"Arquitetura para a vida do homem" - SkyscraperCity
 

forums map | news magazine | posting guidelines

Go Back   SkyscraperCity > Latin American & Caribbean Forums > Brasil > Fóruns Gerais > Arquitetura e Discussões Urbanas


Global Announcement

As a general reminder, please respect others and respect copyrights. Go here to familiarize yourself with our posting policy.


Reply

 
Thread Tools Rating: Thread Rating: 1 votes, 5.00 average.
Old August 27th, 2009, 02:56 PM   #1
Cadu-BH
¬¬
 
Cadu-BH's Avatar
 
Join Date: May 2008
Location: Belo Horizonte
Posts: 403
Likes (Received): 3

"Arquitetura para a vida do homem"

segue um texto simples, nada técnico, mas com um posicionamento crítico sempre bom de se relembrar. é que, frequentemente, perdemos de vista a razão de ser das coisas e com a arquitetura - sobretudo com a arquitetura, essencialmente entrelaçada ao estético -, não haveria de ser diferente. espero que gostem também.


A beleza do simples

NINA HORTA
Folha de S. Paulo, 27.08.09

TUDO ESTÁ mesmo relacionado com a comida. Arquitetura, então! Um artigo meu já saiu numa revista de arquitetura, e um pedaço dele era este: "Comida boa é comida sob a perspectiva de nós próprios e de nosso mundo, mas sem esquecer o outro, que vai nos confirmar ainda mais quem somos. Cozinhar bem é estar solto, sem vergonha de mostrar a cara, fiéis a nós mesmos, ao nosso grupo, à nossa gente".

E vejam uma citação do arquiteto Luigi Piccinato: "O princípio básico para se fazer arquitetura é procurar redescobrir e valorizar os materiais que nos são oferecidos, aceitá-los, esses materiais, sem camuflá-los e sem envergonhar-se deles, mas, ao contrário, exaltá-los". Pois não é que os dois parágrafos servem para a arquitetura e para a comida?

Quando chego para fazer um jantar numa casa em que não se pode usar a mesa porque é de material que mancha, acho que deve haver alguma coisa podre no reino da Dinamarca. Como precisar enfaixar uma mesa como se fosse uma obra de Cristo? Para que serve, então, a mesa, se não serve para se comer sobre ela e, eventualmente, derrubar o vinho?

Bom, o que quero dizer é que adorei o livro da Cosac Naify "Lina por Escrito", com coletânea de artigos da arquiteta ítalo-brasileira Lina Bo Bardi. E não vou resenhá-lo, só dizer que gostei por ser cozinheira, e não arquiteta.. São 33 textos, dos anos 40 aos 90, em que ela luta pela beleza do simples, abre nossos olhos para a importância da arte popular, tenta formar um público crítico, sempre corajosa nas suas atitudes, divulgando a arquitetura como profissão, a importância do planejamento urbano, a industrialização, o design e mais e mais. Você imagina que uma pensadora não se dedicaria a detalhes de uma casa, mas ela se dedica, sim, muito, procurando funcionalidade e tendo como decorrência dela a beleza. Pensava na colher de pau, no bule de lata, na moringa, na lixeira. Acho que nos fazem falta os arquitetos palradores, que nos mostrem tanto seus projetos quanto a explicação escrita deles.

O que pensaria ela dos condomínios de luxo, dos bunkers de mármore, dos carros blindados, desta arquitetura desconfiada, contra o outro, contra o bairro, contra a calçada, contra a rua, contra o mundo?

Arquitetura medrosa. Anti-hospitaleira. Atrás do bufê tem uma vila de casas mínimas onde era gostoso espichar as pernas, dar uma volta no quarteirão, observando as casinhas bem tratadas, conversando com um morador aqui, outro ali. Pois não é que puseram portões altos dos dois lados? Mas isso é legal? Perdemos o quarteirão. Não era nosso? De quem era? E esses portões tomam conta de que fortuna? Com porteiro e tudo? São macaquices para fingir status, isto sim.

Reparem no Sesc Pompeia. Sempre acho graça naqueles buracos na parede para ventilar. Tipo ovo de Colombo. Não vai ter ar refrigerado.
Então, vamos fazer correnteza no edifício para estar sempre fresquinho. E a facilidade para se entrar lá, e a mistura completa de gente de toda a idade, espalhada, se divertindo, dançando, escrevendo, pintando, conversando... Acho que deu certo.

Uma reflexão da Lina Bo Bardi, de pós-guerra, depois de ver as casas ruírem. "Foi então, enquanto as bombas demoliam sem piedade a obra e a obra do homem, que compreendemos que a casa deve ser para a "vida" do homem... os móveis devem servir, as cadeiras para sentar, as mesas para comer, as poltronas para ler e repousar, as camas para dormir... [a casa] uma aliada do homem, ágil e serviçal, e que pode, como o homem, morrer..."
Podemos aprender muito com esse livro. Hoje mesmo vou começar a jogar fora coisas do meu bazar turco, tanto na cozinha, como na culinária e na vida. Pela décima vez.

(http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilu...2708200919.htm)
__________________
on the sunny side of the street
Cadu-BH no está en línea   Reply With Quote
Sponsored Links
Advertisement
 
Old August 27th, 2009, 11:35 PM   #2
FlicK
Arquiteto e Urbanista
 
Join Date: Aug 2006
Posts: 21,187
Likes (Received): 2565

Gostei do texto, mas achei que ele pode direcionar a opinião dos outros contra a arquitetura contemporânea, visto que os excessos e os "erros" descritos não são arquitetura, mas sim receios e desejos da população.

A questão da mesa é nada mais do que um exemplo de status a qualquer custo. Gostei das metáforas e comparações. Em suma, projetar é o mesmo que cozinhar: se formos fazer bem feito, cuidando cada detalhe e dando o máximo de nosso potencial, o produto vai ser qualificado.

FlicK no está en línea   Reply With Quote
Old August 28th, 2009, 05:42 PM   #3
Cadu-BH
¬¬
 
Cadu-BH's Avatar
 
Join Date: May 2008
Location: Belo Horizonte
Posts: 403
Likes (Received): 3

Quote:
Originally Posted by FlicK View Post
Gostei do texto, mas achei que ele pode direcionar a opinião dos outros contra a arquitetura contemporânea, visto que os excessos e os "erros" descritos não são arquitetura, mas sim receios e desejos da população.

A questão da mesa é nada mais do que um exemplo de status a qualquer custo. Gostei das metáforas e comparações. Em suma, projetar é o mesmo que cozinhar: se formos fazer bem feito, cuidando cada detalhe e dando o máximo de nosso potencial, o produto vai ser qualificado.

concordo que o texto tende a uma má conceituação da arquitetura contemporânea, mas os tais erros e características que ela expressa ali são sim arquitetura, porque reveladores, de uma maneira geral, da sua desvirtuação, de como ela tem se dado.

pelo texto, temos uma arquitetura que tem sido cada vez menos arte e cada vez mais técnica a serviço da "vida do homem". o que se contrapõe, precisamente, ao significado do excerto presente no texto: a arquitetura "para a vida do homem" vai além desse pragmatismo que envolve a técnica a fim de conformar a arquitetura à vida e, hoje, à vida moderna. o texto parece repudiar a perda de valores sociais, culturais, à qual, por consequência, a arquitetura tem se moldado. daí, é de se indagar: arquitetura para ESTA vida do homem? achei importante esse texto, porque revela, ao menos para mim, que as coisas, quem sabe, não precisam sempre ser o que têm já por muito tempo sido.
__________________
on the sunny side of the street
Cadu-BH no está en línea   Reply With Quote
Sponsored Links
Advertisement
 


Reply

Thread Tools
Rate This Thread
Rate This Thread:

Posting Rules
You may not post new threads
You may not post replies
You may not post attachments
You may not edit your posts

BB code is On
Smilies are On
[IMG] code is On
HTML code is Off



All times are GMT +2. The time now is 06:05 PM.


Powered by vBulletin® Version 3.8.11 Beta 4
Copyright ©2000 - 2019, vBulletin Solutions Inc.
vBulletin Security provided by vBSecurity v2.2.2 (Pro) - vBulletin Mods & Addons Copyright © 2019 DragonByte Technologies Ltd.
Feedback Buttons provided by Advanced Post Thanks / Like (Pro) - vBulletin Mods & Addons Copyright © 2019 DragonByte Technologies Ltd.

SkyscraperCity ☆ In Urbanity We trust ☆ about us