daily menu » rate the banner | guess the city | one on oneforums map | privacy policy | DMCA | news magazine | posting guidelines

Go Back   SkyscraperCity > Latin American & Caribbean Forums > Fóruns Brasileiros > Fóruns Gerais > Infraestrutura e Transporte



Global Announcement

As a general reminder, please respect others and respect copyrights. Go here to familiarize yourself with our posting policy.


Reply

 
Thread Tools
Old August 23rd, 2011, 06:39 PM   #1
Nego da Agua
Registered User
 
Nego da Agua's Avatar
 
Join Date: Nov 2010
Location: Juazeiro da Bahia
Posts: 1,853
Likes (Received): 42

Usinas Hidrelétricas de Pedra Branca e Riacho Seco - Submédio do Rio São Francisco (BA/PE)

image hosted on flickr

image hosted on flickr

image hosted on flickr
__________________
____________________________________________________________________________

< Navegação do Rio São Francisco > - < Projetos de Irrigação|Infraestrutura e Tecnologia >
< UHE´s de Pedra Branca e Riacho Seco > - < Plataforma Logística Multimodal do São Francisco >

____________________________________________________________________________
Nego da Agua no está en línea   Reply With Quote

Sponsored Links
 
Old August 23rd, 2011, 06:45 PM   #2
Nego da Agua
Registered User
 
Nego da Agua's Avatar
 
Join Date: Nov 2010
Location: Juazeiro da Bahia
Posts: 1,853
Likes (Received): 42

Nome da Barragem: Riacho Seco



Rio: São Francisco

Sub Bacia: São Francisco

Bacia: São Francisco

Município: Santa Maria da Boa Vista (PE) e Curaçá (BA)

Região: Nordeste

Estado: BA / PE

Latitude: -08.4702

Longitude: -39.4052

Data da Licitação: 10/06/2011

Custo Total: R$ 1,586 milhões (segundo informações do PAC)

Potência Instalada: 200 a 500 MW

Potência Instalada Desc: 276 MW

Área Inundada: 50 a 100 km²

Municipios Inundados: Juazeiro e Curaçá (BA); e Lagoa Grande e Santa Maria da Boa Vista (PE).

Propriedades Atingidas: 322 imóveis em Santa Maria da Boa Vista, em Curaça, serão atingidos 34 imóveis e 82 benfeitorias.

Deslocamentos Compulsorios: 184 famílias, ou 839 pessoas pessoas.

Populações Indígenas Atingidas: Território dos índios Timbalalá.

Outros Aglomerados Inundados: Reassentamento de atingidos pela barragem de Itaparica.


Chesf/Odebrecht/Desenvix/Engevix


As empresas Chesf, Odebrecht, Desenvix e Engevix iniciaram, em 2004, os estudos de viabilidade técnica e socioambiental do aproveitamento hidrelétrico Riacho Seco, culminando com a elaboração dos Estudos de Impacto Ambiental - EIA.

Agora, estes estudos estão sendo divulgados com toda a população da região e as entidades relacionadas com o assunto, em particular em Curaçá e Juazeiro (BA), Santa Maria da Boa Vista e Lagoa Grande (PE), municípios atingidos pelo futuro resevatório da usina hidrelétrica.

De forma resumida, todo o processo que envolve este trabalho será descrito aqui no site, com o objetivo de facilitar a compreensão da importância da UHE Riacho Seco para a região como um projeto de desenvolvimento social, econômico e ambiental real e possível.

Com Riacho Seco foi assim

O rio São Francisco já teve seu Inventário Hidrelétrico realizado há mais de 30 anos, quando foram identificados os diversos trechos onde poderiam ser construídas barragens para geração de energia elétrica. Um destes trechos corresponde ao local onde será construída a UHE Riacho Seco. E a Chesf, junto com os parceiros Odebrecht, Engevix e Desenvix, formou um Acordo de Cooperação para estudar a viabilidade técnica e socioambiental do empreendimento. É por isso que vários técnicos estiveram na região, desde 2004, fazendo pesquisas, com o objetivo de elaborar o Estudo de Viabilidade e o EIA, para entregá-los ao órgão ambiental.

Riacho Seco x Transposição do rio São Francisco

Pelo fato de ser mais uma obra a ser construída no rio São Francisco, a população vem relacionando a UHE Riacho Seco com outras obras que já estão em andamento na região. A UHE Riacho Seco ou qualquer outra hidrelétrica que venha a ser construída não tem relação com o Projeto de Transposição de Bacias do Rio São Francisco. É importante esclarecer que a construção de uma hidrelétrica visa o aproveitamento hídrico para a geração de energia elétrica. A Transposição é outro tipo de obra do Governo Federal que objetiva levar água do rio para regiões carentes desse recurso. Portanto, são dois empreendimentos diferentes e independentes entre si.



Local da obra e características técnicas

A barragem da UHE Riacho Seco será construída nas proximidades do povoado de Riacho Seco, situado no município baiano de Curaçá, e do povoado de Inhanhum, situado no município pernambucano de Santa Maria da Boa Vista. O canteiro de obras da usina será instalado na margem baiana do rio, próximo ao povoado de Riacho Seco - local que deu origem à denominação da hidrelétrica. A usina terá 276 megawats (MW) de potência instalada, com 8 turbinas geradoras.

Características do reservatório

O reservatório terá 63,6 km de extensão e uma área de 13.253 hectares (ha), com seu nível máximo na cota de 351 metros (em relação ao nível do mar). É importante esclarecer que nesta área está incluída a calha atual do rio que corresponde a 5.573 ha (42%), sendo inundados pelo reservatório 7.680 ha (58%). A usina funcionará “a fio d’água”, ou seja, a vazão da água que chega até a barragem (vazão afluente) é a mesma que passa pelas turbinas e sai (vazão defluente) para o rio, do outro lado da barragem. Os estudos realizados levaram a definição da cota 351 metros para que o reservatório ocupasse praticamente a mesma área que já é ocupada durante as cheias do rio São Francisco. É por isso que o reservatório não inundará grandes áreas, além daquela que já vem sendo ocupada pela calha do rio.

O empreendedor

Mesmo tendo realizado os Estudos de Viabilidade e o EIA da UHE Riacho Seco, não significa que a Chesf, Odebrecht, Desenvix e Engevix, necessariamente, serão as empresas responsáveis pela construção da obra. A construção da UHE Riacho Seco será feita pelo vencedor do leilão a ser realizado pela Aneel e ele terá a concessão para operar a usina por 30 anos. Isto significa que o vencedor do leilão é quem será oficialmente o empreendedor responsável por todas as ações de construção, operação e gestão ambiental da UHE Riacho Seco

IMPACTOS E BENEFÍCIOS

Locais atingidos na área urbana das cidades

Na cidade de Santa Maria da Boa Vista 322 imóveis ou lotes urbanos serão atingidos pela UHE Riacho Seco, tanto pela área do reservatório quanto pela área da APP. Serão afetadas 171 famílias com seus locais de moradias, ou seja, 777 pessoas, que corresponde a 5,4 % do total da população desta cidade que é de 14.231 pessoas, conforme o IBGE/2007. A área de inundação ainda afetará olarias, a área de lazer da cidade (prainha), antiga cadeia pública, pátio da Ceasa, matadouro municipal, parte do muro do 7º Comando da PM e parte da atual lagoa de estabilização do sistema de saneamento da cidade.

Em Curaçá, a água do reservatório na cota de 351 metros não ultrapassará o cais urbanizado da orla fluvial. No entanto, a área da APP, apesar de não ser inundada, atingirá 34 imóveis ou lotes urbanos e 82 benfeitorias, correspondendo a 14 famílias e 62 pessoas.

Como os patrimônios históricos e culturais serão atingidos

Os patrimônios que guardam valores históricos, artísticos e culturais apresentam-se, em grande parte, nos perímetros urbanos desses municípios e com presença significativa nas ilhas de Lagoa Grande e Santa Maria da Boa Vista que serão afetadas. É importante esclarecer que grande parte deste patrimônio será resgatada antes do enchimento do reservatório, objetivando sua preservação para as futuras gerações das comunidades atingidas.

Impacto na agricultura

Apesar de localizada na região do agronegócio, a construção da UHE Riacho Seco não terá impacto significativo nos empreendimentos agrícolas de grande e médio porte pelo fato de que grande parte de suas áreas cultivadas está situada no trecho inicial do reservatório, onde a cota de inundação acompanha a calha do rio. Neste caso, serão impactadas apenas as captações de bombeamento d´água para os plantios irrigados que, de um modo geral, estão distanciados da margem do rio.

No entanto, este impacto será maior nas áreas agrícolas dos pequenos e médios produtores que utilizam estas terras com a agricultura familiar e localizam-se ao longo das margens do rio São Francisco e nas ilhas. É importante esclarecer que estas propriedades apresentam baixo nível tecnológico na produção agrícola, pois a irrigação exige altos investimentos.
Benefícios criados para a agricultura irrigada no entorno do reservatório

A formação do reservatório beneficiará as propriedades do entorno, pois vai aumentar a área molhada, elevando o número de propriedades cuja captação de água por bombeamento passa a ser viável com menos custo, uma vez que a água vai subir mais que o nível atual do rio.

As águas do reservatório penetrarão em direção à caatinga, perenizando vários trechos de rio e riachos afluentes do São Francisco que são secos na maior parte do ano. Serão beneficiadas 260 propriedades na Bahia e 71 em Pernambuco, que passarão a ter acesso permanente à água.
A atividade pesqueira na região

O EIA demonstrou que atualmente a pesca na região é pouco desenvolvida, caracterizando-se como uma atividade complementar à renda familiar. É importante esclarecer que os estoques pesqueiros no trecho da hidrelétrica já foram comprometidos com a construção de outras barragens ao longo do rio. Com Riacho Seco essa situação pode mudar, através da oportunidade que será criada para implantação de projetos de aquicultura (criação de peixes em tanques-rede), a exemplo de como ocorre em Paulo Afonso, na Bahia, que hoje serve de referência nacional neste setor.

Problemas gerados por ocasião das obras

Durante as fases da mobilização, construção de ensecadeiras, desvio do rio e implantação do canteiro de obras, haverá um aumento na quantidade de pessoas circulando na região. Os estudos calculam que serão cerca de 9.400 pessoas até a fase de pico da construção. Este fato provocará elevação nos preços dos aluguéis, aumento do número de desocupados que vem procurar emprego e nem sempre conseguem, aumento da procura por serviços públicos, quebra dos padrões locais de sociabilidade, desajustes nas relações familiares, elevação da taxa de violência e doenças sexualmente transmissíveis, e ocupação desordenada do espaço urbano (aparecimento de favelas).

Oportunidades criadas com Riacho Seco

Quando o Governo autoriza a implantação de uma hidrelétrica, ela faz parte de um planejamento de desenvolvimento nacional e regional. A UHE Riacho Seco faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento – PAC e sua construção representa um investimento de mais de 1,5 bilhão de reais, criando muitas oportunidades para melhoria da qualidade de vida das pessoas e promoção de desenvolvimento da região. Entre as diversas oportunidades, podem ser citadas as seguintes:

• Oportunidade de diminuição dos custos do bombeamento da água para a irrigação com a elevação do nível do reservatório para a cota 351 m, que resultará em um recalque menor das bombas, reduzindo assim o consumo de energia no bombeamento da água;

• Oportunidade de penetração da água do reservatório em direção à caatinga, perenizando trechos de rios e riachos afluentes do São Francisco, viabilizando a captação d’água por bombeamento para 331 propriedades que atualmente estão situadas em áreas secas;

• Oportunidade de mudança no rumo de vida de várias famílias que atualmente vivem nos Projetos de Assentamentos em estado precário, em situação fundiária irregular e sem recursos financeiros, que poderão usar o pagamento das indenizações para pagar suas dívidas e investir no local onde serão relocadas ou realizarem o sonho de poder voltar para suas comunidades de origem, em outros Estados. Estas atividades influenciarão significativamente de forma positiva na produção agrícola e em vários setores da economia local;

• Oportunidade de geração de 1.900 empregos diretos e 3.500 indiretos na região;

• Oportunidade de crescimento da arrecadação de impostos dos municípios, sobretudo de Santa Maria da Boa Vista e Curaçá. As obras da UHE Riacho Seco deverão resultar no pagamento de mais de R$ 27 milhões de impostos aos municípios;

• Oportunidade do comércio e dos serviços se expandirem para dar suporte à população que chegará com a obra, dinamizando a economia local;

• Oportunidade dos municípios passarem a receber mensalmente os recursos da Compensação Financeira com a geração de energia elétrica pela usina, na fase de operação, apesar de ocorrer o desaquecimento da economia com o final das obras. Calcula-se que serão pagos R$ 2.644.767,00 por ano aos municípios diretamente atingidos, de acordo com a área inundada;

• Oportunidade do empreendedor executar programas específicos voltados à prevenção e correção dos impactos ambientais, incluindo aqueles de natureza cultural e social;

• Oportunidade do desenvolvimento da pesca na região com a implantação de projetos de aquicultura em tanques-rede, uma vez que o reservatório da UHE Riacho Seco terá uma área de 13.253 ha;

• Oportunidade de incremento da atividade turística na região da AID, decorrente da demanda por lazer durante as obras, acarretando a realização de vários investimentos em hotéis, restaurantes, novas empresas, eventos etc., e atraindo o turismo, hoje concentrado no Polo Petrolina/Juazeiro;

• Oportunidade de produção e disseminação do conhecimento técnico e científico gerado com os estudos ambientais do EIA e dos demais estudos que serão realizados nas fases de construção, enchimento do reservatório e operação da UHE;

• Oportunidade para ampliar o conhecimento da fauna e da flora da região, uma vez que Riacho Seco será implantada em área da Caatinga, que é um dos biomas brasileiros menos estudados no país.


Participação das pessoas atingidas

As comunidades atingidas terão a oportunidade de apresentar suas reivindicações e propostas de ações socioambientais nas reuniões e oficinas participativas que serão realizadas, contando com a participação de todos. Nestas reuniões também serão escolhidos representantes que irão apresentar estas propostas nas Audiências Públicas que serão realizadas pelo Ibama nas cidades de Santa Maria da Boa Vista e de Curaçá.



Esta participação das comunidades atingidas é importante, pois estas propostas poderão ser inseridas pelo Ibama como condicionantes por ocasião da emissão da Licença Prévia (LP), transformando-se, assim, em uma exigência que deverá ser cumprida por qualquer que seja a empresa vencedora do leilão e ganhadora da concessão para operar a hidrelétrica, ou seja, pelo empreendedor da UHE Riacho Seco.

© 2010 - Usina Hidroelétrica Riacho Seco
__________________
____________________________________________________________________________

< Navegação do Rio São Francisco > - < Projetos de Irrigação|Infraestrutura e Tecnologia >
< UHE´s de Pedra Branca e Riacho Seco > - < Plataforma Logística Multimodal do São Francisco >

____________________________________________________________________________

Last edited by Nego da Agua; August 23rd, 2011 at 08:24 PM.
Nego da Agua no está en línea   Reply With Quote
Old August 23rd, 2011, 07:11 PM   #3
Nego da Agua
Registered User
 
Nego da Agua's Avatar
 
Join Date: Nov 2010
Location: Juazeiro da Bahia
Posts: 1,853
Likes (Received): 42

Transformações Sociais Ambientais:

De acordo com informações do Movimento de Atingidos por Barragens (MAB), no projeto da transposição do rio São Francisco prevê-se as construções das barragens de Riacho Seco (240 MW) e de Pedra Branca (320 MW). Ambas atingem os estados de Pernambuco e Bahia. Segundo Josivaldo Oliveira, da coordenação do MAB, o lago destas usinas vai atingir territórios dos índios Timbalalá e poderá alagar um reassentamento de atingidos pela barragem de Itaparica. O MAB vem fazendo um grande trabalho de base nas regiões que serão afetadas pelas barragens da transposição e está recebendo bastante apoio da população.

A reportagem do jornal Brasil de Fato (27/04/2010) estima em 20 mil pessoas possíveis de desalojamento em função das usinas de Riacho Seco e Pedra Branca.

Conflitos Sociais:

O morador de Ferrete, João Teles, integrante do MAB, segundo a reportagem do Brasil de Fato (27/04/2010), confirma que todas as comunidades da região estão carentes de informação sobre os projetos. No dia 25 de março, depois de uma mobilização que reivindicava sua suspensão, representantes das futuras áreas atingidas obtiveram uma audiência com a Chesf, responsável pelos empreendimentos, juntamente com as empreiteiras Odebrecht e Engevix. No encontro, entretanto, a empresa não forneceu mais detalhes sobre as obras e garantiu que não abre mão delas. Antes do encontro, o único contato direto que havia sido feito com a comunidade de Ferrete deu-se durante a elaboração dos estudos para implantação da usina. Na época, técnicos da Chesf foram à comunidade fazer o cadastramento das famílias. O levantamento realizado pela companhia, no entanto, é descrito por Teles como fraudulento. De acordo com ele, não foram coletadas informações de todas as famílias, o que pode encobrir o verdadeiro número de pessoas afetadas. “Os cadastros foram feitos em três ou quatro casas e tiraram base para todas as outras", acusa Teles, que destaca também outras manipulações: "Diziam, no cadastro, que as comunidades estavam de acordo, e era mentira”. A suspeita de fraudes nos estudos feitos pela Chesf motivaram, em março de 2009, uma ação do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), que recomendou à empresa que respeitasse normas da Organização Internacional do Trabalho (OIT) durante todas as etapas de construção das barragens. O MPPE indicou, além disso, a realização de audiências públicas para debater os impactos causados pelas obras.

O MAB divulgou o seguinte comunicado: cerca de 400 famílias ameaçadas pela barragem de Riacho Seco e Pedra Branca se mobilizaram no dia 07/05/2010 na comunidade Cerca de Pedra, no município de Curaça/BA, contra a construção das duas usinas. Dois funcionários da Chesf, empresa interessada na construção das obras, foram impedidos de deixar a comunidade, depois de fazerem mais uma de suas visitas. Em assembléia, eles decidiram que não querem reuniões e que não irão mais deixar que representantes da empresa entrem nas comunidades. O clima esteve bastante tenso no local e os agricultores alertam de que se, não forem respeitados em suas posições, novas ações serão realizadas. Eles reclamam do método de trabalho realizado pela empresa. “A Chesf está fazendo o que chama de Reuniões Informativas e Oficinas Participativas, que pra nós não passa de uma forma de enganar o povo”, disse uma das lideranças. A argumentação dos atingidos é a de que essas reuniões serão parte do Estudo de Impacto Ambiental. “No entanto, a forma como estão sendo realizadas ilude de que será muito bom. Mas o povo está alerta, tem vivo na memória os problemas de Sobradinho e farão de tudo para impedir a construção da barragem”, finalizou. A Chesf é a dona da Barragem de Sobradinho, é uma das empresas ganhadoras do leilão de Belo Monte e está pleiteando a construção das barragens de Pedra Branca e Riacho Seco. Os agricultores e agricultoras querem a suspensão imediata das reuniões e das oficinas que estão sendo realizadas nos municípios ameaçados pelas barragens. A mobilização de hoje foi a continuação da jornada de lutas do 14 de março, onde os atingidos por Itaparica e Sobradinho e os ameaçados por Riacho Seco e Pedra Branca montaram acampamento na cidade de Sobradinho e ocuparam a sede da Chesf local.

Os participantes reunidos no II Encontro Nacional de Articulação no Semi-Árido Brasileiro (22 a 26/03/2010) entendem que nos últimos 4 anos, as organizações dos agricultores sentiram necessidade de construir estratégias voltadas para o enfrentamento das construções das barragens de Riacho Seco e Pedra Branca e, ao mesmo tempo, questionar o modelo de desenvolvimento e o modelo energético brasileiro. Pelo histórico de construção de barragens no Brasil, existe a preocupação com as violações dos direitos das famílias que serão atingidas pela barragem. No início do processo, as entidades e pastorais existentes na região, entre elas a CPT, o STR de Curaçá e o STR de Santa Maria da Boa Vista, sentiram a necessidade de construir uma articulação com o MAB.

No dia 13/08/2010, o MAB afirmou que, se a obra for concretizada, terão de ser removidas aproximadamente 17 mil famílias dos municípios de Curaçá, Abaré, Juazeiro (na Bahia), Petrolina, Santa Maria da Boa Vista, Lagoa Grande, Orocó e Cabrobó (em Pernambuco). Também podem ser afetadas, de alguma maneira, 11 aldeias indígenas e 18 comunidades quilombolas que residem nos municípios. A ativista Nívea Diógenes, 24, moradora de Juazeiro (BA), afirma que a potência que terá a hidrelétrica de Riacho Seco (275 MW) não compensa o impacto que a obra trará. “Aqui na região já foram construídas as hidrelétricas de Paulo Afonso, Sobradinho e Itaparica e elas não trouxeram benefícios à população, só malefícios. Isso só será bom para as grandes empresas”, diz. Segundo cálculos do MAB, o consórcio que vencer o leilão conseguirá recuperar os R$ 552 milhões --previstos para a construção de Riacho Seco-- em dez anos e obterá lucros nos 20 anos que restarão de contrato.

http://www.observabarragem.ippur.ufr...36/riacho-seco
__________________
____________________________________________________________________________

< Navegação do Rio São Francisco > - < Projetos de Irrigação|Infraestrutura e Tecnologia >
< UHE´s de Pedra Branca e Riacho Seco > - < Plataforma Logística Multimodal do São Francisco >

____________________________________________________________________________

Last edited by Nego da Agua; August 23rd, 2011 at 07:29 PM.
Nego da Agua no está en línea   Reply With Quote
Old August 23rd, 2011, 08:44 PM   #4
Joao_Silva
Registered User
 
Joao_Silva's Avatar
 
Join Date: Apr 2011
Location: Brasilia/Salvador
Posts: 2,878
Likes (Received): 1565

Belo investimento. Certamente vai aparecer um eco-chatos pra protestar, mas o Brasil, e o Nordeste em especial, precisa aproveitar seu potencial hidrelétrico para sustentar o crescimento.
__________________
Ando devagar
Porque já tive pressa
E levo esse sorriso
Porque já chorei demais
Joao_Silva no está en línea   Reply With Quote
Old August 24th, 2011, 01:04 AM   #5
Will_NE
No meio do Sertão
 
Will_NE's Avatar
 
Join Date: Oct 2005
Location: Senhor do Bonfim (BA)
Posts: 16,471
Likes (Received): 1920

Thread completíssimo sobre dois dos mais importantes projetos de obras do Brasil, mas que infelizmente são tão pouco divulgados.
__________________
Will_NE no está en línea   Reply With Quote
Old August 24th, 2011, 01:35 PM   #6
Nego da Agua
Registered User
 
Nego da Agua's Avatar
 
Join Date: Nov 2010
Location: Juazeiro da Bahia
Posts: 1,853
Likes (Received): 42

Quote:
Originally Posted by Joao_Silva View Post
Belo investimento. Certamente vai aparecer um eco-chatos pra protestar, mas o Brasil, e o Nordeste em especial, precisa aproveitar seu potencial hidrelétrico para sustentar o crescimento.
Quote:
Originally Posted by Will_NE View Post
Thread completíssimo sobre dois dos mais importantes projetos de obras do Brasil, mas que infelizmente são tão pouco divulgados.
Pois é, e achei bem interessante esse projeto de UHE a "fio de água", o impacto ambiental fica bastante reduzido. Achei um excelente custo x benefício.
__________________
____________________________________________________________________________

< Navegação do Rio São Francisco > - < Projetos de Irrigação|Infraestrutura e Tecnologia >
< UHE´s de Pedra Branca e Riacho Seco > - < Plataforma Logística Multimodal do São Francisco >

____________________________________________________________________________
Nego da Agua no está en línea   Reply With Quote
Old November 7th, 2011, 03:20 AM   #7
Harisson Souza
Feeling ܓ ܟ މ
 
Harisson Souza's Avatar
 
Join Date: Mar 2009
Location: Juazeiro/BA
Posts: 13,264

"se a obra for concretizada, terão de ser removidas aproximadamente 17 mil famílias dos municípios de Curaçá, Abaré, Juazeiro (na Bahia)"

Tenso!
__________________
Juazeiro (BA) - Cidade Pólo do Vale de São Francisco

13RASIL
Harisson Souza no está en línea   Reply With Quote
Old November 7th, 2011, 03:43 AM   #8
Harisson Souza
Feeling ܓ ܟ މ
 
Harisson Souza's Avatar
 
Join Date: Mar 2009
Location: Juazeiro/BA
Posts: 13,264

Vai inundar Juazeiro? Vei vamos ver esse negócio aew direito!!!
__________________
Juazeiro (BA) - Cidade Pólo do Vale de São Francisco

13RASIL
Harisson Souza no está en línea   Reply With Quote
Old November 7th, 2011, 08:41 AM   #9
Suburbanist
on the road
 
Suburbanist's Avatar
 
Join Date: Dec 2009
Location: Breda<->'s-Hertogenbosch<->Eindhoven triangle
Posts: 19,871
Likes (Received): 6553

Quote:
Originally Posted by Harisson Souza View Post
Vai inundar Juazeiro? Vei vamos ver esse negócio aew direito!!!
Não. Isso é um alarmismo sem sustenação na FÍSICA e na lei da gravidade. A indundação só começa à jusante de Itamotinga. A quota mais baixa de Petrolina está acima do quota máxima da usina!

Ela vai até ajudar a establizar o nível do SF entre Juazeiro e Petrolina.

Quanto às 7 mil famílias, paciÊncia, é o preço do progresso. Que se paguem indenizações decentes ou se ofereça reassentamento. Problem solved.
__________________
"For every complex problem there is a solution that is simple, clear and wrong."
Suburbanist no está en línea   Reply With Quote
Old November 8th, 2011, 10:02 PM   #10
Aju76
Registered User
 
Aju76's Avatar
 
Join Date: Apr 2009
Posts: 1,396
Likes (Received): 248

Não sabia desse projeto muito bom, ainda melhor porque vai inundar centenas de ilhas que atualmente são usadas na plantação ilegal de maconha no rio são francisco.
Aju76 está en línea ahora   Reply With Quote
Old November 9th, 2011, 01:29 AM   #11
Suburbanist
on the road
 
Suburbanist's Avatar
 
Join Date: Dec 2009
Location: Breda<->'s-Hertogenbosch<->Eindhoven triangle
Posts: 19,871
Likes (Received): 6553

Tinha é que tacar napalm nessas ilhas.
__________________
"For every complex problem there is a solution that is simple, clear and wrong."
Suburbanist no está en línea   Reply With Quote
Old November 11th, 2011, 10:43 PM   #12
Nego da Agua
Registered User
 
Nego da Agua's Avatar
 
Join Date: Nov 2010
Location: Juazeiro da Bahia
Posts: 1,853
Likes (Received): 42

Quote:
Originally Posted by Aju76 View Post
Não sabia desse projeto muito bom, ainda melhor porque vai inundar centenas de ilhas que atualmente são usadas na plantação ilegal de maconha no rio são francisco.
Quote:
Originally Posted by Suburbanist View Post
Tinha é que tacar napalm nessas ilhas.
As ilhas são fonte de sustento para muitas famílias, que plantam e criam para subsistência... A plantação de maconha é pequena em relação.
__________________
____________________________________________________________________________

< Navegação do Rio São Francisco > - < Projetos de Irrigação|Infraestrutura e Tecnologia >
< UHE´s de Pedra Branca e Riacho Seco > - < Plataforma Logística Multimodal do São Francisco >

____________________________________________________________________________
Nego da Agua no está en línea   Reply With Quote
Old June 25th, 2012, 01:52 AM   #13
Nego da Agua
Registered User
 
Nego da Agua's Avatar
 
Join Date: Nov 2010
Location: Juazeiro da Bahia
Posts: 1,853
Likes (Received): 42

4.6 Geração de Energia

21. UHE Riacho Seco (BA/PE), 320 MW. Projeto em elaboração pela Chesf, Desenvix e Odebrecht.

Investimento estimado de R$ 1,5 bilhão (até 2014, projetam-se investimentos de R$ 303,6 milhões).

Status: a licença ambiental ainda não foi expedida pelo IBAMA e há pendências quanto às desapropriações (de moradores locais e terras indígenas). Ainda não foi licitada. Cronograma atrasado.

http://www.fieb.org.br/Adm/FCKimagen...%2004-2012.pdf
__________________
____________________________________________________________________________

< Navegação do Rio São Francisco > - < Projetos de Irrigação|Infraestrutura e Tecnologia >
< UHE´s de Pedra Branca e Riacho Seco > - < Plataforma Logística Multimodal do São Francisco >

____________________________________________________________________________
Nego da Agua no está en línea   Reply With Quote
Old June 26th, 2012, 05:16 AM   #14
Kaique
Registered User
 
Kaique's Avatar
 
Join Date: Aug 2006
Location: Fortaleza/Balneário Camboriú
Posts: 7,106
Likes (Received): 127

Quote:
Originally Posted by Suburbanist View Post

Quanto às 7 mil famílias, paciÊncia, é o preço do progresso. Que se paguem indenizações decentes ou se ofereça reassentamento. Problem solved.
A questão é que não pagarão pelo custo não econômico da remoção. Primeiro dirão que a terras nada valem, depois não darão alternativas viáveis para o reassentamento.

E que progresso é esse?
Chega alguém de fora, expulsa=te de casa, empurra-te para um ambiente hostil e os benefícios são repartidos entre pessoas há centenas de de quilómetros dali.

No mínimo, os royalties das usinas deveriam ser em mais da metade gastos em investimentos socio-econômicos nas áreas atingidas.

Esse modelo predatório de desenvolvimento excludente já não se justifica. Crescimento sim, mas para para todos!

É lamentável que ainda se acredite que isso é desenvolvimento. As cidades só continuarão a inchar e favelizar assim. E nós, cada vez mais dependentes do complexo quimico-industrial para produzir alimentos pouco sadios, já que não consolidamos uma classe média rural forte produtora de alimentos para nosso consumo.
Kaique no está en línea   Reply With Quote
Old June 26th, 2012, 03:43 PM   #15
Suburbanist
on the road
 
Suburbanist's Avatar
 
Join Date: Dec 2009
Location: Breda<->'s-Hertogenbosch<->Eindhoven triangle
Posts: 19,871
Likes (Received): 6553

Se as terras foram invadidas/griladas, nada valem mesmo, oras!

Mas as remoções modernas (últimos 10-15 anos) para barragens sempre são boas, até onde vejo: novos bairros planejados construídos ANTES de alagar as áreas, até pq dá pra construir com folga os bairros até o enchimento do lago. Às vezes constroem novas mini-cidades inteiras com infra-estrutura básica.

Dificilmente quem é removido por hidrelétrica fica em uma situação de moradia precária, pois como a remoção é de larga escala torna-se necessário construir novas moradias.

Problema em geral ficam para aventureiros que chegam meses antes do início das obras, invadem terras e querem ser beneficiados só pq sao pobres.
__________________
"For every complex problem there is a solution that is simple, clear and wrong."
Suburbanist no está en línea   Reply With Quote
Old June 27th, 2012, 03:32 AM   #16
Kaique
Registered User
 
Kaique's Avatar
 
Join Date: Aug 2006
Location: Fortaleza/Balneário Camboriú
Posts: 7,106
Likes (Received): 127


Nesse aspecto, concordo contigo. Há gente de má fé infiltrada em movimentos sociais fazendo alarde para conseguir vantagens indevidas.

Todavia o modelo carece de aperfeiçoamento. É preciso fazer nesses reassentamentos planos integrados de desenvolvimento com o potencial gerado.

Expus no meu comentário anterior uma preocupação latente. A pequena agricultura comercial que abastece em boa medida os grande centros está perdendo espaço para a grande agricultura de exportação ou para a expeculação imobiliária, por falta de uma ação estratégica de empoderamento do camponeses pobres que não sabem aproveitar recursos.

Isso fica claro quando grandes projetos como esses em questão são realizados.
Kaique no está en línea   Reply With Quote
Old June 27th, 2012, 02:15 PM   #17
Suburbanist
on the road
 
Suburbanist's Avatar
 
Join Date: Dec 2009
Location: Breda<->'s-Hertogenbosch<->Eindhoven triangle
Posts: 19,871
Likes (Received): 6553

Isso é um mito. Boa parte do consumo calórico diário dos brasileiros vêm (e em proporção crescente) de produtos processados e/ou (semi)-industrializados.

Todo o complexo de alimentação de origem animal é hoje, praticamente, integrando em grandes e refinadas cadeias produtivas. Frigoríficos que abatem milhões de cabeças por ano, laticínios com centenas de milhares de litros processados por dia.

A tendência da pequena propriedade administrada por gente pobre e sem tecnologia é desaparecer. Para o bem da produção, diga-se.
__________________
"For every complex problem there is a solution that is simple, clear and wrong."
Suburbanist no está en línea   Reply With Quote
Old October 31st, 2012, 08:49 PM   #18
daclb
Césargbi
 
Join Date: Jan 2012
Location: Guanambi
Posts: 834
Likes (Received): 301

Fica claro que os benefícios serão muito maiores do que os malefícios. Basta ver a cidade de Paulo Afonso que deve seu progresso à usina hidroelétrica. As famílias desalojadas com certeza terão uma vida muito melhor nos locais onde serão realocadas. A construção da usina hidroelétrica traz benefícios para todos mas vários oportunistas querem ganhar vantagens indevidas a nossas custas. Com certeza especuladores compraram terras, fizeram documentos falsos, somente para receber indenização por terras que antes nada valiam ou produziam. Agora com água até a irrigação poderá ser desenvolvida e terras antes ardentes poderão produzir alimentos e riquezas.
daclb no está en línea   Reply With Quote
Old December 23rd, 2012, 01:15 AM   #19
tralsl
Registered User
 
Join Date: Dec 2012
Posts: 3
Likes (Received): 0

Quote:
Originally Posted by Harisson Souza View Post
Vai inundar Juazeiro? Vei vamos ver esse negócio aew direito!!!
olá pessoal, estou pesquisando sobre o Vale do Sao Francisco e eu cho que essa nova hidreletrica vai ser positivo para a economia local e até mesmo das regiões vizinhas mais distantes, acho que não deve inundar parte significativa de Juazeiro, a usina vai ser de pequeno porte,
mas as obras poderiam incluir uma reclusa desde já, pois como o nivel do rio vai subir nesse trecho, a naegação no mesmo será facilitada, ampliando a via fluvial navegável até depois de Petrolina
tralsl no está en línea   Reply With Quote


Reply

Thread Tools

Posting Rules
You may not post new threads
You may not post replies
You may not post attachments
You may not edit your posts

BB code is On
Smilies are On
[IMG] code is On
HTML code is Off



All times are GMT +2. The time now is 10:49 PM.


Powered by vBulletin® Version 3.8.8 Beta 1
Copyright ©2000 - 2014, vBulletin Solutions, Inc.
Feedback Buttons provided by Advanced Post Thanks / Like v3.2.5 (Pro) - vBulletin Mods & Addons Copyright © 2014 DragonByte Technologies Ltd.

vBulletin Optimisation provided by vB Optimise (Pro) - vBulletin Mods & Addons Copyright © 2014 DragonByte Technologies Ltd.

SkyscraperCity ☆ In Urbanity We trust ☆ about us | privacy policy | DMCA policy

Hosted by Blacksun, dedicated to this site too!
Forum server management by DaiTengu