BRAZIL | Politics & Economy (official thread) - SkyscraperCity
 

forums map | news magazine | posting guidelines

Go Back   SkyscraperCity > Infrastructure and Mobility Forums > General Developments and Discussions

General Developments and Discussions » Bridges | Cycling | Maritime


Global Announcement

As a general reminder, please respect others and respect copyrights. Go here to familiarize yourself with our posting policy.


Reply

 
Thread Tools
Old April 10th, 2018, 04:03 AM   #1
mopc
Registered User
 
mopc's Avatar
 
Join Date: Jan 2005
Location: Santos Sao Paulo
Posts: 18,688
Likes (Received): 17338

BRAZIL | Politics & Economy (official thread)

Rule#1 no chit-chat, no discussions beyond facts and statistics


BRAZIL

population: 210 million (2020 estimate)



Political system

Presidential Republic

Executive power organization


Judicial power organization

Last edited by mopc; April 19th, 2018 at 01:36 PM.
mopc está en línea ahora   Reply With Quote
Sponsored Links
Advertisement
 
Old April 10th, 2018, 04:03 AM   #2
mopc
Registered User
 
mopc's Avatar
 
Join Date: Jan 2005
Location: Santos Sao Paulo
Posts: 18,688
Likes (Received): 17338

IT'S THE ECONOMY STUPID


World's largest economies in Purchasing Power Parity GDP by 2020 by International Monatary Fund


Largest economies by Market Exchange Rates (European countries bloat due to expensive Euro/Pound)


Brazilian economic size in relation to the world peaked in the 80s, not because Brazil shrunk, but because Asia rose.


Population & GNP growth plotted


Population, GNP & per capita income


International reserves held by Brazilian State, in USD, historical chart



Evolution of per capita income in adjusted USD


Long term (1870-2015) evolution of per capita income


Evolution of per capita income in adjusted Brazilian Real (BRL)


When each country reached which per capita income



Federal public debt (BLUE - gross debt - RED - net debt)



BRAZIL'S PER CAPITA INCOME AS PERCENTAGE OF US PER CAPITA INCOME SINCE 1870 (with Western Europe, Argentina, Chile and Uruguay)



Quote:
Originally Posted by HFHF View Post
Per Capita GDP (1990 International Geary-Khamis dollars)
United States=100
Ano --- W.E* --- Argentina --- Brazil --- Chile --- Uruguay
1870 --- 85 --- 54 --- 29 --- 53 --- 89 MONARQUIA Imperador Dom Pedro II
1880 --- 72 --- 0 --- 24 --- 55 --- 65
1890 --- 78 --- 63 --- 23 --- 58 --- 63 REPÚBLICA Deodoro da Fonseca | Floriano Peixoto | Prudente do Morais
1900 --- 75 --- 67 --- 17 --- 54 --- 54
1901 --- 68 --- 65 --- 16 --- 50 --- 50 Campos Sales
1902 --- 69 --- 61 --- 16 --- 52 --- 58
1903 --- 68 --- 66 --- 16 --- 47 --- 57
1904 --- 71 --- 72 --- 16 --- 52 --- 60 Rodrigues Alves
1905 --- 68 --- 75 --- 15 --- 49 --- 50
1906 --- 64 --- 69 --- 15 --- 47 --- 50
1907 --- 66 --- 68 --- 15 --- 50 --- 54
1908 --- 72 --- 80 --- 16 --- 60 --- 65 Afonso Pena
1909 --- 67 --- 74 --- 15 --- 54 --- 59
1910 --- 68 --- 77 --- 15 --- 60 --- 63 Nilo Peçanha
1911 --- 69 --- 74 --- 17 --- 57 --- 59
1912 --- 69 --- 75 --- 16 --- 57 --- 67
1913 --- 70 --- 72 --- 15 --- 56 --- 62 Hermes da Fonseca
1914 --- 72 --- 69 --- 16 --- 52 --- 55
1915 --- 72 --- 67 --- 16 --- 49 --- 51
1916 --- 67 --- 57 --- 15 --- 53 --- 46
1917 --- 68 --- 53 --- 16 --- 56 --- 52 Venceslau Brás
1918 --- 61 --- 57 --- 14 --- 52 --- 50
1919 --- 57 --- 58 --- 16 --- 44 --- 55 Delfim Moreira
1920 --- 60 --- 63 --- 17 --- 50 --- 48
1921 --- 62 --- 65 --- 18 --- 45 --- 52 Epitácio Pessoa
1922 --- 65 --- 66 --- 18 --- 44 --- 56
1923 --- 57 --- 63 --- 17 --- 47 --- 51
1924 --- 61 --- 65 --- 16 --- 49 --- 55 Arthur Bernardes
1925 --- 63 --- 62 --- 16 --- 50 --- 51
1926 --- 60 --- 60 --- 15 --- 43 --- 51
1927 --- 63 --- 63 --- 16 --- 42 --- 58
1928 --- 65 --- 65 --- 18 --- 51 --- 59
1929 --- 64 --- 63 --- 16 --- 50 --- 56 Washington Luís
1930 --- 69 --- 66 --- 17 --- 46 --- 69
1931 --- 71 --- 65 --- 18 --- 39 --- 62
1932 --- 80 --- 72 --- 21 --- 38 --- 65
1933 --- 84 --- 76 --- 23 --- 47 --- 58
1934 --- 82 --- 75 --- 22 --- 52 --- 63
1935 --- 79 --- 72 --- 21 --- 51 --- 61
1936 --- 73 --- 63 --- 20 --- 46 --- 56
1937 --- 74 --- 64 --- 19 --- 49 --- 54
1938 --- 79 --- 66 --- 21 --- 52 --- 60 Getúlio Vargas
1939 --- 78 --- 63 --- 19 --- 48 --- 56
1940 --- 71 --- 59 --- 18 --- 46 --- 52
1941 --- 62 --- 52 --- 16 --- 38 --- 45
1942 --- 51 --- 44 --- 13 --- 33 --- 34
1943 --- 43 --- 36 --- 12 --- 28 --- 29
1944 --- 39 --- 37 --- 11 --- 26 --- 30
1945 --- 35 --- 37 --- 12 --- 30 --- 32
1946 --- 43 --- 51 --- 16 --- 40 --- 44
1947 --- 47 --- 57 --- 17 --- 36 --- 49
1948 --- 48 --- 58 --- 18 --- 41 --- 49
1949 --- 53 --- 56 --- 19 --- 40 --- 50 Eurico Gaspar Dutra
1950 --- 52 --- 52 --- 17 --- 38 --- 49
1951 --- 52 --- 50 --- 17 --- 37 --- 49
1952 --- 52 --- 46 --- 17 --- 38 --- 48 Getúlio Vargas
1953 --- 53 --- 46 --- 17 --- 39 --- 48
1954 --- 57 --- 48 --- 18 --- 38 --- 52
1955 --- 58 --- 48 --- 18 --- 36 --- 49 Café Filho | Carlos Luz| Nereu Ramos
1956 --- 60 --- 48 --- 17 --- 36 --- 49
1957 --- 62 --- 50 --- 18 --- 39 --- 49
1958 --- 65 --- 54 --- 20 --- 41 --- 51
1959 --- 64 --- 47 --- 20 --- 36 --- 43 Juscelino KubitschekKubitschek
1960 --- 67 --- 49 --- 21 --- 38 --- 44
1961 --- 69 --- 51 --- 21 --- 38 --- 44 Jânio Quadros
1962 --- 69 --- 48 --- 21 --- 38 --- 41
1963 --- 69 --- 45 --- 20 --- 38 --- 39 João Goulart
1964 --- 69 --- 46 --- 19 --- 36 --- 38 REGIME MILITAR Castelo Branco (C.B)
1965 --- 68 --- 47 --- 18 --- 34 --- 36 C.B
1966 --- 66 --- 45 --- 18 --- 35 --- 35 C.B
1967 --- 67 --- 45 --- 18 --- 35 --- 33 Costa e Silva (C.S)
1968 --- 68 --- 44 --- 18 --- 34 --- 32 C.S
1969 --- 70 --- 46 --- 19 --- 34 --- 33 C.S
1970 --- 73 --- 49 --- 20 --- 35 --- 34 Emílio Garrastazu Médici (Médici)
1971 --- 73 --- 49 --- 21 --- 37 --- 34 Médici
1972 --- 73 --- 48 --- 22 --- 34 --- 31 Médici
1973 --- 73 --- 48 --- 23 --- 30 --- 30 Médici
1974 --- 75 --- 51 --- 25 --- 30 --- 31 Ernesto Geisel (Geisel)
1975 --- 75 --- 50 --- 26 --- 26 --- 33 Geisel
1976 --- 75 --- 47 --- 26 --- 26 --- 33 Geisel
1977 --- 74 --- 47 --- 26 --- 27 --- 32 Geisel
1978 --- 73 --- 42 --- 25 --- 27 --- 32 Geisel
1979 --- 74 --- 44 --- 26 --- 28 --- 33 João Figueiredo (Figueiredo)
1980 --- 75 --- 44 --- 28 --- 31 --- 35 Figueiredo
1981 --- 74 --- 40 --- 26 --- 31 --- 36 Figueiredo
1982 --- 77 --- 40 --- 26 --- 27 --- 33 Figueiredo
1983 --- 76 --- 39 --- 24 --- 25 --- 30 Figueiredo
1984 --- 73 --- 37 --- 23 --- 25 --- 27 Figueiredo
1985 --- 72 --- 33 --- 24 --- 24 --- 27 Figueiredo (até Março)
1986 --- 72 --- 34 --- 24 --- 25 --- 28REPÚBLICA José Sarney
1987 --- 72 --- 33 --- 24 --- 25 --- 30
1988 --- 73 --- 31 --- 23 --- 26 --- 29
1989 --- 73 --- 28 --- 23 --- 27 --- 28
1990 --- 72 --- 28 --- 21 --- 28 --- 28
1991 --- 74 --- 31 --- 21 --- 30 --- 29 Fernando Collor
1992 --- 73 --- 32 --- 21 --- 32 --- 30
1993 --- 72 --- 33 --- 21 --- 33 --- 31 Itamar Franco
1994 --- 72 --- 34 --- 21 --- 35 --- 31
1995 --- 72 --- 33 --- 22 --- 36 --- 30
1996 --- 71 --- 33 --- 21 --- 38 --- 30
1997 --- 71 --- 34 --- 21 --- 38 --- 31
1998 --- 70 --- 34 --- 20 --- 38 --- 31
1999 --- 70 --- 32 --- 19 --- 36 --- 29 Fernando Henrique Cardoso
2000 --- 70 --- 30 --- 19 --- 36 --- 28
2001 --- 71 --- 29 --- 19 --- 37 --- 27
2002 --- 71 --- 25 --- 19 --- 37 --- 23
2003 --- 70 --- 27 --- 19 --- 38 --- 23
2004 --- 70 --- 28 --- 19 --- 38 --- 25
2005 --- 69 --- 30 --- 19 --- 39 --- 26
2006 --- 70 --- 31 --- 19 --- 40 --- 28 Luíz Inácio Lula da Silva
2007 --- 71 --- 33 --- 20 --- 41 --- 29
2008 --- 71 --- 35 --- 21 --- 42 --- 32

* Western Europe – Austria, Belgium, Denmark, Finland, France, Germany, Italy, Netherlands, Norway, Sweden, Switzerland, United Kingdom.

(subzc) : http://www.ggdc.net/maddison/Histori...le_02-2010.xls

TABELA ORIGINAL (subzc)

Last edited by mopc; May 10th, 2018 at 05:51 PM.
mopc está en línea ahora   Reply With Quote
Old April 10th, 2018, 04:04 AM   #3
mopc
Registered User
 
mopc's Avatar
 
Join Date: Jan 2005
Location: Santos Sao Paulo
Posts: 18,688
Likes (Received): 17338

DEMOGRAPHICS

BRAZIL POPULATION 2018: 210 MILLION


Population growth since late 19th century


Child mortality rate 2016: 13.8 deaths for each 1000 infants

CHILD MORTALITY from 1980 through 2009


AVERAGE CHILD PER WOMAN (2015): 1.75

PERCENTAGE OF POPULATION UNDERNOURISHED (2016): 1.6%
Rate in 2001: 12.3%


POVERTY RATE







Percentage of pop living overseas




URBAN POVERTY / SLUMS (FAVELAS)

Quote:
Originally Posted by joao3190 View Post
méxico tem a maiores favela do mundo na america latina


Brasil e argentina ainda bem menores em favelas,acreditem















Last edited by mopc; July 23rd, 2018 at 09:45 PM.
mopc está en línea ahora   Reply With Quote
Sponsored Links
Advertisement
 
Old April 10th, 2018, 04:05 AM   #4
mopc
Registered User
 
mopc's Avatar
 
Join Date: Jan 2005
Location: Santos Sao Paulo
Posts: 18,688
Likes (Received): 17338

R&D


Last edited by mopc; April 22nd, 2018 at 03:19 AM.
mopc está en línea ahora   Reply With Quote
Old April 10th, 2018, 04:06 AM   #5
mopc
Registered User
 
mopc's Avatar
 
Join Date: Jan 2005
Location: Santos Sao Paulo
Posts: 18,688
Likes (Received): 17338

LABOR

Brazilian labor cost online calculator

PER CAPITA HOUSEHOLD INCOME
R$ 1.268/month

MINIMUM WAGE IN BRAZIL
USD 1,30 / hour
USD 280 / month

Labor tax competitiveness country comparison PDF (2012)



Brazilian labor costs compared to world average

Last edited by mopc; June 6th, 2018 at 05:28 PM.
mopc está en línea ahora   Reply With Quote
Old April 10th, 2018, 04:07 AM   #6
mopc
Registered User
 
mopc's Avatar
 
Join Date: Jan 2005
Location: Santos Sao Paulo
Posts: 18,688
Likes (Received): 17338

POLITICAL PARTIES



















Partido Progressista (PP) é um partido político brasileiro. Com 1 416 166 filiados em maio de 2012, é o quarto maior partido do país, atrás apenas do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), Partido dos Trabalhadores (PT) e do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB).[6] Suas cores são o vermelho, o branco e o azul e seu símbolo é uma flor estilizada. Seu código eleitoral é o 11.

Sua mais conhecida liderança é o político, engenheiro e empresário paulista Paulo Maluf, que concorreu indiretamente à Presidência da República em 1985, num pleito que foi vencido por Tancredo Neves. Em Santa Catarina o partido mostra suas forças principalmente em torno da família Amin: Esperidião Amin, eleito duas vezes governador e também prefeito da capital, Florianópolis, e sua mulher, Ângela Amin, elegeu-se duas vezes prefeita de Florianópolis e por duas vezes disputou a eleição para governador do estado, tendo perdido ambas, em 2010 para o democrata Raimundo Colombo. No Rio de Janeiro, o partido tem um importante filiado: Francisco Dornelles, senador da República pelo estado no período 2007–2014 e vice-governador na chapa de Luiz Fernando Pezão (PMDB). Outros membros históricos do PP são os economistas Roberto Campos (falecido em 2001 quando ainda estava filiado ao partido), Antônio Delfim Netto (que em 2005 saiu e ingressou no PMDB), e Pratini de Moraes (ainda membro do PP), todos ministros da área econômica do governo federal no período do regime militar, além de Affonso Celso Pastore (que também se desfiliou do PP), presidente do Banco Central do Brasil no governo João Figueiredo, bem como o deputado federal Jair Bolsonaro, que esteve no partido desde a criação do PPR, e é apoiado pelas classes militar e conservadora, e pela bancada cristã, atualmente presente no Partido Social Cristão (PSC) juntamente de seus três filhos, também membros do legislativo. O atual presidente do partido é o senador Ciro Nogueira, do Piauí.[7]

Foi aliado do governo Lula,[8] do governo Dilma[9] e do governo de Michel Temer.[10] Apesar das investigações pela Polícia Federal sobre corrupção, cresceu em número de prefeituras conquistadas nas eleições municipais em 2016, em comparação a 2012, 494 contra 474, somente com os resultados do primeiro turno.



Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) é um partido político do Brasil. Foi fundado em 25 de junho de 1988 pelo ex-governador Mario Covas (à época, senador). Seu símbolo é um tucano nas cores azul e amarela: por esta razão, seus membros são, eventualmente, chamados de "tucanos", e raramente de "peessedebistas".[21][22] O seu código eleitoral é o 45.[23]

Em 2010, o partido teve cinco indicados pela Revista Época entre os cem brasileiros mais influentes do ano: Fernando Henrique Cardoso (ex-presidente da república), José Serra (ex-governador de São Paulo), Aécio Neves (ex-governador e senador eleito por Minas Gerais), Geraldo Alckmin (governador eleito de São Paulo) e Antonio Anastasia (governador de Minas Gerais).[24]

Foram presidentes nacionais do partido Franco Montoro, Fernando Henrique Cardoso, Mário Covas, José Richa e Pimenta da Veiga (que se revezaram em uma comissão provisória, no primeiro ano depois da fundação). Passaram, também, pela presidência, Tasso Jereissati e José Serra, entre outros.[25] O posto é atualmente ocupado por Geraldo Alckmin, eleito em 2017.





Democratas (DEM) é um partido político brasileiro de centro-direita[10][11][12][13] cuja ideologia política é o Liberalismo.[14][nota 1] É membro da Internacional Democrata Centrista (junto com diversos outros partidos de centro-direita como a CDU na Alemanha e Os Republicanos na França) e também da União Internacional Democrata (que reúne partidos de direita como os Republicanos dos Estados Unidos). O DEM tem como pré candidato a presidência do Brasil o presidente da Câmara dos Deputados do Brasil Rodrigo Maia

A nomenclatura Democratas data de 28 de março de 2007, e seu código eleitoral é o 25,[15] seus membros são chamados de demistas[16] e suas cores oficiais são o azul, o verde e o branco. O Democratas são a primeira agremiação brasileira desde o fim do bipartidarismo em 1979 sem "Partido" no nome,[17] e também cuja sigla não é um acrônimo.

O partido compôs a oposição ao governo Lula e ao governo Dilma (2011–2016) e faz parte da base aliada do governo Temer.[carece de fontes] Possui a oitava maior bancada na Câmara Federal, e a sexta no Senado Federal, além de governar 267 prefeituras.[18] Possui raízes na política nordestina de onde provém a maior parte de sua bancada.[19] Houve uma redução dessa presença na região, porém, com a migração do clã Sarney para o PMDB e a morte de Antônio Carlos Magalhães em 2007. Ainda assim, metade dos senadores do partido é oriunda do Nordeste, dentre os quais o ex-vice-presidente da República Marco Maciel; na Câmara dos Deputados um terço da bancada representa os estados nordestinos (só a Bahia contribui com nove representantes).[quando?] Na Região Sudeste o partido elegeu dezenove representantes, sendo sete deputados e um senador por Minas Gerais e cinco deputados federais pelo estado do Rio de Janeiro.[quando?] No estado de São Paulo, o maior colégio eleitoral do país, o partido detém quatro deputados federais,[quando?] 11 deputados estaduais e 45 prefeituras.[quando?] Já no Rio de Janeiro, sob César Maia, que não pode aspirar a uma nova reeleição por estar em segundo mandato consecutivo, lançou a deputada federal Solange Amaral como candidata do partido, mas não logrou êxito.[quando?] Eduardo Paes, do PMDB foi o eleito. Rodrigo Maia, filho de César Maia, primo de José Agripino Maia, foi o primeiro presidente do DEM, eleito em 28 de março de 2007.[carece de fontes] Assim como Rodrigo Maia, Antônio Carlos Magalhães Neto dá continuidade à linhagem política paterna.[carece de fontes]

Nas eleições de 2006 e 2008, houve redução da bancada do partido na Câmara dos Deputados e do número de prefeituras administradas pelo partido.[carece de fontes] O DEM governou de março de 2006 a 2011 a maior cidade do país, São Paulo, com Gilberto Kassab até a criação do PSD.[carece de fontes] Em 2012, o partido elegeu João Alves Filho prefeito em Aracaju e Antônio Carlos Magalhães Neto em Salvador, suas duas únicas capitais.[carece de fontes] Isso não impediu que o partido elegesse 278 prefeitos, número inferior ao registrado em 2008, em que pese o declínio da oposição, incluindo PSDB e PPS e a formação do terceiro PSD. Curiosamente, o PSD de Kassab, prefeito paulistano, que elegeu 497 prefeitos em 2012, venceu em 33 cidades em São Paulo. Atrás do DEM, que elegeu 45 prefeitos neste Estado.[carece de fontes]




Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) é um partido político brasileiro fundado pelo ex-presidente do Brasil Getúlio Vargas, tendo existido durante dois períodos: no período democrático de 1945 a 1965 e sendo recriado após a Abertura do Regime Militar. Seu código eleitoral é o 14.[7]
PTB de Vargas
O PTB foi fundado no Rio de Janeiro (então Distrito Federal), em 15 de maio de 1945 sob a inspiração de Getúlio Vargas, seu maior líder e no bojo do Queremismo, movimento popular cuja consigna era Queremos Getúlio e que propunha uma Assembleia Constituinte com Getúlio na Presidência da República. Além de Getúlio, a fundação do PTB foi articulada pelo seu Ministro do Trabalho, Alexandre Marcondes Filho.

Sua base eleitoral era o operariado urbano, com forte ligação com os sindicatos. Ideologicamente, as raízes do PTB são o castilhismo gaúcho, o positivismo, traços de social-democracia e o pensamento de Alberto Pasqualini, o maior ideólogo do PTB. Entre 1945 e 1964 foi o PTB o partido que mais cresceu, tanto em número de votos, quanto em número de filiados: em 1946 o PTB tinha 22 deputados federais; elevando-se a bancada para 66, em 1958, e em 1962 já tinha 116. Isto refletiu a crescente urbanização e industrialização que o Brasil experimentou naqueles anos. O PTB era, entre os grandes partidos de então, o mais à esquerda, e era constantemente acusado pelos opositores de ter políticas comunistas.

O programa partidário do PTB pregava algumas reformas, como a urbana, a agrária e a educativa, e tinha ênfase no crescimento econômico, desenvolvimento industrial, nacionalização de recursos e na educação. Estava incluído no contexto populista que dominou a prática política a partir do Estado Novo em diante.

Foi criado, entre outros motivos, para servir de anteparo, na classe popular e trabalhadora, à influência do Partido Comunista, e demais organizações de esquerda.

O PTB era extremamente forte eleitoralmente quando coligado ao PSD, também criado por simpatizantes de Getúlio, mas sustentado principalmente pelas classes médias e o empresariado, tendo uma política conservadora em comparação ao PTB. Esta coligação tinha como principal adversário a UDN, partido de direita conservador. O PTB apoiou o PSD nas eleições de 1945, quando foi eleito Eurico Gaspar Dutra. Em 1950, o PTB teve candidato próprio: Getúlio Vargas, enquanto o PSD lançou Cristiano Machado. Vargas voltou ao poder nos braços do povo e só deixaria o Palácio do Catete morto, após forte oposição da UDN e de Carlos Lacerda em especial, para demovê-lo do poder.

Nas eleições de 1955, a coligação volta à presidência com o pessedista Juscelino Kubitschek e o trabalhista João Goulart. Jango, eleito vice-presidente, fez mais votos que JK. Jango seria reeleito vice-presidente em 1960, sendo Jânio Quadros eleito presidente. Jânio, apoiado pela UDN, infligiu a única derrota do PSD/PTB em eleições presidenciais no primeiro período democrático brasileiro. O candidato do PSD era o Marechal Henrique Teixeira Lott.

Ao final dos anos 60, o PTB tinha uma ala mais conservadora e centrista, com Lucio Meira, Fernando Ferrari, Pasqualini, Ivette Vargas, Gilberto Mestrinho e outra mais próxima à esquerda, cujos maiores expoentes foram Leonel Brizola, Santiago Dantas, Sergio Magalhães, Almino Afonso, José Gomes Talarico e Rubens Paiva, e se nuclearam na ala "concentrada", e na Frente Nacionalista, que propunha aceleração das reformas sociais.

Em 25 de agosto de 1961 Jânio Quadros renuncia ao cargo, e as forças militares brasileiras tentam impedir a posse de Jango, tendo início a Campanha da Legalidade, comandada por Leonel Brizola, governador do Rio Grande do Sul pelo PTB. Jango acaba empossado num sistema parlamentarista, que é repudiado pela população dois anos depois. Jango seria deposto pelo Golpe militar de 1964. Durante a Ditadura, implantada para combater supostos movimentos comunistas, se perseguiu e cassou principalmente políticos trabalhistas, como foi o caso de Jango, Brizola, Rubens Paiva, e Sereno Chaise, entre outros, além de lideranças comunitárias, sindicais e estudantis ligadas ao partido.

Em 1965, através do AI-2, o PTB foi extinto, assim como todos os partidos políticos até então existentes. A quase totalidade dos petebistas que não haviam sido cassados ou fugido do país migrou então para o recém criado MDB. O bipartidarismo durou até 1979, quando o então presidente João Figueiredo, restaurou o pluripartidarismo no processo de Abertura política.

PTB atual
Após a anistia, diversos trabalhistas históricos voltaram do exílio, de onde vinham organizando a reestruturação do partido, principalmente sobre a liderança de Leonel Brizola. Houve então uma acirrada disputa pelo nome, pela sigla e pela legenda do PTB, entre o grupo de Brizola e o grupo liderado pela ex-deputada Ivete Vargas, sobrinha de Getúlio Vargas, e antiga presidente do PTB paulista. Tendo o Tribunal Superior Eleitoral dado ganho de causa ao grupo de Ivete, o grupo de Brizola funda então o Partido Democrático Trabalhista, PDT. O registro provisório do PTB junto ao TSE ocorreu em 1980. Na época, acusou-se Golbery de Couto e Silva de tramar a cessão da sigla para Ivete, a fim de enfraquecer o grupo de Brizola. Em 1980, o PTB tinha apenas um deputado federal, Jorge Cury, do RJ, e nas eleições de 1982, o PTB elegeu 13 deputados federais: 5 no RJ e 8 em SP, levados por mais de 260 mil votos de Ivette, além de ter lançado o nome do ex-presidente Jânio Quadros para a disputa do governo paulista. Ivete faleceu em 3 de janeiro de 1984.

Em 1985, o PTB conquista a prefeitura da maior cidade do país, São Paulo, graças à força personalística de Jânio Quadros que, no entanto, tinha pouco compromisso com o programa do partido. Jânio demonstrou esse desinteresse ao, tão logo tomar posse em 1 de janeiro de 1986, se desfiliar do PTB, meses após. Em 1986, o partido lança o empresário Antônio Ermírio de Moraes para o Governo de São Paulo, ficando na segunda colocação perdendo para Orestes Quércia mas ficando frente de Paulo Maluf.

Ao falecer, em 1983, Ivette Vargas foi sucedida pelo então deputado federal Ricardo Ribeiro, de Ribeirão Preto. Na Constituinte, o partido foi liderado pelo deputado federal Gastone Righi, janista de SP. De 1986 a 1991, o partido foi presidido pelo ex-deputado Luiz Gonzaga de Paiva Muniz, do RJ, e após, pelo Senador paranaense José Carlos Martinez, finalmente sucedido pelo deputado federal Roberto Jefferson, apos seu falecimento.

Atualmente, seu número eleitoral é 14 e seu registro definitivo data de 3 de novembro de 1981.

Apesar do atual PTB declarar-se em seu programa como nacionalista, defensor da autonomia sindical e dos direitos trabalhistas consagrados na CLT, sua praxe política tem sido de colaboração com o governo em exercício e de defesa de políticas neoliberais. Apoiou o governo Figueiredo no Congresso a partir de 1983, obtendo, em troca, cargos de direção em órgãos públicos. Viria a apoiar também todos os governos seguintes: os de José Sarney, Fernando Collor de Mello, Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

O PTB atual abrigou em suas fileiras políticos que se opunham eleitoralmente ao PTB clássico, como Jânio Quadros (embora tenha sido eleito deputado federal pelo PTB do Paraná em 1958), que se elegeu prefeito de São Paulo pelo partido em 1985, e foi também o candidato a Governador da legenda em 1982. Mais recentemente, aceitou a filiação de o também ex-presidente Fernando Collor, que em 2006 se elegeu senador por Alagoas pelo PRTB. A legenda possui força eleitoral significativa no Rio Grande do Sul e em São Paulo. Mas é no Nordeste, principalmente em Pernambuco, onde o partido se destaca, pois, dos atuais 7 senadores, 3 são desta região. Dos 23 deputados federais, 12 são nordestinos (Pernambuco possui 4), ao passo que o Rio Grande do Sul e São Paulo têm 3 deputados cada. Apesar de se declarar como independente, apoia o Governo Lula, apoiou candidatos do PT aos governos estaduais, incluindo alguns vitoriosos, como no Piauí e na Bahia.

Em 1989, o atual PTB postulou o nome do paranaense Affonso Camargo à Presidência da República, que obteve votação inexpressiva (0,5%). Sua votação para a Câmara federal em 2002 e 2006 tem oscilado entre 4 a 5% dos votos. Em 2002 incorporou o PSD (Partido Social Democrático), e em 2007 incorporou o PAN (Partido dos Aposentados da Nação).

Sua presidente nacional foi, a partir do fim de 2014, a ex vereadora carioca e nova deputada federal Cristiane Brasil, filha do ex deputado Roberto Jefferson, sucedendo ao ex-deputado federal Benito Gama, derrotado no pleito de 2014, que tinha sucedido a Jefferson, após sua prisão em 2012. Sua bancada federal, de 21 deputados, em 2010, saltou para 25 deputados e 3 senadores, no pleito de 2014, mantendo 4% dos votos para a Câmara dos Deputados. Em 2015, o PTB anuncia que iria ser independente do governo durante ao plenário da câmara federal.

O atual presidente nacional do Partido, desde abril de 2016, é o ex-deputado federal Roberto Jefferson, que reconquistou seus direitos políticos




O Partido Verde (PV) é um partido político brasileiro. Surgiu no cenário político da década de 1980 baseado nas tendências ambientalistas , tendo entre seus articuladores artistas, intelectuais, ativistas ,ecologistas.

O partido foi fundado em janeiro de 1986 no Rio de Janeiro. Um grupo composto por escritores, jornalistas, ecologistas, artistas e também por ex-exilados políticos , começou a dar forma ao PV. Participaram neste grupo: Fernando Gabeira, Lucélia Santos, Alfredo Sirkis, John Neschling, Lúcia Veríssimo, Luiz Alberto Py, Carlos Minc, Herbert Daniel e Guido Gelli.[11]

Os principais aspectos programáticos são o desenvolvimento sustentável e a diminuição da desigualdade social . Defende o pacifismo, o federalismo, o parlamentarismo, a democracia direta, uma reforma agrária ecológica, imposto negativo, democratização da mídia e o poder local.[3] Busca o centralismo político. Seu código eleitoral é o número 43,[12] sua cor é o verde e seu símbolo é um V.


Rede Sustentabilidade (REDE) é um partido político brasileiro,[6][7] liderado pela política Marina Silva.[8] Teve seu registro definitivo concedido em 22 de setembro de 2015. Em sua primeira tentativa de registro como partido político, o então movimento teve negado registro e assim o direito a concorrer às eleições de 2014 pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que julgou, em outubro de 2013, que a Rede não conseguiu provar a autenticidade das 496 mil assinaturas necessárias para sua oficialização.[9] No entanto, o grupo conquistou força política nas projeções do cenário político eleitoral de 2014, o que resultou em uma aliança estratégica com o Partido Socialista Brasileiro (PSB).[10]


O Movimento Democrático Brasileiro (MDB), anteriormente Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), é um partido político brasileiro.[4] Foi apontado com o de maior número de filiados, sendo 2 355 472 filiados em maio de 2012,[9] apesar de nunca ter elegido nenhum presidente da república através do voto direto.[10]

Fundado em 1980, possui uma orientação política centrista.[4] É sucessor do Movimento Democrático Brasileiro[3], legenda de oposição à Regime Militar de 1964.[11][12] Seu código eleitoral é o 15.[13] É o partido também com maior número de prefeitos e vereadores, além de ter a maior representação no Congresso Nacional. Atualmente é presidido por Romero Jucá que assumiu em 5 de abril de 2016 após Michel Temer se licenciar.[14] Em convenção nacional em 2017, foi renomeado para Movimento Democrático Brasileiro (MDB),[15][16] designação ainda dependente de aprovação pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).[17][18]

É um dos grandes "partidos pega-tudo" brasileiros, incluindo desde políticos conservadores como José Sarney e Eduardo Cunha, a liberais convictos como Pedro Simon, além de nomes da esquerda progressista como Roberto Requião, populistas como Iris Rezende, nacionalistas/municipalistas como Orestes Quércia, líderes empresariais como Paulo Skaf e articuladores como Michel Temer. Já teve membros do antigo movimento de guerrilha MR-8 que se desligaram e fundaram o Partido Pátria Livre,[19] nomes da esquerda comunista como Roberto Freire (que foi líder do PCB, e atualmente é presidente do PPS), caciques políticos como Fernando Collor (mais tarde integrante do PRN, pelo qual foi Presidente da República) e Cesar Maia (cujo grupo atualmente é filiado ao Democratas).

Atualmente tem um presidente da república, Michel Temer, que assumiu interinamente dia 12 de maio de 2016 e em definitivo no dia 31 de agosto de 2016 com a votação do afastamento da então presidente Dilma Rousseff.[10]


O Partido dos Trabalhadores (PT) é um partido político brasileiro. Fundado em 1980, integra um dos maiores e mais importantes movimentos de esquerda da América Latina. No início de 2015, o partido contava com 1,59 milhão de filiados, sendo o segundo maior partido político do Brasil, depois do PMDB. Na legislatura atual (2015-2019), o PT tem a segunda maior bancada na Câmara dos Deputados e a terceira maior do Senado Federal.

Os símbolos do PT são a bandeira vermelha com uma estrela branca ao centro (exceto no Rio Grande do Sul, onde a estrela na bandeira é amarela[22]), a estrela vermelha de cinco pontas, com a sigla PT inscrita ao centro, e o hino do partido. Seus filiados e simpatizantes são denominados "petistas".

O PT possui, como os demais partidos políticos no Brasil, uma fundação de apoio. Denominada Fundação Perseu Abramo (FPA), foi instituída pelo Diretório Nacional em 1996 e tem por missão realizar debates, editar publicações, promover cursos de formação política e preservar o patrimônio histórico do partido — tarefa pela qual é responsável o Centro Sérgio Buarque de Holanda. A FPA substituiu uma fundação de apoio partidário anteriormente existente no PT, a Fundação Wilson Pinheiro, criada em 1981.

Em 2003, com a posse de Luis Inácio Lula da Silva como Presidente da República, o partido passou a comandar pela primeira vez o Executivo brasileiro. Lula reelegeu-se em 2006 e foi sucedido em 2011 por Dilma Rousseff, sua ministra-chefe da Casa Civil. Dilma foi reeleita em 2014 e deixou a presidência em agosto de 2016, após sua destituição ser aprovada pelo Congresso Nacional.


O Partido Democrático Trabalhista (PDT) é um partido político brasileiro. Foi fundado em 1979, logo após o início do processo de abertura política do regime militar, e é alinhado às ideologias trabalhista e social-democrata. Seu número eleitoral é o 12.[6] É o único partido brasileiro a integrar a Internacional Socialista.[7]

Com a anistia política e o fim do bipartidarismo no final dos anos 1970, Leonel Brizola, ainda no exílio, resolve reunir políticos e intelectuais progressistas para a refundação do trabalhismo na vida partidária nacional. É nesse sentido que um congresso é realizado na cidade de Lisboa, em Portugal, culminando ao final com a redação de um documento que ficou conhecido como Carta de Lisboa, e que é considerada como sendo o documento da fundação do PDT.

Nesse momento, o trabalhismo que viria a ser adotado pelo PDT sofre uma certa mutação. Tendo maior contato com os ideais socialistas e social-democratas do Estado do bem-estar social dos países europeus durante a segunda metade do século XX, políticos que viriam a formar a liderança do PDT resolvem patrocinar uma evolução no conceito trabalhista, considerando-o como sendo uma forma democrática de se chegar ao socialismo, o que não existia no trabalhismo defendido nas décadas anteriores.




Partido Popular Socialista (PPS) é um partido político brasileiro que surgiu da decisão de parte da executiva nacional do Partido Comunista - Seção Brasileira da Internacional Comunista (PCB) de dissolver o partido e fundar um novo. O PPS foi criado frente a uma nova ordem internacional, após a queda dos antigos modelos comunistas (fim da URSS e da Guerra Fria). Seu código eleitoral é o 23,[9] o mesmo utilizado anteriormente pelo PCB. Sua fundação ocorreu em 1992 e obteve registro permanente em 19 de março de 1992. Seus principais aspectos programáticos são a "radicalidade democrática", uma nova definição do socialismo, pautado no humanismo e no internacionalismo, o que o classifica para alguns como partido defensor da social-democracia.

Em 17 de abril de 2013 a executiva nacional do partido anunciou a fusão com Partido da Mobilização Nacional (PMN) para formar a Mobilização Democrática (MD), entretanto em 29 de junho de 2013 a executiva nacional do PMN rejeitou a proposta, anulando o processo de fusão.[10] Em 2014, o PPS esteve envolvido noutro processo de fusão (ou incorporação), dessa vez com o Partido Socialista Brasileiro (PSB), com possibilidades de participação do Partido Humanista da Solidariedade (PHS) e do Partido Ecológico Nacional (PEN), cujas negociações foram suspensas em 2015 com expectativa de retomada após as eleições municipais de 2016.[11][12][13]





O Partido Comunista do Brasil (PCdoB) é um partido político brasileiro de esquerda, baseado ideologicamente nos princípios do marxismo, com expressão nacional e forte penetração nos meios sindicais e estudantis. Sua sede é em Brasília.

Foi criado em 1958[7] como uma dissidência alinhada ao stalinismo dentro do Partido Comunista Brasileiro (PCB), que, àquela época, apoiava as reformas defendidas por Nikita Khrushchov durante o XX Congresso do Partido Comunista da União Soviética em 1956 e que, mais tarde, ficaram conhecidas como desestalinização. A dissidência era liderada por Mauricio Grabois, João Amazonas e Pedro Pomar e resolveu se separar do partido após o documento Carta dos Cem (assinada por cem militantes, em quatro Estados do País) ter sido rejeitado no V Congresso do PCB.[8] Logo após, em 1962, é fundado por essa dissidência o Partido Comunista do Brasil (PCdoB).[3]

Desde o seu surgimento, o PCdoB seguiu diversas linhas políticas baseadas em distintas experiências comunistas pelo mundo. Surgiu sendo contrário à linha adotada por Nikita Khrushchov na antiga União Soviética e reivindicando o legado de Josef Stalin.[9] Nos anos 1960, adotou a linha maoista (alinhando-se com o Partido Comunista Chinês) e passa a praticar a tática de guerrilhas (o PCdoB é famoso pela atuação na Guerrilha do Araguaia). Em 1978, passou a reivindicar o comunismo da Albânia (Hoxhaísmo).[10]

Nacionalmente, o PCdoB fez parte da base de sustentação do governo Dilma Rousseff (e anteriormente fez parte do governo Lula).

Edita o jornal A Classe Operária[11] e a revista Princípios e, internacionalmente, é membro do Foro de São Paulo.[12] No movimento estudantil, organiza-se na União da Juventude Socialista (UJS)[13] e, no movimento sindical, organiza-se pela Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).[14] O partido conta com mais de 350 mil filiados.[6]



Partido Comunista Brasileiro (PCB)[4] é um partido político brasileiro que se define como um partido de militantes e quadros revolucionários que se formam na luta de classes, na organização do proletariado[5] e no estudo teórico das obras de Karl Marx e Friedrich Engels.[6] Sua base teórica para a ação prática é o marxismo-leninismo, que se pauta nos princípios desenvolvidos por Vladimir Lênin.[7]

O partido, tal como o PC do B, reivindica ser o antigo Partido Comunista - Seção Brasileira da Internacional Comunista.[8]

Seu símbolo, segundo seus estatutos, "é uma foice e um martelo, cruzados, simbolizando a aliança operário-camponesa, sob os quais está escrita a legenda "Partido Comunista Brasileiro". Seu número de código eleitoral é o 21.[9]

Atualmente, o PCB está organizado em 20 estados brasileiros, com uma representação parlamentar reduzida, decorrente de sua baixa representatividade social e sindical.





O Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) é um partido político brasileiro fundado em julho de 2004.[9] Obteve registro definitivo na Justiça Eleitoral no dia 15 de setembro de 2005. Seu número eleitoral é o 50,[10] suas cores são o vermelho, o amarelo e o laranja, e tem, como logotipo principal, um sol sorridente desenhado por Ziraldo. O espectro político do PSOL é definido como de esquerda à extrema-esquerda e defensores do Socialismo.

Sua criação foi impulsionada por dissidências do Partido dos Trabalhadores.[11][12] (PT) que alegavam discordar das políticas do partido,[13] Luciana Genro, Heloísa Helena, Babá e João Fontes discordaram de políticas do governo Lula e, por isso, foram expulsos do PT numa reunião do diretório nacional.[14] O PSOL é tido como um partido de esquerda ampla, pois, não funcionando por centralismo democrático, agrega diversas correntes internas desde reformistas até revolucionárias.

Dentro do PSOL, há uma polarização que aumentou ao longo dos anos, fazendo as diversas correntes se organizarem em dois blocos opostos: a Unidade Socialista (US), agrupamento que dirige nacionalmente o partido e que aplica políticas mais moderadas (embora polêmicas, se comparadas ao PT), e o Bloco de Esquerda (BE), agrupamento mais radical e ainda mais à esquerda, que dirige o partido em alguns estados e que, baseando-se no programa e no estatuto do mesmo, critica fortemente a direção nacional e suas práticas. Por isso, dependendo da região do país, o espectro político do PSOL se altera, o que se manifesta no discurso, nas práticas e nas alianças. No movimento sindical, as correntes internas do PSOL atualmente se organizam na CSP-Conlutas, na Instrumento de Luta e Organização da Classe Trabalhadora ou independentes de centrais. No movimento estudantil, organizam-se também em vários coletivos políticos, como o Vamos à Luta! (CST), Juntos! (MES), Manifesta (APS-CC), Pajeú (APS-NE), Enfrente (1º de Maio), Coletivo Construção (LSR), RUA - Juventude Anticapitalista (Insurgência), entre outros. Quase todos compondo a Oposição de Esquerda dentro da União Nacional dos Estudantes (UNE), entidade que há anos é dirigida pela União da Juventude Socialista (UJS), movimento juvenil do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), e por aliados desta.

As pautas incluem a legalização do aborto e da maconha, junto a uma política de conscientização e educação sobre seu consumo.[carece de fontes] Em 2014, se apresentou pela terceira vez nas eleições presidenciais. Após as candidaturas presidenciais de Heloísa Helena (2006) e de Plínio de Arruda Sampaio (2010), Luciana Genro tornou-se candidata.[15] Desde a eleição de 2014, o PSOL foi o terceiro partido que mais cresceu em número de filiados.[16] Através das diversas eleições, dos parlamentares do partido e dos movimentos onde atua, este faz oposição aos governos e à maior parte das políticas que se manifestam no Congresso Nacional do Brasil e nos parlamentos estaduais e municipais.[17]






Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU) é um partido político do Brasil fundado em 1993.

Suas cores são o vermelho e amarelo e o seu código eleitoral é o 16.[3] O PSTU é uma organização socialista, que reivindica o marxismo revolucionário, baseando-se nas teorias e práticas de Leon Trótski e de Nahuel Moreno. O PSTU também é a seção no Brasil da Liga Internacional dos Trabalhadores - Quarta Internacional (LIT-QI), sendo a maior seção dessa organização, que em outros países se articula como partido legalizado ou não, ou como corrente interna de partidos anticapitalistas amplos. Assim como o Partido Comunista Brasileiro (PCB), o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) e o Partido da Causa Operária (PCO), o PSTU faz oposição de esquerda aos governos municipais, estaduais e federal.




Podemos (PODE), anteriormente denominado Partido Trabalhista Nacional (PTN), é um partido político brasileiro.[4]

Tem sido comandado pela família Abreu (José Masci de Abreu, Dorival de Abreu e Renata Abreu) desde a fundação em 1995. Em 2016 mudou de nome para Podemos, mas ideologicamente se difere muito do Podemos espanhol. O partido inclusive afirma que a inspiração para seu nome não foi em nenhum partido de outro país, mas sim no slogan da campanha de Barack Obama à presidência dos Estados Unidos, "sim, nós podemos".[5]

Foi fundado com o mesmo nome de um outro da República Nova, assim, o partido existente não deve ser confundido com o Partido Trabalhista Nacional, criado em 1945 e extinto em 1965 pelo Ato Institucional Número Dois (AI-2).[6]

Last edited by mopc; April 19th, 2018 at 12:59 PM.
mopc está en línea ahora   Reply With Quote
Old April 10th, 2018, 04:28 AM   #7
mopc
Registered User
 
mopc's Avatar
 
Join Date: Jan 2005
Location: Santos Sao Paulo
Posts: 18,688
Likes (Received): 17338

FEDERATION & STATES



States GDP per capita compared to countries worldwide 2011


Last edited by mopc; April 19th, 2018 at 10:50 AM.
mopc está en línea ahora   Reply With Quote
Old April 10th, 2018, 04:29 AM   #8
mopc
Registered User
 
mopc's Avatar
 
Join Date: Jan 2005
Location: Santos Sao Paulo
Posts: 18,688
Likes (Received): 17338

SOCIAL SECURITY & GOVERNMENT SPENDING











Last edited by mopc; May 7th, 2018 at 08:13 PM.
mopc está en línea ahora   Reply With Quote
Old April 10th, 2018, 04:29 AM   #9
mopc
Registered User
 
mopc's Avatar
 
Join Date: Jan 2005
Location: Santos Sao Paulo
Posts: 18,688
Likes (Received): 17338

RESERVED #08
mopc está en línea ahora   Reply With Quote
Old April 10th, 2018, 04:30 AM   #10
mopc
Registered User
 
mopc's Avatar
 
Join Date: Jan 2005
Location: Santos Sao Paulo
Posts: 18,688
Likes (Received): 17338

RESERVED #09
mopc está en línea ahora   Reply With Quote
Old April 10th, 2018, 05:17 AM   #11
mopc
Registered User
 
mopc's Avatar
 
Join Date: Jan 2005
Location: Santos Sao Paulo
Posts: 18,688
Likes (Received): 17338

RESERVED #10
mopc está en línea ahora   Reply With Quote
Old April 10th, 2018, 05:22 AM   #12
mopc
Registered User
 
mopc's Avatar
 
Join Date: Jan 2005
Location: Santos Sao Paulo
Posts: 18,688
Likes (Received): 17338

RESERVED #11
mopc está en línea ahora   Reply With Quote
Old April 10th, 2018, 05:23 AM   #13
mopc
Registered User
 
mopc's Avatar
 
Join Date: Jan 2005
Location: Santos Sao Paulo
Posts: 18,688
Likes (Received): 17338

RESERVED #12
mopc está en línea ahora   Reply With Quote
Old April 10th, 2018, 05:28 AM   #14
mopc
Registered User
 
mopc's Avatar
 
Join Date: Jan 2005
Location: Santos Sao Paulo
Posts: 18,688
Likes (Received): 17338

RESERVED #13
mopc está en línea ahora   Reply With Quote
Old April 10th, 2018, 05:29 AM   #15
mopc
Registered User
 
mopc's Avatar
 
Join Date: Jan 2005
Location: Santos Sao Paulo
Posts: 18,688
Likes (Received): 17338

RESERVED #14
mopc está en línea ahora   Reply With Quote
Old April 10th, 2018, 05:52 AM   #16
mopc
Registered User
 
mopc's Avatar
 
Join Date: Jan 2005
Location: Santos Sao Paulo
Posts: 18,688
Likes (Received): 17338

RESERVED #15
mopc está en línea ahora   Reply With Quote
Old April 10th, 2018, 05:56 AM   #17
mopc
Registered User
 
mopc's Avatar
 
Join Date: Jan 2005
Location: Santos Sao Paulo
Posts: 18,688
Likes (Received): 17338

RESERVED #16
mopc está en línea ahora   Reply With Quote
Old April 10th, 2018, 06:26 AM   #18
mopc
Registered User
 
mopc's Avatar
 
Join Date: Jan 2005
Location: Santos Sao Paulo
Posts: 18,688
Likes (Received): 17338

17 - CRIME STATISTICS




Last edited by mopc; May 10th, 2018 at 07:33 PM.
mopc está en línea ahora   Reply With Quote
Old April 10th, 2018, 06:27 AM   #19
mopc
Registered User
 
mopc's Avatar
 
Join Date: Jan 2005
Location: Santos Sao Paulo
Posts: 18,688
Likes (Received): 17338

RESERVED #18
mopc está en línea ahora   Reply With Quote
Old April 10th, 2018, 06:27 AM   #20
mopc
Registered User
 
mopc's Avatar
 
Join Date: Jan 2005
Location: Santos Sao Paulo
Posts: 18,688
Likes (Received): 17338

RESERVED #19

Main media

SÃO PAULO STATE (AND THEREFORE NATIONWIDE)

www.uol.com
www.folha.com.br
www.estadao.com.br

RIO DE JANEIRO CITY & STATE

www.oglobo.com


MINAS GERAIS STATE

http://www.otempo.com.br/



RIO GRANDE DO SUL STATE

www.zerohora.com.br

Last edited by mopc; April 26th, 2018 at 08:49 PM.
mopc está en línea ahora   Reply With Quote
Sponsored Links
Advertisement
 


Reply

Thread Tools

Posting Rules
You may not post new threads
You may not post replies
You may not post attachments
You may not edit your posts

BB code is On
Smilies are On
[IMG] code is On
HTML code is Off



All times are GMT +2. The time now is 03:40 AM.


Powered by vBulletin® Version 3.8.11 Beta 4
Copyright ©2000 - 2019, vBulletin Solutions Inc.
vBulletin Security provided by vBSecurity v2.2.2 (Pro) - vBulletin Mods & Addons Copyright © 2019 DragonByte Technologies Ltd.
Feedback Buttons provided by Advanced Post Thanks / Like (Pro) - vBulletin Mods & Addons Copyright © 2019 DragonByte Technologies Ltd.

SkyscraperCity ☆ In Urbanity We trust ☆ about us