daily menu » rate the banner | guess the city | one on oneforums map | privacy policy | DMCA | news magazine

Go Back   SkyscraperCity > Latin American & Caribbean Forums > Fóruns Brasileiros > Fóruns Gerais > Infraestrutura e Transporte > Infraestrutura e Transporte > Transporte Aquaviário



Reply

 
Thread Tools Rating: Thread Rating: 42 votes, 4.81 average.
Old June 7th, 2012, 06:22 AM   #441
jmascena
Registered User
 
jmascena's Avatar
 
Join Date: May 2007
Location: Recife
Posts: 3,070
Likes (Received): 507

Do news de Pernambuco:


Quote:
Originally Posted by jmascena View Post
Brazil's historically poor northeast finally gets its boom
The area around Recife in particular has benefited from government and business investment, and the northeast's growth has far outpaced that of richer states.
May 24, 2012|By Vincent Bevins, Los Angeles Times

RECIFE, Brazil — The Brazilian state of Pernambuco was once known for its vast plains of parched dirt and roving bandits called cangacos, who robbed from the rich and gave to the poor.

For later generations, escaping the widespread poverty of the northeast customarily meant moving to livelier southeastern cities like Rio de Janeiro and Sao Paulo, though many migrants still ended up living in favelas, or slums.

Today, an economic boom has given locals good reasons to stay put, and large numbers of Brazilians are even making their way north in search of a better life.

The area around Recife, the capital of Pernambuco, has benefited from huge government and business investments such as the expansion of the port of Suape, a new shipyard and an oil refinery project. Government aid has also helped struggling families improve their lives, which has lessened the need to move elsewhere.

In Boa Viagem, a new middle-class neighborhood south of downtown Recife, the signs of change include apartment complexes and chic restaurants that have sprung up in recent years.

"The region is now much more than just big industrial projects," said Juliana Queiroga, regional coordinator at Endeavor Nordeste, a new northeastern branch of a Sao Paulo-based nongovernmental organization that promotes entrepreneurship. "It's a new gastronomic center, a tech center, and there's lots of innovation and international money coming in."

In the last 12 years, unemployment in the Recife metropolitan area dropped from about 14% to 6.2%, and the population of the city grew 8% to more than 1.5 million during roughly the same period. The city has been a beneficiary of the growth that has powered the country's economy for a decade and pushed migration into parts of the country that had languished for a century.

When Luiz Inacio Lula da Silva became president in 2003, he instituted a set of social programs that predominantly benefited the impoverished northeastern states, which had lost much of their economic relevance of the 19th century, when slave plantations were central to the country's growth. As a youth, Lula made the weeks-long journey on the back of a truck from the woods of Pernambuco to Sao Paulo, where he eventually found a job as a metalworker.

The billions of dollars in government investments and projects have made the northeast — home to nine states and 50 million people — the fastest-growing population center in Brazil's economic success story, which recently helped the country overtake Britain to become the world's sixth-largest economy.

The northeast has grown four times as fast as the richer states of Sao Paulo and Rio, said Marcelo Neri, a Brazilian demographics specialist.

The distribution of wealth has improved across classes, and millions of people have moved from poverty into the middle class, he said.

"This is the first decade in recorded history that net migration from the country to the big cities has basically stopped," Neri said. "It's remarkable. This is still a very unequal country, but we are one of a very few countries these days that can say that inequality is falling."

Some Brazilians are moving around the countryside to take advantage of an agricultural industry that is profiting from selling soybeans and other commodities to China. The related jobs range from business experts familiar with specialized agribusiness techniques to laborers who hack away brush before seeds are planted.

Some Brazilians are moving to newly revitalized urban centers such as Recife or Fortaleza to work in construction, infrastructure or oil refining. And some are leaving the crime-ridden slums of Rio for jobs in their families' home regions.

The balance has shifted so far that many who traditionally would have taken high-paying professional jobs in the southeast are heading to places like Recife instead.

Sergio Silvino, a native of Sao Paulo who moved to Recife in 2010, was happily surprised to find a job as an engineer on a huge construction site.

"I didn't think there were any opportunities up here. But then I got wind that there were job openings, and I ended up with a position that paid much better than I could have gotten in Rio," Silvino said. "Now I see people here from all over the country, and it's very tough to find anyone without a job."

Since President Dilma Rousseff, Lula's handpicked successor, took over in January 2011, growth has continued apace, surprising many of those who grew up in the area or arrived more recently.

"If you would have asked me at the beginning of my college term, I would have said I wanted to leave Pernambuco," said Jorge Diogo Souza Costa, a business student who moved to Recife from a small town in the interior of the state so he could attend a decent high school. "But now I want to stay. We have the refineries, the port projects, shipbuilding and the pharmaceutical and tech industries now. It's just obvious that our time has come."

Bevins is a special correspondent.

--
http://articles.latimes.com/2012/may...ation-20120524
jmascena no está en línea   Reply With Quote

Sponsored Links
 
Old June 7th, 2012, 06:28 AM   #442
jmascena
Registered User
 
jmascena's Avatar
 
Join Date: May 2007
Location: Recife
Posts: 3,070
Likes (Received): 507

Suape replanta 2,5 mil hectares
06/06/2012 02:03 - TATIANA NOTARO

Arthur Mota

CAMPOS salientou recomposição de danos ambientais
O governador Eduardo Campos aproveitou o Dia do Meio Ambiente, ontem, para assinar o decreto que cria a maior área de replantio de Mata Atlântica do Estado, a Unidade de Conservação - Estação Ecológica de Bita e Utinga. Mudas de cerca de 70 espécies do bioma vão ocupar 2,5 mil hectares dentro da área do Complexo Industrial Portuário de Suape. “Estamos recompondo o conjunto de danos causados durante anos, devolvendo a Mata Atlântica onde só havia cana. Suape deseja mostrar que é possível aliar crescimento e sustentabilidade”, destacou Campos.

De acordo com o secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Sergio Xavier, com o replantio de 240 hectares de Mata Atlântica, nove hectares de mangue e 19 hectares de restinga, “o passivo ambiental do Complexo zerou do ponto de vista de obrigações”. Xavier referiu-se ao acúmulo de área desmatada que Suape manteve por 30 anos, sem reposição. “No ano passado, pela primeira vez, Suape teve superavit verde. Ou seja, plantamos mais que desmatamos”, declarou. O secretário também disse que o Estado já implantou duas unidades de preservação da caatinga, nos municípios de Serra Talhada e Floresta.

Para o economista e ambientalista Clóvis Cavalcanti é “muito estranho” que se fale em “zerar passivo ambiental” quando se trata de um problema acumulado ao longo de 30 anos. “Você não vai conseguir resolver assim. As espécies que foram destruídas ali não vão reaparecer nunca mais. Você pode dizer que houve uma compensação, mas só até certo ponto”, contrapôs. “As plantas são apenas um ponto. Compensação envolve solo, água, espécies animais”, explicou.

PE-60

Ontem, o governador também inaugurou do trecho duplicado da PE-60 e os três viadutos construídos na via, na entrada do Complexo de Suape, que recebeu investimento total de R$ 73 milhões, atendendo ao fluxo diário de 42 mil veículos. O secretário de Transportes Isaltino Nascimento, ressaltou a importância da via tanto para Suape quanto para o turismo e lembrou outros projetos do setor, como a duplicação da PE-28, que deve ficar pronta este ano, e a conclusão da PE-42, entregue no ano passado. “Há também a duplicação da estrada que segue de Porto de Galinhas até São José da Coroa Grande, na divisa com Alagoas”.

--
http://www.folhape.com.br/cms/opencm...2012/0030.html
jmascena no está en línea   Reply With Quote
Old June 30th, 2012, 08:09 PM   #443
jmascena
Registered User
 
jmascena's Avatar
 
Join Date: May 2007
Location: Recife
Posts: 3,070
Likes (Received): 507

IHIMU, controlada pelo grupo japonês Mitsui, é o novo parceiro tecnológico do Atlântico Sul
Estaleiro pernambucano divulgou nota confirmando a contratação. IHIMU será o estaleiro consultor e prestará serviços de consultoria técnica para todas as embarcações, incluindo as sondas

Micheline Batista
Publicação: 28/06/2012 18:16 Atualização: 28/06/2012 19:45


Confirmado: a IHI Marine United Inc. (IHIMU), divisão de construção naval offshore da Ishikawajima-Harima Heavy Industries, controlada pelo grupo japonês Mitsui, é o novo parceiro tecnológico do Estaleiro Atlântico Sul (EAS), em Suape. A notícia da assinatura do contrato foi oficializada na tarde desta quinta-feira (28).

De acordo com a nota distribuída à imprensa, a IHIMU será o chamado consultant shipyard (estaleiro consultor) e prestará serviços de consultoria técnica de operações para todas as embarcações produzidas no EAS, incluindo os navios-sondas contratadas pela Petrobras por intermédio da Sete Brasil.

A contratação de um novo parceiro tecnológico era esperada desde março, quando a Samsung Heavy Industries (SHI), que detinha 6% da sociedade do EAS, decidiu se retirar do negócio. O contrato entre as duas empresas garantia assistência para apenas seis das 22 embarcações encomendadas pela Transpetro. Em maio, a subsidiária da Petrobras decidiu suspender os contratos dos 16 navios sem assistência e deu um prazo até 30 de agosto para o EAS apresentar um novo parceiro.

Leia abaixo a íntegra da nota do EAS:
“Única empresa do país a figurar no seleto time de plantas navais de 4ª geração, o Estaleiro Atlântico Sul (EAS), instalado no Complexo Industrial Portuário de Suape (Ipojuca, Pernambuco), tem um novo parceiro tecnológico. O contrato foi assinado com a IHI Marine United Inc. (IHIMU) - Divisão de Construção Naval Offshore da Ishikawajima-Harima Heavy Industries, sediada no Japão e controlada pelo grupo Mitsui. A IHIMU será o chamado consultant shipyard (estaleiro consultor) do EAS e prestará serviços de consultoria técnica de operações para todas as embarcações produzidas no EAS, incluindo os drill ships (navios-sondas).

A IHIMU tem pleno conhecimento do mercado brasileiro, graças à experiência adquirida por meio da gestão e operação do estaleiro Ishibras, que atuou durante 35 anos no País, utilizando avançado know-how japonês de construção naval. Ao longo desse período, a Ishibras deu uma contribuição decisiva para o desenvolvimento e expansão do setor no Brasil.

Em relação às sondas, o EAS tem um contrato com a norueguesa LMG Marin, já em execução, para o fornecimento do projeto básico e detalhamento das embarcações. A LMG está entre as líderes, no mercado europeu, no segmento de arquitetura e engenharia naval, tendo sólida atuação na região do Mar do Norte.

Maior e mais moderno player do setor de construção naval e offshore em operação no Brasil, o EAS é pioneiro na retomada da indústria brasileira, após 20 anos de crise do setor no País. Também é responsável pela criação de uma nova fronteira do setor no Brasil, ao se instalar na região Nordeste.”
--
http://www.diariodepernambuco.com.br...tico-sul.shtml
jmascena no está en línea   Reply With Quote
Old June 30th, 2012, 08:21 PM   #444
jmascena
Registered User
 
jmascena's Avatar
 
Join Date: May 2007
Location: Recife
Posts: 3,070
Likes (Received): 507

Investimento no Promar será ampliado



As acionistas STX Norway Offshore e PJMR Empreendimentos LTDA vão ampliar os investimentos no Estaleiro Promar S.A., empreendimento em instalação na ilha de Tatuoca, na zona industrial portuária do Complexo de Suape. Dos R$ 170 milhões iniciais, a cifra passará a R$ 205 milhões, valor já aprovado pelo Fundo da Marinha Mercante e que aguarda aprovação do órgão financiador do estaleiro, o Banco do Brasil (BB). O aumento, disse o diretor da STX OSV, Dail Cardoso, está relacionado a melhorias e complementos feitos ao projeto básico. Vizinho ao Estaleiro Atlântico Sul, o Promar deve começar a cortar a chapa de seu primeiro navio em maio de 2013 e, prevê a direção, estará totalmente concluído no segundo semestre do mesmo ano.

Segundo estaleiro de Pernambuco, o Promar tem oito navios gaseiros encomendados pelo Programa de Modernização da Frota (Promef) da Transpetro (empresa logística da Petrobras), total avaliado em US$ 536 milhões (R$ 995 milhões, na cotação de ontem). Estrategicamente, o primeiro deles já está em fabricação no Rio de Janeiro – é também o primeiro do tipo fabricado pelo grupo no Brasil. De acordo com Cardoso, um consórcio com o estaleiro CGU, no Rio, está fabricando o casco.O diretor disse que a obra do Promar está dentro do cronograma da empresa, depois de entraves (principalmente ambientais) que retardaram seu início. A terraplanagem (com supressão vegetal de mangue e restinga) foi iniciada pelo Complexo de Suape em novembro de 2011. Estando as estruturas da oficina de corte de aço, jateamento de pintura e pátio de aço concluídas, começa o corte do segundo navio da encomenda. No calendário dessa embarcação, a batida de quilha (batismo) está programada para outubro de 2013 e o lançamento ao mar, entre março e abril de 2014.

Iniciar a encomenda do Promef no Rio de Janeiro faz parte de uma “estratégia de antecipação” da STX OSV (empresa de capital coreano). “Dessa forma, atendemos à Transpetro de um lado e abrimos frente para encomendas de outros tipos de embarcações sem afetar o calendário”, descreveu. Os gaseiros do Promef são embarcações com cerca de 150 metros de comprimento. Na encomenda do Promef, há três tamanhos, de dois mil metros cúbicos (m³) de capacidade, sete mil m³ e 12 mil m³.

Cardoso explica que o foco é o mercado de navios especiais, de apoio à exploração de petróleo. Por aí seguirão os negócios do Promar, depois dos gaseiros. “São navios que têm bastante tecnologia embarcada e várias aplicações, desde os transportadores de materiais até manuseios de âncoras e construção subaquática”, detalhou. Em geral, essas embarcações são construídas para clientes da Petrobras, mas a STX tem amplo mercado internacional.

FOLHA-PE

--
http://pedesenvolvimento.com/2012/06...-ser-ampliado/
jmascena no está en línea   Reply With Quote
Old June 30th, 2012, 08:31 PM   #445
jmascena
Registered User
 
jmascena's Avatar
 
Join Date: May 2007
Location: Recife
Posts: 3,070
Likes (Received): 507

Litoral Sul terá grande complexo de viadutos de 4 km
Serão 14 acessos e saídas nos elevados, um conceito similar ao do Judge Harry Pregerson Interchange, em Los Angeles
Publicado em 28/06/2012, às 08h41
Giovanni Sandes


Conceito será semelhante ao complexo de viaduto existente em Los Angeles

O Litoral Sul receberá um grande complexo de viadutos, um conceito similar ao do Judge Harry Pregerson Interchange, em Los Angeles, nos Estados Unidos, conhecido em todo o mundo. O complexo pernambucano é previsto para ser implantado no Cabo de Santo Agostinho, em frente ao Hospital Dom Hélder. O projeto é tão grande que os elevados somarão 4 quilômetros em 12 alças e duas pontas do eixo principal, totalizando 14 entradas e saídas.

O complexo de viadutos estará em uma das entradas da Via Expressa, nome de um sistema viário que mesclará acesso ao Complexo Industrial Portuário de Suape e um caminho alternativo a Porto de Galinhas, em Ipojuca. As obras e a operação futura da Via Expressa, segundo pedágio de Pernambuco, estão a cargo da Concessionária Rota do Atlântico (CRA), em uma concessão de 35 anos e R$ 450 milhões de investimentos em obras, manutenção e conservação. Nos primeiros 24 meses de contrato, serão investidos R$ 225 milhões.

Presidente da CRA, Júlio Perdigão, prefere falar pouco sobre o projeto, que depende de autorização do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) por haver previsão de alças de acesso nos dois sentidos da BR-101. Também por isso a concessionária prefere não disponibilizar ainda uma imagem de esboço do complexo viário.

“"Será um viaduto grande, com várias alças, uma para quem está indo ao Cabo de Santo Agostinho pela PE-60, a outra para quem está vindo, outra na BR-101 indo, mais uma voltando, outra para quem está vindo de Pontezinha (Distrito do Cabo)... Enfim, será um complexo grande"”, afirma o secretário de Desenvolvimento Econômico e presidente de Suape, Frederico Amâncio.

De uma forma geral, Júlio Perdigão comenta que fazer projeções de tráfego em todo o sistema da Via Expressa foi uma tarefa difícil, especialmente porque o sistema será diretamente conectado com o Arco Metropolitano, uma outra concessão rodoviária em fase de validação de estudos, dentro do governo.

A proposta de juntar o Arco e a Via Expressa pode criar um grande corredor ligando o Litoral Norte diretamente a Suape e às praias do Litoral Sul, evitando o trânsito caótico e esgotado do trecho urbano da BR-101.

Ainda não há definição sobre o Arco, mas pelo formato atual do projeto, ele terá cerca de 80 quilômetros e começará em Itapissuma, próximo à fábrica da Ambev. O ponto de partida será o início na PE-41 e a rodovia vai desembocar exatamente no complexo de viadutos em frente ao Hospital Dom Hélder, o início da Via Expressa.

O projeto do Arco foi estudado como uma possível nova parceria público-privada (PPP) do governo estadual e seu orçamento inicial era estimado em R$ 1,8 bilhão. Os estudos da PPP foram conduzidos pelas duas empresas que compõem o Consórcio Rota do Atlântico – a Odebrecht e a Invepar – mais a Queiroz Galvão.

Conciliar o possível traçado do Arco Metropolitano com a Via Expressa exigiu um esforço adicional na projeção do futuro tráfego de veículos no sistema viário atualmente em construção em Suape. O complexo de viadutos terá que conseguir absorver milhares de veículos entrando e saindo da Via Expressa nas mais diferentes direções.

“"Isso aumentou a complexidade da Via Expressa. Precisamos harmonizar o tráfego de muitas rodovias diferentes. Para isso, contratamos até uma empresa portuguesa, a Via Ponte”", comenta Perdigão.

A concessionária já iniciou o processo de licenciamento do complexo de viadutos na Agência Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (CPRH) e espera começar as obras em setembro que vem, para entregar tudo em novembro de 2013.

"“Gostaríamos de entregar a Via Expressa no verão de 2012, mas isso era um desejo nosso, não significa o mínimo atraso. O prazo contratual é concluir o sistema em novembro de 2013”", diz Júlio Perdigão.

Em valores originais previstos no contrato, cifras ainda não corrigidas, a Via Expressa terá um pedágio inicial de R$ 3 e, quando todo o sistema estiver pronto, subirá para R$ 4,35.

O pedágio do Paiva, o primeiro a operar em Pernambuco, atualmente tem preço de referência (para carros de passeio) de R$ 4,10, em dias de semana.

O Arco Metropolitano deve ser o terceiro pedágio do Estado, confirma Amâncio. Como a obra ainda está em estudos, por enquanto ainda não é possível falar em valores do pedágio.

--
http://jconline.ne10.uol.com.br/cana...4-km-47164.php
jmascena no está en línea   Reply With Quote
Old June 30th, 2012, 08:40 PM   #446
jmascena
Registered User
 
jmascena's Avatar
 
Join Date: May 2007
Location: Recife
Posts: 3,070
Likes (Received): 507

Suape obrigado a prestar ajuda a pescadores do Cabo de Santo Agostinho
Associados vão receber cesta de R$ 79 e ajuda financeira de R$ 400 por três meses

Publicado em 30/06/2012, às 07h00
Adriana Guarda

A diretoria do Porto de Suape vai pagar, durante um período de três meses, uma cesta básica no valor de R$ 79 e uma ajuda financeira de R$ 400 a 66 pescadores da Colônia Z-8 da Praia de Gaibu, no Cabo de Santo Agostinho. O acordo judicial foi homologado este mês, na 3ª Vara Federal da Seção Judiciária de Pernambuco, pelo juiz federal Cláudio Kitner. O pagamento é uma medida provisória até que Suape conclua e apresente estudos para mitigar os prejuízos sociais e financeiros causados aos pescadores, em função das dragagens realizadas no porto para permitir a instalação dos estaleiros.

Os pescadores reclamam que as dragagens provocaram uma redução de até 70% na pesca e oficializaram uma denúncia no Ministério Público Federal (MPF), que ingressou com uma ação civil pública contra o Complexo de Suape e a Agência Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (CPRH).

O pescador associado à Colônia Z-8, Ednaldo Rodrigues de Freitas (conhecido como Nal), diz que o desmatamento do mangue e destruição dos cabeços (arrecifes) provocada pelo descarte dos sedimentos da dragagem está matando, prejudicando a reprodução e forçando a fuga dos peixes. “Nos bons tempos a gente conseguia tirar até 100 quilos de peixes por dia. Agora se conseguir 30 quilos é muito. Os restaurantes e os próprios turistas e frequentadores das praias reclamam da falta de produto fresco, que escasseou. Eu, por exemplo, deixei de fornecer aos clientes de bares e restaurantes porque não tenho mais volume. Vendo direto ao consumidor”, conta Nal.

O presidente da Colônia Z-8, Laílson Evangelista de Souza (Pio), lembra que essa ajuda de custo paliativa começou a ser paga este ano. Entre fevereiro e maio, Suape estava pagando uma cesta básica no valor de R$ 69 e uma ajuda financeira de R$ 311. “Essa ajuda apenas evita que a gente morra de fome, mas não resolve nosso problema. Queremos uma solução definitiva para a recuperação da pesca”, cobra.

“Numa das audiências que tivemos, o juiz perguntou se Suape não tinha como conseguir trabalho no porto para a gente. Eles precisam entender que somos da cultura secular da pesca. Não queremos sair da nossa atividade para ser pedreiro ou soldador”, reclama o pescador Sinval Calixto, na atividade desde os 9 anos.

A diretoria de Suape diz que está construindo uma proposta, dentro da filosofia do programa Suape Sustentável, que acabou de completar um ano de criação. A ideia é contribuir com o projeto de pesca artesanal, que vem sendo desenvolvido pelo governo do Estado. “Estamos trabalhando para que isso aconteça o mais rápido possível e com uma solução permanente para os pescadores da região. Enquanto isso, Suape continua pagando o auxílio aos pescadores, até que a solução definitiva seja validada e implementada”, diz, por meio de sua assessoria de comunicação.



--
http://jconline.ne10.uol.com.br/cana...nho--47413.php
jmascena no está en línea   Reply With Quote
Old June 30th, 2012, 08:45 PM   #447
jmascena
Registered User
 
jmascena's Avatar
 
Join Date: May 2007
Location: Recife
Posts: 3,070
Likes (Received): 507

Plano para evitar efeitos colaterais de Suape não sai do papel
Há quatro anos projeto era criado, mas até agora nada do que foi prometido foi feito
Publicado em 23/06/2012, às 19h26
Adriana Guarda


Investimento é essencial, mas também afeta cidades
Foto: Arnaldo Carvalho/JC Imagem


Criado em 2006 para planejar o desenvolvimento da região e evitar os impactos negativos da chegada de grandes empreendimentos no Complexo de Suape, o projeto do Território Estratégico de Suape não deslanchou. Integrado pelos municípios do Cabo de Santo Agostinho, Ipojuca, Jaboatão dos Guararapes, Escada, Moreno, Ribeirão e Sirinhaém, o território convive com as benesses e as agruras de abrigar na vizinhança o maior polo de desenvolvimento de Pernambuco, com investimento estimado em R$ 35 bilhões.

Nos últimos quatro anos (uma gestão municipal inteira), o programa enfrentou entraves burocráticos e não saiu da fase de planejamento. Agora, com as eleições municipais e a troca de vários prefeitos, o projeto sofrerá um novo freio, até que todos tomem pé do programa para voltar a movimentar a engrenagem. O programa conta com apoio do Banco Nacional de desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) que vai investir R$ 11 milhões para financiar o programa de controle urbano e ambiental em cinco municípios do território (excluindo Sirinhaém e Ribeirão, que ingressaram depois).

No próximo sábado completa um ano da assinatura do convênio entre o BNDES e as prefeituras, mas ainda há pouco a comemorar. Coordenado pela Agência de Planejamento de Pernambuco (Condepe/Fidem), o projeto está em fase de montagem da infraestrutura e de um complexo sistema de informação, que vai unificar os dados municipais.

O presidente da Condepe/Fidem, Antônio Alexandre da Silva, explica que o objetivo da iniciativa é promover a ocupação ordenada do território de Suape, evitando danos sociais e ambientais.
A demora na implantação do programa perdeu o timing de caráter preventivo. Os municípios do Cabo e de Ipojuca sofrem influência direta da presença de 70 mil pessoas trabalhando em Suape. Se por um lado os empreendimentos movimentam a economia em ritmo acelerado, por outro trazem uma série de demandas sociais, como habitação, mobilidade, saúde, segurança e meio ambiente.

“Os empreendimentos chegam numa velocidade diferente das ações. É difícil acompanhar, mas parte desses trabalhadores são uma população flutuante. Muitos vão embora depois e a nossa expectativa é conseguir dar conta da ocupação permanente”, diz Silva.

Até agosto, a estimativa é que o BNDES faça a liberação de R$ 5 milhões para o programa. Até agora não houve nenhum grande desembolso. De acordo com a Condepe/Fidem estão sendo equipado e montado um núcleo central do programa na Agência e as estruturas locais nos municípios. A compra de veículos para realizar o trabalho de campo de controle urbano e ambiental está em fase de licitação. A ideia é evitar o surgimento de invasões e o agravamento dos impactos ambientais no território.

OUTRO PROJETO - O programa Suape Sustentável também completa um ano de aniversário. Idealizado pelo governo de Pernambuco, a proposta é desenvolver uma gestão integrada incluindo administração estadual e municipal, empresas e academia. A iniciativa aproveitou algumas ações que já estavam em curso e incluiu outras para encorpar o projeto. O vice-presidente do Complexo de Suape, Frederico Amâncio, diz que o programa foi dividido em ações imediatas e prioritárias. “Algumas ações precisavam ser desenvolvidas em caráter de urgência e outras precisavam ser elaboradas”, observa.



Na lista de ações imediatas ele cita a construção da agrovila Nova Tatuoca, prometida desde 2007 aos moradores da Ilha de Tatuoca (onde está instalado o polo naval), mas empacada há 4 anos. Os ilhéus terão que deixar o local para dar lugar aos estaleiros e serão deslocados para um condomínio com 71 casas construído pelo governo. Amâncio garante que a vila será totalmente entregue até o final de março de 2013, mas que as primeiras casas serão concluídas e entregues em dezembro deste ano.

Na área ambiental, Suape comemora a criação da Unidade de Conservação de Bita e Utinga, que vai recuperar 2.400 hectares de mata atlântica. “Outro avanço foi a publicação do Plano Diretor do Porto de Suape, que ampliou de 48% para 59% a área destinada à previsão ambiental no complexo”, destaca.

No balanço das ações para melhorar a mobilidade, Amâncio destaca a conclusão da duplicação de quatro quilômetros da PE-60 até o porto, além da construção de três viadutos.

PRIORITÁRIAS - Dentre os projetos mais estruturadores está a construção do Centro de Tecnologia Ambiental (CTA), que se arrasta há alguns anos. O executivo afirma que falta apenas fechar o financiamento de R$ 17 milhões com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para tocar o projeto. Ainda na área ambiental também serão criadas mais duas unidades de conservação ambiental.

“Na questão de mobilidade contratamos uma empresa para apresentar propostas para a reforma da Estação de Trem de Massangana, em Suape, e a chegada do VLT até o complexo. As propostas estão prontas para definição do governador”, diz.

--
http://jconline.ne10.uol.com.br/cana...apel-46663.php
jmascena no está en línea   Reply With Quote
Old June 30th, 2012, 08:48 PM   #448
jmascena
Registered User
 
jmascena's Avatar
 
Join Date: May 2007
Location: Recife
Posts: 3,070
Likes (Received): 507

Operários de Suape, PE, voltam ao trabalho depois de 1 semana de greve
Funcionários da Odebrecht estavam paralisados desde o dia 18.
Eles pediam melhores condições de trabalho e pagamento de adicional.


Os trabalhadores do grupo Odebrecht, que estavam em greve desde o dia 18 de junho, retornaram às atividades nas obras do Porto de Suape, em Ipojuca, Região Metropolitana do Recife, nesta terça-feira (26). O grupo de cerca de 8 mil funcionários, que atuam nas plantas da Petoquímica Suape, pediam melhores condições de trabalho e o pagamento do adicional de 30% por periculosidade.

De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Construção de Estradas, Pavimentação e Obras de Terraplanagem no Estado de Pernambuxo (Sintepav-PE), o grupo se reuniu com representantes da Odebrecht, entrando em acordo no dia 22 de junho. Segundo o assessor do Sintepav-PE, Rogério Rocha, os trabalhadores retornam às obras sem perda de salário, tendo apenas que compensar um dos dias de greve, durante um sábado.

A advogada do Sindicato Nacional da Indústria da Construção Pesada (Sinicom), Margareth Rubem, disse ainda que o grupo fez um acordo com os operários sobre futuras greves. “É uma cláusula de paz, que vale até 31 de dezembro. Nela foi acordado que os trabalhadores não farão greve antes de esgotar todas as negociações. Se eles fizerem greve antes disso, será descontado do salário”, explicou.

Entenda a greve

O movimento grevista teria começado, segundo o Sintepav-PE com os funcionários da Planta de Ácido Tereftálico (PTA), que é a principal matéria-prima para a produção do poliéster têxtil, resinas PET, filmes fotográficos, embalagens, entre outros produtos.
Eles passaram a reivindicar o pagamento do adicional de periculosidade depois que foi ligada alta-tensão na subestação das obras da PTA, em novembro de 2011. Desde então, os funcionários do setor elétrico reivindicavam esses benefícios. Em negociação com a empresa, eles tinham começado a definir que grupos teriam direito ao benefício e a partir de quando.
Entretanto, os funcionários das unidades de POY, que é utilizado na fabricação de tecidos e malhas, e de PET, resina para embalagens plásticas, passaram a também cobrar o adicional de periculosidade. Apesar de as duas unidades não possuírem setores de alta-tensão, os funcionários acreditavam que também deviam receber o benefício. Os trabalhadores acabaram deflagrando a greve em conjunto, paralisando todas as obras da Petroquímica.

Em paralelo, os operários do Consórcio Cabeços, formado pelas empresas Andrade Gutierrez e OAS e que atua nas obras de proteção e da abertura dos arrecifes de acesso ao porto interno de Suape, resolveram cruzar os braços após um acidente que aconteceu neste mês, e resultou na morte de um trabalhador. O homem faleceu em uma obra de ampliação do canal de atracação do porto. Ele estava em uma balsa, quando a máquina tombou e ele morreu no local. O grupo chegou a um acordo na última quarta-feira (20), voltando ao trabalho.

--
http://g1.globo.com/pernambuco/notic...-de-greve.html
jmascena no está en línea   Reply With Quote
Old June 30th, 2012, 08:49 PM   #449
jmascena
Registered User
 
jmascena's Avatar
 
Join Date: May 2007
Location: Recife
Posts: 3,070
Likes (Received): 507

Portos de Recife e Suape prontos para implatação do Porto sem Papel

28.06.2012
Os portos de Recife e Suape promoveram, na manhã desta quarta-feira (27), na Secretaria de Planejamento e Gestão, um encontro para afinar os últimos detalhes da implantação do projeto Porto Sem Papel (PSP). Os dois terminais pernambucanos começam operar fazendo uso do Sistema de Informação do PSP no dia 03 de julho, próxima terça-feira. A data foi definida pela portaria de n° 162 da Secretaria Especial de Portos (SEP) do Governo Federal e publicada no Diário Oficial da União no último dia 15.

“Estamos dando mais um passo para modernizar os portos do Estado. Esse projeto vai proporcionar maior organização e agilidade nos processos de liberação da operação dos navios. Isso significa um salto na qualidade logística no setor portuário do País e aproxima os portos brasileiros dos maiores portos do mundo”, afirmou o Secretário de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco e presidente de Suape, Frederico Amâncio, durante a abertura da reunião, que contou ainda com a participação da diretora-presidente do Porto do Recife, Marta Kümmer.

O Porto sem Papel é um sistema de informação, financiado pela Secretaria Especial de Portos (SEP) e desenvolvido pelo Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro). Através do sistema (denominado Sistema de Informação Concentrador de Dados Portuários) todos os dados necessários para atracação, operação e desatracação dos navios são unificados e disponibilizados para todas as instituições envolvidas na atividade portuária (ANVISA, Marinha, Ministério da Agricultura, Polícia Federal, Receita Federal e a Autoridade Portuária). Essa integração dos órgãos elimina a burocracia, diminui o tempo para obtenção das anuências e, consequentemente, o custo das operações em 25%, segundo estimativa da SEP.

Além da agilidade nas operações, outro atrativo do sistema é e a economia de papel. Para se ter uma ideia, somente no Porto de Santos, primeiro porto a aderir o PSP, cerca de 17,5 toneladas de papel deixarão de ser utilizadas nos processos de liberação das operações dos navios durante um ano. Número que equivale a preservação de 340 árvores de eucaliptos. Com a implantação do projeto em todos os portos brasileiros, a previsão é que 1.100 árvores sejam poupadas por ano.

Os portos de Recife e Suape estão a três meses se preparando para a implantação do Porto sem Papel. O primeiro passo foi dado no dia 26 de março com a apresentação detalhada do projeto no auditório do Porto de Suape. Depois veio a etapa do cadastramento de todos os Agentes Portuários (empresas responsáveis pelo fornecimento das informações dos navios) e dos órgãos anuentes. E por fim, o treinamento.

“Vemos a implantação como um grande avanço. Antes tínhamos que preencher inúmeros documentos, muitas vezes com informações repetidas, e esperar a anuências de cada um dos órgãos competentes. Agora tudo será informatizado e integrado. Menos tempo significa menos custo”, avalia o presidente do Sindicato dos Agentes de Navegação de Pernambuco, Ricardo Von Sohsten.

“A grande novidade desse sistema é a interação entre todos os entes para garantir a eficácia da operação. Fico feliz em ver a presença de todos vocês que vão fazer as coisas acontecerem no dia a dia. O sistema é vasto e atende as especificidades de todos os órgãos. É importante que esse processo aconteça aqui hoje para que dia 03 tenhamos o sistema em pleno funcionamento”, ressaltou o coordenador-geral de Integração de Sistemas de Informação da Presidência da República, José Roberto Bastos Fernandes, representando a SEP.

A SEP investiu R$ 114 milhões no Porto sem Papel e a intenção é que todos os 35 portos brasileiros implantem o projeto até junho de 2013. Até agora, 13 portos já operam com o sistema.

Fonte: Assessoria de Comunicação do Porto do Recife

--
http://www.suape.pe.gov.br/news/matLer.php?id=113
jmascena no está en línea   Reply With Quote
Old June 30th, 2012, 08:55 PM   #450
jmascena
Registered User
 
jmascena's Avatar
 
Join Date: May 2007
Location: Recife
Posts: 3,070
Likes (Received): 507

Suape projeta crescimento a longo prazo
Complexo deve ampliar parceria com Roterdã, o que inclui modelos de negócios

Considerado como uma das locomotivas do desenvolvimento do Estado de Pernambuco, o Complexo Portuário de Suape é, hoje, um dos grandes polos-destinos de investimentos do País. Eleito como melhor infraestrutura portuária em 2011 pela revista inglesa The News Economy, Suape possui localização estratégica. O que o mantém conectado a mais de 160 portos em todos os continentes.

Com grandes obras em andamento, como a construção de novos píeres, rodovias e dragagens, bem como o aprofundamento de seu canal de acesso e a implementação de quatro novos terminais, o complexo faz planos de crescimento sustentável e vislumbra uma parceria com o Porto de Roterdã, o que inclui, novos modelos de negócios.

Seu Plano Diretor 2030, que funciona como uma bússola para seu desenvolvimento, projeta ações a longo prazo como a regularização da atividade industrial nas novas zonas de expansão e regulamentação de atividades previstas na zona central de serviços, bem como a ampliação da zona de proteção ecológica, a ampliação do cluster naval em quase dez vezes para a implantação de novos estaleiros, entre outras. O objetivo é fazer com que Suape desempenhe um papel de destaque ao receber empreendimentos como a Transnordestina e a refinaria Abreu.

Em entrevista exclusiva ao Guia Marítimo, Frederico da Costa Amâncio, vice-presidente do Porto de Suape, diz que o clima por ali é otimista e a expectativa é de crescimento.


Guia Marítimo- Como pode me definir o atual cenário de Suape e suas expectativas de crescimento?

Frederico da Costa Amâncio - Nossa preocupação com as melhorias é muito forte e sempre foi de ter um planejamento de longo prazo com relação ao crescimento do porto e consequentemente de toda a infraestrutura portuária, permitindo cada vez mais a chegada de novos empreendimentos. Para se ter uma ideia, nosso diferencial é que Suape não é só um porto, é um porto e um complexo industrial e já existe um volume de carga no porto, como carga cativa do porto relacionada as cargas industriais que estão dentro do complexo.
Novos empreendimentos grandiosos estão chegando. Hoje são mais de R$ 40 bilhões em investimentos privados dentro do complexo, que vai desde a construção de uma planta petroquímica até a construção da nova refinaria da Petrobras, isso por si só vai fazer com que a operação do porto mais do que triplique.

GM – Para arcar com este crescimento, como o complexo está se organizando?
FCA- Para isso nos últimos anos, o porto fez um grande investimento em infraestrutura Nos últimos três anos, foram alocados mais de R$ 1 bilhão em infraesrutura, o que inclui, dragagem e área retroportuária, pois entendemos que o porto não se faz somente na beira do cais, mas no canal, na retroária e em todos os seus acessos, isso é uma grande preocupação. Hoje, estamos com um programa imenso de obras ocorrendo em Suape, que vão desde , a dragagem do canal de acesso do porto até a ampliação de sua profundidade de – 16 para 20 metros. O objetivo é operar navios de maior porte. Também estamos com uma série de obras viárias, como novo acesso ao porto e novos acessos rodoviários. As obras estão em andamento, algumas finalizando ainda este ano.

GM – No que se refere ao acesso ao complexo, como seguem as melhorias?
FCA- A nova rodovia de acesso exclusivo ao complexo e ao porto, com um total de dez quilômetros, será entregue no primeiro semestre de 2013 e está em pleno vapor. A obra contou com investimentos da ordem de R$ 50 milhões, além do plano de investimento previsto até 2014.

GM – Com todas essas melhorias é de se esperar que também cresça a demanda. Porém, como tornar o transporte marítimo mais atrativo e alcançar uma matriz de transporte linear?
FCA – Hoje é inexplicável a situação que se encontra o transporte por hidrovia e cabotagem. É inexplicável que o Brasil não tenha avançado nesses fatores. Nós precisamos, é chegado o momento, de tomar uma decisão estratégica e não isolada de um órgão. No meu entendimento, tem que ser uma decisão de governo para que se entenda a importância. Hoje a presidência ainda tem uma visão muito forte da importância do modal ferroviário, mas é preciso ter esta visão do modal marítimo. No Brasil, que tem uma costa imensa, portos e operadores capacitados e que podem atender uma demanda e criar uma alternativa de transporte que não seja apenas o rodoviário, é preciso investir nessas alternativas. A cabotagem vai ter um papel fundamental neste processo, até mais forte do que a hidrovia, que não tem condições de ser implantada de imediato. Apenas como uma decisão estratégica, por que precisa sofrer ajustes no marco regulatório.

GM – Até pegando como ponte, e o marco regulatório?
FCA – Existem discussões que o marco regulatório é, efetivamente, importante, como, por exemplo, se entender que a cabotagem para o Brasil, é uma questão estratégica e não só mais uma alternativa de transporte para a melhoria de eficiência e desenvolvimento da nossa infraestrutura portuária. É uma decisão do governo importante, entendemos e acompanhamos o avanço da cabotagem no País, mesmo diante de todas as dificuldades e, em Suape, a cabotagem cresceu no mesmo ritmo que a navegação de longo curso no ano passado. Entretanto, pode crescer muito mais. Um País que chega a uma movimentação como temos tem um potencial imenso e a cabotagem tem papel fundamental neste cenário, assim como o marco regulatório e respectivas discussões fiscais.

GM – Suape firmou uma parceria com o Porto de Roterdã. O que foi absorvido com isso?
FCA – Esta parceria surgiu há alguns anos. Roterdã entrou num processo de internacionalização por entender que as regiões que tinham maior potencial de crescimento já não eram mais nos países da Europa, eram em regiões como Brasil, Ásia e África. Desta forma, eles iniciaram um processo de internacionalização de seus negócios, buscando parcerias em outros países. Em um primeiro momentos eles passaram a identificar os parceiros em diversos portos do mundo. Um deles, identificado com um dos maiores potenciais, foi Suape. Roterdã tem uma das mais modernas infraestruturas do mundo e eles entenderam que no Brasil, Suape é que tem maior potencial de crescimento. Desta forma, eles iniciaram uma aproximação. Em um primeiro momento, nos apoiando e atuando como consultores em nosso plano diretor de negócios, mas isso avançou e, hoje, estamos conversando sobre um possível aprofundamento desta parceria e quem sabe futuramente uma sociedade. Este aprofundamento é possível dentro de modelos de negócios conjuntos , mas é uma conversa que está em andamento, sem nada de concreto.

GM – E no que se refere a uma visão macro, ou seja, sobre a conversa de privatização de portos, qual sua visão?
FCA – Houve uma mudança muito grande com relação aos portos no marco regulatório e, atualmente, a gente pode dizer que, pelo menos em Suape, quase todas as nossas operações são privadas. Suape é um porto público do ponto de vista da gestão da autoridade portuária, mas todas as nossas operações são privadas, então, eu entendo que nós atuamos como uma empresa privada, de forma independente, com operadores privados. Há muita importância da participação do poder público em operações como a dragagem, mas os portos passam a ser gestores da operação portuária e acho que as operações cabe à iniciativa privada. Estamos com um modelo avançado que não precisa ter esta discussão, pois há uma operação privada com face privada.

GM – A exportação e importação continuam crescendo, mesmo que com algumas perdas de ritmo. Podemos dizer que o Brasil não é mais o País do futuro, mas sim do presente?
FCA – O Brasil hoje é um dos países que mais atraem investimentos em todo o mundo. É uma economia reconhecidamente estável e nosso grande diferencial em relação a outras economias que estão, hoje, passando por dificuldades, está relacionada a dependência do comércio exterior. Nós temos uma economia interna muito forte e não dependemos do mercado internacional como outras que sentem mais os reflexos da crise econômica. Isso nos dá força e nos coloca em uma posição privilegiada. Nós sentimos o desaquecimento no comércio internacional, entretanto, continuamos avançando. Em Suape, por exemplo, crescemos 25% em 2011 e, este ano, estamos crescendo mais de 10%, o que mostra bem a nossa expectativa. O Brasil é reconhecido como um país em potencial, o que permite, ainda, a atração de grandes investimentos estrangeiros.

--
http://www.guiamaritimo.com.br/suape...a-longo-prazo/
jmascena no está en línea   Reply With Quote
Old July 2nd, 2012, 06:56 AM   #451
jmascena
Registered User
 
jmascena's Avatar
 
Join Date: May 2007
Location: Recife
Posts: 3,070
Likes (Received): 507

Suape com Centro de Treinamento

O Complexo Industrial Portuário de Suape já está gerindo o Centro de Treinamento que foi construído pelo Estaleiro Atlântico Sul (EAS). Por contrato, o EAS, que investiu R$ 3,5 milhões para erguer a unidade, teria o direito de comandar a escola até março de 2013. Porém, como o programa de formação de mão de obra da empresa já foi concluído, as duas empresas acordaram que o local já poderia ser repassado para a administração de Suape. Agora, a diretoria de Complexo está traçando, junto com o Senai, que ficará responsável pelas capacitações, um cronograma de treinamentos. A ideia é atender as demais empresas instaladas na região. A princípio, a prioridade será dos Estaleiro Promar e CMO. Enquanto as aulas não começam, as empresas que formam o cluster naval estão investindo em outros tipos de desenvolvimento de mão de obra. O Estaleiro Promar, por exemplo, está levando, em agosto, a segunda turma de 50 profissionais, todos de cidades do entorno de Suape, para uma espécie de estágio no estaleiro SXT Niterói, no Rio de Janeiro. Por lá, soldadores, maçariqueiros e montadores irão aprender a soldar com quem já tem experiência, evitando problemas na construção dos navios pernambucanos. É a prova de que, se não houver investimentos - públicos e privados - o crescimento estadual mostrará seus limites.

Balanço - O estaleiro Promar, que está sendo construído pela STX Norway Offshore e PJMR Empreendimentos, conta hoje com 500 trabalhadores atuando nas obras. Quando entrar em operação, no segundo semestre de 2013, o estaleiro terá 1,5 mil funcionários. O investimento no equipamento passou dos R$ 170 milhões iniciais para R$ 205 milhões. Vizinho ao Estaleiro Atlântico Sul, o Promar deve começar a cortar a chapa do primeiro navio em maio de 2013.

--
http://www.folhape.com.br/cms/opencm...ica/index.html
jmascena no está en línea   Reply With Quote
Old July 7th, 2012, 07:34 PM   #452
jmascena
Registered User
 
jmascena's Avatar
 
Join Date: May 2007
Location: Recife
Posts: 3,070
Likes (Received): 507

Primeira carga para CD da Volks chega na segunda
Embarcação abastecerá local com carga de 50 a 150 carros
06/07/2012 02:15 - Juliana Sampaio

Arthur Mota/Arquivo Folha

PÁTIO público de veículos está localizado em Suape

Na próxima segunda-feira, chegará ao Porto de Suape a primeira embarcação para abastecer o Centro de Distribuição (CD) da Volkswagen. A expectativa é de que esta primeira encomenda traga entre 50 e 150 automóveis para o pátio público de veículos, localizado no Complexo Industrial Portuário de Suape. A informação foi confirmada ontem por uma fonte ligada ao setor, encerrando as especulações de que o navio atracaria hoje. Essa movimentação marca o início das operações da montadora alemã no Programa de Desenvolvimento do Setor Automotivo (Prodeauto), conforme foi veiculado com exclusividade pela Folha de Pernambuco em matéria do dia 30 de maio.

No mesmo navio também chegará uma carga rotineira da General Motors (GM). Serão 700 automóveis, entre os modelos Agile e Classic. A fonte não confirmou, entretanto, qual será o veículo trazido pela Volkswagen ao Estado. Isso porque esse transporte vem sendo resguardado a sete chaves tanto pelo Porto de Suape quanto pela Volkswagen. A reportagem entrou em contato com a montadora, que só deve se pronunciar oficialmente acerca do inicio desta operação na segunda quinzena do mês.

O transporte das cargas deve ser realizado pela Tegma, única empresa credenciada para realizar a logística de veículos para o Porto de Suape atualmente. Mesmo porque não haveria tempo hábil de abrir licitação para o credenciamento de uma nova empresa.

O Prodeauto é um incentivo fiscal oferecido às empresas que se instalam no Estado. Os grupos que integram o programa recebem uma redução de 95% do crédito presumido do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). É o caso da Fiat e da Shacman.

O interesse da Volkswagen pelo Estado é antigo. Desde setembro do ano passado, vinha sendo negociada a possibilidade de Pernambuco sediar uma nova fábrica da montadora. A empreitada, contudo, foi cancelada em março deste ano, quando a empresa decidiu investir na expansão da unidade instalada no município de Taubaté, em São Paulo. A ampliação, por sua vez, só deve ter início se a demanda do mercado exigir um incremento na produção. Caso aconteça, a operação está prevista no plano de investimentos da montadora no País até 2016, que é de R$ 8,7 milhões.

--
http://www.folhape.com.br/cms/opencm...2012/0051.html
jmascena no está en línea   Reply With Quote
Old July 7th, 2012, 07:40 PM   #453
jmascena
Registered User
 
jmascena's Avatar
 
Join Date: May 2007
Location: Recife
Posts: 3,070
Likes (Received): 507

Volks vai começar a operar CD em Suape
05/07/2012Indústria, Logística
Navio com 200 Amaroks deve chegar até amanhã. Também está prevista carga com 600 SpaceFox


MICHELINE BATISTA


Pátio de veículos de Suape recebe é ocupado pela GM e deve operar com a Volks até mudança para Cais 4

O centro de distribuição (CD) da Volkswagen no Complexo Industrial Portuário de Suape, em Ipojuca, vai começar a operar. Está prevista a chegada de um navio contendo 200 Amaroks até amanhã, e posteriormente chegarão os primeiros SpaceFox. A mesma embarcação deverá trazer cerca de 600 automóveis Agile e Classic para abastecer o CD da General Motors (GM), que funciona no local desde maio de 2010. As informações são de uma fonte do setor.

Procuradas pela reportagem, nem a Volkswagen do Brasil nem a administração de Suape quiseram comentar o assunto. Entretanto, sabe-se que a empresa alemã está de olho em Suape desde 2008, quando em abril daquele ano um diretor da empresa esteve no Recife e anunciou que a montadora estava estudando a instalação de uma central de distribuição em Pernambuco, para atender ao Norte/Nordeste. Na época, o empreendimento estava orçado em R$ 12 milhões.

A visita foi repetida em maio de 2011. Executivos da Volkswagen sobrevoaram Suape e a área do pátio público de veículos e mais uma vez demonstraram interesse no negócio. A ideia inicial era a de que o CD da Volks dividisse espaço com um futuro CD da Fiat, no segundo pátio público de veículos que Suape está estruturando na retroárea do Cais 4, com quatro hectares. Como esse novo pátio só deve começar a operar no fim deste ano, a Volkswagen deverá utilizar o atual.

O Amarok, assim como o SpaceFox, é produzido na unidade da Volkswagen em General Pacheco, na Argentina, país membro do Mercado Comum do Sul (Mercosul). Entre outros modelos cotados para serem importados via Suape estão o Bora e o Jetta, produzidos no México, por causa do acordo bilateral que garante isenção da taxa de importação de 35%. Outra possibilidade, ainda que distante, é a importação do Touareg dos Estados Unidos.

Pátio

O pátio público de veículos de Suape possui 3,7 hectares e tem capacidade para 1,8 mil veículos, podendo movimentar de 20 mil a 25 mil automóveis por ano. Por enquanto, é ocupado apenas pela GM, que investiu cerca de R$ 30 milhões na operação. A partir de Suape, a montadora norte-americana abastece 49 concessionárias localizadas em Pernambuco e em outros 13 estados do Norte e Nordeste.

Quem presta o serviço logístico no pátio, contratada pela empresa Suape, é a Tegma, sediada em São Bernardo do Campo (SP) e líder no segmento de transporte de veículos zero quilômetro para a indústria automobilística. A tendência é a de que a Tegma continue prestando serviços quando do início de operação dos CDs da Volkswagen e da Fiat.

A operação da Tegma envolve atividades como atracamento dos navios, inspeção, transferência dos carros para o pátio, armazenamento, preparação dos veículos e carregamento, que é o embarque nas carretas. Um trabalho que envolve a mão de obra direta de 45 pessoas e mais cerca de 200 empregos indiretos a cada desembarque (portuários, transporte, logística etc.).

DIÁRIO DE PERNAMBUCO

--
http://pedesenvolvimento.com/2012/07...r-cd-em-suape/
jmascena no está en línea   Reply With Quote
Old July 7th, 2012, 07:49 PM   #454
jmascena
Registered User
 
jmascena's Avatar
 
Join Date: May 2007
Location: Recife
Posts: 3,070
Likes (Received): 507

Italiana estuda Porto do Recife
05/07/2012Indústria Naval e Offshore
INVESTIMENTO Navalmare, que deve instalar estaleiro em Suape, quer iniciar negócio de montar estruturas para plataforma de petróleo

Felipe Lima




O grupo italiano Navalmare, que anunciou, no ano passado, a construção de um estaleiro de R$ 200 milhões em Pernambuco – o quarto do polo naval do Estado – analisa iniciar suas atividades pelo Porto do Recife, de forma provisória. Em vez de fabricar embarcações, irá montar estruturas de alta complexidade usadas em plataformas de exploração de petróleo. Se confirmada, a operação vai representar um investimento de R$ 6 milhões em melhorias na infraestrutura do porto recifense, uma movimentação de US$ 300 milhões em componentes importados e a criação de 150 vagas de emprego diretas.

O secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado, Fred Amâncio, informou que, há cerca de um mês, iniciou as conversas com a Navalmare que culminaram com a oferta de duas áreas para serem exploradas temporariamente: uma em Suape e outra no Porto do Recife. A última, segundo informou o administrador da filial brasileira do grupo italiano, Pedro Agrelli, é a que se mostrou mais preparada para o empreendimento – que já vem sendo chamada de Centro Logístico e de Montagem Naval.

O diretor de operações do porto recifense, Sidnei Aires, explicou que foram oferecidas três áreas para serem arrendadas em um período máximo de três anos: o pátio de número 2, para armazenagem das peças que serão importadas, uma área vizinha a essa, onde poderá ser feito o processo de montagem, e o armazém de número 5, recentemente reformado.

“Oferecemos ainda um espaço para estacionamento de caminhões, já que muitos componentes serão comprados dentro do País e transportados por rodovias. Já tivemos duas reuniões com a Receita Federal e definimos o regime de isenção fiscal para as peças importadas e contamos com uma maior proximidade entre a área de montagem e o berço de atracação de navios que irão trazer insumos e levar as estruturas prontas. Eles estão distantes, no máximo, 150 metros”, elencou Aires.

O maior inimigo da Navalmare é o tempo. Tudo porque a General Electric (GE) venceu uma licitação da Petrobras para construção de seis módulos de compressão de gás e de geração de energia para plataformas de exploração de petróleo que deverão ser todos entregues até 2014. A estatal exige que os produtos tenham 65% de componentes nacionais, o que fez a GE decidir montar as estruturas em território nacional, contratando a Navalmare para a empreitada.

Como a área que irá ocupar com seu estaleiro no Complexo de Suape demanda vários investimentos em infraestrutura e, por isso, levará tempo para ficar pronta, o grupo italiano recorreu à solução provisória no Porto do Recife. “Na próxima semana está agendada a visita de uma comitiva de engenheiros e executivos da Navalmare e GE a Pernambuco para analisar o Porto do Recife e definir o investimento”, declarou Pedro Argelli.

JORNAL DO COMMERCIO

--
http://pedesenvolvimento.com/2012/07...rto-do-recife/
jmascena no está en línea   Reply With Quote
Old July 21st, 2012, 08:23 AM   #455
jmascena
Registered User
 
jmascena's Avatar
 
Join Date: May 2007
Location: Recife
Posts: 3,070
Likes (Received): 507

Oriente de olho na ZPE de Suape
18/07/2012Diversos
Ana Luiza Erthal

Delegação sul coreana se reúne com prefeito para conhecer modelo de funcionamento da ZPE  Ana Luisa Erthal O prefeito de Jaboatão dos Guararapes, Elias Gomes, recebeu em seu gabinete, junto com o secretário de Desen- volvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Turismo, Jackson Rocha, na tarde desta quinta-feira (12/07), técnicos de institutos da Coreia do Sul.

A visita foi para conhecer e trocar informações sobre o modelo de funcionamento da Zona de Processamento de Exportação (ZPE), que em Jaboatão fica na BR 101 Sul. A primeira ZPE na Coreia do Sul foi instalada em 1970. Desde então, o país investe neste modelo de negócio e estreita relações com estruturas de outras nações.


Durante a conversa, o prefeito Elias Gomes deixou claro que o setor é uma prioridade de sua gestão. “A ZPE é uma questão estratégica para o município, por contribuir com o avanço local, além de ser de interesse estadual e nacional”, declarou o gestor. “A Secretaria de Desenvolvimento está empenhada em trazer cada vez mais grupos de investimentos para Jaboatão, como foi o caso da instalação da Novartis, fábrica de vacinas que será construída nas margens da BR-101 Sul, em Comporta, em uma área de 4,5 hectares”, exemplificou Elias Gomes.

A visita dos técnicos é resultado de um memorando de entendimento assinado em Seul, na Coreia do Sul, em 1o de junho deste ano, pelos ministros do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, e da Estratégia e das Finanças da Coreia do Sul, Jaewan Bahk. A finalidade do documento é estreitar a cooperação bilateral nas zonas de livre comércio. De acordo com o memorando, a cooperação bilateral será feita por meio de atividades como: análise das ZPEs do Brasil com o objetivo de avaliar a legislação, características, vantagens e limitações; análise comparativa entre os modelos coreanos de Zonas Econômicas Especiais (ZEE) e o modelo brasileiro de ZPE para promoção das exportações e investimentos em ZPE no Brasil; fomento das micro e pequenas empresas (MPEs) para instalação nas ZPEs do Brasil; e formulação de plano de negócios voltados para as empresas administradoras de ZPE, além de outras atividades como levantamento de informações, estudo piloto e relatórios.

A delegação é formada por técnicos do Instituto Coreano para o Desenvolvimento (Korea Development Institute – KDI), e do Instituto para Economia Industrial e Comércio (Korea Institute for Industrial Economics and Trade – KIET), além de representantes de três universidades da Coreia do Sul: Dongguk University; Hankuk University of Foreign Studies; e Dong-A University. O grupo já visitou as ZPEs de Senador Guiomard (AC), de Bataguassu (MS), de Parnaíba (PI), de Pecém (CE), e de Suape (PE). No final da visita, será realizado, no Rio de Janeiro, um seminário para avaliar o trabalho, que permitirá uma análise comparativa entre os modelos coreanos de Zonas Econômicas Especiais (ZEE) e o modelo brasileiro de ZPE com o objetivo de promover investimentos nessas áreas, no Brasil.

--
http://pedesenvolvimento.com/2012/07...-zpe-de-suape/
jmascena no está en línea   Reply With Quote
Old July 21st, 2012, 08:25 AM   #456
jmascena
Registered User
 
jmascena's Avatar
 
Join Date: May 2007
Location: Recife
Posts: 3,070
Likes (Received): 507

Presidente do BNDES é esperado em Suape hoje
Após deixar Complexo, Coutinho almoçará com Eduardo Campos

20/07/2012 02:02 - ANDRÉ CLEMENTE

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, fará visita ao Complexo Industrial Portuário de Suape hoje, a partir das 10h. Coutinho será recebido pelo presidente do Complexo e secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado, Frederico Amâncio. A prograçamação inclui uma apresentação dos investimentos dentro de Suape e os benefícios para o desenvolvimento do Estado. O fim da manhã destaca, ainda, visita ao prédio da autoridade portuária e aos grandes empreendimentos estruturadores do local, como a PetroquímicaSuape, a Refinaria Abreu e Lima (Rnest) e ao Estaleiro Atlântico Sul (EAS). Em seguida, o presidente do banco retorna ao Recife, onde será recebido pelo Governador do Estado, Eduardo Campos, para um almoço na atual sede do Governo, o Centro de Convenções de Pernambuco (Cecon).

Na última quarta-feira, o Governo do Estado destrinchou o destino dos recursos solicitados na forma de linha de financiamento ao BNDES. A carta-consulta, entregue pelo próprio governador Eduardo Campos ao presidente do banco, prevê subsídios na ordem de R$ 1,069 bilhão, cuja aplicação será no reforço de projetos de obras estruturadoras em andamento.

O subsídio do BNDES será utilizado em seis grandes obras: conservação e recuperação de 39 estradas distribuídas em toda a região de desenvolvimento do Estado (R$ 500 milhões); construção de sete Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) especialidades, no Interior e na Região Metropolitana (R$ 70 milhões); execução do projeto de recursos hídricos do Estado, com a implementação de novas barragens na Zona da Mata Sul (R$ 160 milhões); reforma da terceira etapa do complexo de esportes do Centro Santos Dumont (R$ 102,5 milhões); construção do Complexo Prisional de Araçoiaba (R$ 102,5 milhões); além de um aporte de R$ 65 milhões para a capitalização da Agência de Fomento do Estado de Pernambuco (Agefepe).

O BNDES informou, por meio de assessoria de Imprensa, que, agora, a carta-consulta está em processo de análise para a confirmação dos padrões de enquadramento do plano de financiamento do banco, trâmite normal para procedimentos do tipo.

--
http://www.folhape.com.br/cms/opencm...2012/0079.html
jmascena no está en línea   Reply With Quote
Old July 21st, 2012, 08:29 AM   #457
jmascena
Registered User
 
jmascena's Avatar
 
Join Date: May 2007
Location: Recife
Posts: 3,070
Likes (Received): 507

Megalomania pernambucana



Pernambucano adora uma megalomania. Tem a maior feira livre do mundo (em Caruaru), o maior bloco de carnaval do mundo (Galo da Madrugada). Agora vai ter a mais cara refinaria de petróleo do mundo!

Quando a Petrobras divulgou o novo Plano de Negócios e Gestão para o período 2012-2016, no fim de junho, cravou um novo preço para a Refinaria Abreu e Lima, que está em implantação em Suape.

O custo estimado agora é de US$ 20,1 bilhões. Desse total, US$ 3 bilhões se referem a pleitos ainda em discussão.

O Portal IG trouxe hoje uma matéria dizendo que, sim, a Abreu e Lima caminha para ser a refinaria mais cara do mundo. Mais do que a expansão da unidade de Jamnagar, na Índia, prevista para US$ 16,8 bilhões. Ou o projeto da refinaria Al Zour, da estatal petrolífera do Kuwait (KNP), que ainda não saiu do papel e está orçada em US$ 19 bilhões.

Nunca antes na história deste planeta…

Quando a predra fundamental da refinaria foi lançada, em 2005 (eu estava lá em Suape, cobrindo a cerimônia), a estimativa inicial do investimento era de U$ 2,3 bilhões. Ou seja, em sete anos, o valor foi multiplicado por nove!
Outra prova da megalomania na Refinaria Abreu e Lima – que conta com a sociedade da venezuelana PDVSA (até agora só no papel) – é o elevado custo de produção do barril.
Segundo o levantamento do IG, na refinaria indiana, o custo de processamento é de US$ 10 mil. No projeto da refinaria do Kuwait, ele deve ficar em US$ 30 mil. Já o custo previsto para na Abreu e Lima é de R$ 75 mil. E continua subindo.

Estes números não dá pra gente comemorar.

--
http://blogs.diariodepernambuco.com....nomia/?p=12734
jmascena no está en línea   Reply With Quote
Old July 21st, 2012, 08:33 AM   #458
jmascena
Registered User
 
jmascena's Avatar
 
Join Date: May 2007
Location: Recife
Posts: 3,070
Likes (Received): 507

EAS visto de um ângulo diferente:



--
http://m.leiaja.com.br/carreiras/201...curso-no-japao
jmascena no está en línea   Reply With Quote
Old July 21st, 2012, 08:37 AM   #459
jmascena
Registered User
 
jmascena's Avatar
 
Join Date: May 2007
Location: Recife
Posts: 3,070
Likes (Received): 507

INVESTIMENTOS
BNDES confirma liberação de R$ 1 bi para PE
Coutinho sobrevoou a área da fábrica da Fiat, em Goiana, a Arena da Copa e o Complexo Industrial Portuário de Suape

20/07/2012 19:11 - Do FolhaPE

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, anunciou nesta sexta-feira (20), na sede provisória do Governo, no Centro de Convenções, a liberação de R$ 1,069 bilhão para Pernambuco. O pleito havia sido feito pelo próprio Governador Eduardo Campos na última segunda-feira (16), com a entrega de uma carta-consulta ao banco.

Antes, no final da manhã, Coutinho sobrevoou a área da fábrica da Fiat, em Goiana, a Arena da Copa e o Complexo Industrial Portuário de Suape, visitando ainda o Estaleiro Atlântico Sul e as obras da Refinaria Abreu e Lima. “Eu tenho visitado vários estados e o que vejo aqui é uma verdadeira revolução industrial e com ciclo diferenciado que contempla grandes projetos”, afirmou o presidente do BNDES.

Segundo ele, “se olharmos os últimos cinco anos e os cinco que ainda virão, avistamos uma década de transformações profundas na estrutura econômica pernambucana, que vai alçar o estado a um dos grandes polos industriais e de serviço do Brasil”. “Vamos ajudar a manter o investimento no estado”, explicou.

O empréstimo de R$ 1,069 bilhão é resultado da nova linha de crédito lançada há cerca de um mês pelo Governo Federal para atender todos os Estados: o Pró-investe. Em Pernambuco, a aplicação do montante será no reforço de projetos de obras estruturadoras já em andamento, o que garantiu celeridade à liberação do fundo.

Entre eles estão a conservação e recuperação de 39 estradas distribuídas em toda a região de desenvolvimento do Estado, a construção de sete Unidades de Pronto Atendimento (UPAE) especialidades e a implantação de novas barragens na Mata Sul. A cada ano, Pernambuco vem crescendo o nível de investimentos. Em 2011, somando-se os investimentos públicos e privados, o estado alcançou a marca de R$ 4,6 bilhões, ante 600 milhões realizados em 2006.

O secretário da Fazenda, Paulo Câmara, destacou a importância da iniciativa no momento em que o mundo vive uma desaceleração econômica “Esse valor é para que Pernambuco continue investindo no mesmo patamar. Temos uma meta de R$ 3 bilhões em investimentos para 2012 e de R$ 10 bilhões no total dos quatro anos do segundo Governo Eduardo Campos”, explicou.

Já para a infraestrutura de Suape, de acordo com Coutinho, o BNDS vai disponibilizar, dentro de três semanas, a primeira parcela de R$ 357 milhões, do montante total de R$ 920 milhões previstos. Ainda na carteira de investimentos do BNDES em Pernambuco, há outras duas linhas de crédito em negociação: R$ 423 milhões, voltados para as obras de barragens e das UPAE; e R$ 550 milhões que serão utilizadas nas contrapartidas das obras de mobilidades, a exemplo dos quatro viadutos da Av. Agamenon Magalhães, os corredores Norte-Sul e Leste-Oeste, entre outras.

--
http://www.folhape.com.br/cms/opencm...ubro/1941.html
jmascena no está en línea   Reply With Quote
Old July 21st, 2012, 08:41 AM   #460
jmascena
Registered User
 
jmascena's Avatar
 
Join Date: May 2007
Location: Recife
Posts: 3,070
Likes (Received): 507

R$ 350 milhões nas próximas três semanas
21/07/2012 02:09 -

Outra solicitação do Governo do Estado ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), de R$ 920 milhões do BNDES Estados para projetos no Complexo Industrial Portuário de Suape, também está próxima de ser atendida. Segundo o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, a primeira parte do total da carta-consulta entregue em janeiro será liberada dentro de três semanas. “A contrapartida em obras já foi apresentada pelo Governo. A divisão da verba será de R$ 350 milhões a serem recebidos este ano e o restante (R$ 570 milhões), liberado em 2013”, disse.

O secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado e presidente de Suape, Frederico Amâncio, destacou a demanda de investimentos. “São 12 projetos com atuação mais expressiva em infraestrutura viária e portuária. Os investimentos em Suape são a maior parte para obras de dragagem. Serão realizados reforço dos cabeços, dragagem para o Estaleiro Promar, dragagem dos cais 6, 7, 8 e 9, além do início da dragagem do estaleiro CMO. Essas obras somam quase 80% dos recursos pleiteados junto ao BNDES”, detalhou.

E Pernambuco vem em linha crescente em solicitação de verbas via financiamento. Está entre os primeiros lugares nos créditos ofertados pelo BNDES. Também na instituição, duas outras linhas estão em andamento. “A primeira contempla R$ 550 milhões para o desenvolvimento de obras de mobilidade, como corredores Norte-Sul e Leste-Oeste, viadutos da Agamenon Magalhães, Terminais Integrados, entre outros projetos. Outra linha de financiamento, que está em fase final de análise por parte do banco, é de R$ 423 milhões, destinada para obras de barragens (Recursos Hídricos) e de construção de Unidades de Pronto Atendimento (UPAs)”, pontuou o secretário da Fazenda, Paulo Câmara.

Ainda de acordo com ele, considerando R$ 943 milhões de financiamento com o Banco Mundial (Bird), a serem aplicados em projetos de habitação, saneamento e abastecimento de água, além de projetos em Suape, o Governo do Estado quer chegar ao montante de R$ 10 bilhões aplicados via financiamentos em todo o segundo mandato Eduardo Campos, que vai até 2014.

“Pernambuco passou, nos últimos quatro anos, por uma revolução industrial com a implantação de polos Petroquímico, Naval e Offshore, Automotivo, além de indústrias de grande investimento, como Refinaria e Energia”, ponderou Luciano Coutinho.

--
http://www.folhape.com.br/cms/opencm...2012/0031.html
jmascena no está en línea   Reply With Quote


Reply

Tags
porto

Thread Tools
Rate This Thread
Rate This Thread:

Posting Rules
You may not post new threads
You may not post replies
You may not post attachments
You may not edit your posts

BB code is On
Smilies are On
[IMG] code is On
HTML code is Off



All times are GMT +2. The time now is 12:04 AM.


Powered by vBulletin® Version 3.8.8 Beta 1
Copyright ©2000 - 2014, vBulletin Solutions, Inc.
Feedback Buttons provided by Advanced Post Thanks / Like v3.2.5 (Pro) - vBulletin Mods & Addons Copyright © 2014 DragonByte Technologies Ltd.

vBulletin Optimisation provided by vB Optimise (Pro) - vBulletin Mods & Addons Copyright © 2014 DragonByte Technologies Ltd.

SkyscraperCity ☆ In Urbanity We trust ☆ about us | privacy policy | DMCA policy

Hosted by Blacksun, dedicated to this site too!
Forum server management by DaiTengu