área
insular do Recife até Boa Vista, através da península de Santo Antônio) em 13/5/1914.

A linha de bondes a vapor para Olinda foi eletrificada em 12/10/1914 e a tração elétrica chegou a Várzea no
ano seguinte. Os bondes a vapor para Dois Irmãos e Arraial foram substituídos por linhas elétricas em 1917 e o
último deles rodou no Recife, até o Beberibe, em 1922.



Link http://www.novomilenio.inf.br/santos/bondes/bras03b.jpg
Bonde elétrico no Recife, em foto cedida pelo pesquisador estadunidense Allen Morrison

Muitos dos bondes abertos foram reconstruídos como modelos fechados de luxo para uma nova linha até a
praia de Boa Viagem, inaugurada em 25/10/1924. Uma rota havia sido também planejada para Jaboatão, 8 km
a Oeste de Tegipió, mas nunca foi construída. Na década de 1920, a Pernambuco Tramways operava 130 veículos
motorizados e 110 reboques em 141 km de linhas, o terceiro maior sistema urbano de bondes no Brasil.


A partir de 1930, começaram a circular no Recife veículos fechados que o público apelidou de zépelins. Mas, a partir
do final da Segunda Guerra Mundial, o sistema de bondes declinou rapidamente. A linha da área insular do Recife
até Santo Antônio foi eliminada em 1951, e o último bonde na cidade rodou de Boa Vista a Madalena - onde o primeiro
veículo tracionado por cavalos tinha circulado 80 anos antes - em março de 1954.

Políticos locais acusaram a Pernambuco Tramways de quebra de contato e forçaram o reinício do serviço, com
um veículo aberto simples rodando um dia apenas, de Boa Vista a Fundão, em 1960. O bonde 104 foi o último preservado
em um parque na margem do rio, na Rua da Aurora, e transferido para o Museu do Homem do Nordeste em 1985.


Em 15/6/1960, a nova Companhia de Transportes Urbanos inaugurou o sistema de trólebus, que chegou a
operar em nove rotas em 1980. Novas rotas de trólebus foram abertas em 1982. O serviço ferroviário suburbano,
com locomotivas a diesel da Estação Central até Jabotão (20 km) e da Estação Cinco Pontas até Cabo (30 km)
começou a ser eletrificado, operando como metrô interurbano a partir de 9/3/1985.

Crédito da reportagem acima extraída do site http://www.novomilenio.inf.br/santos/bonden03.htm


OS BONDES EM VÍDEOS


Link http://www.youtube.com/watch?v=LJLSRhQbklg


Link http://www.youtube.com/watch?v=gpfvf...eature=related


Link http://www.youtube.com/watch?v=Gs1Xo...x=0&playnext=1


MAPA DA REDE E EVOLUÇÃO

Com linhas ainda com Tração Animal


Totalmente Eletrificado/Vapor




MAIS FOTOS E INFORMAÇÕES (1867-1913)

Em 5 de janeiro de 1867 foram inaugurados os trilhos urbanos do Recife a Dois Irmãos.
O trecho inicial partia da rua Formosa, começo da atual Conde da Boa Vista. A maxambomba era
uma pequena locomotiva em que os maquinistas trabalhavam numa cabine sem coberta. A máquina puxava
três vagões de dois andares.

Veja como foi a notícia no DIARIO:
“Começa hoje o serviço ordinário da via férrea do Recife ao Apipucos, limitado ao Caldeireiro, por ora;
partindo o primeiro trem da rua Formosa às 3 horas da tarde. O preço é, como ontem dissemos, 200 réis
por cada mil braças na lª. classe, única por ora enquanto durar o serviço provisório. Os pontos de parada
do trem serão: rua da Soledade; depois da curva do Manguinho; em frente da estrada dos Aflitos; entre
as casas dos srs. drs. Augusto de Oliveira e Gusmão; em frente da casa do sr. Luís Gomes; entrada do
sítio da Jaqueira; saída do Parnamirim; entrada da Casa Forte; e no Chacon. As horas da partida são:
5 e meia, 7 e um quarto, 8 e três quartos da manhã; 3 e meia, 5 e 6 e meia da tarde, do Recife para o
Caldeireiro; 6 e meia, 8 e 9 e meia da manhã; 4 e um quarto, 5 e três quartos e 7 e meia da tarde, do
Caldeireiro para o Recife"


Numa matéria paga, na mesma edição, os empresários da ferrovia explicavam por que a inauguração do
serviço se dava em caráter precário.

“Não sendo possível, pela considerável demora que houve na remessa dos últimos trilhos e outros objetos,
pôr em andamento duas locomotivas, o serviço por agora será feito por uma somente, que conduzirá dois
carros, partindo às horas e dos lugares indicados na tabela que vai anexa”.

Link http://www.pernambuco.com/diario/200...pecial5_0.html



Uma das Locomotivas construídas no período de 1866-1870 por Manning Wardle & CO.
em Leeds para a Estrada de Ferro de Caxangá. Eles diziam ser a primeira no mundo projetada
para operar em via pública




Trem da E. F. de Caxangá, 1900 sobre o Rio Capibaribe


Estação Ponte d'Uchôa, Av. Rui Barbosa - E.F.C.'s linha Apipucos, construída
em 1865, existe até hoje


História
O nome Ponte d'Uchoa está relacionado ao senhor de engenho Antônio Borges Uchôa,
do Engenho da Torre, que viveu no século XVII. Após a expulsão dos holandeses, em 1654,
para permitir acesso à outra margem do Rio Capibaribe, onde moravam parentes seus, ele
construiu uma ponte, que ficou conhecida como Ponte d'Uchoa, e assim ficou denominada a
área adjacente à outra margem do rio que fazia ligação por ponte a sua propriedade.

A estação
Em 1865 ali foi construída, pela Empresa de Trilhos Urbanos, uma estação para os primeiros
bondes do Recife, chamados Maxambombas. A estação recebeu o nome do lugar.

Em 1867 o controle sobre a estação foi transferido para a Brazilian Street Railway.

A Maxambomba percorreu os trilhos do Recife até 1915.

Em 1916 a empresa Pernambuco Tramways & Power Company, detentora das linhas de bondes
e de distribuição de eletricidade do Recife, assumiu a estação.

Em 1968, quando já não havia bondes e por conta da transferência da distribuição de
eletricidade para a Celpe - Companhia de Eletricidade de Pernambuco, o controle sobre a
estação também passou de mão.

Passou a ser uma parada de ônibus, até 2003, quando também essa parada foi transferida,
para facilitar o trânsito no local.

Estrutura
A estação inicialmente foi construída em madeira, que foi substituída por ferro no início do
século XX. Atualmente mantém a estrutura de ferro.

Turismo
O prédio da estação de Ponte d'Uchoa está inserido na Zona Especial de Preservação do
Patrimônio Histórico, compondo o Sítio Histórico de Ponte d'Uchoa.

Baobá à margem do Rio Capibaribe.A estação fica numa pequena praça, uma ilha no centro
da Avenida Rui Barbosa, no limite entre os bairros da Jaqueira e das Graças, que abriga esta
única edificação.

Sua conservação é feita por uma empresa privada local, bem como a conservação da praça
onde a mesma está edificada.
Link http://pt.wikipedia.org/wiki/Ponte_d%27Uchoa



Crédito: Ap_Recife


Crédito: Mascate


Link http://upload.wikimedia.org/wikipedi...onteduchoa.jpg


Ticket - E.F.C., 1900


Cia Ferroviária, trilhos urbanos do Recife a Olinda e Beberibe, foto no bairro de Fundão




Ticket - Ferro Carril de Pernambuco, 1871


F.C.P. linha para Afogados e Jiquiá (Giquiá), no Jiquiá, onde foi o primeiro
campo de pouso em Recife, pousava o Graf Zeppelin, 1930



Bonde a Cavalos, com mão Inglesa, na Rua 1º de Março


Bonde na Praça da Independência - Santo Antônio, 1903


Bonde na Ponte da Boa Vista



MAIS FOTOS E INFORMAÇÕES (1914-1927)

O BONDE ELÉTRICO NO RECIFE

Por:
Maria do Carmo Andrade
Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco


O bonde elétrico é um veículo urbano de tração elétrica que circulava sobre trilhos e se destinava ao transporte coletivo
de passageiros e/ou de cargas. O nome bonde deriva-se do termo inglês bond (bônus). Na Inglaterra, quando da criação
dessa modalidade de transporte coletivo, foi lançada uma campanha pública de bônus (bond) visando angariar fundos
para instalação do serviço. Daí surgiu o nome brasileiro bonde.

A história do bonde elétrico no Recife está intimamente vinculada à história política e social da cidade. Afinal, foram praticamente
quarenta anos de circulação desse veículo pelas ruas do Recife. O bonde acompanhou o progresso, as mudanças socioeconômicas,
a moda, as ascensões e quedas de governos.

O serviço de bondes elétricos foi inaugurado oficialmente no dia 13 de maio de 1914, em cerimônia festiva, com a presença
do então governador do Estado de Pernambuco, o general Emydio Dantas Barreto e outras autoridades. O povo foi às ruas
do centro da cidade para ver o novo e moderno meio de transporte, administrado pela companhia inglesa Tramways.

Os bondes eram altos, mas possuíam estribos para facilitar a subida dos passageiros. Mediam três metros de largura, tinham
bancos largos de madeira que davam para acomodar cinco ou seis pessoas, em cada um. Nos bondes maiores, de dois truques,
(conjunto de dois eixos de rodas sobre o qual se assentam as extremidades do chassi dos vagões, para lhes permitir entrar em
curvas), as cadeiras podiam virar para um e outro lado. As linhas de ida e volta, com dois carros cruzando um com o outro,
tomavam praticamente toda a largura das ruas que, em geral, mediam, no máximo, oito metros.

As viagens morosas para os bairros distantes do centro da cidade, com as pessoas sentadas bem juntas umas das outras, em
ambiente arejado, favoreciam as conversas, as leituras de jornais, livros e revistas, as amizades e os namoros. Era proibido
fumar nos três primeiros bancos, no salão dos carros de primeira classe.

O cumprimento rigoroso dos horários dos bondes era uma exigência da companhia, prevalecendo as normas de pontualidade
britânicas. Além das tabelas de horários, entregues aos motorneiros, havia os relógios registradores, nos quais os motorneiros
eram obrigados a registrar as viagens de ida e volta.

Logo às primeiras horas do dia, começava o ruído das rodas de ferro do bonde sobre os trilhos. Era o único meio de transporte
coletivo disponível para ricos e pobres, já que o automóvel era artigo de luxo, importado dos Estados Unidos e só pouquíssimas
pessoas o possuíam. Todos usavam o bonde.

A partir da meia-noite, começavam a deixar as oficinas (estações) da companhia os chamados bondes de empregados, que
eram usados também pelas pessoas que trabalhavam à noite, os gráficos, os policiais, o pessoal das docas do Porto, e também
os boêmios. A partir das três horas da manhã, os bondes começavam a funcionar cumprindo a tabela normal de horário das linhas
da Várzea, Dois Irmãos, Tegipió, Casa Amarela, Beberibe, Peixinhos, Boa Viagem, Olinda. Mais tarde, quando o dia já estava
claro, saíam os bondes das outras linhas: Água Fria, Campo Grande, Ponte d’Uchoa, Iputinga, Areias, Casa Forte, Zumbi, Derby,
Largo da Paz, Pina e Jiquiá.

Atrelados aos carros de primeira classe, desciam dos subúrbios da zona oeste da cidade, principalmente Várzea e Dois Irmãos,
os reboques de segunda classe, cheios de fardos de verduras, de cestos e balaios de frutas, e trouxas de todo tipo de mercadoria,
destinados aos mercados e comércio em geral. Havia também bondes fechados. O bonde Zeppelin, por exemplo, era o mais bonito
coletivo sobre os trilhos, que trafegava somente na linha de Olinda, conduzindo um carro-reboque, com as mesmas características
e de igual tamanho do carro-motor.

Das oito horas em diante, os bondes circulavam com sua plena capacidade, para acompanhar a movimentação do comércio, dos
bancos, das agências de navegação e repartições públicas. À meia-noite, os bondes eram recolhidos às estações de Santo Amaro, Fernandes Vieira e João Alfredo.

A cidade, sempre em expansão, impulsionava o aumento de usuários de bondes. Contudo, a oferta já não correspondia à demanda,
começando então a sua decadência. Vários fatores contribuíram para o crepúsculo desse transporte coletivo: o crescimento
populacional; as transformações sociais; o processo revolucionário de 1930, que alterou a conjuntura político-administrativa do
País; a expansão territorial do Recife, com a criação de novos bairros e implantação de novas indústrias; a chegada de estrangeiros
de várias nacionalidades, em decorrência da Segunda Guerra Mundial. Todos esses fatores contribuíram para a excessiva lotação dos
bondes, que passaram a trafegar superlotados com pessoas penduradas nos balaústres, os chamados pingentes, o que muitas vezes
ocasionavam acidentes, especialmente quando havia o cruzamento de um bonde com outro, ou com um caminhão cuja carroceria
arrancava e matava uma ou mais pessoas, que estavam penduradas nos estribos. A sobrecarga acelerava o desgaste da estrutura,
causando defeitos com maior freqüência, obrigando os carros a saírem de circulação para reparos nas oficinas.

Com a Guerra, a importação das peças de reposição para reparo dos coletivos - motores elétricos, lâmpadas, madeiramento para os
bancos e outras - foi ficando difícil. Para os defeitos apresentados eram feitos arranjos. Quando os bondes ficavam sem condições de
trafegar, acabavam sendo rebocados para as oficinas.

O desaparecimento desses coletivos, que tantos e tão bons serviços prestaram aos recifenses, foi um processo lento e moroso.
Enquanto foi possível manter o serviço, mesmo em condições precárias, o povo usou o bonde até sua extinção total nos anos de
1956 a 1957.

A popularidade do bonde serviu de inspiração para ditos e expressões populares que entraram para o folclore, por exemplo:

Andar na linha (do bonde) – Ser correto e sincero nos negócios.

Cara de bonde – pessoa de duas caras, em quem não se pode confiar.

Pegar o bonde errado – enganar-se quanto ao bom êxito da aventura ou negócio.

Quem vai pra farol é o bonde de Olinda – nessa conversa fiada eu não caio.

Saltar do bonde em movimento – interromper a cópula, nos momentos finais, visando evitar uma gravidez.

Tocar o bonde pra frente – levar avante resolução ou negócio, paralisado por duvidar do seu êxito.

Hoje, quem quiser matar as saudades ou conhecer um bonde, há um, do tipo pequeno, com 36 lugares, exposto à visitação pública
nos jardins do Museu do Homem do Nordeste, proveniente de contrato de comodato, assinado entre a CELPE e a Fundação Joaquim Nabuco, no dia 5 de março de 1985.

Recife, 24 de agosto de 2004.
(Atualizado em 9 de setembro de 2009).


Crédito: http://www.fundaj.gov.br/notitia/ser...te=currentDatehttp://www.fundaj.gov.br/notitia/ser...te=currentDate



Uma das 55 Locomotivas construídas em 1913 até 1921 para
Pernambuco Tramways & Power Company, inaugurando o sistema elétrico em 1914



Bonde elétrico inglês na Ponte Buarque de Macedo, postal de 8 de setembro de 1916


Bondes na Av. Rio Branco


Bonde na Ponte Maurício de Nassau, o sistema elétrico aposentava 47 anos de tração animal


Bonde J. G. Brill (USA) encomenda de 30 carros da Pernambuco Tramways,
os recifenses apelidaram de "Caixa de Fósforo"



Bonde da Companhia de Força e Transporte de Pernambuco


Bondes para Olinda


Praça da Independências, Bondes vindo de Casa Amarela e indo pro Derby


Ponte da Boa Vista e os diversos tipos de Bondes








Estação Várzea e o Bonde


Em 1924 a P.T. converteu seus Bondes abertos para fechados para a linha Boa Viagem


Ao fim de 1930 a P.T. importou motores adicionais e controladores e carros
da Inglaterra para um novo modelo fechado. Os operadores o apelidaram de "Gigolô"



Rua Nova, com 2 Bondes "Gigolôs"


Rio Pina - linha Boa viagem, no trecho de linha singela


Construção da Av Boa Viagem e sua linha em 1923


Av Boa Viagem



MAIS FOTOS E INFORMAÇÕES (1928-1960)


Crédito da foto no lado superior direito


Bonde em alumínio "Zeppelin" nome e modelo inspirado após a chegada do
dirigível Graf Zeppelin em Recife em 1930, o dirigível fez muito sucesso, Bonde construído
nas dependências da P.T.



Bonde no terminal da Praça Rio Branco. Todos os modelos Zeppelin funcionaram com
o sistema da Brill



Praça Rio Branco e os vários modelos de Bondes, notem a linha ferroviária a vapor, hoje
no Marco Zero, Recife



Um novo modelo de Zeppelin, com porta central


Foto tirada na Fernandes Vieira, nas "garagens" da P.T.


Acesso através de porta central foi um avanço tecnológico


Saúde financeira não estava nas melhores condições, vagão de segunda mão comprado
da Syracuse, New York



Foto de 1943


Link http://1.bp.blogspot.com/_KWT4KboB9Q...%2Bde%2B40.jpg


Sinais de crise, modelo a partir de um Zeppelin, só que em madeira e não alumínio




Linha Olinda


Bonde antigo, reformado para voltara a operar, trecho da Ponte Maurício de Nassau, 1943


O fim estava chegando, reformar e não comprar novos Bondes


Bonde Gigolô em 1943


Bonde de 1914 ainda funcionando na forma original em 1943


Os bondes, continuaram até 1960, onde a P.T. encerrou sua operação


Rua da Aurora, o que restou dos Bondes


Encontra-se no Museu do Homem do Nordeste em Casa Forte


Do sistema, só restam os trilhos no centro do Recife

EM 1960, COM O FIM DOS BONDES, O TROLLEYBUS SUBSTITUIU EM VÃO O EFICIENTE SISTEMA



FIM DO EFICIENTE SISTEMA DE BONDES, OS ÔNIBUS DOMINAM A CIDADE






Fica a pergunta:
Por que não ajudaram a Pernambuco Tramway na crise?


Literalmente, deixamos o bonde passar...



CURIOSIDADES

Tramways - O Furacão elétrico



O Tramways, time sustentado pela então companhia elétrica e de transportes do Recife,
passou sem pedir licença. Como um furacão, causou estragos aos adversários nos sete
anos em que esteve na elite do futebol local. Mantém até hoje uma exclusividade: é bicampeão
invicto do Campeonato Pernambucano. Mas desapareceu da mesma forma, rapidamente.

Despachando no escritório central, que ficava na esquina da Rua Aurora com a Princesa Isabel,
Domingos, Furlan e Rubinho. Na seção de energia, o ponteiro Olívio. O goleiro Zé Miguel ficava
até altas horas da noite como chefe de quarto do departamento de luz. Sopinha, Guaberinha,
Paisinho e Faustino exerciam outras funções na empresa. O entrosamento na inglesa
Pernambuco Tramways and Power Company Limited, que foi concessionária dos serviços elétricos
e de bondes do Estado durante 50 anos (até 1962), deu origem ao primeiro, e até hoje único,
bicampeão invicto da história do Campeonato Pernambucano.

No biênio 1936/37, foi o Tramways Sport Club quem deu as cartas no certame local. O tricolor
transviário – vestia branco, azul e vermelho –, não perdeu uma partida sequer nesses dois anos
em que derrubou o trio de ferro Sport, Náutico, Santa Cruz, além do América, que na época,
ainda tinha muito prestígio. Como o próprio nome indicava, o Tramways era patrocinado pela
empresa inglesa, que foi responsável pela transição dos bondes puxados por burros para os elétricos,
na primeira metade do século 20. Daí, a equipe de futebol também ser conhecida como os “elétricos”.


NÃO SE SABE A SEQUENCIA. ZÉ MIGUEL, DOMINGOS, JORGE, ZEZÉ,
FURLAN,FAUTINO, ALCIDES, BERMUDES, SOPINHA, QUETRECO, e OLIVIO.
Campeão pernambucano de 1936.


De uma certa forma, pode-de dizer que o Tramways foi o primeiro
clube-empresa do futebol brasileiro.
Brincadeiras à parte, a relação era bem curiosa. Na época,
o profissionalismo ainda não tinha se consolidado em Pernambuco.
A maioria dos “pebolistas” ainda não tinha contrato e não recebia
dinheiro para jogar futebol. Mas no caso dos elétricos,
a situação era um pouco diferente. “Muitos jogadores jogavam
pelo Tramways em troca de emprego na empresa. Era uma
espécie de amadorismo marrom, já que os atletas tinham sim
salário, não pelo futebol, mas pelas funções que exerciam na
companhia inglesa”, destaca o cardiologista e escritor Rostand
Paraíso, que em 1997, lançou o livro Esses Ingleses, no qual
comenta a presença e a influência inglesa no Recife.

Muitos dos jogadores que vestiram a camisa do Tramways
também atuavam em times de bairros, na Liga Suburbana,
que era muito forte na época. Casos de Zé Miguel, Olívio,
Paisinho e Quetreco. Mas para ser bicampeão estadual foi
preciso também tirar do Santa Cruz Zezé, Júlio Fernandes e Alcides
Cachorrinho, que marcou 56 gols pelo Tramways em Perna
mbucanos, tornando-se o maior artilheiro da equipe na história
da competição. Com dinheiro de sobra, o técnico Joaquim
Loureiro veio de São Paulo para armar a equipe.

Os elétricos disputaram sete estaduais, de 1935 a 41. O primeiro
título, em 1936, foi tumultuado. Mesmo ainda faltando 16 partidas
para o fim da competição, os clubes e a Federação Pernambucana de
Desportos resolveram encerrar o certame. Com sete pontos a mais
do que Náutico e Santa Cruz, o Tramways foi declarado campeão.
Sua última partida foi contra o Sport, o qual derrotou por 3x2,
com dois gols de Sopinha e um de Olívio. Foram 11 vitórias e dois empates.


O TIME FOI CAMPEÃO PERNAMBUCANO EM 1937 VENCENDO O SPORT POR 5X2,
ERA FORMADO POR: ZÉ MIGUEL, DOMINGOS E ERNESTO; GUABERINHA,
PAIZINHO E FURLAN;ALCIDES, OMAR, NAVARRA (SOPINHA), QUETRECO E OLÍVIO


Mesmo com a campanha muito superior a dos rivais, ainda ficou a
dúvida se o time teria fôlego para se manter na ponta, caso a
competição seguisse até o final. Por isso, no ano seguinte, os
transviários fizeram uma campanha ainda mais arrebatadora, para
dizimar quaisquer dúvidas: 14 vitórias e apenas um empate. Sessenta
e quatro gols marcados e 16 levados. A prova da superioridade
do Tramways foi a goleada aplicada no Sport, por 5x2, no jogo
que ratificou o título. Olívio, Navarra, Alcides, Quetreco e Sopinha
marcaram os tentos dos elétricos.

Até 1941, quando disputou o seu último Estadual, o Tramways
seguiu fazendo um papel digno. O fim da equipe foi assim explicado
por Haroldo Praça, em seu livro O Gôl de Haroldo, de 2001. “Não obstante
reunir bons jogadores e armar equipes destacadas, o ‘elétrico’
foi vitimado por moléstia incurável: clube de dono (Antônio Rodrigues de
Souza, diretor da empresa britânica, responsável pelo investimento
na montagem dos times de 1936/37). E aí começou a entrar para
a história mais uma aparição brilhante efêmera.”


Gol do Tramways no Campo do Prado em Fortaleza, durante excursão à Fortaleza em 1941.

Bermudes: argentino muy boêmio, mas bom de bola

Na trajetória do primeiro título estadual do Tramways, em 1936,
um jogador merece um capítulo à parte. Dono de um potente chute,
de causar medo nos goleiros, como diziam os jornais pernambucanos
da época, o argentino Bermudes foi um dos pilares da inédita
conquista do grêmio transviário. Tanto que acabou se transferindo
para o Náutico, onde integrou o time que foi campeão pernambucano
em 1939, o segundo da história alvirrubra, ao lado dos Carvalheira:
Fernando, Zezé e Emídio.

Em 13 jogos pelo Tramways no Estadual de 36, o meia-direita
Bermudes fez 19 gols, cravando o seu nome na galeria dos artilheiros
do Campeonato Pernambucano. Náutico, Sport e Santa Cruz sofreram
nas mãos, ou melhor, nos pés do gringo, que balançou a rede do trio
de ferro. O Torre, principal rival do Tramways, era sua vítima favorita.
Na goleada por 8x4 sobre o Madeira Rubra, Bermudes fez a metade
dos gols dos transviários.

Ao todo, juntando os Estaduais de 1935 e 36, Bermudes marcou
32 gols pelo Tramways – terceiro maior goleador da equipe no
Pernambucano, atrás de Alcides Cachorrinho (56 gols) e Olívio (46).
O sucesso nos elétricos fez com que o Náutico o contratasse.
No Timbu, ele foi novamente campeão pernambucano, em 1939.

Companheiro de Bermudes nessa conquista, o goleiro Djalma,
90 anos, lembra com muita saudade do amigo. “Bermudes era
formidável, um grande amigo. Dançava muito bem tango. Um dia,
chegou a notícia de que ele havia morrido. Pedi licença a Cabelli
(Umberto, técnico uruguaio, que comandava o Náutico) e fui para
a pensão onde ele morava. Chegando lá, o encontrei no chão,
envolto a cigarros e bebida, mas estava vivo. Então, entrei em
contato com a família dele, e o seu pai mandou dinheiro para
mandá-lo de volta a Buenos Aires”, relata.

Nos anos 50, o ex-arqueiro alvirrubro foi à capital argentina
somente para rever o amigo. “Em 1953, nos encontramos em
Buenos Aires. Ele estava trabalhando como locutor de rádio. Foi
a última vez que nos vimos”, relembra Djalma, que soube da morte
do amigo anos depois, através de uma carta enviada pelo esposa
do argentino, Helena.

Pelo Náutico, Bermudes anotou 12 gols pelo Estadual de 39. No
ano seguinte, porém, anotou apenas dois, ambos em amistosos.

Fonte: Jornal do Comércio/PE, Futebol de Pernambuco em Fotos e Blog do Roberto.zip.net

Link http://blog.cacellain.com.br/2009/12...acao-eletrico/
__________________

Joás Santos liked this post

Last edited by Timbu; October 19th, 2010 at 04:18 AM.
Timbu no está en línea   Reply With Quote

Sponsored Links
Old April 17th, 2010, 10:14 PM   #2
Ap_Recife
Viva o Frevo
 
Ap_Recife's Avatar
 
Join Date: Apr 2004
Location: RECIFE
Posts: 30,017
Likes (Received): 6249

Fiquei impressionado com a rede.

Podiam aproveitar muita coisa para metrô e VLT.
__________________
RECIFE: Hub do Nordeste
Ap_Recife no está en línea   Reply With Quote
Old April 17th, 2010, 10:38 PM   #3
Sir Costa
Non-Registered User
 
Sir Costa's Avatar
 
Join Date: Jul 2005
Location: Recife
Posts: 5,301
Likes (Received): 4419

Rapaz... tive que segurar aqui pra conter as lágrimas.
Só queria saber porque exatamente de toda essa infraestrutura ter sido abandonada, tínhamos tudo pra ter um sistema de transporte realmente eficiente e barato.
Sir Costa no está en línea   Reply With Quote
Old April 17th, 2010, 10:57 PM   #4
danieldantas
Registered User
 
danieldantas's Avatar
 
Join Date: Aug 2008
Location: Natal/RN
Posts: 1,708
Likes (Received): 144

caramba, era um mega sistema!!
danieldantas no está en línea   Reply With Quote
Old April 18th, 2010, 02:08 AM   #5
AndersonFDR
Registered User
 
Join Date: Apr 2010
Posts: 274
Likes (Received): 0

FANTÁSTICO!! É UM BELÍSSIMO REGISTRO HISTÓRICO!! PARABÉNS PELO THREAD!!

Quote:
Originally Posted by danieldantas View Post
caramba, era um mega sistema!!
AndersonFDR no está en línea   Reply With Quote
Old April 18th, 2010, 04:57 AM   #6
farodkhaledmossad
Registered User
 
farodkhaledmossad's Avatar
 
Join Date: Oct 2007
Posts: 1,131
Likes (Received): 30

Timbu,

Parabéns, o thread é histórico e sensacional. Prova para muitos novatos que a possibilidade nem é nova e o quanto a população era melhor atendida com esta modalidade de tranporte público, e olha que nem se tinha o fator coletivo da poluição. A inversão é tanta que respiramos o pior e ainda tem gente que não entende como o ônibus pode e DEVE ser substituído.

Que trabalho fantástico o seu para este thread.
Recife sempre elegante, que fotos são estas? Excelentes.
O desenvolvimento era absurdo, a malha abrangia um raio inimaginável pra mim.

Obrigado.
farodkhaledmossad no está en línea   Reply With Quote
Old April 18th, 2010, 04:57 AM   #7
luancarpe
Compro e vendo likes
 
luancarpe's Avatar
 
Join Date: May 2009
Location: Balneário Camboriú
Posts: 5,351
Likes (Received): 4627


Vontade de chorar.
__________________
All hail the PRESIDENTO
luancarpe no está en línea   Reply With Quote
Old April 18th, 2010, 05:20 AM   #8
TheSkyscraperCitizen
C'a gota serena
 
TheSkyscraperCitizen's Avatar
 
Join Date: Nov 2009
Location: Recife
Posts: 7,832
Likes (Received): 6805

Gostei muito do thread. Rico.
TheSkyscraperCitizen no está en línea   Reply With Quote
Old April 18th, 2010, 05:22 AM   #9
Tiago Felipe
Registered User
 
Join Date: Jun 2006
Location: Recife
Posts: 514
Likes (Received): 260

Belíssimo Thread!
Sistema fantástico.
É triste como ao contrário das grandes cidades mundo andamos para trás no quesito transportes. O golpe de misericórdia foi a desativação dos trolébus em 2000.
Tiago Felipe no está en línea   Reply With Quote
Old April 18th, 2010, 05:52 AM   #10
Ap_Recife
Viva o Frevo
 
Ap_Recife's Avatar
 
Join Date: Apr 2004
Location: RECIFE
Posts: 30,017
Likes (Received): 6249

Curioso é que não vejo mulheres. Talvez elas ficassem lá dentro sentadinhas, hehe.
__________________
RECIFE: Hub do Nordeste
Ap_Recife no está en línea   Reply With Quote
Old April 18th, 2010, 07:07 AM   #11
dyegounicap
De Leeuw van het Noorden
 
dyegounicap's Avatar
 
Join Date: Dec 2009
Location: Recife
Posts: 1,422
Likes (Received): 369

É de partir o Coração quando penso que tudo isso foi esquecido pelo o poder público!
dyegounicap no está en línea   Reply With Quote
Old April 18th, 2010, 02:12 PM   #12
Timbu
Vida que Segue
 
Timbu's Avatar
 
Join Date: Jan 2008
Location: Recife
Posts: 8,571
Likes (Received): 1096

Valeu pessoal pelos comentários!

Fico imaginando o seguinte:

O desenvolvimento desse tipo de transporte, hoje seria o VLT e até metrô, perdemos muito.

Os bondes foram substituídos por ônibus quando a Inglesa, Pernambuco Tramway encerrou a operação e a nova companhia de transportes não teve recursos para manter o desenvolvimento

Ou seja, todo desenvolvimento era feito pela empresa privada inglesa, quando ela nos deixou, o poder público assumiu e não foi dado continuidade, um dos motivos era o mercado nacional ter se fechado para importação desses equipamentos e não existir fábrica no Brasil, consequentemente a única opção foi ônibus


Notem que quase não haviam carros circulando

Last edited by Timbu; April 18th, 2010 at 02:25 PM.
Timbu no está en línea   Reply With Quote
Old April 18th, 2010, 03:42 PM   #13
Ap_Recife
Viva o Frevo
 
Ap_Recife's Avatar
 
Join Date: Apr 2004
Location: RECIFE
Posts: 30,017
Likes (Received): 6249

Quote:
Originally Posted by Timbu View Post
Esse prédio do lado esquerdo é aquele onde hj está a sede do Grupo Nassau? Se for, foi uma perda enorme, olhem que prédio LINDO.
__________________
RECIFE: Hub do Nordeste
Ap_Recife no está en línea   Reply With Quote
Old April 18th, 2010, 04:50 PM   #14
Tiago Felipe
Registered User
 
Join Date: Jun 2006
Location: Recife
Posts: 514
Likes (Received): 260

Quote:
Originally Posted by Ap_Recife View Post
Esse prédio do lado esquerdo é aquele onde hj está a sede do Grupo Nassau? Se for, foi uma perda enorme, olhem que prédio LINDO.
Isso não é o Recife Antigo?
Tiago Felipe no está en línea   Reply With Quote
Old April 18th, 2010, 06:33 PM   #15
xyzclone
Rick
 
xyzclone's Avatar
 
Join Date: Jan 2009
Location: Cidade do $urreal
Posts: 2,621
Likes (Received): 1906

Quote:
Originally Posted by Timbu View Post
[FONT="Lucida Sans Unicode"]A história, as Fotos e o Mapa do sistema de Bondes em Recife



Do sistema, só restam os trilhos no centro do Recife


[B][SIZE="3"]
Linda essa foto!!!
Recife despontava na época em transporte,
Essas fotos me fazem muito comparar Recife à uma cidade da Europa, talvez, por essas fotos, a mais européia das cidades brasileiras.
__________________
Essa é a mistura do Brasil com o Egito / Tem que ter charme pra dançar bonito


GIG - BSB - GRU - VVI - SRE - AQP - VCP - EZE - PTY - MEX - CUN - SDU - CGH - RAO -
LFW - ADD - CAI - COO
xyzclone no está en línea   Reply With Quote
Old April 18th, 2010, 08:06 PM   #16
Ap_Recife
Viva o Frevo
 
Ap_Recife's Avatar
 
Join Date: Apr 2004
Location: RECIFE
Posts: 30,017
Likes (Received): 6249

Quote:
Originally Posted by Tiago Felipe View Post
Isso não é o Recife Antigo?
Acho que sim, é lá onde fica a sede do citado grupo.
__________________
RECIFE: Hub do Nordeste
Ap_Recife no está en línea   Reply With Quote
Old April 18th, 2010, 08:35 PM   #17
Fortal
O Show é aqui!
 
Fortal's Avatar
 
Join Date: Nov 2004
Location: São Paulo
Posts: 5,738
Likes (Received): 23

nossa, que trabalho fantástico, Timbu. Meus parabéns!
Adorei o tópico,em especial os mapas e essas locomotivas, muito legal.

Aeeeeeee!
Fortal no está en línea   Reply With Quote
Old April 18th, 2010, 11:59 PM   #18
Timbu
Vida que Segue
 
Timbu's Avatar
 
Join Date: Jan 2008
Location: Recife
Posts: 8,571
Likes (Received): 1096

Fortal, a inspiração foi seu thread com as fotos antigas e obrigado a todos pelos comentários!!

Quote:
Originally Posted by Fortal View Post
nossa, que trabalho fantástico, Timbu. Meus parabéns!
Adorei o tópico,em especial os mapas e essas locomotivas, muito legal.

Aeeeeeee!
Quote:
Originally Posted by Tiago Felipe View Post
Isso não é o Recife Antigo?
Quote:
Originally Posted by Ap_Recife View Post
Esse prédio do lado esquerdo é aquele onde hj está a sede do Grupo Nassau? Se for, foi uma perda enorme, olhem que prédio LINDO.
Quote:
Originally Posted by Ap_Recife View Post
Acho que sim, é lá onde fica a sede do citado grupo.
Ap_Recife... acho que é ele mesmo!!


Crédito da foto: Acervo Fundarj

Talvez, se a Inglesa Pernambuco Tramway estivesse até hoje, com certeza teríamos nossos bondes de hoje assim:


Link http://www.designlaunches.com/entry_...ker-trams3.jpg



Link http://www.designlaunches.com/entry_...ker-trams2.jpg

Last edited by Timbu; April 19th, 2010 at 01:04 AM.
Timbu no está en línea   Reply With Quote
Old April 19th, 2010, 12:18 AM   #19
Gustavo Vasconcelos
Guga-Caruaru
 
Gustavo Vasconcelos's Avatar
 
Join Date: Jun 2008
Location: Caruaru-PE
Posts: 2,865
Likes (Received): 241

Nossa, Cara! Só posso descrever esse thread como EMOCIONANTE!
Senti mais orgulho e admiração de nossa Capital, seu vanguardismo intrínseco!
Muita coisa, por algum tempo (inclusive transportes), não recebeu a devida atenção. Felizmente, bons horizontes estão próximos e Recife começa a recuperar seu posto de destaque nacional! Que os novos corredores urbanos, VLTs e integrações se concretizem o mais rápido possível, para honrar a grandeza dos recifenses do começo do século XX!
__________________
"Ninguém pode ver nem compreender nos outros o que ele próprio não tiver vivido". Hermann Hesse
Gustavo Vasconcelos no está en línea   Reply With Quote
Old April 19th, 2010, 12:29 AM   #20
Timbu
Vida que Segue
 
Timbu's Avatar
 
Join Date: Jan 2008
Location: Recife
Posts: 8,571
Likes (Received): 1096

Quote:
Originally Posted by Gustavo Vasconcelos View Post
Nossa, Cara! Só posso descrever esse thread como EMOCIONANTE!
Senti mais orgulho e admiração de nossa Capital, seu vanguardismo intrínseco!
Muita coisa, por algum tempo (inclusive transportes), não recebeu a devida atenção. Felizmente, bons horizontes estão próximos e Recife começa a recuperar seu posto de destaque nacional! Que os novos corredores urbanos, VLTs e integrações se concretizem o mais rápido possível, para honrar a grandeza dos recifenses do começo do século XX!
Recife precisa voltar ao rumo de ser reconhecida como pioneira em ousadia no Brasil nesse tipo de transporte

O golpe para nossa cidade e para a Inglesa P.T. foram II Guerra Mundial, os Militares e a dívida externa!

Ela sobreviveu a revolução de 1930, onde teve inúmeros Bondes depredados!!

Last edited by Timbu; April 19th, 2010 at 01:03 AM.
Timbu no está en línea   Reply With Quote


Reply

Thread Tools
Rate This Thread
Rate This Thread:

Posting Rules
You may not post new threads
You may not post replies
You may not post attachments
You may not edit your posts

BB code is On
Smilies are On
[IMG] code is On
HTML code is Off

Related topics on SkyscraperCity


All times are GMT +2. The time now is 05:17 AM.


Powered by vBulletin® Version 3.8.11 Beta 4
Copyright ©2000 - 2017, vBulletin Solutions Inc.
Feedback Buttons provided by Advanced Post Thanks / Like (Pro) - vBulletin Mods & Addons Copyright © 2017 DragonByte Technologies Ltd.

vBulletin Optimisation provided by vB Optimise (Pro) - vBulletin Mods & Addons Copyright © 2017 DragonByte Technologies Ltd.

SkyscraperCity ☆ In Urbanity We trust ☆ about us | privacy policy | DMCA policy

Hosted by Blacksun, dedicated to this site too!
Forum server management by DaiTengu