daily menu » rate the banner | guess the city | one on oneforums map | privacy policy | DMCA | news magazine | posting guidelines

Go Back   SkyscraperCity > Latin American & Caribbean Forums > Fóruns Brasileiros > Fóruns Gerais > Arquitetura e Discussões Urbanas



Global Announcement

As a general reminder, please respect others and respect copyrights. Go here to familiarize yourself with our posting policy.


Reply

 
Thread Tools Rate Thread
Old June 9th, 2009, 09:04 AM   #1
FEIO PRA CHUCHÚ
Registered User
 
FEIO PRA CHUCHÚ's Avatar
 
Join Date: Jul 2008
Location: BELÉM
Posts: 2,519
Likes (Received): 29

Cemitério da Soledade II, o thread derradeiro!

O artigo abaixo fala sobre a importancia do Cemitério da Soledade de Belém, de autoria do Prof. Mário Barata, foi publicado em 29 de dezembro de 1963, no jornal "A Província do Pará" na época em que cemitério estava ameaçado de ser desmanchado e extinto.

O Poder Público pretendia utilizar-se dos terrenos do velho campo santo, a fim de fazer ali crescer alguns edifícios. Ameaçava destruir o Cemitério da Soledade, pondo abaixo seus mausoléus, onde repousam distintos paraenses que ajudaram no engrandecimento da história do Pará. Homens de uma raça hercúlea, quase divina, que desbravaram a selvagem e praticamente impenetrável floresta amazônica, naquele ano de 1963 estavam ameaçados pelos que os sucederam. Os belos monumentos que lhes davam o justo repouso, reduzidos a nada em nome de um progresso cego e dissociado de expressão cultural.

O presente artigo foi um dos responsáveis pelo movimento de preservação do antigo Cemitério que, logo a seguir, menos de um mês depois, em 23 de janeiro de 1964, foi finalmente tombado pelo Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, sendeo preservado da cobiça inescrupulosa.
Embora o artigo tenha por base o problema de sua então possível extinção, não deixa de ter sua importância sob análise histórico-artística, o que me fez trazê-lo novamente à luz para os admiradores da arte sepucral de outrora. Acrescento a ele algumas imagens que fiz recentemente, em janeiro de 2006, 42 anos depois de seu tombamento.





""Uma cidade que cresce não se pode dar ao luxo criminoso de despersonalizar-se, destruindo os valores que a caracterizam. Entre os resultados do bom trabalho de administrar do passado, dando nota inconfundível à paisagem urbana de Belém do Pará, está o cemitério da Soledade, em quadra arborizada com palmeiras e árvores da terra e ainda as "mangueiras de cemitério", a que se refere liricamente Eneida no seu Banho de Cheiro, com a face principal dando para a larga e ensolarada avenida Serzedêlo Corrêa. Talvez nenhuma outra cidade do Brasil possua uma área urbana de antigo cemitério desafetado, com tal qualidade e tão específico como elemento artístico paisagístico. Quando bárbaros iconoclastas pensam hoje na própria Belém do Pará, em destruir o tradicional cemitério a fim de substituí-Io por edificações residenciais, cumpre levantar viva voz para protegê-lo e salvá-lo dêsses ímpetos comercialistas, desprovidos de compreensão e de amor pela cidade e do respeito aos mortos.


image hosted on flickr


image hosted on flickr


image hosted on flickr


image hosted on flickr


image hosted on flickr



Belo pela sua implantação de verde, pelos gradis externos de ferro, pelo traçado neo-clássico das muradas de sua área central com estátuas de cerâmica e alguns túmulos-capela do mesmo estilo, com os nomes e os despojos das famílias tradicionais do Grão-Pará: fazendeiros de Marajó, comerciantes, militares, políticos, estudiosos. E os remanescentes dos túmulos rasos de azulejos, que a avidez dos colecionadores atuais dessas cerâmicas está cada vez mais arrancando ao abandono do local. E necrópole importante também pelo lado sociólogo, sobretudo no momento em que Gilberto Freyre conclui a sua Introdução à História da Sociedade Patriarcal no Brasil com o anunciado Jazigos e Cevas Rosas (sepultamento e comemoração dos mortos no Brasil - patriarcal e semi-patriarcal).
Percy Lau, ao fazer, neste 1963, o mapa Pitoresco e Resumido da Cidade de Belém do Grão Pará - possivelmente sob indicações de Tocantins e inserto no bom lucro sobre a capital paraense dêste autor, coloca entre as poucas coisas ali anotadas como sugestão aos turistas, o Soledade e, em sua frente, o cemitério dos Ingleses. Realmente, aos visitantes interessam aos valores paisagísticos e históricos daquela quadra verde que quebra, respeitosa e espiritualmente, mas também de modo estético, a repetição de casas dos quarteirões fronteiros ou vizinhos, já imaginados profeticamente pela insaciabilidade vampiresca dos especuladores, como áreas de futuros arranhacéus de apartamentos. Só a consciência pública - espiritual e artística -, poderá deter mais uma vez espontâneamente, os resultados das ofertas e lentações do "vil mental", no caso da preservação do cemitério da Soledade, cuja proposta de tombamento estou renovando neste mês, à Diretoria do Património Histórico e Artístico Nacional, acompanhando e ampliando, ante fatos novos, a antiga formulação de 1948, feita por Ernesto Cruz.



image hosted on flickr


image hosted on flickr


image hosted on flickr


image hosted on flickr


image hosted on flickr


image hosted on flickr



No décimo quinto capítulo do Santa Maria de Belém do Grão Pará, Leandro Tocantins ressalta, por duas vêzes, os magníficos gradis do "Soledade", vindos, ao que parece, da Inglaterra, em meados do século passado, gradis cuja largueza de ritmo e valor plástico são levemente indicados pelo desenho de Lau. Realmente com as suas bases de pedra oitocentista e as pilastras laterais, afirmam valor de beleza.
Estudioso da categoria de Arthur Vianna, considerado recentemente por Artur C. F. Reis como um dos quatro maiores historiadores do Pará, desde fins do século passado, dedicou atenção ao "Soledade", em sua monografia A Santa Casa de Misericórdia Paraense / Notícia Histórica / 1650-1902, editado em Belém nesse último ano. Por ali se sabe que o local do cemitério e o seu início foram estabelecidos pelo notável presidente conselheiro Jerônimo Francisco Coelho, em 1850, durante grande epidemia de febre amarela, no meio de restrições surgidas das classes mais ricas da cidade, habituais às inumações nas igrejas.
Só em 1874 nascera a necrópole de Santa Isabel, cujas obras de muramento externo e gradis foram orçados então, a pedido da Santa Casa, pelo engenheiro Antônio Manuel Gonçalves Tocantins - também estudioso da geografia paraense e autor, entre outros trabalhos, de uma viagem ao Trombetas.
Portaria de 5 de agôsto de 1880, do presidente da Província, dr. José Coelho da Gama e Abreu, Barão de Marajó - geógrafo e historiador - suspendia os enterramentos no Nossa Senhora da Soledade, visto que a análise de terreno, misto de argila e areia, revelava-o, sob diversos aspectos, impróprio ao fim nobre a que o destinavam até então.



image hosted on flickr


image hosted on flickr


image hosted on flickr


image hosted on flickr


image hosted on flickr


image hosted on flickr


image hosted on flickr


image hosted on flickr



O estudioso que reuniu, todavia, maior documentação sôbre a necrópole foi já citado Ernesto Cruz, que se baseou em códices manuscritos da Biblioteca e Arquivo Público do Pará e em livros de assentamentos do Cemitério. Intitulou-se o seu trabalho, terminando ao que parece em abril de 1946 e ao que tudo indica ainda inédito, de O Cemitério de Nossa Senhora da Soledade, enviando-o datilografado e acompanhado de fotografias, à Diretoria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, em cujo arquivo se encontra.. Documenta, o mesmo, póstigo em cantaria que foi projetada pelo artista Pezerat, de formação neo-clássica, que trabalhou no Rio de Janeiro - na antiga Escola Central (hoje de Engenharia) e na Quinta da Boa Vista- sendo essa prova de sua atividade no extremo norte do país importante e curiosa para a História da Arte do nosso período imperial. E também apresenta a sóbria e elegante capela néo-clássica, com sineira separada, posterior, em largo arco, no qual elementos de sobrevivência formal barrôco-pombalina se ajustam a uma base bem clássica.
Isolado pelas quatro faces, o "Soledade", incluindo pequenos campos santos de Ordens Terceiras, é área urbanísticamente significativa, na capital paraense.
Divulgarei a seguir informações a respeito do tradicional cemitério fundamentando-me essencialmente no referido trabalho de meu amigo Ernesto Cruz.
Em dezembro de 1850, já estando a Provincia sob nova administração, do Presidente Fausto Augusto de Aguiar, o cemitério passou à propriedade da Santa Casa, com a obrigação desta pagar à Câmara de Belém o fôro anual de cem réis por braça de frente que tivesse o ter reno.
Da construção da Soledade foi inicialmente encarregado o capitão Joaquim Vitorino de Sousa Cabral, cujos restos mortais nêle repousam.
O pórtico e o gradeamento do Soledade foram feitos por projeto do engenheiro-arquiteto Pezerat, tendo sido a parte de cantaria executada em Portugal em pedra de lióz.
A 28 de janeiro de 1853, fôra firmado contrato entre a Mesa Administrativa da Santa Casa, e o construtor Joaquim Maria Osório, da cidade de Lisboa. representado no ato pelo cidadão Francisco Antônio Fernandes, .para o fornecimento dêsse material. Vieram 400 pedras e o portão de ferro, tendo sido aquela "lavada" com ferramentas reais fina nos enfeites e nas guarnições. O gradeamento de ferro encomendado na Inglaterra, por intermédio da firma Singlehurst, Muller & Cia, de Belém, veio pelas barcas "PRINCESS ROYAL" e "EMILY" chegados a 8 de julho e 19 de setembro de 1853.


image hosted on flickr


image hosted on flickr


image hosted on flickr


image hosted on flickr


image hosted on flickr



Em 1854 eram inaugurados os melhoramentos.
Ainda segundo Ernesto Cruz, entre os monumentos funerários mais importantes ou dígnos de interêsse, no "Soledade" podem citar-se:
I - o jazigo do major Gaspar Leitão da Cunha, pai do presidente da Provícia do Pará, Ambrósio Leitão da Cunha;
II - o de Vicente Antônio de Miranda, comendador da Ordem de Cristo e Oficial da Imperial Ordem da. Rosa, que deixou um vultoso legado à Santa Casa de Misericórdia do Pará, com o qual foi possível a construção do pórtico e do gradeamento da Soledade;
III - o monumento onde estão as cinzas do general Hilário Maximiliano Antunes Gurjão, herói da ponte de Itororó. Foi construido nas oficinas de Lombardi em Bréscia. O trabalho de escultura foi feito pelo professor Allegretri do Insttuto de Belas Artes de Roma.
IV - O túmulo do capitão de mar e guerra José Joaquim da Silva;
V - o do cônego Siqueira Mendes;
VI - o de Manoel Coelho de Souza e outros jazigos como os das famílias Chermont, Barata, Antônio Teodorico da Silva Pena, Visconde de Arari, Joaquim Marcelino Rosa, Joaquim Roberto da Silva e a sepultura de azulejos portuguêses de Raimunda Chermont Picanço, que é tida como milagrosa.
Com o início da República deu-se a secularização dos cemitérios - aliás sem indenização à Santa Casa Paraense dos capitais ali empregados, ao lado dos da Província. Um termo de entrega em 1891 das citadas necrópoles belenenses, autorizadas aos 17 de outubro de 1890, vem reproduzido na íntegra no livro de Arthur Vianna. Ali se relacionam as alfaias e imagens de capela da Soledade. Achar-se-ão ainda no local?
O representante da Diretoria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional propusera, como vimos no início de 1948, as inscrições em Livro do Tombo, do tradicional cemitério.
Passados mais de 15 anos, circunstâncias novas deram maior realce às importância dessa necrópole - sobretudo no plano urbanístico-paisagístico, -relativamente à cidade de Belém, que ora se transforma com rapidez nêsse particular e no de sua arquitetura em geral.



image hosted on flickr


image hosted on flickr


image hosted on flickr



O fato do cemitério haver funcionado somente durante cêrca de 30 anos lhe confere especial unidade de concepção e de realização de valores arquitetônicos e escultóricos que ampliam o seu sentido espiritual e histórico.
Situado dois quarteirões por detrás do largo da Pólvora (hoje Praça da República) êle se acha em zona residencial ainda, baixa, mas perto do centro. Fornece à cidade um elemento de meados do século passado dígno de perservação para as gerações futuras, por êsse caráter urbanístico-paisagistico, além dos motivos anteriormente considerados.
Cumpre ao povo de Belém - do Pará, do país inteiro - lutar pela preservação do antigo cemitério. Entre tantos erros urbanísticos dos últimos anos - na sêde cega de dinheiro, que caracteriza os homens de hoje - não se cometa mais êste. Que a Serzedêlo Corrêa e suas travessas, ao alcance do largo da Pólvora, tenham o seu velho cemitério, a mostrar um pouco da antiga Belém, da grande Belém de outras épocas, com o respeito devido aos ancestrais e ao passado."

Fonte: História das Cidades - http://www.hcgallery.com.br/cemiterio_1.htm



By Feio Pra Chuchú no Flickr
__________________
Descanse em paz mano velho......
_______________________________________

Last edited by FEIO PRA CHUCHÚ; June 9th, 2009 at 06:16 PM.
FEIO PRA CHUCHÚ no está en línea   Reply With Quote

Sponsored Links
 
Old June 9th, 2009, 02:17 PM   #2
dricobel
OFF
 
dricobel's Avatar
 
Join Date: Dec 2007
Location: Belém - Pa
Posts: 37,421
Likes (Received): 1455

Olha, ficou muito boa essa segunda parte!

Feio, temos outro cemitério nesse mesmo estilo no bairro do Guamá, se trata do cemitério da Ordem Terceira que fina na avenida José Bonifácio bem de frente ao Santa Isabel!
__________________
Belém
dricobel no está en línea   Reply With Quote
Old June 9th, 2009, 05:48 PM   #3
FEIO PRA CHUCHÚ
Registered User
 
FEIO PRA CHUCHÚ's Avatar
 
Join Date: Jul 2008
Location: BELÉM
Posts: 2,519
Likes (Received): 29

Quote:
Originally Posted by dricobel View Post
Olha, ficou muito boa essa segunda parte!

Feio, temos outro cemitério nesse mesmo estilo no bairro do Guamá, se trata do cemitério da Ordem Terceira que fina na avenida José Bonifácio bem de frente ao Santa Isabel!

Obrigado Drico....dessa vez vou dar um tempo de cemitério,uns 30 anos talvez,além do mais,contraí uma micose no vão do meu dedão,acho que foi de tanto andar por entre os tumúlos dos cemitérios de Belém
__________________
Descanse em paz mano velho......
_______________________________________

Last edited by FEIO PRA CHUCHÚ; June 10th, 2009 at 02:12 AM.
FEIO PRA CHUCHÚ no está en línea   Reply With Quote
Old June 10th, 2009, 03:55 AM   #4
Scantlebury2
/lixa
 
Scantlebury2's Avatar
 
Join Date: Dec 2008
Location: Belém - Brasil / Paris - France
Posts: 3,377
Likes (Received): 25

Belo thread, seu feio!

também adoro cemitérios.

Quote:
Originally Posted by FEIO PRA CHUCHÚ View Post
Obrigado Drico....dessa vez vou dar um tempo de cemitério,uns 30 anos talvez,além do mais,contraí uma micose no vão do meu dedão,acho que foi de tanto andar por entre os tumúlos dos cemitérios de Belém
Égua! Agora tu me deixaste cabreiro

a única coisa que me deixa com medo de cemitério é a quantidade de animais peçonhentos como aranhas, escorpiões e lacraias que é encontrada. Tenho aracnofobia.
__________________
..............


facebook
Instagram: scantlebury
Email: victorscantlebury@hotmail.com
Scantlebury2 no está en línea   Reply With Quote
Old June 12th, 2009, 10:24 PM   #5
FEIO PRA CHUCHÚ
Registered User
 
FEIO PRA CHUCHÚ's Avatar
 
Join Date: Jul 2008
Location: BELÉM
Posts: 2,519
Likes (Received): 29

Quote:
Originally Posted by Scantlebury2 View Post
Belo thread, seu feio!

também adoro cemitérios.



Égua! Agora tu me deixaste cabreiro

a única coisa que me deixa com medo de cemitério é a quantidade de animais peçonhentos como aranhas, escorpiões e lacraias que é encontrada. Tenho aracnofobia.
Sabes que lacraias e aranhas ainda encontro no quintal de casa....
__________________
Descanse em paz mano velho......
_______________________________________
FEIO PRA CHUCHÚ no está en línea   Reply With Quote
Old June 15th, 2009, 03:33 AM   #6
danconascimento
Registered User
 
danconascimento's Avatar
 
Join Date: May 2009
Location: Brasil/Belém do Pará
Posts: 29
Likes (Received): 0

Muito boa a aula de história desse tópico, vou pesquisar sobre as figuras ilustres do Pará que repousam no Soledade.
valeu Feio.
danconascimento no está en línea   Reply With Quote
Old June 15th, 2009, 11:19 PM   #7
ThamiV
Paraense com orgulho!
 
ThamiV's Avatar
 
Join Date: Mar 2008
Location: Belém, Pará, Brasil
Posts: 702
Likes (Received): 2

Feio, esse thread ficou show demais!
Eu sou parada nos cemitérios de Belém mas cadê a coragem de entrar na Soledad?
tem não hihihihi
Parabeeens, viu?
__________________
Quem vai ao Pará, parou. Tomou açaí, ficou.
ThamiV no está en línea   Reply With Quote
Old June 16th, 2009, 07:27 AM   #8
FEIO PRA CHUCHÚ
Registered User
 
FEIO PRA CHUCHÚ's Avatar
 
Join Date: Jul 2008
Location: BELÉM
Posts: 2,519
Likes (Received): 29

ObrigadÙùùùùù!
__________________
Descanse em paz mano velho......
_______________________________________
FEIO PRA CHUCHÚ no está en línea   Reply With Quote


Reply

Thread Tools
Rate This Thread
Rate This Thread:

Posting Rules
You may not post new threads
You may not post replies
You may not post attachments
You may not edit your posts

BB code is On
Smilies are On
[IMG] code is On
HTML code is Off



All times are GMT +2. The time now is 11:49 AM.


Powered by vBulletin® Version 3.8.8 Beta 1
Copyright ©2000 - 2014, vBulletin Solutions, Inc.
Feedback Buttons provided by Advanced Post Thanks / Like v3.2.5 (Pro) - vBulletin Mods & Addons Copyright © 2014 DragonByte Technologies Ltd.

vBulletin Optimisation provided by vB Optimise (Pro) - vBulletin Mods & Addons Copyright © 2014 DragonByte Technologies Ltd.

SkyscraperCity ☆ In Urbanity We trust ☆ about us | privacy policy | DMCA policy

Hosted by Blacksun, dedicated to this site too!
Forum server management by DaiTengu