Rio Grande do Sul - Notícias - Page 1133 - SkyscraperCity
 

forums map | news magazine | posting guidelines

Go Back   SkyscraperCity > Latin American & Caribbean Forums > Brasil > Fóruns Regionais > Sul > Notícias da Região


Reply
 
Thread Tools
Old November 7th, 2019, 05:41 AM   #22641
GersonLDN
-*-*-*-
 
GersonLDN's Avatar
 
Join Date: Mar 2005
Location: London-UK/Porto Alegre-BR
Posts: 22,894
Likes (Received): 28043

Tupanciretã

Área 2 252 km²
População 22 286 hab.
Densidade 9,9 hab./km²
Altitude 465 m
Fundação 21 de dezembro de 1928

















__________________
.



“The World is a book and those who do not travel read only a page” (Augustine of Hippo)
_______________________

Kehrwald, Pietrin, Pedro Mendes, Sulzbach liked this post
GersonLDN no está en línea   Reply With Quote
Sponsored Links
Advertisement
 
Old November 7th, 2019, 05:42 AM   #22642
GersonLDN
-*-*-*-
 
GersonLDN's Avatar
 
Join Date: Mar 2005
Location: London-UK/Porto Alegre-BR
Posts: 22,894
Likes (Received): 28043

Parte II:














__________________
.



“The World is a book and those who do not travel read only a page” (Augustine of Hippo)
_______________________

Bonja, Kehrwald liked this post
GersonLDN no está en línea   Reply With Quote
Old November 7th, 2019, 05:43 AM   #22643
GersonLDN
-*-*-*-
 
GersonLDN's Avatar
 
Join Date: Mar 2005
Location: London-UK/Porto Alegre-BR
Posts: 22,894
Likes (Received): 28043

Tupancireta antiga

__________________
.



“The World is a book and those who do not travel read only a page” (Augustine of Hippo)
_______________________

Kehrwald, Sulzbach liked this post
GersonLDN no está en línea   Reply With Quote
Old November 7th, 2019, 05:57 AM   #22644
GersonLDN
-*-*-*-
 
GersonLDN's Avatar
 
Join Date: Mar 2005
Location: London-UK/Porto Alegre-BR
Posts: 22,894
Likes (Received): 28043

Senadores gaúchos são contra proposta que reduz número de municípios
Medida apresentada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, é considerada "bode na sala"





Os três senadores gaúchos são contra a proposta do ministro da Economia, Paulo Guedes, que extingue municípios com menos de 5 mil habitantes e que não conseguem se sustentar com arrecadação própria.

A coluna consultou Lasier Martins (Podemos), Luís Carlos Heinze (PP) e Paulo Paim (PT). Todos afirmaram que, se o tema chegar ao plenário, votarão contra.

A principal resistência não está concentrada no mérito da medida, mas na viabilidade política. Lasier lembra que muitos deputados e senadores pretendem concorrer às eleições municipais do próximo ano. Além disso, disse o senador, é uma proposta que afeta a autoestima das pessoas que vivem nesses municípios.

Há um consenso de que essa sugestão é o "bode na sala" no pacote de ajuste fiscal.

https://gauchazh.clicrbs.com.br/colu...2q54jlp8v.html
__________________
.



“The World is a book and those who do not travel read only a page” (Augustine of Hippo)
_______________________

Bonja liked this post
GersonLDN no está en línea   Reply With Quote
Old November 7th, 2019, 02:15 PM   #22645
GersonLDN
-*-*-*-
 
GersonLDN's Avatar
 
Join Date: Mar 2005
Location: London-UK/Porto Alegre-BR
Posts: 22,894
Likes (Received): 28043

Número de pessoas que vivem na extrema pobreza cai no RS
Rio Grande do Sul é o segundo estado com menor número proporcional de pessoas que vivem com menos de US$ 1,9 por dia



Na contramão do índice nacional, o número de pessoas que vivem na extrema pobreza caiu de 2017 para 2018 no Rio Grande do Sul, de acordo com a Síntese de Indicadores Sociais, apresentada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nesta quarta-feira. Segundo o órgão, 218 mil pessoas viviam nessas condições até o ano passado.

No levantamento, são consideradas pessoas nesta situação aquelas que vivem com menos de 1,9 dólar por dia – o equivalente a R$ 145 por mês. O parâmetro é baseado em índice do Banco Mundial.

O Rio Grande do Sul voltou a registrar queda após dois anos seguidos de alta. Casualmente, passou da melhor marca já alcançada, em 2015, para a pior, em 2017. Enquanto em 2015 havia 154 mil pessoas na extrema pobreza, em 2017 foram computadas 263 mil.

De acordo com o levantamento do IBGE, o Rio Grande do Sul é o segundo estado com a menor proporção de população na extrema-pobreza: 1,9% dos gaúchos vivem com menos de US$ 1,9 por mês. Proporcionalmente, o estado em melhor situação é Santa Catarina, que tem 1,4% neste quesito. O índice nacional, que voltou a crescer, ficou em 6,5%.

Porto Alegre acompanhou a tendência do Rio Grand do Sul e, no ano seguinte ao ápice no número de gente na extrema pobreza, caiu. E 2018 fechou com 20 mil pessoas, o equivalente a 1,4% da população da Capital, vivendo com menos de US$ 1,9 por dia. No ano anterior, foram 2,4% da população nesta situação, aproximadamente 20,5 mil pessoas.

https://www.correiodopovo.com.br/not...no-rs-1.378351


Quote:
Originally Posted by Barriga-Verde View Post

Quote:
Originally Posted by Barriga-Verde View Post
Rendimento domiciliar per capita mediano – UFs (em reais):

Distrito Federal: R$ 1.221
Santa Catarina: R$ 1.188
Rio Grande do Sul: R$ 1.071
São Paulo: R$ 1.043
Paraná: R$ 985
Rio de Janeiro: R$ 958
Mato Grosso: R$ 947
Mato Grosso do Sul: R$ 925
Goiás: R$ 904
Minas Gerais: R$ 862

Rendimento domiciliar per capita mediano – Capitais (em reais):

Florianópolis: R$ 1.676
Porto Alegre: R$ 1.583
Vitória: R$ 1.481
Curitiba: R$ 1.355
Rio de Janeiro: R$ 1.236
Brasília: R$ 1.221
São Paulo: R$ 1.195
Goiânia: R$ 1.173
Belo Horizonte: R$ 1.111
Cuiabá: R$ 1.064

Fonte: IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, 2018
__________________
.



“The World is a book and those who do not travel read only a page” (Augustine of Hippo)
_______________________
GersonLDN no está en línea   Reply With Quote
Old November 7th, 2019, 03:32 PM   #22646
GersonLDN
-*-*-*-
 
GersonLDN's Avatar
 
Join Date: Mar 2005
Location: London-UK/Porto Alegre-BR
Posts: 22,894
Likes (Received): 28043

Vereadores de Porto Alegre rejeitam projeto que restringia avanços e incorporações para procuradores
Resultado surpreendeu articuladores do prefeito Nelson Marchezan



Os vereadores de Porto Alegre pegaram de surpresa o prefeito Nelson Marchezan e seus aliados ao não aprovarem um projeto que restringia o pagamento de avanços e incorporações aos procuradores municipais. O texto foi votado na Câmara Municipal nesta quarta-feira (6) e recebeu apenas 17 votos a favor, dois a menos que o necessário para a aprovação.

O líder do governo na Câmara, Mauro Pinheiro (Rede), disse que o projeto pretendia garantir a isonomia dos procuradores com os demais servidores, que perderam benefícios em um projeto aprovado em março.

O governo contava com o apoio de Reginaldo Pujol (DEM), que não votou, e de Lourdes Sprenger (MDB), que se absteve.

Ao todo, o projeto recebeu cinco votos contrários e uma abstenção. Dez parlamentares simplesmente decidiram não votar o texto.

Um dos que preferiu não se posicionar, Cassiá Carpes (PP), que votou a favor da restrição de avanços e adicionais aos demais servidores, justificou que o projeto “não estava bem explicado”.

Marcelo Sgarbossa (PT) votou contra o texto e afirmou que a proposta governo previa regras mais duras para os procuradores do que as aprovadas para os demais servidores.

Além de transformar os avanços salarias dos atuais 5% a cada três anos para 3% a cada cinco anos e endurecer as regras para a incorporação de valores recebidos pelo exercício de Funções Gratificadas (FGs), o projeto previa a possibilidade de o prefeito instaurar, de ofício, processos ou inquéritos administrativos em que os procuradores sejam acusados ou investigados.


https://gauchazh.clicrbs.com.br/colu...2fb9iql3j.html
__________________
.



“The World is a book and those who do not travel read only a page” (Augustine of Hippo)
_______________________
GersonLDN no está en línea   Reply With Quote
Old November 7th, 2019, 04:13 PM   #22647
snowb
Registered User
 
snowb's Avatar
 
Join Date: Dec 2006
Posts: 1,190
Likes (Received): 28

Impressiona os % de pobreza do nordeste, realmente outro Brasil.
snowb no está en línea   Reply With Quote
Old November 7th, 2019, 04:18 PM   #22648
snowb
Registered User
 
snowb's Avatar
 
Join Date: Dec 2006
Posts: 1,190
Likes (Received): 28

Quote:
Originally Posted by Sulzbach View Post

Nosso mar fica até esverdeado em muitos dias, geralmente quando há a atuação de uma onda de calor intensa. Aí o interior torra nos 40° e o litoral fica agradável com mar azul/verde, depois chega a frente fria com a chuva e o mar fica marrom. Isso acontece várias vezes entre dezembro e março.

Em beleza e agradabilidade, Torres ganha de levada de todas. Mas Capão e Tramandaí também não ficam muito atrás.



Não faz sentido, pois o PIB gaúcho cresceu quase 4% no primeiro semestre (o maior crescimento em 6 anos), só a indústria cresceu acima de 5%.
Vento sul traz mar limpo, vento nordeste (mais comum) o deixa mais escuro. Comece a observar isso...
snowb no está en línea   Reply With Quote
Old November 7th, 2019, 05:45 PM   #22649
Kehrwald
Registered User
 
Join Date: Sep 2008
Posts: 1,938
Likes (Received): 2856

Quote:
Originally Posted by GersonLDN View Post
[B][SIZE="4"]

Melhores e piores no RS

Na média geral, as cinco cidades mais bem avaliadas no Rio Grande do Sul são
Alpestre (0,9561 ponto),
Tupandi (0,9463 ponto),
Westfália (0,9413 ponto),
Poço das Antas (0,9396 ponto)
e Feliz (0,9013 ponto).


As cinco menores pontuações são de
Vicente Dutra (0,2148 ponto),
Pinheiro Machado (0,2093 ponto),
Maquiné (0,1965 ponto),
Cidreira (0,1481 ponto)
e Barra do Quaraí (0,0871 ponto).
Porto Alegre registra 0,6034 ponto. O estudo mostra que o nível crítico de investimentos limita a situação fiscal da capital.
Interessante que TODAS as cidades bem colocadas são de imigração alemã.
__________________

Bonja liked this post
Kehrwald está en línea ahora   Reply With Quote
Old November 7th, 2019, 05:48 PM   #22650
Kehrwald
Registered User
 
Join Date: Sep 2008
Posts: 1,938
Likes (Received): 2856

Quote:
Originally Posted by snowb View Post
Impressiona os % de pobreza do nordeste, realmente outro Brasil.
Vejo tanta pobreza no Rio Grande do Sul, mas olhando esses números a gente conclui que o resto do Brasil está ainda pior. Complicado mesmo.

E Santa Catarina consegue se decolar dos outros Estados só com base na pujança da iniciativa privada.
Kehrwald está en línea ahora   Reply With Quote
Old November 7th, 2019, 07:30 PM   #22651
noize
NON FVCKOR FVCKO
 
noize's Avatar
 
Join Date: Jul 2004
Location: Porto Alegre
Posts: 3,316
Likes (Received): 629

Quote:
Originally Posted by Kehrwald View Post
Vejo tanta pobreza no Rio Grande do Sul, mas olhando esses números a gente conclui que o resto do Brasil está ainda pior. Complicado mesmo.

E Santa Catarina consegue se decolar dos outros Estados só com base na pujança da iniciativa privada.
SC está na média dos estados do SUL/São Paulo nesse quesito, o que pesa e muito em favor de SC é a renda do turismo e o aquecimento que isso traz pra construção civil, gerando muito emprego nas classes D e até E.
__________________
"Os foristas do SSC disseram; concluíram; decretaram."

Bonja liked this post
noize no está en línea   Reply With Quote
Old November 7th, 2019, 07:45 PM   #22652
noize
NON FVCKOR FVCKO
 
noize's Avatar
 
Join Date: Jul 2004
Location: Porto Alegre
Posts: 3,316
Likes (Received): 629

Mas é inegável que é um estado que explora muito bem todas as suas potencialidades.
__________________
"Os foristas do SSC disseram; concluíram; decretaram."
noize no está en línea   Reply With Quote
Old November 7th, 2019, 07:57 PM   #22653
luancarpe
Compro e vendo likes
 
luancarpe's Avatar
 
Join Date: May 2009
Location: Balneário Camboriú
Posts: 6,432
Likes (Received): 7394

NO RS
Obras das novas praças de pedágio da BR-386 e BR-101 serão concluídas em dezembro
Cobrança só será iniciada após vistoria da ANTT

30/10/2019 - 10h07min
Atualizada em 30/10/2019 - 10h07min



Praça de pedágio de Três Cachoeiras, na BR-101, começa a ganhar forma
Divulgação / CCR ViaSul

Três meses depois de iniciadas, as obras das cinco novas praças de pedágio da BR-386 e da BR-101 começam a ganhar forma. As futuras cabines estão sendo montadas. A previsão da CCR ViaSul é que a construção será concluída até a primeira quinzena de dezembro.

Depois desta etapa, a empresa começará a equipar as praças de pedágio e instalar os sistemas necessários para iniciar a cobrança. Essa fase deverá durar em torno de 30 dias. As datas poderão ser alteradas em razão da chuva.

A partir do fim da automação, prevista para 15 de janeiro, a CCR ViaSul irá solicitar a vistoria da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), que irá avaliar se a tarifa do pedágio já poderá ser cobrada.

O contrato estipula que a cobrança poderá começar a partir de 15 de fevereiro, desde que a empresa tenha cumprido todas suas obrigações. E a CCR ViaSul tenta antecipar essa data.

Quatro das novas praças de pedágio estão sendo erguidas em um trecho de 226 quilômetros da BR-386, em Victor Graeff, Fontoura Xavier, Paverama e Montenegro. A outra está localizada na BR-101, em Três Cachoeiras.

A tarifa para carros é estimada em R$ 4,40. Este é o mesmo valor que já é pago na praça de Gravataí, na freeway. Porém, este preço irá sofrer reajuste da inflação a partir de 2020, como está previsto no contrato.

Já a mudança da praça de Gravataí está prevista para ocorrer em 15 de agosto de 2020. Quando isso ocorrer, a atual praça de Gravataí, localizada no km 77, será demolida. Na mesma data, também deverá ocorrer a cobrança em ambos os sentidos na praça de Santo Antônio da Patrulha. Hoje o pedágio só é cobrado para quem trafega em direção ao Litoral Norte.

(...)

GAÚCHAZH.
__________________
Quote:
Originally Posted by jmatheuss View Post
Migrar en Latinoamérica es como cambiarse de camarote en el Titanic
luancarpe no está en línea   Reply With Quote
Old November 7th, 2019, 08:27 PM   #22654
noize
NON FVCKOR FVCKO
 
noize's Avatar
 
Join Date: Jul 2004
Location: Porto Alegre
Posts: 3,316
Likes (Received): 629

Quote:
Originally Posted by GersonLDN View Post
Número de pessoas que vivem na extrema pobreza cai no RS
Rio Grande do Sul é o segundo estado com menor número proporcional de pessoas que vivem com menos de US$ 1,9 por dia
Mesmo com todas dificuldades sócio-econômicas que vem passando há décadas, tanto o estado quanto a capital, é admirável como conseguem manter a "dignidade" como demonstra esses índices.

Me faz crer que quando ventos melhores soprarem por essas plagas, o que aos poucos vêm se constatando, aqui tem bastante capital humano pra repor o estado e a capital de volta ao topo dos indicadores sociais.
__________________
"Os foristas do SSC disseram; concluíram; decretaram."

Bonja, Sulzbach liked this post
noize no está en línea   Reply With Quote
Old November 8th, 2019, 01:59 AM   #22655
Kehrwald
Registered User
 
Join Date: Sep 2008
Posts: 1,938
Likes (Received): 2856

Quote:
Originally Posted by noize View Post
Mas é inegável que é um estado que explora muito bem todas as suas potencialidades.
Fico impressionado com as cidades catarinenses pequenas quando viajo pra lá. As casas e os estabelecimentos parecem bem construídos, as cidades aparentam prosperidade...
Kehrwald está en línea ahora   Reply With Quote
Old November 8th, 2019, 03:52 PM   #22656
snowb
Registered User
 
snowb's Avatar
 
Join Date: Dec 2006
Posts: 1,190
Likes (Received): 28

Quote:
Originally Posted by Kehrwald View Post
Fico impressionado com as cidades catarinenses pequenas quando viajo pra lá. As casas e os estabelecimentos parecem bem construídos, as cidades aparentam prosperidade...
Exatamente. Eu já rodei muito todo o estado de SC, e nunca cheguei a ver algo de extrema pobreza (um pouco subjetivo isso, mas uso o padrão "brasileiro" de pobreza para comparar). Tem muita gente simples, mas não chego a ver o que categorizaria como miséria.

Sem falar que o estado tem um conceito interessante de polos. Toda região tem um polo com alguma indústria/atividade econômica chave.
__________________

Kehrwald liked this post
snowb no está en línea   Reply With Quote
Old November 8th, 2019, 06:24 PM   #22657
GersonLDN
-*-*-*-
 
GersonLDN's Avatar
 
Join Date: Mar 2005
Location: London-UK/Porto Alegre-BR
Posts: 22,894
Likes (Received): 28043

"Porto Alegre tem a oportunidade de se abrir para o rio", afirma arquiteto da ONU Habitat na capital gaúcha
Cláudio Acioly Jr., que já prestou consultoria em mais de 30 países e está envolvido com a revisão do Plano Diretor de Porto Alegre,
defende parcerias da prefeitura com a iniciativa privada e uma "relação mais direta" dos porto-alegrenses com o Guaíba


O arquiteto brasileiro Cláudio Acioly Jr., 62 anos, conhece como poucos as administrações municipais ao redor do mundo. Como chefe de Capacitação e Formação Profissional do Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (ONU Habitat), o especialista já prestou consultoria em mais de 30 países em áreas como gestão, planejamento urbano e capacitação profissional de servidores públicos. A ONU Habitat firmou um acordo em agosto para prestar assessoria à revisão do Plano Diretor de Porto Alegre, que se encontra em andamento com auxílio de técnicos ligados à entidade. Acioly passou pela capital gaúcha em outubro para participar do 21º Congresso Brasileiro de Arquitetos, promovido pelo Instituto de Arquitetos do Brasil e pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo. Em um intervalo de suas atividades no evento, recebeu GaúchaZH para falar sobre temas como a parceria entre a ONU e a prefeitura de Porto Alegre e a incapacidade de as administrações municipais resolverem os problemas das cidades sem auxílio da sociedade.


Que contribuição a ONU Habitat pode dar à revisão do Plano Diretor de Porto Alegre?
Esse momento crítico de revisar o Plano Diretor é uma oportunidade de rever uma série de premissas, de observar transformações da cidade, mudanças no perfil da população e problemas e oportunidades que aparecem por conta de alterações decorrentes do avanço tecnológico, por exemplo. Em Porto Alegre, há a oportunidade de a cidade se abrir para o rio, manter relação mais direta com a água. Será que se pensou nisso 20 anos atrás? Talvez não tenha se avaliado profundamente o impacto que poderia haver na economia da cidade você ter uma área enorme como a do porto e transformá-la de forma estratégica, com diferentes usos e otimização daquela infraestrutura. Redescobrir a fachada aquática da cidade em vez de dar as costas para esse exuberante espelho d’água.

É o que a prefeitura e o Estado buscam fazer no Cais Mauá.
Estou citando um ponto que me chamou a atenção. Qual a nossa contribuição nisso como ONU Habitat? Podemos trazer para a cidade, para o corpo técnico da prefeitura, para os gestores, uma troca com outras experiências. Pôr a experiência de Porto Alegre no contexto internacional, trazer ferramentas com as quais trabalhamos em outros locais e testá-las aqui.

Que tipo de ferramentas?
Para ajudar na análise. Porque, de maneira geral, percebemos que a cultura do planejamento ainda está impregnada da visão tecnocrática e não tão integradora ou estratégica, no sentido de trazer outras variáveis que não seja só aquela do uso do solo, do urbanismo propriamente dito, do desenho, da forma, do volume e do skyline que você deseja ter.

Que outras variáveis seriam essas?
Quando falamos de mobilidade: o que outras cidades do mundo estão fazendo? É simplesmente mobilidade como transporte público ou conectar esse transporte público a outras opções? Por exemplo, oferecer ônibus, mas também bicicleta, caminhada. Mas será que a condição das calçadas permite que as pessoas circulem de maneira segura e aproveitando os espaços? Só assim podemos desencorajar o uso maciço do transporte individual motorizado.

Por razões ambientais ou de circulação mesmo?
Hoje, as cidades respondem por 70% do volume emitido de gases de efeito estufa. Temos de pensar nas próximas gerações. A China, que era considerada a maior poluidora pelo modelo de desenvolvimento que adotou e por uma urbanização nunca vista, hoje está adotando uma série de medidas. Muitas cidades estão convertendo a frota de ônibus em veículos elétricos. Tem essas mudanças ocorrendo em função de que não teremos um planeta saudável se continuarmos com certas práticas.

O Plano Diretor é um instrumento para viabilizar esse tipo de política urbana?
Eu iria entrar nesta parte. Outra contribuição que podemos dar à prefeitura é conectar o plano local da cidade com o resto. O que é o resto? É o que está se passando na área metropolitana, fora da área metropolitana e no mundo todo, que são os objetivos de desenvolvimento sustentável. Eles incluem qualidade do ar, manejo de resíduos sólidos, mobilidade, patrimônio histórico, habitação, planejamento...

Hoje, municípios como Porto Alegre passam por dificuldades financeiras. É possível dar conta de todos esses desafios com poucos recursos?
Acho que sim. Mas os gestores precisam ser criativos e ampliar seus leques de possibilidades. Sei que no Brasil, hoje, o setor privado está demonizado por questões como corrupção. Criou-se a imagem de que o setor privado só entra com coisas por baixo dos panos, cria processos ilícitos, mas há um setor privado que usa sua responsabilidade social e tem o maior interesse de viver e funcionar em uma cidade que oferece qualidade de vida para os seus clientes e os seus empregados. Uma das coisas a serem feitas é essa: abrir o leque.

No sentido de estimular a busca de parcerias entre os setores público e privado?
Sim. É preciso buscar parcerias com o setor privado, mas também com outros grupos sociais organizados que estão competindo e querendo lugar na cidade onde possam gerar renda e emprego. As cidades brasileiras mostraram que é possível também ter agenda de engajamento da sociedade civil organizada na solução de problemas. A grande mudança que temos de fazer é chegar à conclusão de que os problemas da cidade não são só do governo. São coletivos, de todos. É um tipo de pacto que temos de construir pela escassez de recursos. Por exemplo, o Plano Diretor não é do governo, mas da sociedade, dos porto-alegrenses.

Em Porto Alegre, criou-se o chamado Pacto Alegre, que envolve governo, universidades, setores privados... O senhor se refere a iniciativas como essa?
Ouvi falar que se está construindo isso, é um fato positivo. Também podemos ajudar a prefeitura em termos de experiências internacionais, instrumentos e ferramentas, porque, muitas vezes, o técnico e o funcionário municipal estão sob tanta pressão, apagando tantos incêndios, que não têm tempo de se autocapacitar, ler um livro, se aprofundar. Então, muitas vezes, não têm essa chance de abrir o leque para ver o que está ocorrendo no mundo. Podemos facilitar isso, fazer oficinas internas, criar trocas entre cidades e fortalecer os quadros da prefeitura. Muita coisa também está publicada em inglês, espanhol, e nem todos têm esse domínio. E, como hoje temos essa tecnologia da informação, podemos explorar essas oportunidades para criar uma nova visão para a cidade.

Que potencialidades o senhor vislumbra em Porto Alegre?
A dinâmica construída ao longo dos anos de engajamento da sociedade civil organizada na gestão urbana é um capital de Porto Alegre. A cidade é conhecida internacionalmente por esse modelo de engajamento que o Orçamento Participativo trouxe à tona. Muitos falam que é um modelo político, mas a verdade é que vemos hoje, no Brasil, todas as cores políticas exercitando de uma forma ou de outra o que se chama de orçamento participativo. Porque é importante você trazer a população para o seu processo decisório. Claro que a responsabilidade é do governo local, a prestação de contas é do técnico formado para tomar decisões, mas diferentes tipos de consultas públicas qualificam a decisão. No fim das contas, se você coloca investimento público em um determinado local, e as pessoas nem sequer foram consultadas ou envolvidas nisso, cinco anos depois não têm o menor compromisso de manter. Tenho visto isso muito em muitas cidades. Não há uma fórmula para fazer essa participação, cada cidade tem os seus processos, mas é algo positivo. Chegamos à conclusão de que não há como um governo resolver as coisas sozinho.

Há um debate grande sobre as parcerias com o setor privado. Muitas pessoas são contra a concessão de áreas verdes, por exemplo, por considerar que é uma forma de privatização do espaço público. O senhor entende que esse é o caminho mesmo?
Entendo. A cidade tem de tratar o espaço como bem público e acessível a todos os cidadãos independentemente de cor, origem, o que seja, mas pode ter inclusive uma forma compartilhada de gestão e financiamento. Há algumas leis restritivas, porém, você pode criar essas concertações. No Peru, eles criaram as chamadas “mesas de concertação”, onde estão o governo local, o provincial, os representantes privados, comunitários, a universidade, a imprensa, e todos esses atores discutem problemas e fazem acordos para as soluções. Você tem o compromisso de dizer: “Bom, somos todos responsáveis, temos de fazer isso andar, eu vou fazer a minha parte, você faz a sua”. Você cria a corresponsabilidade, que não é só mais a minha responsabilidade como governo. Eu sei que tenho essa responsabilidade, mas tenho de ser honesto: “Olha, o meu orçamento é esse, não posso fazer mágica”. Aí entramos na criatividade do gestor. Eu acho que as prefeituras, em geral, no Brasil, captam mal.

O que significa isso?
Os cadastros são defasados, há medo de utilizar ferramentas como o Estatuto das Cidades porque vai comprar briga com setores poderosos, imposto predial, solo criado... Vocês, em Porto Alegre, tiveram a tradição de criar uma estratégia de venda de solo criado com a visão de que a cidade pode se densificar, arrecadar com isso e ter recursos para melhorar a infraestrutura e o espaço público, enfim, fazer redistribuição de benefícios na cidade para chegar a um ponto em que mais ou menos todos estão com o mínimo de acessibilidade a bens e serviços que a cidade oferece.

Muitos moradores de bairros mais tradicionais não gostam dessa política de adensamento...
Exato, mas aí vai ter que ralar para melhorar a qualidade de vida. Se não fizer isso, vamos criar uma cidade dividida, o que é ruim para todos. A segregação e a desigualdade criam um passivo que afeta a performance (da cidade) e a capacidade de avançar com suas políticas.

O senhor poderia esclarecer um pouco mais o que quis dizer quando falou que as prefeituras captam mal?
O Ministério das Cidades tinha uma série de carteiras e tinha dinheiro com a Caixa Federal para os governos municipais fazerem seus projetos. Lembro de uma visita que fiz a Porto Alegre, (o projeto) era o Habitat Brasil, tinha lá os recursos e estavam suando para preparar o projeto porque você está ocupado na sua secretaria, ou outro, na dele, todo mundo enfrentando pressão diária do secretário, do cidadão... Está todo mundo correndo, essa é a verdade. Poucas vezes quem trabalha em município está respirando. Você precisa dar atenção à formatação de projetos. Quando trabalhei com a prefeitura do Rio, durante quatro anos capacitei quadros da prefeitura, gerentes de projetos e programas. Era a primeira gestão do César Maia, que fez umas coisas interessantes.Depois, infelizmente, degringolou. Mas, na primeira gestão dele, eu nunca havia visto algo semelhante. Eles tinham um instituto, o Iplan Rio, com o qual criaram uma carteira de projetos urbanos feitos por técnicos excelentes. No momento em que houvesse dinheiro, faziam a licitação ou iam ao BNDES ou à Caixa procurar financiamento. Essa é uma linha.

Há outra?
Há a linha fiscal, que as prefeituras não estão tendo essa receita que deveriam ter porque não têm instrumentos de monitoramento, cadastros (de contribuintes) não estão atualizados, não tem mecanismo de reforço, digamos assim, você dá a cenoura mas tem de ter a vara também. Incentivo e desincentivo.

Historicamente, as cidades têm dificuldade de planejamento e execução. O que se pode fazer para melhorar isso?
Vou me referir a experiências recentes. Fiquei em Roterdã, na Holanda, por muitos anos. Percebo hoje, na Europa, na maioria dos países, que há uma accountability, uma responsabilização, prestação de contas, transparência, tudo junto, onde a cidadania está muito atuante e alerta ao que é feito com os recursos públicos, inclusive quanto tempo se leva para ter um documento, uma aprovação. E a governança eletrônica está muito forte, porque o cidadão quer saber rapidamente. Isso está levando funcionários públicos a elevar suas performances. É uma tendência forte na atualidade.

Há algum exemplo disso no Brasil?
Tem um aplicativo que nós fizemos. É um projeto financiado por um fundo de desenvolvimento da ONU, e eu coordeno isso. Em Niterói (RJ), a prefeitura assumiu compromissos. Por exemplo: se você tem um processo de solicitação de algum serviço municipal, você consegue acompanhar ao vivo onde está o seu processo, e ele tem um tempo para voltar para você com uma resposta. Isso criou um sistema dentro da prefeitura que os levou a ganharem prêmios. Os cidadãos andam pela cidade fotografando e colocam nessa plataforma digital. Um cidadão conseguiu resolver 900 problemas na cidade só com esse aplicativo...

Uma pessoa apenas?
Sim! (Risos.) Porque ele resolveu pegar o celular e ir andando e fotografando buracos, falta de luz, calçada esburacada, essas coisas que o gestor urbano muitas vezes não dá atenção porque está vendo a coisa macro, enquanto o cidadão quer a coisa no micro, quer atravessar a rua com segurança, o lixo coletado, a calçada limpa, essas coisas. Sei que a prefeitura de Niterói levou isso para a gestão financeira da cidade e tem tido impacto... Eu estive lá e fiquei orgulhoso de ser brasileiro ao ver uma cidade de 500 mil habitantes, que tem lá seus problemas, mas na qual o povo está trabalhando engajado com os funcionários públicos. Isso me dá alento. É verdade que sabemos de casos em que o funcionário público está lá encostado, desmotivado, não há como tirar o melhor dele, mas a maioria que eu conheço quer cumprir com o seu papel, fazer, inovar. Se a instituição oferece condições de trabalho, a cidade toda se beneficia.

Muitas cidades enfrentam problemas de segurança e mobilidade, enquanto a ONU estima que a urbanização seguirá em ritmo acelerado até 2050. A tendência é que esses problemas se agravem ou é uma oportunidade para resolvê-los?
Não conheço a tendência demográfica ou econômica de cada uma das cidades, mas observo que algumas começam a encolher por sua economia ou processo demográfico. Os núcleos familiares estão diminuindo, as mulheres estão decidindo não só quantos filhos querem ter, mas se querem ter filhos. Temos de observar isso, é um movimento social que está em curso. Há ainda a longevidade e as taxas de mortalidade, então temos de entender essa dinâmica social atual. Mas, olhando de maneira geral para o futuro, haverá cidades que vão envelhecer e terão de ser revitalizadas. Temos de ter instrumentos de monitoramento para ver onde isso está ocorrendo, assim como vai haver locais com outras dinâmicas muito particulares. Por isso, no começo, falei que a orla da cidade é uma tremenda oportunidade. Temos de ter esses instrumentos de monitoramento e fazer as revisões de Plano Diretor de forma mais regular. Não vamos esperar 10 anos: vamos fazer em cinco anos uma revisão mais light. Ou criamos um conselho que se encontra a cada dois anos, por exemplo. Estou dando ideias. Pode ter um seminário de governo a cada dois anos para falar de mobilidade, dos temas importantes.

Qual os principais desafios das grandes cidades brasileiras neste momento?
Cada cidade é uma cidade e tem as suas especificidades. Não teria coragem de dar uma tábula rasa, mas algumas coisas são comuns. O cidadão reclama da mobilidade e do transporte. Está certo: é onde a política pública está muito mal.


https://gauchazh.clicrbs.com.br/port...ye7h2cajn.html
__________________
.



“The World is a book and those who do not travel read only a page” (Augustine of Hippo)
_______________________

Sulzbach liked this post
GersonLDN no está en línea   Reply With Quote
Old November 9th, 2019, 06:06 PM   #22658
GersonLDN
-*-*-*-
 
GersonLDN's Avatar
 
Join Date: Mar 2005
Location: London-UK/Porto Alegre-BR
Posts: 22,894
Likes (Received): 28043

__________________
.



“The World is a book and those who do not travel read only a page” (Augustine of Hippo)
_______________________

Bonja liked this post
GersonLDN no está en línea   Reply With Quote
Old November 9th, 2019, 06:15 PM   #22659
GersonLDN
-*-*-*-
 
GersonLDN's Avatar
 
Join Date: Mar 2005
Location: London-UK/Porto Alegre-BR
Posts: 22,894
Likes (Received): 28043





__________________
.



“The World is a book and those who do not travel read only a page” (Augustine of Hippo)
_______________________

Pedro Mendes, Kehrwald, o nomade, Sulzbach liked this post
GersonLDN no está en línea   Reply With Quote
Old November 9th, 2019, 06:48 PM   #22660
GersonLDN
-*-*-*-
 
GersonLDN's Avatar
 
Join Date: Mar 2005
Location: London-UK/Porto Alegre-BR
Posts: 22,894
Likes (Received): 28043

Porto Alegre passa a produzir asfalto com maior durabilidade
Adição de polímeros aumenta de 10% a 15% o custo de produção, mas eleva em, pelo menos, cinco anos a vida útil




Pela primeira vez, a prefeitura de Porto Alegre está produzindo um asfalto com vida útil de até 15 anos. Atualmente, o material usado nos reparos das vias da Capital possui durabilidade de oito a 10 anos. Isso é possível por meio da adição de um tipo de polímero, um componente que, ao ser acrescentado nos tanques de mistura do cimento asfáltico, dá mais resistência ao asfalto.

Segundo a prefeitura, a adição desse polímero aumenta de 10% a 15% o custo da produção da massa asfáltica, mas eleva em, pelo menos, cinco anos a vida útil do asfalto. O material foi aplicado recentemente em fase de teste na manutenção do pavimento da Avenida Ipiranga. A partir de agora, o asfalto modificado com esse polímero será utilizado em todas as manutenções nas principais vias da cidade, conforme a Secretaria de Serviços Urbanos.

— Esse ganho de resistência e durabilidade é algo essencial nas vias da Capital, tendo em vista o aumento do tráfego de veículos, especialmente os pesados, e a grande variação de temperatura típica da nossa região, com dias muito frios no inverno e muito quentes no verão. Estas variações de temperatura, aliadas ao movimento e peso dos veículos ampliam os danos à estrutura, causando rachaduras e buracos — afirma o diretor da Divisão de Conservação de Vias Urbanas, engenheiro Nilton Magalhães.

Em 2014, a Avenida Presidente Castello Branco foi uma das pioneiras neste tipo de aplicação em Porto Alegre. As principais vias revitalizadas pelo Programa de Recuperação de Pavimentos Funcional, com financiamento do Banco de Desenvolvimento da América Latina, realizadas em 2016 e 2017, foram recuperadas com asfalto modificado pela adição de polímeros. Nesses casos, o asfalto foi fornecido pela empresa contratada. Agora, a adição será realizada pela prefeitura, inicialmente na usina do bairro Sarandi.

— Estamos investindo cada vez mais em ações e serviços que trarão benefícios à população a longo prazo. Como no asfalto, tendo em vista que mais de 80% da nossa malha viária está vencida — afirma o secretário municipal de Serviços Urbanos, Ramiro Rosário.

https://gauchazh.clicrbs.com.br/port...d2mftcfms.html
__________________
.



“The World is a book and those who do not travel read only a page” (Augustine of Hippo)
_______________________

Bonja, o nomade, Sulzbach liked this post
GersonLDN no está en línea   Reply With Quote
Sponsored Links
Advertisement
 


Reply

Thread Tools

Posting Rules
You may not post new threads
You may not post replies
You may not post attachments
You may not edit your posts

BB code is On
Smilies are On
[IMG] code is On
HTML code is Off



All times are GMT +2. The time now is 01:12 AM. • styleid: 14


Powered by vBulletin® Version 3.8.11 Beta 4
Copyright ©2000 - 2019, vBulletin Solutions Inc.
vBulletin Security provided by vBSecurity v2.2.2 (Pro) - vBulletin Mods & Addons Copyright © 2019 DragonByte Technologies Ltd.
Feedback Buttons provided by Advanced Post Thanks / Like (Pro) - vBulletin Mods & Addons Copyright © 2019 DragonByte Technologies Ltd.

SkyscraperCity ☆ In Urbanity We trust ☆ about us