SkyscraperCity banner
1 - 2 of 2 Posts

·
Subway and train Forever!
Joined
·
17,073 Posts
Discussion Starter · #1 ·
Ampliação importante na malha ferroviária da região metropolitana de São Paulo, a extensão da Linha C [Jurubatuba até Grajaú] da CPTM vai oferecer transporte de qualidade aos moradores de bairros como Interlagos, Socorro, Cidade Dutra, Parelheiros e Grajaú, no extremo sul da capital.

As obras iniciadas em novembro compreendem três novas estações: Autódromo, Interlagos e Grajaú [integrada ao terminal de ônibus da SPTrans]; mais 8,5 km de via dupla sinalizada e o incremento de 12 trens [da série 5.500]. A expectativa é de um aumento da demanda na ordem de 45 mil usuários por dia na linha, que transporta, atualmente, 90 mil.

Orçado em R$ 245,35 milhões, o plano faz parte da 2ª etapa do Projeto Sul de Trens Metropolitanos de São Paulo e inclui a construção de uma nova ponte sobre o rio Jurubatuba. Na que existe hoje sobre o canal são executados os trabalhos de recuperação estrutural, iniciado com a demolição dos pórticos de concreto da antiga rede aérea.

Até o final deste ano deve ser concluída a via 1S, permitindo a circulação entre as estações Jurubatuba e Autódromo. No primeiro semestre de 2007, a CPTM entregará a via permanente [ida e volta] e as unidades Grajaú e Interlagos.

Estação Grajaú
Na unidade – situada entre a Avenida Dona Belmira Marin e a Rua Giovanni Bononcini – já é possível ver a plataforma central. A primeira laje de concreto armado foi concluída no início deste mês. A plataforma terá 240m de extensão e capacidade para trens da Série 5.500, com 12 carros. Já foi concluída a terraplenagem para a implantação das duas vias permanentes [ida e volta] e do pátio de manobras e estacionamento de trens [com até quatro composições] da unidade, que será o ponto final da Linha C.

Mezanino
Com a retirada de parte da cobertura metálica do novo Terminal de Ônibus Grajaú, administrado pela SPTrans, começou a fundação [com estaca hélice] do novo mezanino, o qual permitirá aos usuários a integração entre os dois sistemas de transporte. O espaço abrigará os setores técnicos e operacionais da estação como linha de bloqueio, bilheterias à prova de bala, salas de Segurança e de Supervisão Operacional [SSO], banheiros públicos e para funcionários, refeitórios e vestiários, inclusive os terceirizados [em conformidade com a legislação], duas escadas rolantes, dois elevadores e demais itens de acessibilidade para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida.

Muro
Em frente ao Hospital Estadual do Grajaú e próximo à passagem inferior da avenida Belmira Marin estão prontos 1.000m de muro, de um total previsto de 8.000m. Com 2,5m de altura, eles são moldados "in loco" e identificados pela logomarca da CPTM. Vale ressaltar que os novos muros já foram alvo de pichadores.

Com as escavações e os aterros ao longo da extensão da Linha C, começaram as obras de contenção, retaludamento e drenagem, para posteriormente serem instalados sublastro e lastro da via permanente, além dos dormentes e trilhos.

Estação Interlagos
Localizada na avenida Presidente João Goulart, a unidade contará com plataforma central e duas vias permanentes elevadas – implantadas sobre o aterro. Por isso, ao sul da estação, foram concluídas em março as paredes diafragma, contendo até 32m de profundidade para a contenção e duplicação da passagem inferior da av. Pres. João Goulart, que passou de 5,5m para 11m. A ampliação facilitará a integração com as linhas de ônibus locais e vai atender o maior fluxo de veículos e pedestres na região.

Terraplenagem
Para dar agilidade às obras serão cravadas estacas pré-moldadas em sua fundação, para posteriormente serem executados os blocos, vigas baldrame e paredes de concreto responsáveis pela sustentação da plataforma. O serviço de terraplenagem prossegue entre as estações Interlagos e Grajaú. Mais 1.000m de via no sentido contrário receberam reforço com pedra rachão. A escavação e concretagem das canaletas para contenção da água de chuva também continuam sendo tocadas.

Estação Autódromo
As obras da unidade, que ficará na confluência das ruas João Batista Cataldo e Plínio Schmidt, encontram-se em fase de conclusão das escavações. A remoção e o reassentamento das famílias que ocupam irregularmente a faixa patrimonial da CPTM também avançam, enquanto, ocorre a demolição dos barracos.

O trabalho de maior vulto no momento é a concretagem da primeira lamela da parede diafragma da passagem inferior para veículos e pedestres da rua João Cataldo, com 45% do serviço já executado. No local também foram cravadas 117 das 166 estacas pré-moldadas da fundação da estação. Prosseguem os serviços preliminares para o início dos trabalhos de canalização do córrego existente no terreno. Sobre esse aterro serão construídas as salas técnicas e operacionais da estação.

Depois da terraplenagem de mais 1.100m de via entre Autódromo e Jurubatuba, o subleito foi reforçado com pedra rachão. Entre as futuras estações Autódromo e Interlagos, na altura da Praça João Beiçola da Silva, são construídos baldrames para os muros de vedação.

Os sistemas elétrico, eletrônico, de sinalização e de telecomunicações, que atenderão as três novas estações, devem ser entregues em funcionamento na conclusão das obras.

Acessibilidade
Tão importante quanto oferecer transporte de qualidade à população é promover a acessibilidade ao sistema ferroviário. Assim, as três novas edificações estarão em conformidade com o Decreto Federal 5.296 e as recentes versões normativas da Associação Brasileira de Normas Técnicas [ABNT] NBR 9050 [para estações] e 14.021 [para trens], que exigem a facilidade de acesso às pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. Os projetos prevêem rampas, elevadores, escadas rolantes, piso podotátil para conduzir deficientes visuais e sanitários unifamiliar para pessoas com deficiência, que permitem o acompanhamento de responsáveis para auxiliá-las.

Reassentamento
A CPTM dá continuidade ao processo de remoção e reassentamento das 600 famílias que ocupavam de forma irregular a faixa da empresa ao sul da ponte ferroviária do canal do rio Pinheiros, no bairro Jardim Quarto Centenário. Até o momento, foram assinados 420 contratos, sendo 339 referentes aos apartamentos da CDHU e 81 documentos oficializando as indenizações em dinheiro. Dessas famílias, 365 mudaram-se do local e 363 imóveis precários foram demolidos.
Pelo convênio de R$ 9 milhões assinado entre a CPTM e a CDHU, em agosto de 2005, serão construídos 420 apartamentos no bairro Campo Limpo, zona sul, e mais uma parte na zona leste. As unidades terão 44,16 m², dois dormitórios, sala, cozinha, banheiro e área de serviço. A entrega dos imóveis deve acontecer em janeiro de 2007.

O convênio oferece Ajuda de Custo Moradia, paga mensalmente a cada família até a entrega das chaves dos imóveis da CDHU. Com esse valor, reajustável a cada 12 meses pelo IPC-Fipe, os moradores irregulares reassentados podem alugar outro imóvel. O depósito necessário à locação também é pago pela CPTM, mediante a apresentação do contrato. A companhia pagará ainda uma Ajuda de Custo para Mudança em duas ocasiões: na saída do terreno invadido para uma moradia temporária e desta para o imóvel construído pela CDHU. Já quem opta pela indenização em dinheiro, recebe um depósito em conta poupança no banco Nossa Caixa após a desocupação da casa clandestina, além do auxílio para mudança.
 
1 - 2 of 2 Posts
Top