daily menu » rate the banner | guess the city | one on oneforums map | privacy policy | DMCA | news magazine

Go Back   SkyscraperCity > Latin American & Caribbean Forums > Fóruns Brasileiros > Fóruns Gerais > Arquitetura e Discussões Urbanas



Reply

 
Thread Tools Rate Thread
Old January 21st, 2010, 01:55 PM   #21
Bob_Omena
.a vida não para.
 
Bob_Omena's Avatar
 
Join Date: Jun 2007
Location: Olinda/PE Goiânia-GO
Posts: 9,078
Likes (Received): 1149



Quote:
Originally Posted by Mascate View Post
Muito bom esse thread, incrível como ninguém ainda havia pensado nisso. Parabéns, TEBC!

Tenho uma certa curiosidade de ir em uma dessas cidades de fronteira, deve ser bem interessante dois povos interagindo num mesmo núcleo urbano.

Ah! E para não ficar de fora, aí vai a minha contribuição:

Recife/PE - Luanda/Angola (Não dá para ver, mas está lá do outro lado)


http://www.baixaki.com.br/imagens/wp...viagem2800.jpg

__________________
muuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu!!!
Bob_Omena está en línea ahora   Reply With Quote

Sponsored Links
 
Old January 21st, 2010, 02:08 PM   #22
Manauense
Manaus, Amazonas, Brasil
 
Manauense's Avatar
 
Join Date: Mar 2006
Location: Manaus (Amazonas) & São Paulo - Capital
Posts: 7,722
Likes (Received): 392

Tríplice fronteira Brasil-Colômbia-Peru (Estado do Amazonas)

Tabatinga (Estado do Amazonas, Brasil) - Letícia (Colômbia) - Santa Rosa (Peru)



No extremo oeste do Estado do Amazonas, a cidade de Tabatinga (AM) é completamente conurbada com a cidade de Letícia (Colômbia). Do outro lado do rio Solimões (Amazonas) é outro país: o Peru (onde se encontra a pequena cidade de Santa Rosa).



Tríplice fronteira Brasil-Colômbia-Peru.




Vista aérea do conurbano de Tabatinga (Estado do Amazonas - Brasil) e Letícia (Colômbia). As duas cidades formam uma única mancha urbana.

Imagem do código: p3428p
Título original (Inglês): Aerial view of Leticia-Tabatinga
Fotógrafo: Rhett A. Butler

http://pt.mongabay.com/travel/files/p3428p.html



Fronteira Brasil-Colômbia-Peru

http://www.info.lncc.br/coleti.html



Fronteira "seca" Brasil-Colômbia (Tabatinga-Letícia).

http://www.info.lncc.br/cotabat.html



Avenida da Amizade, que começa em Tabatinga (Amazonas, Brasil) e termina em Letícia (Colômbia).

Autora da foto: Isabelle Menezes
http://www.flickr.com/photos/7144954...7602378361026/




Autora da foto: Isabelle Menezes
http://www.flickr.com/photos/7144954@N02/1550203362/
__________________
Manaus (AM), a maior cidade do Norte e metrópole da Amazônia Ocidental!
Parintins (AM), a cidade do Garantido e do Caprichoso!

Last edited by Manauense; January 21st, 2010 at 10:15 PM.
Manauense no está en línea   Reply With Quote
Old January 22nd, 2010, 06:53 PM   #23
raffasoares
Rafael Soares
 
raffasoares's Avatar
 
Join Date: Jul 2009
Location: Rio 450
Posts: 5,585
Likes (Received): 1688

Thread bem legal mesmo!!
raffasoares está en línea ahora   Reply With Quote
Old January 22nd, 2010, 08:06 PM   #24
cissa
Rudie Can't Fail
 
Join Date: Jun 2008
Location: Babylon
Posts: 471
Likes (Received): 1

Thread bem legal mesmo [2]!!

Já estive em várias dessas fronteiras! Mas a Bolívia-Brasil não tá aí, de Corumbá pra Puerto Quijarro... movimentadíssima.
cissa no está en línea   Reply With Quote
Old January 23rd, 2010, 12:28 AM   #25
snt3000
trinta zero zero
 
snt3000's Avatar
 
Join Date: Nov 2007
Location: Brasília de Lúcio Costa
Posts: 3,031
Likes (Received): 86

Quote:
Originally Posted by cissa View Post
Thread bem legal mesmo [2]!!

Já estive em várias dessas fronteiras! Mas a Bolívia-Brasil não tá aí, de Corumbá pra Puerto Quijarro... movimentadíssima.
Aí vai.
image hosted on flickr

Foto: Flickr, Arthur Zapparoli
http://www.flickr.com/photos/arthurgeek/4140551340/
snt3000 no está en línea   Reply With Quote
Old January 23rd, 2010, 03:13 AM   #26
Rekarte
Libertarian
 
Rekarte's Avatar
 
Join Date: Mar 2008
Posts: 21,017
Likes (Received): 3037


E no caso desses paises que n fazem parte do Mercosul
prescisa de algo para atravessar a fronteira?
__________________
Rekarte no está en línea   Reply With Quote
Old January 23rd, 2010, 03:56 AM   #27
FP
Registered User
 
FP's Avatar
 
Join Date: Jun 2007
Location: Rio de Janeiro
Posts: 2,020
Likes (Received): 90

Ponte sobre o Rio Uruguai ligando Brasil e Argentina.
Uruguaiana (Estado do Rio Grande do Sul) - Paso de Los Libres (Província de Corrientes)

image hosted on flickr


image hosted on flickr
__________________
São Sebastião do Rio de Janeiro
FP no está en línea   Reply With Quote
Old January 23rd, 2010, 06:16 PM   #28
TEBC
Registered User
 
TEBC's Avatar
 
Join Date: Dec 2004
Location: São Paulo
Posts: 20,633
Likes (Received): 3802

Quote:
Originally Posted by Rekarte View Post

E no caso desses paises que n fazem parte do Mercosul
prescisa de algo para atravessar a fronteira?
A Bolivia faz parte do mercosul como estado associado,ela assinou junto com o chile um acordo com o mercosul para a livre circulação da populacao mediante a apresentacao apenas do RG. Quando fiz mochilão o único país que eu precisei apresentar passaporte foi o Peru. O fato de ser ou não do Mercosul em nada tem a ver com a necessidade de usar ou não passaporte, isso pode ser resolvido com um mero tratado bilateral entre os países.
__________________
rio 20!6
Viva essa Paixão

Last edited by TEBC; January 23rd, 2010 at 06:21 PM.
TEBC no está en línea   Reply With Quote
Old January 23rd, 2010, 06:19 PM   #29
TEBC
Registered User
 
TEBC's Avatar
 
Join Date: Dec 2004
Location: São Paulo
Posts: 20,633
Likes (Received): 3802

O Mercosul, Bolívia e Chile estabeleceram que todo esse território constitui uma Área de Livre Residência com direito ao trabalho para todos seus cidadãos, sem exigência de outro requisito além da própria nacionalidade. A Área de Livre Residência foi estabelecida na reunião de cúpula de Presidentes em Brasília, mediante o "Acordo sobre Residência para Nacionais dos Estados Partes do Mercosul, Bolívia e Chile" assinado em 6 de dezembro de 2002.
__________________
rio 20!6
Viva essa Paixão
TEBC no está en línea   Reply With Quote
Old January 23rd, 2010, 10:23 PM   #30
Cedar Teeth
Registered User
 
Cedar Teeth's Avatar
 
Join Date: Nov 2008
Posts: 1,860
Likes (Received): 402

Parabéns pelo thread!
Sempre tive a curiosidade de saber como funcionava a conversão para a mão inglesa. Até uns dias atrás fui procurar no google earth alguma fronteira que apresentasse essa característica, mas não encontrei nenhuma em alta resolução.

Aliás, aquele viaduto tem cara de ser ben novinho, você sabe quando ele foi construído, e como funcionava a conversão antes dele?
__________________
O Brasil precisa de grandes obras e só eu tenho a capacidade para levar o Brasil ao primeiro mundo, vou construir uma estrada direto para os EUA cortando pela Amazônia, o povo precisa de emprego e não de árvores.

- Paulo Salim Maluf
Cedar Teeth no está en línea   Reply With Quote
Old January 23rd, 2010, 10:40 PM   #31
TEBC
Registered User
 
TEBC's Avatar
 
Join Date: Dec 2004
Location: São Paulo
Posts: 20,633
Likes (Received): 3802

Quote:
Originally Posted by Cedar Teeth View Post
Parabéns pelo thread!
Sempre tive a curiosidade de saber como funcionava a conversão para a mão inglesa. Até uns dias atrás fui procurar no google earth alguma fronteira que apresentasse essa característica, mas não encontrei nenhuma em alta resolução.

Aliás, aquele viaduto tem cara de ser ben novinho, você sabe quando ele foi construído, e como funcionava a conversão antes dele?
eu fiz a mesma coisa.. tem varios na asia... entre china e hong kong. tailandia, africa do sul... é bem legal.

Quanto ao do Brasil ele é relativamente novo, foi feito com a nova ponte acho que em 2008 mas ficou fechado por um bom tempo pq o Brasil inaugurou sem a presença do presidente da guiana, antes dele não havia necessidade de conversão pois o transporte era feito por balsa, logo ele saia diretamente no lado certo da pista.
__________________
rio 20!6
Viva essa Paixão

Last edited by TEBC; January 23rd, 2010 at 10:51 PM.
TEBC no está en línea   Reply With Quote
Old January 23rd, 2010, 10:59 PM   #32
TEBC
Registered User
 
TEBC's Avatar
 
Join Date: Dec 2004
Location: São Paulo
Posts: 20,633
Likes (Received): 3802

Povo sem fronteiras

Bonfim, em Roraima, e Lethem, na Guiana, vivem um intercâmbio cultural que extrapola tratados internacionais e feitos da engenharia.
Por André Julião


Foto de Érico Hiller O agricultor Renato da Silva brinca com os filhos Ruth e Christian sob a ponte no rio Tacutu, que, em 2009, abriu a fronteira entre o Brasil e a Guiana. Mais que diversão, o banho no rio é a única solução nos dias em que faltam luz e, consequentemente, água na pequena propriedade em Bonfim.

Michael Jackson está vivo, vivíssimo. Ele mora em Lethem, mas todos os dias vai à escola em Bonfim. Fala inglês com o pai, o guianense Billiey Jackson, e português com a mãe, a brasileira Rufina. Assim como seus irmãos, Joshua e Wanderson, ele cumprimenta os colegas de classe em português e os vizinhos em inglês. Michael é um típico morador da fronteira entre o Brasil e a Guiana; filho de um território que formalmente faz parte de dois países, mas que na prática é uma terra só - onde se falam português, inglês, crioulo, wapixana e macuxi. Onde as orações são para Jesus, Alá ou Brahma.

Bonfim e Lethem são duas cidades que compartilham do isolamento do restante de seus respectivos países - uma ao norte do Brasil, em Roraima; a outra no sul da Guiana. Em abril de 2009, a última barreira entre elas foi transposta com a abertura de uma ponte. A obra, financiada pelo governo brasileiro, deu passagem livre a quem precisava pagar para cruzar o rio Tacutu para tarefas simples como estudar ou fazer compras. Por mais que a população das duas cidades - pouco mais de 10 mil em Bonfim - já estivesse acostumada a conviver com o português e o inglês, o real e o dólar guianense, só agora existe uma ligação concreta do Brasil com o único país de língua inglesa da América do Sul.

A ponte promete ser apenas a primeira amálgama entre os dois países. O Brasil já fez medições para pavimentar a via que liga Lethem a Georgetown - hoje separadas por um caminho de 700 quilômetros de terra. A ligação com o Atlântico Norte, pelo porto da capital guianense, facilitaria exportações para a América do Norte e a Ásia - hoje, os navios saem do porto de Manaus, no rio Negro. Os dois países assinaram ainda acordos de mapeamento geológico e segurança. O primeiro prevê o treinamento de técnicos para estudos de potencial minerológico. Os outros visam resguardar a fronteira do tráfico de drogas e de diamantes. As pedras são retiradas por garimpos ilegais na Venezuela e saem do país por Santa Elena de Uiarén, que faz fronteira com Pacaraima, no Brasil. De lá seguem para Georgetown, passando por Bonfim e Lethem.

O interesse em vender as pedras como se fossem retiradas de minas da Guiana é simples: desde 2003, o país é signatário do Kimberley Process - acordo firmado por países produtores de diamante, a ONU e a ONG Partnership Africa Canada, e que fiscaliza o comércio que financiou guerras em vários países africanos nos anos 1990.

Assim que atravessa a ponte do lado brasileiro para o guianense, o motorista tem de guiar na mão inglesa, no lado esquerdo da pista. Outro estranhamento se dá na arquitetura: casas em estilo colonial inglês, distantes umas das outras, dominam a paisagem. Entre uma e outra, lojas: boa parte de propriedade de descendentes de indianos, vendem principalmente produtos falsificados, vindos por contrabando da Ásia, como as camisas polo da marca francesa Lacoste (8 reais, acredite) e os tênis Nike Shox (50 reais).

Nesse submundo da globalização comercial, o real circula normalmente. A cotação, que oficialmente é de 100 dólares guianenses para cada 85 centavos de real, fica em 100 dólares para cada unidade da moeda brasileira. Um comerciante me garante que vende no atacado para brasileiros vindos de Manaus e algumas capitais do Nordeste, apesar de a Receita Federal permitir que se traga para o Brasil apenas duas peças de roupa e um tênis por pessoa. "Às vezes alguém me pede 300 camisetas. Paga em dinheiro vivo e vai embora", conta ele. Como a ponte trouxe também postos da Receita e da Polícia Federal, a travessia é feita a pé por carregadores ou por canoeiros na calada da noite.

O ex-militar Dulcídio da Silva Oliveira explorou por 15 anos a travessia do rio por uma balsa. Em cada viagem iam dez carros, a 20 reais cada um (a volta era incluída no preço). Apesar de sua galinha dos ovos de ouro ter morrido, Cabo Dulcídio, como é mais conhecido, pode se considerar um homem bem-sucedido aos 58 anos. Investiu o dinheiro ganho com a travessia numa propriedade de 450 hectares, em que cria 120 cabeças de gado, além de ter comprado algumas casas, as quais aluga. "Eu prestava um serviço social aqui, gerava empregos. Por isso acho que cabia uma indenização", reclama. Os empregos a que ele se refere, além dos taxistas - antes a balsa concentrava neles o movimento de passageiros, agora disperso -, eram os três operadores da balsa, o vigia e uma senhora que vendia lanches na margem. "Agora alguns canoeiros ficam na ponte fazendo câmbio, porque não têm mais como se sustentar. É uma tristeza", completa.

Nem todos, naturalmente, estão satisfeitos com a nova realidade da fronteira. Mas o fato é que a ponte só faz incrementar ainda mais o intercâmbio entre os dois lados. Eu observo bem isso em uma festa lotada de moradores de ambos os lados na Escola Estadual Aldébaro José Alcântara, no ginásio poliesportivo de Bonfim. Alguns estudantes - muitos filhos de casamentos entre brasileiros e guianenses - se preparam para uma competição de dança. Wanderson, o mais velho dos irmãos Jackson, de 16 anos, está tenso. Usa boné e camisetas brancos, calças jeans largas, assim como os irmãos Michael, de 15 anos, e Joshua, de 12 - todos em sintonia para a coreografia de hip hop que executarão em instantes.

Billiey, Rufina e Khadija, pai, mãe e irmã de Wanderson, chegam comigo ao ginásio, em uma carona que lhes ofereço desde o posto da Polícia Federal, perto da ponte. Billiey é um homem grande, cultiva uma barba estilosa e usa um vistoso chapéu preto. Sorridente, ele apenas lamenta o fato de não poder atravessar a ponte em sua van - a fronteira só fica aberta para veículos das 7 às 19 horas -, na qual trabalha transportando passageiros de Lethem para Georgetown, e vice-versa. O guianense faz o percurso da sua cidade à capital em 12 horas, e cobra 90 reais por pessoa. E avisa logo: o passageiro chegará suado e cheio de poeira ao seu destino.

É uma noite excepcionalmente animada na cidade. A 45 quilômetros do centro, a comunidade indígena do Jaboti (uma das nove que estão na região de Bonfim) promove também um grande festejo. Eu soube do evento uns dias antes, e fui cauteloso, perguntando o tempo todo se minha presença não seria incômoda durante uma celebração indígena. Garantiram-me que não - e, ao chegar lá, tudo faz sentido. A festa é de índio, mas a linguagem é pop e universal, com muito forró e a rapaziada trajando calça jeans, tênis e camiseta - comprados a bons preços em Lethem, of course. Carros e motos de Bonfim lotam o estacionamento improvisado da comunidade, em que convivem tanto índios uapixanas quanto macuxis. E o forró ferve madrugada adentro.

A região do alto rio branco, onde se localiza Bonfim e Lethem, era habitada por diversas tribos indígenas quando os colonizadores portugueses ali chegaram, no século 18, em expedições para captura de índios para ser vendidos como escravos. Com a criação das primeiras vilas e o crescimento da atividade agropecuária, no século 19, toda a economia da região passou a depender da mão de obra indígena, fosse no extrativismo, fosse na criação de gado ou em serviços domésticos. Muitos povos nativos foram dizimados ou se incorporaram a outros. A maioria hoje se aglutina entre os uapixanas e os macuxis.

O mesmo ocorria do outro lado do rio Tacutu. Os holandeses chegaram por volta de 1580 a essa região entre a Amazônia e o Caribe, cuja posse oscilou depois entre a Holanda e a Inglaterra. Em 1831, contudo, seus três territórios - Demerara, Berbice e Esequibo - foram unificados e renomeados como Guiana Inglesa. Com a abolição da escravatura, os indianos chegaram, a partir de 1838, para trabalhar nas lavouras de cana-de-açúcar. Seus herdeiros compõem, juntamente com os descendentes de escravos africanos libertos e os indígenas, o grosso da população. Portugueses e chineses, que chegaram posteriormente, formam um grupo minoritário no país que, com a independência, em 1966, passou a chamar-se apenas Guiana.

Esse leque de influências revela-se hoje nos cultos religiosos, em qualquer lado da fronteira. Num pequeno salão, a pastora Thereza Torres proclama: "God is good...". "All the time!", completam os fiéis presentes, boa parte descendente de índios como ela. Uma pintura na parede proclama: "Jesus is Lord". Todos falam inglês. Mas estou em Bonfim, na Word of Faith. Fundada em 2000 pelo missionário David Lindstrom, a igreja é frequentada tanto por moradores de Lethem como por guianenses que vivem em Bonfim.

Os cristãos são maioria nas duas cidades, como no resto do Brasil e da Guiana. Na antiga colônia inglesa, no entanto, hindus e muçulmanos também são comuns, preservando as religiões que foram introduzidas no país pelos indianos. (Acredita-se, porém, que já existiam muçulmanos na leva de africanos que chegou antes. O mais célebre seria o herói nacional Cuffy, escravo que liderou uma revolta em 1763.)

Da convivência entre negros, índios, indianos e ingleses é que surgiu o idioma crioulo. Uma língua crioula tem sempre outra como base, e surge quando pessoas de diferentes origens precisam se comunicar - situação comum na Guiana nos séculos 18 e 19. Não por acaso, a maioria delas tem como base o inglês, o português e o francês, idiomas de países colonizadores.

Presencio um diálogo no crioulo da Guiana. A fala lembra o inglês, mas é extremamente rápida. Pergunto ao caminhoneiro Vijay Narine, um sujeito de baixa estatura que poderia ser confundido com um taxista de Mumbai, que língua ele havia acabado de falar. "Guyanese", responde ele. É assim que é chamado o crioulo guianense.

São os descendentes de indianos como Vijay que compõem a população hindu da Guiana. Em Lethem, porém, não há nenhum templo para venerar Brahma, Vishnu e Shiva. Os praticantes do hinduísmo fazem suas orações em casa, em altares especialmente preparados. Já os muçulmanos possuem uma mesquita, ao lado da loja do imã Hakim Shaheed. Às 13 horas, pontualmente, ele e mais três homens se reúnem para uma das cinco orações diárias. A construção, com duas pequenas torres na face voltada para Meca, é modesta mas transmite uma paz difícil de explicar. Abdullah Hakim, de 19 anos, sobe num degrau, ainda do lado de fora, e faz o azan, anúncio em voz alta do início das preces.

Todos descalços sobre o chão acarpetado, os três homens, de frente para o imã Shaheed, ajoelham-se e começam a rezar. O imã lê trechos do Corão. Silêncio. Cada um fecha os olhos e parece conversar consigo próprio. Ajoelham-se novamente, a testa tocando o chão. Repetem o ritual mais uma vez, depois de ouvir outras palavras do livro sagrado. Não mais que 20 minutos se passam entre o início e o fim da oração.

Posso notar a emoção nos olhos de Edonis Pereira Ribeiro, ex-policial carioca convertido ao Islã há 32 anos, de passagem por Lethem. Por instantes, embarco na experiência espiritual do grupo. O imã, em seguida, procura alguma coisa em um armário. Traz um exemplar do Corão e me presenteia. Fico surpreso e grato. Mesmo depois de mergulhar num caldeirão de tantas culturas, vejo um só povo. Apesar das diferenças de costumes, todos eles, quando se referem à sua terra, estão falando de um mesmo lugar cortado por um rio. E agora unido por uma ponte.

http://viajeaqui.abril.com.br/nation...6.shtml?page=0
__________________
rio 20!6
Viva essa Paixão
TEBC no está en línea   Reply With Quote
Old January 24th, 2010, 04:21 PM   #33
luancarpe
.
 
luancarpe's Avatar
 
Join Date: May 2009
Location: Balneário Camboriú, SC/Pelotas, RS
Posts: 3,098
Likes (Received): 432

Quote:
Originally Posted by TEBC View Post
Onde as orações são para Jesus, Alá ou Brahma.
Eu também "oro" pra Brahma frequentemente!!

Mas, brincadeiras à parte, interessante reportagem!
Obrigado por postar.
__________________
Bazzinga!
luancarpe no está en línea   Reply With Quote
Old June 11th, 2010, 05:27 AM   #34
marcelooliveira
Registered User
 
Join Date: Jun 2010
Posts: 1
Likes (Received): 0

Quote:
Originally Posted by snt3000 View Post

Postada pelo JaMBa neste thread


Conversor para mão inglesa, postada pelo TEBC no mesmo thread.
que loco este post, cara muito bom

eu passei num concurso e to decidindo com um colega pra qual fronteira vamos
e precisava muito dessas fotos, muito obrigado a quem postou !!!
marcelooliveira no está en línea   Reply With Quote
Old June 11th, 2010, 12:27 PM   #35
Wey
We Are One
 
Wey's Avatar
 
Join Date: Jul 2008
Location: São Paulo/Uberlândia
Posts: 10,683
Likes (Received): 844

Quote:
Originally Posted by Manauense View Post
163 milhões??? De quando é essa placa?!
__________________
1 ∀x∀y[∀z(z∈x⇔z∈y)⇒x=y] ____2 ∀x[∃a(a∈x)⇒∃y(y∈x∧¬∃z(z∈y∧z∈x))] ____3 ∀x∀w_1∀w_2...∀w_n∃y∀x[x∈y⇔(x∈z∧∅)]
4 ∀x∀y∃z(x∈z∧y∈z) ____5 ∀F∃A∀Y∀x[(x∈Y∧Y∈F)⇒x∈A] ____6 ∀x∀w_1∀w_2...∀w_n[∀x(x∈A⇒∃!y∅)⇒∃B∀x(x∈A⇒∃y(y∈B∧∅))]
7 ∃X[∅∈X∧∀y(y∈X⇒S(y)∈X)] ____8 ∀x∃Q(x)∀z[z⊆x⇒z∈Q(x)] ____9 ∀X∃R(R well-orders X)
10 V=ULTIMATE L
Wey no está en línea   Reply With Quote
Old June 11th, 2010, 02:46 PM   #36
Manauense
Manaus, Amazonas, Brasil
 
Manauense's Avatar
 
Join Date: Mar 2006
Location: Manaus (Amazonas) & São Paulo - Capital
Posts: 7,722
Likes (Received): 392

Quote:
Originally Posted by Wey View Post
163 milhões??? De quando é essa placa?!
A foto é do ano de 2009, mas não sei de quando é a placa. Provavelmente, foi afixada pela prefeitura de Tabatinga (AM), que é inteiramente conurbada com Letícia (Colômbia). A propósito, tanto o lado brasileiro quanto o colombiano são muito bem sinalizados, não obstante a informação incorreta relativa à população do Brasil.
__________________
Manaus (AM), a maior cidade do Norte e metrópole da Amazônia Ocidental!
Parintins (AM), a cidade do Garantido e do Caprichoso!
Manauense no está en línea   Reply With Quote
Old June 11th, 2010, 03:13 PM   #37
Fabius_
Ad astra
 
Fabius_'s Avatar
 
Join Date: Feb 2007
Location: Campinas
Posts: 15,601
Likes (Received): 949

Existe um artigo sobre a ponte Brasil-Guiana na Wikipédia:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Ponte_sobre_o_Rio_Tacutu

Mas para quem prefere o original...

http://en.wikipedia.org/wiki/Takutu_River_Bridge
__________________
CAMPINAS: ontem, hoje e sempre.
Fabius_ no está en línea   Reply With Quote
Old July 20th, 2010, 12:52 PM   #38
TEBC
Registered User
 
TEBC's Avatar
 
Join Date: Dec 2004
Location: São Paulo
Posts: 20,633
Likes (Received): 3802



pedro juan caballero no paraguay e ponta pora
__________________
rio 20!6
Viva essa Paixão
TEBC no está en línea   Reply With Quote
Old July 20th, 2010, 02:28 PM   #39
BR 364
** ÜBER ALLES **
 
BR 364's Avatar
 
Join Date: May 2004
Location: País das cotas e da virada de mesa.
Posts: 13,816
Likes (Received): 2045

Guajará-Mirim, Rondônia, Brasil - Guayaramerín, Beni, Bolívia

Guajará-Mirim (Brasil) do lado de cá, Guayaramerín (Bolívia) do lado de lá. O rio que separa as duas é o Mamoré.

__________________
"Speed has never killed anyone, suddenly becoming stationary… That’s what gets you." - Jeremy Clarkson
BR 364 no está en línea   Reply With Quote
Old July 20th, 2010, 05:11 PM   #40
Yuri S Andrade
Registered User
 
Yuri S Andrade's Avatar
 
Join Date: Sep 2008
Location: São Paulo & Londrina
Posts: 10,613

Muito interessante esse thread, TEBC. O Brasil sempre deu às costas a seus vizinhos e muitos desses lugares são completamente estranhos aos brasileiros.

Quote:
Originally Posted by TEBC View Post
Eu e o meu irmão temos uma foto bem aí. Eu do lado do Dom Pedro I e ele do Simón Bolívar.
Yuri S Andrade no está en línea   Reply With Quote


Reply

Tags
brazil

Thread Tools
Rate This Thread
Rate This Thread:

Posting Rules
You may not post new threads
You may not post replies
You may not post attachments
You may not edit your posts

BB code is On
Smilies are On
[IMG] code is On
HTML code is Off



All times are GMT +2. The time now is 02:09 PM.


Powered by vBulletin® Version 3.8.8 Beta 1
Copyright ©2000 - 2014, vBulletin Solutions, Inc.
Feedback Buttons provided by Advanced Post Thanks / Like v3.2.5 (Pro) - vBulletin Mods & Addons Copyright © 2014 DragonByte Technologies Ltd.

vBulletin Optimisation provided by vB Optimise (Pro) - vBulletin Mods & Addons Copyright © 2014 DragonByte Technologies Ltd.

SkyscraperCity ☆ In Urbanity We trust ☆ about us | privacy policy | DMCA policy

Hosted by Blacksun, dedicated to this site too!
Forum server management by DaiTengu