daily menu » rate the banner | guess the city | one on oneforums map | privacy policy | DMCA | news magazine | posting guidelines

Go Back   SkyscraperCity > Latin American & Caribbean Forums > Fóruns Brasileiros > Fóruns Gerais > Mundo Afora



Global Announcement

As a general reminder, please respect others and respect copyrights. Go here to familiarize yourself with our posting policy.


Reply

 
Thread Tools Rating: Thread Rating: 33 votes, 4.88 average.
Old April 28th, 2009, 11:55 PM   #81
Pelha
Registered User
 
Pelha's Avatar
 
Join Date: Aug 2006
Posts: 8,089
Likes (Received): 68

Daqui a uns meses quem vai para Angola sou eu.. da última vez que lá estive era ainda muito pequeno, espero agora assistir a um boom de desenvolvimento..
Pelha no está en línea   Reply With Quote

Sponsored Links
 
Old May 2nd, 2009, 12:04 AM   #82
Matthias Offodile
Registered User
 
Matthias Offodile's Avatar
 
Join Date: Apr 2005
Posts: 28,948
Likes (Received): 2533

O arquitecto angolano Troufa Real quando falava à reportagem da Angop


Quote:

18-04-09



Luanda - O arquitecto angolano Troufa Real considerou hoje (segunda-feira), em Luanda, extraordinária e louvável a iniciativa do Governo de abordar, em conferência abrangente, a problemática da habitação em Angola, com vista a recolha de subsídios para a implementação do Programa Nacional de Urbanismo e Habitação.

O referido programa, apresentado pelo MPLA durante a campanha que culminou com as eleições legislativas de Setembro último, tem como meta a construção de um milhão de habitações nos próximos quatros anos da legislatura.

Em declarações à Angop, advogou a necessidade do envolvimento da sociedade no processo de construção de residências, tendo em conta que esta visa beneficiar os cidadãos angolanos, sobretudo os jovens. "Naturalmente é de louvar o que o Governo fez. Hoje, todo o país está mobilizado nesta iniciativa por ser importante para as pessoas", asseverou.

Segundo salientou, Angola tem vindo a transformar-se nos últimos anos, podendo constatar-se já o seu crescimento social e económico, no, entanto, alertou para o muito que existe ainda por fazer-se, tendo em conta as inovações que vão surgindo com o passar do tempo.

A conferência, com término previsto para as 18h30 de hoje, congrega no Palácio dos Congressos cerca de 700 pessoas, entre deputados, políticos, governantes, entidades religiosas e representantes da sociedade civil.

Sob o lema "Habitação: um desafio para todos", o certame compreende três painéis, designadamente, "Programa de Urbanização para a Promoção Habitacional e Estratégia de Implementação", "Tecnologias Construtivas, Infra-estruturas Básicas e Materiais de

Construção" e "Os Mecanismos de Financiamento do Programa de Desenvolvimento Urbano e Promoção Habitacional".

Promovida pelo Governo de Angola, a "Conferência Nacional Sobre Habitação" insere-se na sua estratégia de implementação do programa Nacional de Urbanismo e Habitação e visa a recolha de opiniões para o êxito dos projectos do executivo sobre o sector imobiliário.
Matthias Offodile no está en línea   Reply With Quote
Old May 2nd, 2009, 02:18 PM   #83
Matthias Offodile
Registered User
 
Matthias Offodile's Avatar
 
Join Date: Apr 2005
Posts: 28,948
Likes (Received): 2533

Angola: Construction of international Lubango airport concludes in May 2010
Quote:

[ 2009-04-23 ]

Lubango, Angola, 23 April – Construction of the Lubango International Airport, in Angola’s Huíla province, begun in February of this year, is 75 percent away from completion, the director of the project, Nívio Novagraf said Tuesday.

The project, which is the responsibility of Brazilian company Andrade Gutierrez and its Portuguese subsidiary Zagope Construções e Engenharia, is expected to cost 62 million euros and includes construction of a new airport apron, a terminal with four lifts, four escalators, construction of car parks and green spaces.

During a visit by the provincial governor of Huíla, Isaac Maria dos Anjos, Novagraf said that reconstruction and widening of the airport’s runway was being concluded and construction of a new aircraft parking area, and the pillars for the passenger terminal and control tower are already up.

According to Novagraf, the work is going well and it first phase, which includes widening the two runways, the passenger terminal, aircraft parking areas and external arrangements, is expected to be handed over at the end of December and its total conclusion is scheduled for May 2010. (macauhub)


Brazil: Brazilian airline Air Puma interested in flying to Luanda


Quote:

[ 2009-04-22 ]

Luanda, Angola, 22 April – Brazilian airline Air Puma is interested in carrying out flights to Luanda as of the end of May, and is now awaiting official authorisation to do so, a source from the Brazilian Tourism Ministry told Angolan news agency Angop Tuesday.

According to the source, the operation by the private airline is now only dependent on authorisation from the Brazilian aeronautical regulator, which is analysing the project in order to give the go ahead for flights to start.

Air Puma’s programme includes flights to link Sao Paulo and Recife to Luanda, initially with two flights per week.

The reason for carrying out this operation in Angola is that most of the Brazilians that travel to Angola live outside Rio de Janeiro, from which flights to Luanda leave, the Tourism Ministry source said.

Around 30,000 Brazilians currently live in Angola
working in various sectors, including construction, in which Brazilian companies Norberto Odebrecht, Queirós Galvão and Andrade Gutierrez work, amongst others, are involved in their own projects, as well as in building and repairing airports, roads and bridges. The numbers are growing steadily.

Puma Air Linhas Aéreas, which uses Embraer 120 aircraft, is a passenger and cargo transport company, with headquarters in Belém, the capital of the northern state of Pará and has been operating since January 2002. (macauhub)



Country's capital to have 25 proximity stores this year

Quote:


4/5/09 2:45 PM

Luanda - A total of 25 proximity stores dubbed "Poupa Lá" will be opened this year in the country's capital, Luanda, under the rogramme of Restructuring the System of Logistics and Supply of Essential Products to the Population (PRESILD), ANGOP learnt on
Saturday from the director of the project's administrative and financial services, Pedro Videira.



Pedro Videira disclosed this information after the opening of the second proximity store that was inaugurated by the governor of Luanda, Francisca do Espírito Santo, in Benfica ward, Samba district.



He also said that the undertaking, covering an area of 250 square metres, has cold storage containers and 400 various products for selling.



Twenty eight jobs, mainly for women, were created with the inauguration of this trade infrastructure.



At the moment Luanda province has three proximity stores, two of which were inaugurated on Saturday in the Benfica and Viana wards. The first is situated in the Morro da Luz zone, also in Samba district.



The "Poupa Lá" stores shall be expanded to every districts of Luanda province.
Matthias Offodile no está en línea   Reply With Quote
Old May 2nd, 2009, 03:35 PM   #84
Matthias Offodile
Registered User
 
Matthias Offodile's Avatar
 
Join Date: Apr 2005
Posts: 28,948
Likes (Received): 2533

Angola: First Angola Business Park launched in Lunda Norte

Quote:

[ 2009-03-26 ]

Luanda, Angola, 26 March – The Drago group has announced the launch on 4 April of the first logistics station integrated in Angola Business Park, a project which includes construction of production centres in all provinces, at an overall investment of some US$700 million.

This Project of the Drago group, which has its headquarters in Luanda, aims to encourage economic and industrial development of the country’s 18 provinces, via the creation of production facilities that attract investors and which support economic activity.

The logistics hubs will be provided with all necessary facilities for development of an industrial city, ranging from factories to hotels, supermarkets, warehouses, offices, container parks, truck stations, heliport, fuel stations and apartments, amongst other support services.

“We are going to offer everything that an investor needs to do business in the provinces,” said Gentil Viana, who is responsible for the Drago group’s Project, which has secured funding from Angolan banks, such as Banco de Desenvolvimento de Angola.

The first park will be called Lunda Norte Business Park and built in the city of Dundo over the next two years. The budget outlined is of US$37 million, the same cost as estimated for the remaining centres, which may vary based on the characteristics of each of the provinces.

Luanda and Huambo are the next provinces to receive a centre.

In the capital, Menha Business Park will be built in an area of 131 hectares, in Kifangondo commune, Cacuaco municipality, and will have a strategic role as it could serve as a platform to distribute production from other centres.


Angola: Brazil’s Odebrecht invests up to US$1 billion

Quote:

[ 2009-03-27 ]

Luanda, Angola, 27 March – Brazilian group Odebrecht plans to invest between US$800 million and US$1 billion in various economic sectors in Angola, the Angola press reported Thursday.

According to Angolan news agency Angop, the investment was confirmed by the company’s chairman, Emílio Odebrecht after a meeting with Angolan President, José Eduardo dos Santos, Wednesday.

In relation to his meeting with dos Santos, Odebrecht told journalists that it served to “provide the President with an account of the things he entrusted to us, not only in the services area, but also in the area of Brazilian investments in Angola.”

At this meeting future cooperation areas were analysed and, consequently, the priorities of the Angolan government, namely creating new jobs.

In 2008, according to the chairman of the Brazilian group, Odebrecht invested heavily in construction, agriculture, real estate, and industry amongst other sectors and based on the “priorities of the government and new investments that we are looking into, all this could be carried out this year.”

Odebnrecht is a Brazilian business group that operates across the world in the constructin and petrochemical sectors. Odebrecht is made up of Odebrecht SA, which manages construction company Construtora Norberto Odebrecht SA, petrochemical company Braskem SA, ETH Bioenergia, Odebrecht Empreendimentos Imobiliários SA, Odebrecht Engenharia Ambiental SA (which operates in the Basic Sanitation and industrial waste treatment segments) and Odebrecht Investimentos em Infra-estruturas Lda.

Construtors Norberto Odebrecht was founded in 1944, in the northeastern Brazilian city of Salvador, by engineer Norberto Odebrecht.
Brazil: Standard Bank wants to expand operations in Brazil and Angola

Quote:

[ 2009-03-20 ]

Accra, Ghana, 20 March- The Standard Bank is looking for acquisition opportunities to expand its operations in Angola and Brazil, amongst other markets, the chiefexecutive of the South African bank said in Accra Thursday.

After recently acquiring 33 percent of Russian bank Troika Dialog, CEO Jacko Maree said he believed that the current recession climate made it possible to make acquisitions at “discount prices.”

The Standard Bank, which has a presence in 17 countries, is now thinking of boosting its presence in markets such as Brazil, Nigeria, Angola, Ghana and Kenya.

"Weare in continuous discussion and in search of targets,” said theCEO in na interview during the launch of afund to support agricultural smallholdings in four African countries.

This is a joint initiative of the bank and the Alliance for the Green Revolution in Africa (AGRA), headed up by the former secretary-general of the United Nations, Kofu Annan.

The fund, which has a total of US$100 million, is aimed at supporting agricultural smallholdings in Ghana, Tanzania, Mozambique and Uganda.

Angola: BCI provides US$400 million to fund private business

Quote:
Soyo, Angola, 18 March – Angola’s Banco de Comércio e Indústria (BCI) plans to provide funding of uS$400 million for investments by small, medium and large Angolan companies, the bank’s chairman, Adriano Pascoal said Tuesday.

Pascoal, who announced the decision during a visit to the municipality of Soyo, said that the BCI planned to support the government’s plan to diversify the Angolan economy via private programmes for the development of fishing, industry and water, amongst other sectors.

“We have to re-launch domestic production, investing in the fishing, industry and agri-livestock sectors in order to reduce dependence on foreign markets,” he noted.

Pascoal said that, as art of the development of the national economy, the Angolan government had recently invested US$350 million, in the agricultural sector alone, for which BCI was available to take part in driving and implementing the programme.

Since July 2008 the BCI has been carrying out another micro-credit distribution campaign across the country, funding the programmes of cooperative and individual organisations, in order to implement the Government’s programme to combat hunger.

As part of its expansion into Zaire province, BCI is focusing on setting up branches in all of its municipalities, giving priority to Soyo, where another branch is expected to be built this year, due to the growth of the market.
Matthias Offodile no está en línea   Reply With Quote
Old May 2nd, 2009, 04:42 PM   #85
Matthias Offodile
Registered User
 
Matthias Offodile's Avatar
 
Join Date: Apr 2005
Posts: 28,948
Likes (Received): 2533

Portugal: AICEP office in Luanda makes it possible to set up companies in Portugal


Quote:

[ 2009-04-28 ]

Lisbon, Portugal, 28 April – The AICEP business centre in Luanda, Angola, will be the agency’s first representative office to allow Portuguese companies to be set up from abroad, the agency’s chairman said Monday.

"The office in Luanda of the Agency for Investment and Foreign Trade is the first of the 48 representations in the AICEP network, in 42 countries, that will house posts to set up companies, allowing for commercial and building registration to support Portuguese companies,” the agency’s chairman Basílio Horta told Portuguese news agency Lusa.

Horta and the chairmen of the Institute of Registration and Notaries, António Figueiredo, and of the National Institute of Intellectual Property, António Campinos, signed two protocols with the aim of the foreign network of AICEP housing posts to set up companies and notary and registration services.
Angola: Over 400 kilometres of road rebuilt in Cabinda

Quote:
[ 2009-04-21 ]

Luanda, Angola, 21 April – The repair of 450 kilometres of primary road network in the Angolan province of Cabinda, started in 2008, is due to be concluded by the end of this year, Angolan news agency Angop reported.

According to the local director of Angola’s Roads Institute (INEA), Adelino Jacinto, most of the roads are currently receiving their final layer of asphalt.

Construction companies Encica, the Mota/Engil consortium and Aerovia are carrying out the repair work on the roads.

For two days, the deputy ministers for Public Works and Youth and Sport, José Joanes André and Jaba Alberto, respectively, visited the region in order to observe the progress of construction of the football stadium where some games of the Africa Cup of Nations (CAN 2010) are due to take place as well as progress on some roads.

Luanda-São Paulo route increasingly important for both countries


Quote:
[ 2009-04-20 ]

Luanda, Angola, 20 Apr – Indifferent to the negative global economic situation, business between Angola and Brazil had its best ever year in 2008 and continues to intensify, with new opportunities opening up in bio-fuels and agri-business.

Of the most recent trade figures between the two countries, the growth in the value of Angolan exports to Brazil is particularly noteworthy – 8.35 percent, to over US$76 million in the first half of the year.

As regards petroleum products, the increase is down to greater quantities, given that prices for these commodities have been falling.

According to Brazil’s Ministry for Industrial Development and Overseas Trade, in 2008 Angola managed to export more to Brazil (US$2.24 billion, more than double the 2007 figure) than it imported (US$1.97 billion).

Portugal continues to be the biggest exporter to Angola.

Today the weight of this transatlantic trade balance is bettered only by the Sino-Angolan trade balance (US$23.5 billion, US$22.3 billion of which is Angolan exports.)

In the first two months of the year, Brazilian exports to Angola rose 36.7 percent, to US$280.5 million, while the total received by the Ministry of Overseas Trade fell by nearly 15 percent.

Brazilian businesspeople already have an association in Angola, Aebran, the president of which, Alberto Ésper recently told local press that direct funding from Brazil for Angolan projects stood in the region of US$2 billion last year.

The growth in business has benefitted from a credit line of US$1.75 billion, via Brazil’s Banco Nacional de Desenvolvimento Económico e Social (BNDES) and also from funding from the Program for Export Funding (Proex), managed by the Banco do Brasil.

“Construction is the sector in which there is the most notable and most visible participation by Brazilian companies in Angola. However, we should note that today Brazilians are in a wide range of areas within the Angolan economy, such as agriculture, trade, health, education, training and technology,” said Ésper, quoted by newspaper, O País.

Aebran estimates that there are currently 30,000 Brazilians in Angola, and at least 200 companies controlled by Brazilian capital.

As big groups such as oil company, Petrobras and Odebrecht have set up in Angola, it is possible to eat a Mister Sheik “kibe” in Luanda or learn ICT at the Brazilian BIT Company.

For Ricardo Camargo, executive director of the Brazilian Franchising Association (ABF), “Angola seems to have found favour with Brazilian investors, franchise owners from different sectors of the economy.”

Petrobras recently allocated five percent of its investment forecast for 2009-2013 to Angola, close to US$800 million, practically the same amount Odebrecht intends to invest in the country over the next few years.

Emílio Odebrecht, the group’s president, recently met with Angolan president, José Eduardo dos Santos, to analyse future projects, taking into consideration the government's priorities.

In partnership with private Angolan group, Damer and state-owned oil company, Sonangol, Odebrecht has a stake in Angolan bio-energy company, Biocom, which is to invest in sugar-cane planting and the building of a factory to produce the sugar, ethanol and bio-electricity in Malanje province.

Investment is expected to be around US$258 million and the project will cover a 30,000 hectare area by 2012.

The entire structure of Angola’s agriculture and livestock research, a sector for which the country is known to have great potential, is currently being reviewed with the support of Brazilian Agri-livestock Research Company (Embrapa).

The project, which will last until 2013, has investment from the Angolan Government of US$7.3 million (5.5 million Euros), to be used to set up 14 research centres.:

Taking into account the increasing flow of companies, workers and as well as tourists, Angolan airline Taag is increasing the frequency of its flights to major Brazilian cities.

As of 2 May there will be seven flights, five to Rio de Janeiro and two to Sao Paulo, a significant boost while it is banned from flying to Europe.
Hopefully, this is just the start and it will continue to grow in leaps and bounds!
Matthias Offodile no está en línea   Reply With Quote
Old June 6th, 2009, 11:05 PM   #86
Matthias Offodile
Registered User
 
Matthias Offodile's Avatar
 
Join Date: Apr 2005
Posts: 28,948
Likes (Received): 2533

Star Angolan architect Júlio Quaresma...building the new Angola...he builds many new project in Angola and he also builds projects in Asia and Latin America..and in Eastern Europe


Quote:
Júlio Quaresma
Arquitecto da nova Angola




É angolano, tem 50 anos. Nasceu em Saurimo, na Lunda Norte, mas as suas origens são do Lubango, a terra dos pais, ambos angolanos. Viveu em Angola até aos 16 anos, nas cidades de Huambo e Benguela. “Só vinha a Luanda para passar férias”, recorda. Foi também aos 16 anos que realizou a primeira exposição de pintura no Museu de Huambo.

Em 1975 foi para Lisboa estudar. Nessa altura, pensava tirar medicina devido ao peso da tradição familiar. Como não teve vaga para entrar na Faculdade de Medicina, inscreveu-se na de Arquitectura. “Não por uma vocação especial. Apenas por era a que estava disponível e porque os alunos pareciam menos ‘cinzentões’”, diz divertido. Foi uma decisão que marcou a sua vida. Perdeu-se um médico, mas ganhou-se um grande arquitecto com talento em várias “artes”.

CIDADÃO DO MUNDO

Hoje, considera-se um cidadão do mundo. Tem residência fixa em Portugal e Angola. Não quer ter casa em mais nenhum local. Nem sequer de férias. “Uma vez tive uma casa de férias na Aldeia do Meco (pequena vila piscatória perto de Lisboa). Quase que me sentia obrigado a ir para lá aos fins-de-semana. Quero ter a liberdade suficiente para conhecer sítios novos”. Passa mais tempo em Lisboa do que em Luanda apenas por uma questão de mobilidade. “Viajo muito. Estou sempre em trânsito. Acaba por ser mais fácil ter a base em Lisboa. Mas venho a Luanda, no minimo, uma vez por mês. É a minha casa e o local onde tenho mais projectos a decorrer”, diz.

Júlio Quaresma exerce uma actividade multi-facetada que vai da arquitectura, à pintura e escultura, decoração e design. É ainda curador, consultor e avaliador de arte. É assim que se sente bem. “Canso-

-me depressa dos projectos. Gosto de trabalhar em várias frentes, em simultâneo. Adoro ir saltando constantemente para novos desafios.”. Não é do género de artista que gosta de trabalhar em reclusão. “Pelo contrário, prefiro trabalhar no meio das pessoas, do barulho, da confusão”, acrescenta.

30 PROJECTOS EM CURSO


Júlio Quaresma possui um ritmo de trabalho alucinante. Só ao nível da arquitectura, tem cerca de trinta projectos em curso, em quatro continentes.: Angola (África) Portugal, Espanha, Hungria, República Checa (Europa), Brasil e Peru (América) e na China (Ásia). Estes últimos são dois dos seus projectos mais sonantes e emblemáticos. Na cidade de Xangai está a construir o Museu de Arte Contemporânea Espanhola que tem uma arquitectura singular e vanguardista. “Usei o branco e o preto, cores do yin e yang, e o vermelho, cor emblemática da China”, diz. Destacam-se dois enormes painéis laterais negros, onde estão inscritos os nomes dos artistas espanhóis mais consagrados que, à noite, ficam iluminados a verde ou vermelho. É impossível ficar indiferente a tal efeito visual.

Outro projecto igualmente arrojado e ambicioso é o observatório das famosas “linha de Nazca”, no Peru (a sul da capital, Lima). Tais misteriosas gravuras gigantescas, desenhadas no deserto de Nazca – que representam animais como a aranha, o macaco, o lagarto ou o condor – são habitualmente vistas pelos turistas a partir do céu. Júlio Quaresma foi convidado a participar num selectivo concurso internacional para a construção de um observatório em terra. A arquitectura do edificio, completamente inserida na paisagem árida, é fantástica. Mas ainda não há decisão tomada sobre o vencedor do concurso internacional.

EXPOSIÇÕES ATÉ 2010


No que respeita à pintura e à escultura tem a agenda de exposições completa até 2010. No dia 23 de Março partiu para Cuba. Uma obra sua vai abrir a Bienal de Havana com início a 27 deste mês. Trata-se de uma grande peça de escultura e fotografia, dedicada aos direitos humanos e que vai estar na Fortaleza logo à entrada da Exposição. A peça tem de um lado várias palavras – tal como a paz e a solidariedade, associadas aos direitos humanos e do reverso tem imagens chocantes de violações desses mesmos direitos. Esta peça vai ser apresentada em Dezembro na sede da ONU, em Nova Iorque.

Depois de Havana estão agendadas quatro exposições das suas obras no Brasil – São Paulo, Fortaleza, Recife e Curitiba. Seguem-se o Panamá e a China, esta já em 2010. Pelo meio recebeu convites para estar presente na Bienal de Moscovo e na Miami Basel. “Provavelmente não aceitarei. O tempo não dá para tudo e não me consigo multiplicar”. O artista não trabalha, porém, sozinho em todas estas frentes. No que respeita à arquitectura tem uma empresa, a Júlio Quaresma – Arquitectos & Associados na qual trabalham 12 pessoas a tempo inteiro no atelier – desde arquitectos a engenheiros – existindo ainda um vasto numero de colaboradores especializados nas questões logísticas e ambientais. No que se refere à actividade mais pessoal – ligada à pintura e à escultura – possui uma empresa de comunicação, com apenas três pessoas a tempo inteiro.

ACTIVIDADE ACADÉMICA

Está também ligado ao mundo académico. Por um lado como professor. Dá aulas de arquitectura na Universidade Lusófona. Por outro como aluno. Está a concluir o doutoramento na Universidade de Valência, cidade do sul de Espanha ao qual está muito ligado emocionalmente e profissional. A título de exemplo, refira-se que Júlio Quaresma será o curador de uma exposição de arte que irá decorrer em Valência no inicio de Abril. Há dois anos organizou nesta cidade uma exposição de arte africana baseada na colecção de Sindika Dokolo.

Recorde-se que Júlio Quaresma terminou a licenciatura em Arquitectura, em 1981, pela Escola Superior de Belas Artes, em Lisboa. Em paralelo fez o curso de Cenografia, no Conservatório Nacional de Lisboa, que concluiu em 1983. Dez anos depois realizou, na mesma universidade, o mestrado em Tecnologia da Arquitectura e Qualidade Ambiental. Agora chegou a vez do doutoramento cuja tese será: “Relações Vivenciais da Arquitectura — O Afecto e o Medo”. Quisemos, obviamente, saber o que significa a “arquitectura do medo”. A resposta tem a ver com a tendência das sociedades urbanas em se isolar devido à insegurança. A este propósito Júlio Quaresma confessa ter, desde sempre, um “ódio de estimação” pelo conceito de condomínio fechado.”Nunca fiz”, diz.



DIRECTOR DE ONG’S

A título pessoal ainda lhe sobra tempo para liderar algumas organizações não--governamentais. Desde 2004 que é presidente do GADS – Grupo de Apoio e Desafio à Sida que, embora sedeada em Lisboa, tem uma presença muito activa em Angola ao nível da eleboração de materiais de prevenção e sensibilização. Desde 2003 que é igualmente membro de direcção da Cruz Vermelha.

Com tantas solicitações, praticamente não tira férias. “Como tenho de viajar muito aproveito para conhecer a fundo os locais. Mas como estas mini-férias urbanas não são muito relaxantes, tenho o hábito de fazer um cruzeiro quando preciso realmente de descansar. Considero-me uma pessoa urbana, incapaz de viver

sem um cinema, um teatro ou uma livraria por perto. Para compensar gosto de fazer incursões à Natureza quando viajo. Ainda recentemente fiz um raide inesquecível ao Namine”. Outro hábito que tem é o de escrever durante as viagens. É que Júlio Quaresma escreve uma crónica semanal sobre arte para a revista Caras e colabora com o periódico espanhol El Mundo. “Quando vou a um país em trabalho, aproveito para visitar uma exposição. Quando gosto de um artista, tiro notas e fotografias, e envio o texto

e as imagens logo a seguir”.

REFORMA NUM PAIS QUENTE

No que respeita ao futuro, não gosta muito de fazer planos. “Prefiro viver intensamente o presente”, diz. “Tenho muitos projectos de arquitectura em curso, que acabam por criar aos arquitectos uma grande dependência. Quer antes, quer depois da obra estar concluída, ficamos sempre emocionalmente ligados a ela. Por vezes para toda a vida”, confessa. “A única coisa que posso garantir é que tenciono reformar-me num pais quente rodeado de pessoas simpáticas”, diz. Angola, a sua terra natal, será decerto a escolha óbvia.
Matthias Offodile no está en línea   Reply With Quote
Old June 6th, 2009, 11:13 PM   #87
Matthias Offodile
Registered User
 
Matthias Offodile's Avatar
 
Join Date: Apr 2005
Posts: 28,948
Likes (Received): 2533

more Luanda

new office towers and shopping mall (basement)



Torre Ambiente




Torre BAI




image hosted on flickr


Luanda Sul








new hotels u/c



















image hosted on flickr
Matthias Offodile no está en línea   Reply With Quote
Old June 6th, 2009, 11:23 PM   #88
Matthias Offodile
Registered User
 
Matthias Offodile's Avatar
 
Join Date: Apr 2005
Posts: 28,948
Likes (Received): 2533

O Governo angolano vai construir aquilo que poderá ser considerado como uma das maiores obras do país no período pós-independência.
Trata-se do projecto “Cabinda Link”, destinado à construção de uma ponte sobre o rio Zaire, assegurando a ligação entre a província de Cabinda e o resto do país, atravessando território da República Democrática do Congo.


image hosted on flickr






another project



Luanda Shopping: | Shopping Fortaleza | Em Construção













Matthias Offodile no está en línea   Reply With Quote
Old June 7th, 2009, 12:31 AM   #89
Matthias Offodile
Registered User
 
Matthias Offodile's Avatar
 
Join Date: Apr 2005
Posts: 28,948
Likes (Received): 2533

New project for Luanda




Quote:
Gustavo Penna conduz conjunto de projetos em Angola

30/04/2009

Prédio residencial e reurbanização de uma área de 2 milhões de metros quadrados está na lista do arquiteto mineiro

Por Maria Luíza Lima
Bookmark and Share

[img0]A convite de empresários brasileiros em atividade em Angola o arquiteto Gustavo Penna está há um ano e meio entre o Brasil e a África. Entre as encomendas estão um prédio residencial na ilha de Luanda e um estudo de desenvolvimento urbano de uma área de 2 milhões de metros quadrados na baía de Mussulo, em frente ao Museu da Escravatura, estão na fila da produção. Há ainda o centro de atividades que inclui área de convenções, teatro, universidade, clube, setor de habitações e a recepção da Zona Econômica Especial (onde acontecerão festas, debates e reuniões), como você vê nas fotos abaixo.

Gustavo também já realizou projetos no Panamá e em Portugal. Para ele, a Angola tem traços que o fazem sentir como se estivesse trabalhando no Brasil. “Angola, está no hemisfério sul, no paralelo do Recife, e tem realidade muito semelhante à nossa, além da fundamental influência negra”. Abaixo, conheça os projetos que Gustavo Penna está desenvolvendo no país africano e continue navegando pelas reportagens sobre construção do Casa.com.br.
Matthias Offodile no está en línea   Reply With Quote
Old June 10th, 2009, 07:34 AM   #90
MRPH
Soteropolitano
 
MRPH's Avatar
 
Join Date: Jun 2008
Location: Salvador
Posts: 763
Likes (Received): 2

As cidades estão de parabéns!
MRPH no está en línea   Reply With Quote
Old June 10th, 2009, 08:43 PM   #91
sul_mp
Tá Limpo!
 
sul_mp's Avatar
 
Join Date: May 2007
Posts: 2,594
Likes (Received): 543

Nossa!!!
Pelas fotos parece ser uma das melhores cidades africanas subsaarianas fora da África do Sul!!!

Gostei dos projetos, também.
__________________
DANDO UM TEMPO....
sul_mp no está en línea   Reply With Quote
Old June 14th, 2009, 07:22 PM   #92
calmon.neto
Per ardua surgo
 
calmon.neto's Avatar
 
Join Date: Sep 2007
Location: BAHIA
Posts: 11,477
Likes (Received): 1029

Muito, mas muito show ver Angola renascendo das cinzas! E boa parte deste progresso está sendo possível graças às obras de uma brasileira, e baiana, a Odebrecht.
__________________
Um movimento para quem ama Salvador e quer uma cidade melhor para viver. Abrace essa causa!

http://www.facebook.com/SalvadorVivaAmeCuide
calmon.neto no está en línea   Reply With Quote
Old June 14th, 2009, 08:26 PM   #93
marco vinicius
BANNED
 
marco vinicius's Avatar
 
Join Date: May 2008
Location: são luís do maranhão
Posts: 1,705
Likes (Received): 0

To impressionado com Luanda, não imaginava aparentar ter um certo grau de desenvolvimento. Gostei do pouco que vi, mas pelo que pude ver no google earth a periferia da cidade ainda é miserável.
marco vinicius no está en línea   Reply With Quote
Old June 16th, 2009, 07:30 PM   #94
mbanzacongo
Registered User
 
mbanzacongo's Avatar
 
Join Date: Sep 2008
Location: Luanda
Posts: 307
Likes (Received): 15

google earth tem imagems bem antiga de 2003 o mais velho que 2003
__________________
Nao definiao o angolano como o branco, o mulato o negro, mais sim, como aquele que luta por Angola e ama Angola.
mbanzacongo no está en línea   Reply With Quote
Old June 17th, 2009, 03:42 AM   #95
skytrax
Big boss!
 
skytrax's Avatar
 
Join Date: Nov 2006
Location: Luanda
Posts: 21,294
Likes (Received): 1834

Quote:
Originally Posted by Matthias Offodile View Post
New project for Luanda

porque raio esse projecto não se encontra no forum angolano?!
__________________
"I am not a saint, unless you think of a saint as a sinner who keeps on trying" (Nelson Mandela)

Angolan Forum | Luanda pictures | my World Trip

~> SkyscraperCity Angola on Facebook <~
skytrax no está en línea   Reply With Quote
Old June 18th, 2009, 02:06 AM   #96
Bruno SP
Registered User
 
Bruno SP's Avatar
 
Join Date: Nov 2007
Location: Araçatuba/SP -> Pelotas/RS
Posts: 2,790
Likes (Received): 23

Incrível o desenvolvimento e a evolução!!!!!
A Angola se transformou num verdadeiro canteiro de obras! Os projetos são lindos !
Bruno SP no está en línea   Reply With Quote
Old June 20th, 2009, 01:37 PM   #97
Matthias Offodile
Registered User
 
Matthias Offodile's Avatar
 
Join Date: Apr 2005
Posts: 28,948
Likes (Received): 2533

Another new shopping mall for Luanda

Angola: Nosso Centro Project Launched in Luanda

Quote:
12 May 2009


Luanda — A new undertaking named "Nosso Centro" was launched on Monday here in the ambit of the programme to decentralise public, private and commercial services to better serve the people residing at Morro Bento ward and its surroundings, ANGOP has learnt.

The implementation of Nosso Centro project is an initiative of the governmental project known as Presild and of the Luanda provincial government, aimed at decentralising servicea and commerce in the capital city.

This new undertaking is worth USD 65 million and is being built in an area of 10.000 square metres, and it will have two floors, with 120 compartments, three parking-lots, among other facilities and services.

Nosso Centro will have 80 spaces available for the sale of fashion goods, foodstuffs, leisure, service supply and several means. The activities will start in December and it is the first one in the country.

A similar undertaking will be built in Luanda.

The launching ceremony was attended by the Luanda governor, Francisca do Espirito Santo, and representatives of the Ministries of Commerce, Transports, Justice and Public works.
Matthias Offodile no está en línea   Reply With Quote
Old June 20th, 2009, 01:54 PM   #98
Matthias Offodile
Registered User
 
Matthias Offodile's Avatar
 
Join Date: Apr 2005
Posts: 28,948
Likes (Received): 2533

Another new shopping and office complex for Luanda



Complexo Imobiliário - Luanda / Angola


built by Fguerra from Brazil





an new hypermarket for Luanda






Visabeira investe USD 100 milhões e quer entrar na Angola Telecom


Quote:
Estamos todos fartos da net a conta-gotas, que cai, volta a cair, pára. Dos USD 100 milhões que o grupo Visabeira vvai investir este ano, USD 30 milhões destinam-se à TV Cabo: a fi
Este ano, o grupo Visabeira vai investir USD 100 milhões no mercado nacional. Nas telecomunicações mas não só. O grupo de origem portuguesa procura aumentar o peso específico das suas outras áreas de actividade, bem como alargar, cada vez mais, a presença no território nacional. Projectos não faltam. Desde o turismo, os serviços e a indústria (incluindo a agro-indústria) à edificação de um palácio de gelo em Luanda. Gil da Silveira, administrador-delegado da Visabeira Angola, explica, nesta entrevista, como tudo isso vai acontecer e adianta que o grupo está muito interessado na abertura do capital da Angola Telecom, já parceira na TV Cabo, não descartando a possibilidade de assumir com a operadora nacional uma iniciativa conjunta com o objectivo de tomar uma posição significativa na Portugal Telecom, onde a Visabeira já detém 2,2% do capital. Na galáxia empresarial que este grupo configura a palavra-chave parece ser parceria.

A Zon Multimédia, empresa portuguesa, fez um acordo com parceiros nacionais para lançar um projecto para operar o serviço de televisão paga em Angola. Há mercado?

Eventualmente haverá mercado, o futuro o dirá. O tipo de tecnologia que vão utilizar será diferente da nossa. A nossa rede, o cabo, corre em condutas que já estão implantadas. Há outras formas de distribuir sinal. A DSTV distribui sinal de TV apenas por satélite. A Multichoice, na Namíbia, comercializa internet por satélite. Mas, em todo o caso, não conheço o âmbito da parceria, para além do que vem na imprensa. Poderão utilizar as mesmas condutas que a TV Cabo utiliza para passar fibra? Podem passar fibra, mas não sei se irão fazer essa opção técnica ou se virão a preferir o satélite. Qual a velocidade máxima que a TV Cabo disponibiliza actualmente na Internet? Estamos agora a lançar os 4 MB. Fomos os primeiros a lançar os 2 MB. Depois apareceu uma solução idêntica de um outro operador. Agora somos os primeiros a lançar os 4 MB. Quantos lares já se encontram ligados à TV Cabo? Na cidade de Luanda cobrimos já 85% da área urbana. A taxa de penetração fica muito próxima dos 50%.

E quando vão para fora de Luanda?

Temos uma equipa dedicada à instalação de rede, que está sediada em Benguela, para fazer Benguela, Catumbela, Lobito e Lubango. O nosso objectivo é termos, já este ano, clientes ligados nessas cidades. Voltando agora à parceria com a Angola Telecom. Sabe-se que esta vai abrir a sua estrutura accionista até 49% do respectivo capital. Poderá ser por concurso.

A Visabeira está interessada nessa operação de abertura de capital da Angola Telecom?

Claro que sim. Uma parte importante do nosso negócio assenta nas telecomunicações, temos mantido uma relação muito boa com a Angola Telecom e vemos essa possibilidade como uma oportunidade. É evidente que há que estudar os termos em que a oferta se poderá colocar. Detemos uma participação que já é significativa na Portugal Telecom (PT) (2,2%) e perto de 2,1% da Zon. Pelo que estamos muito interessados em analisar a oportunidade, caso os termos em que ela se venha a colocar sejam aceitáveis e vantajosos, quer para a Angola Telecom quer para nós.

Poderá acontecer que, após a vossa entrada na Angola Telecom, se faça uma iniciativa conjunta relativamente à PT?

Todas as opções estão em aberto. Pode ser após, durante, simultaneamente. Mas é uma hipótese? É uma hipótese que não descartamos. Já estamos na PT e certamente que a Angola Telecom poderá ter interesse em deter uma participação na operadora. As participações serão diferenciadas. Podem desenhar-se alternativas, como, por exemplo, o cruzamento de participações. As opções estão em aberto. A Angola Telecom , espera-se, vai ter uma determinada evolução (uma sociedade holding e sociedades operativas em três áreas) e veremos o que poderá ser aberto ao capital privado, se as três, alguma ou algumas delas. O mercado angolano é o principal mercado exterior da Visabeira.

As telecomunicações continuam a ser o core-business do grupo em Angola?

As telecomunicações são o principal negócio do grupo em Angola . Atendendo a que o grupo é multisectorial e tendo em conta os investimentos programados, seja na área hoteleira seja na imobiliária, a situação tende a ficar mais equilibrada entre os diversos sectores de actividade.

A Visabeira, em Angola, é uma entidade de direito angolano?

Em Angola todas as empresas do grupo são de direito angolano. Temos empresas em parceria, como é o caso da TV Cabo, Convisa Turismo, Convisa Engenharia. Mas a Visabeira Angola é detida pelo grupo Visabeira.

Quanto é que o grupo Visabeira já investiu em Angola?

Os nossos activos, segundo as contas de 2008, ascendem a USD 106 milhões.

Têm enfrentado mais dificuldade na obtenção de financiamentos com a crise?

Até agora, em Angola, nenhum projecto nosso está posto em causa por qualquer hesitação no que respeita a financiamento. E temos vários. E o que está previsto é que os nossos investimentos em Angola, este ano, totalizem USD 100 milhões. Mas não vou negar que as condições de financiamento estão, a nível geral, mais restritivas. Estamos a viver uma situação de “credit-crunch”. Há operações que não estão no ciclo normal da retracção, o que traduz uma vantagem competitiva do mercado angolano.

Sentem-se algumas restrições no crédito?

Sabemos que as reservas de caixa quase que duplicaram a taxa de redesconto subiu, está a verificarse uma situação de retardamento na transferências, há motivos de ordem administrativa para não se realizarem algumas operações . Verifica-se também maior dificuldade nas cobranças, que estão mais lentas. estão mais lentas. Dificuldades que penso sejam passageiras, mas nada disso nos retira ânimo e vontade.

Dos USD 100 milhões de investimentos previstos, quanto é que se destina à TV Cabo?

Perto de USD 30 milhões. A aplicar sobretudo nas redes em Luanda, Benguela e Lubango. No turismo vai já arrancar o Hotel Girassol no Lubango, de 4 estrelas, integrado na rede Girassol do grupo e que é um investimento da ordem dos USD 20 milhões. Planeamos outro hotel em Luanda e temos 2 projectos imobiliários de vulto no Huambo - um centro de escritórios e uma torre de apartamentos. Queremos também avançar com a extensão da Visauto para o Huambo. A venda de camiões, jeeps e de pick-ups que fazemos em Luanda vai ser estendida ao Huambo. E vamos ainda levar para Benguela dois investimentos, para além da TV Cabo: um da Visauto e outro da Álamo. Para a Catumbela vai a actividade dos postes de madeira e para Benguela a actividade das cozinhas MOB.

O palácio de gelo é para este ano?

Em Portugal fez-se um investimento de perto de USD 170 milhões em dólares. É evidente que não pensamos replicar o palácio de gelo excatamente nas mesmas dimensões. Temos a ideia de replicar o conceito. Seria algo muito bem aceite, principalmente num país tropical, a pista de gelo, o SPA e ainda um conjunto de lojas de restauração, onde se destaca o bar de gelo.

A localização será em Luanda?

Sim, não haverá massa crítica noutra cidade do país.

E com quem?

Com um parceiro que disponibilize pelo menos o terreno e meios financeiros. Nunca faríamos isto sozinhos. Desde que a parceria tenha pés para andar e a questão fundiária esteja resolvida arranjaremos os meios técnicos e financeiros para prosseguir com o projecto. A Edivisa e a Visaconstroi actuam no mesmo mercado, a construção.

Faz sentido?

Trata-se de evitar ter várias actividades na mesma empresa e a Visaconstroi reúne três: a construção civil, a indústria extractiva de granitos no Huambo e o fabrico de blocos de cimento, que conta com uma unidade, também no Huambo. Pretendemos fazer migrar a fábrica de construção civil para a Edivisa e manter na Visaconstroi (se calhar até lhe vamos dar outro nome) as actividades de extracção de granitos e blocos de cimento. Falámos da Comatel como sendo a empresa que fazia construção de redes de fibra óptica e também instalação de redes e prestação de serviços na área das comunicações...

...mas também eléctricas…

...Pois, também eléctricas. Constituimos, o mês passado, uma empresa que é a Electrovisa, que vai ficar apenas com a área eléctrica. Vamos especializá-la para que se foque na construção de redes eléctricas, manutenção, redes de alta, média e baixa tensão. Serviços de piquete, por exemplo. O grupo também tem projectos na agro-indústria... Estamos a desenvolver projectos agrícolas especialmente no que toca ao milho, girassol e soja, que visam o mercado agrícola, mas permanecendo em aberto a possibilidade de refinação para biocombustíveis. Estamos em fase de projecto, após trabalho de campo já realizado em Angola. Em Moçambique temos parcerias, nesta área, com a Galp e com a Martifer.

Quanto é que o grupo factura em Angola?

Mais de USD 100 milhões, cerca de 1/5 da sua facturação global, que supera USD 695 milhões. E qual a previsão do crescimento este ano? Um crescimento agregado de cerca de 2 dígitos, à volta de 20% em média.

Quantas pessoas emprega o grupo?

O volume de emprego é considerável. Mil pessoas angolanas e pouco mais de 70 expatriados. Temos um baixo rácio de expatriados e continuamos a dar muita formação ao pessoal angolano, dedicamos muito tempo e recursos à formação. Temos desenvolvido algumas acções no domínio da responsabilidade social e queremos dar-lhes um impulso. Estamos a fazer uma entrega de carteiras, feitas pela Álamo no Huambo, no município da Kahala, para ajudar a mobilar escolas, que têm muitas carências, especialmente nas províncias. Desenvolvemos acções de intercâmbio com instituições como o Instituto Camões no âmbito de acesso à internet. Disponibilizamos acessos e fazemos upgrades. O Instituto Camões tem cerca de 350 visitantes diários, em média. Queremos ainda fazer parcerias com instituições universitárias e de saúde. Com a Internet podemos contribuir para que se possam estabelecer serviços de telemedicina. Estamos a estabelecer contactos e, brevemente, teremos novidades.
Matthias Offodile no está en línea   Reply With Quote
Old June 20th, 2009, 02:13 PM   #99
Matthias Offodile
Registered User
 
Matthias Offodile's Avatar
 
Join Date: Apr 2005
Posts: 28,948
Likes (Received): 2533

palacio de ferro Restaurado





new apprtment for Luanda



Portugueses batem chineses na Baía de Luanda

Nuno Miguel Silva
19/05/09 13:54

Quote:
Collapse


Soares da Costa e Mota Engil conquistam requalificação de ex-libris de Luanda.

São mais 100 milhões de euros em caixa para duas construtoras portuguesas no mercado angolano. Mas, mais que isso, a vitória do consórcio da Mota-Engil/Soares da Costa na empreitada para a requalificação da baía de Luanda vai funcionar como um destacado cartão de visita, não só porque se trata de um projecto há muito pretendido pelas autoridades de Luanda, mas também porque demonstrou a capacidade competitiva das empresas portuguesas, que venceram duas construtoras chinesas na recta final.

"É com muita satisfação que soubemos da adjudicação deste empreendimento. É um trabalho de grande responsabilidade e queremos estar à altura deste novo desafio. É um concurso muito importante porque a baía de Luanda é o 'ex libris' de Angola", sublinhou Jorge Coelho, administrador executivo da Mota-Engil, em declarações ao Diário Económico.

A empreitada tem um prazo de execução previsto de dois anos e Jorge Coelho prevê ter máquinas no terreno para iniciar as obras já no próximo mês de Junho, tendo já sido escolhido o director para o projecto. No entanto, não deverá ser necessário deslocar para Angola equipamentos ou recursos humanos suplementares significativos para executar esta obra.

A requalificação da baía de Luanda é um projecto que tem já vários anos no papel. Entre muitas ideias e discussões, o plano foi finalmente aprovado em Setembro de 2007 pelo Conselho de Ministros do governo angolano, tendo-se iniciado o processo de concurso público para a construção das vertentes marítima e terrestre do projecto em Novembro seguinte.

No caso da vertente terrestre, cujo concurso foi ganho pelo consórcio Mota/Soares da Costa, com posições de 50% cada, concorreram numa fase inicial um total de 13 construtoras e/ou consórcios. A 'short list' seleccionou três grupos, tendo saído vencedor o agrupamento português em detrimento de duas concorrentes chinesas. O contrato foi assinado em Luanda no sábado, numa cerimónia que contou com a presença de Higino Carneiro, ministro das Obras Públicas de Angola, e de Francisca do Espírito Santo, governadora da província de Luanda.

Este projecto não inclui qualquer componente de 'project finance' a cargo das construtoras portuguesas, pelo que o financiamento será da responsabilidade da empresa que adjudicou este empreendimento, a Sociedade Baía de Luanda, empresa de direito privado angolano, que conta na sua estrutura accionista com a Sonangol e o Banco Privado do Atlântico, ligado à petrolífera angolana.

Também o BCP irá participar no esquema de financiamento montado para levar por diante este projecto, embora fonte do banco contactada pelo Diário Económico não tenha conseguido fornecer mais detalhes sobre a participação do banco português.

A BAÍA DE LUANDA

O projecto prevê o alargamento da Avenida Marginal e do Largo 17 de Setembro, com a criação de seis faixas de rodagem e infra-estruturas de gestão e manutenção da rede rodoviária a implementar.

Criação de 12 novos parques com estacionamento para 1.600 viaturas.

Criação de 127 mil metros quadrados de zonas verdes.

Construção de dois prédios, um com 37 pisos, outro com 24, para escritórios, comércio e habitação. Mais dois edifícios com funções múltiplas, como hotelaria e centro de convenções.

Mota Engil e Soares da Costa ganham Baía de Luanda



Quote:
Negócios
18/05/09, 01:03
por Vítor Norinha (com lusa)
O consórcio português Mota-Engil Engenharia/Soares da Costa ganhou o contrato para a execução da vertente terrestre do projecto de requalificação da Baía de Luanda. Esta obra envolve 130 milhões de dólares, cerca de 96,18 milhões de euros e terá um prazo de conclusão de 24 meses.

O consórcio nacional ganhou a obra numa disputa com 13 outras empresas, tendo Jorge Coelho, o chief executive officer da Mota, citado pela Lusa, afirmado que "a Mota-Engil tem muito trabalho em Angola mas este projecto é uma marca muito importante porque houve grande luta (entre as empresas concorrentes) e vamos agora demonstrar, a quem nos concedeu esta responsabilidade, que estamos à altura do desafio".



A requalificação da Baía de Luanda foi decidida pelo executivo angolano em 2003, com as obras na vertente marítima a arrancarem em 2007. A vertente terrestre foi ganha pelo consórcio português com a estruturação financeira do projecto a cargo do Millenniumbcp e do Banco Privado Atlântico. Esta obra envolve o alargamento da Av. Marginal e do Largo 17 de Setembro, com a criação de seis faixas de rodagem e infra-estruturas de gestão e manutenção de rede rodoviária a implementar. Serão ainda criados 12 parques de estacionamento para 1.600 viaturas, para além de espaços públicos de lazer e alguns polivalentes, com áreas ajardinadas e arborizadas, num total de 127 mil m2 de zonas verdes. Na Av. Marginal será criada uma via destinada ao transporte público.



A Lusa avança que será construído um novo sistema de esgotos e instalada nova iluminação pública. Na vertente marítima, onde se registam problemas de financiamento, decorre a terceira fase da obra, que inclui a abertura de um canal e a dragagem de uma vasta extensão da baía, permitindo ganhar entre 50 a 150 metros do mar ao longo da marginal.
“O mercado angolano é um mercado com uma grande dinâmica” – Edifer Imobiliária


Quote:
Em parceria com um grupo económico local (Grupo Gema), a Edifer possui uma carteira de encomendas muito significativa no mercado angolano.

Há cerca de dois anos, alargou a sua actividade ao mercado imobiliário, encontrando-se a esta altura em fase de desenvolvimento de projectos.

«O mercado angolano é um mercado com uma grande dinâmica, que está a mexer muito ao contrário de Portugal. Portanto há uma pressão maior sobre a procura e não há oferta para satisfazer essa procura. Nesta altura praticamente tudo o que se faz em quase todas as gamas é vendido durante a fase de construção ou muito logo no início da construção, e fundamentalmente numa gama de mercado alta – Habitação e também Escritórios. Pensamos que no futuro Angola vai ser um mercado com um desenvolvimento também noutras gamas, particularmente Habitação, e estamos a apostar em projectos também de futuro nessa área», revelou Paulo Lobato, administrador da Edifer Imobiliária.

Quanto a projectos, Paulo Lobato destaca: «Temos um grande projecto em Benguela, que é um projecto com centro comercial, escritórios, habitação, hotel, um projecto com 100 mil m2 acima do solo. Depois temos um conjunto de projectos em Luanda também (o primeiro com o qual vamos arrancar será um condomínio habitacional em Luanda Sul), um outro edifício no centro de Luanda, a arrancar este ano ainda, e que terá uma componente de escritórios onde vamos ficar com os escritórios do nosso grupo mas também vai ter Comércio e Habitação. Temos uma torre de escritórios e de habitação no centro, mas ainda em fase de projecto. Temos depois um conjunto de outros projectos ainda em estudo».
Matthias Offodile no está en línea   Reply With Quote
Old June 21st, 2009, 11:05 PM   #100
Matthias Offodile
Registered User
 
Matthias Offodile's Avatar
 
Join Date: Apr 2005
Posts: 28,948
Likes (Received): 2533

03-06-2009 19:05

Luanda
Sogester e Mota Engil assinam acto de consignação do terminal em Cacuaco

Quote:

Luanda – A Sociedade Gestora de Terminais S.A e a MOTA ENGIL assinaram hoje ( quarta-feira), no município de Cacuaco, norte de Luanda, o acto de consignação da obra de um terminal de segunda linha, a ser construído na localidade do Musseque Capari.

O empreendimento tem como objectivo facilitar o descongelamento de mercadorias no Porto de Luanda.

O facto foi informado à Angop pelo chefe de repartição municipal do planeamento e ordenamento do território, Manuel Ferreira.

Com o início previsto para este mês, a primeira fase, as obras do empreendimento prevêem terminar em Novembro próximo, e ocupará uma extensão de 47 hectares, cujos custos estão avaliados em USD 70 milhões.

Esteve presente no acto o administrador municipal de Cacuaco, Carlos Alberto Cavuquila, que regozijou-se com o facto e solicitou aos construtores que primem pela admissão de jovens da circunscrição que estão a ser formados nos pavilhões de artes e ofícios do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social (MAPESS).

“Desta forma estaremos a resolver o problema de desemprego que a juventude enfrenta, sublinhou.

O município de Cacuaco possui três reservas fundiárias do Estado para a construção de armazéns, habitações para jovens e talhões para a construção dirigida.

Angola could become an agricultural powerhouse

Quote:
By: Reuters
15th August 2008



Angola, with plentiful water and fertile soils, can re-establish itself as one of the world's richest farming nations as it recovers from a civil war that devastated the sector, the country's prime minister said.

"We have the potential to become one of the world's richest agricultural countries," Prime Minister Fernando Dias dos Santos said in an interview with Reuters on Thursday.

Angola was the world's third biggest coffee producer in the world and a top exporter of sugarcane, bananas, sisal and cotton before a 27-year civil war on independence from Portugal in 1975 led to a mass exodus of farmers to the cities and halted production.

Dias dos Santos said Angola, which now imports over half of its food, has invested billions of dollars to rebuild roads, energy and water supply networks to revive the industry and link the capital Luanda to the countryside.

"We have been creating infrastructures that are necessary to increase internal production. We are completing roads for the transportation of goods and people and building energy and water supply (networks) that are also important," he said.

He said growing state and private investment in the sector will make Angola less dependent on oil, which accounts for almost 90 percent of the country's exports.

"We are creating areas of investment in several provinces in the rural areas. Some (projects) will be financed by the state but there has to be more private investment. I think that in the next two to three years there will be visible changes (in production)."

Angola is also trying to revive its once prosperous coffee and banana industry, Dias dos Santos said.

"There are old coffee plantations being revived in the centre and south of the country and rising investments in banana plantations like in Benguela, Luanda and Luanda Sul," he said.


"Our goal today is not the same as in the 1970s, we have to surpass those goals. The situation is different and the population itself has increased."


A WAY OUT

Angola recently surpassed Nigeria as Africa's biggest oil producer and has experienced double-digit growth in both the oil and non-oil sectors.


But ordinary Angolans have so far failed to tap into such growth -- almost two-thirds live on less than $2 a day. Some see agriculture as the only way to improve the lives of the people amid rising food prices and inflation.

The World Bank recently urged the Angolan government to bolster investment in agriculture and offered $30 million to fund an agricultural project geared toward market production.

But in the traditional farming provinces of Benguela, Bie, Huambo and Malange, local farmers still work on small plots of land to grow just enough to feed their families.

"We are pushing for more companies and private people to invest in the sector. We will protect the self-sufficient agriculture but we are also going to bet on big companies that introduce new technology," he said.

Angolan farmers cultivate less than 10 percent of an estimated 35 million hectares of arable land due to lack of technology and financing, making Angola one of the most promising agricultural nations.

"With these investments we will surely do better than before 1975," he said, in an allusion to Angola's reputation as one of the world's agricultural hotspots before gaining independence from Portugal in 1975 and the start of the civil war.
Edited by: Reuters
Matthias Offodile no está en línea   Reply With Quote


Reply

Tags
angola, luanda

Thread Tools
Rate This Thread
Rate This Thread:

Posting Rules
You may not post new threads
You may not post replies
You may not post attachments
You may not edit your posts

BB code is On
Smilies are On
[IMG] code is On
HTML code is Off



All times are GMT +2. The time now is 05:13 AM.


Powered by vBulletin® Version 3.8.8 Beta 1
Copyright ©2000 - 2014, vBulletin Solutions, Inc.
Feedback Buttons provided by Advanced Post Thanks / Like v3.2.5 (Pro) - vBulletin Mods & Addons Copyright © 2014 DragonByte Technologies Ltd.

vBulletin Optimisation provided by vB Optimise (Pro) - vBulletin Mods & Addons Copyright © 2014 DragonByte Technologies Ltd.

SkyscraperCity ☆ In Urbanity We trust ☆ about us | privacy policy | DMCA policy

Hosted by Blacksun, dedicated to this site too!
Forum server management by DaiTengu