SkyscraperCity Forum banner

Carro a Diesel: por que nós não temos?

17706 Views 81 Replies 36 Participants Last post by  cRiPpLe_rOoStEr
Só você não pode...​

Você compraria um carro que proporciona entre 40% e 50% de economia por quilômetro rodado em relação aos veículos vendidos hoje, emite aproximadamente 25% menos CO2, gás responsável pelo efeito estufa, tem maior durabilidade, proporciona o mesmo conforto e prazer ao dirigir e apresenta, ainda, maior valor de revenda?

Se você respondeu que sim, então você provavelmente teria um carro a Diesel, assim como dois em cada três europeus, ou ainda tal como fazem empresários do setor de transportes da Argentina. Só não tem porque no Brasil a venda de carro de passeio com motor Diesel é proibida há mais de 30 anos e, por conta disso, poucos conhecem as vantagens e os avanços alcançados por esse tipo de motor.

Vantagens existem e hoje a tecnologia permite todos os benefícios citados acima. A economia de até 90% por quilômetro rodado em relação ao similar movido à gasolina é fato comprovado em estudos realizados pela SAE BRASIL (Sociedade de Engenheiros da Mobilidade).

Em média, com um litro de diesel é possível rodar cerca de 17 km, enquanto o mesmo carro movido a gasolina faz cerca de 11 km por litro e, se for flex, apenas 7 km por litro de álcool. Com os preços atuais o custo operacional por quilômetro com diesel é cerca de 50% menor do que com a gasolina ou cerca de 40% menor quando se comparado com o álcool. Também é menor que com GNV.

Surpreso? Pois é para ficar. Motoristas de táxi e frotistas conhecem bem essa conta, pois é ela que no final determina se vale a pena ou não o preço da corrida e/ou frete. Há um porém nisso tudo, que é o custo do carro Diesel, mais elevado do que o gasolina/flex, mas para quem roda muito, compensa. Lembram-se do kit gás na época em que o m³ do GNV custava menos de um real? O investimento no Diesel é similar, paga-se com o tempo, e depende do quanto o proprietário utiliza o veículo.

Mas como o motor Diesel ficou assim, tão bom? Milagre? A resposta é investimento em tecnologia. Até a década de 1970, quando foi proibida no Brasil, a aplicação do motor Diesel já havia sido consagrada, tanto para uso comercial quanto para carros de passeio. Todavia, quando comparados aos motores do ciclo Otto, os motores Diesel ainda produziam muito ruído, tinham dirigibilidade pouco confortável e emitiam fumaça.

O advento do aumento do efeito estufa, das legislações de emissões e da conscientização sobre a necessidade de racionalizar recursos energéticos, alavancaram o avanço tecnológico dos motores Diesel desde então. Essa tecnologia evoluiu muito, principalmente na Europa, onde ocorreu um forte crescimento do mercado de veículos leves a Diesel. Entre os avanços tecnológicos desenvolvidos, destacam-se a nova injeção direta com controle eletrônico, que garante maior precisão no volume de combustível injetado, as otimizações do fluxo de gases, o sistema EGR (Exhaust Gas Recirculation ou recirculação dos gases de escape) controlado eletronicamente, o aumento da pressão de injeção, superior a 1.800 bar, além possibilidade de injeções múltiplas em um único ciclo, que viabilizam estratégias de redução de ruído e emissões, aliadas ao pós-tratamento de gases de escape por meio de catalisadores e filtros de material particulado, o uso de turbocompressores com geometria variável e intercoolers, a adequação do perfil da câmara de combustão, número de válvulas e comando variável, e a evolução de características de lubrificantes para minimizarem atritos internos.

É isso mesmo: a engenharia trabalhou bastante nos últimos anos para tornar os motores Diesel mais econômicos, confortáveis, confiáveis, seguros e menos poluentes. E o consumidor brasileiro tem sido deixado de lado neste processo.

Há 30 anos o País procurava reservar o Diesel como combustível exclusivo para o transporte de carga e coletivo de passageiros, pelas vantagens na utilização desse tipo de propulsor. Economia e durabilidade. O petróleo entrou em crise mundial, ficou caro e a dívida externa era alta e crescia a cada ano. Para se ter ideia, o custo com importação de petróleo cresceu de US$ 600 milhões em 1973, para US$ 2,6 bilhões em 1974, e para US$ 10,6 bilhões em 1981, enquanto entre 1973 e 1980 a dívida externa brasileira pulou de US$ 6 bilhões para US$ 54 bilhões.

A situação era crítica e havia uma real necessidade de reduzir despesas com a importação de petróleo e derivados. Em contrapartida, houve o desenvolvimento do programa Pró-álcool e o domínio da tecnologia desse tipo de motor, que hoje coloca o Brasil em situação privilegiada no cenário internacional em termos de combustíveis renováveis.

Mas isso são tempos passados. Hoje, o Brasil vive uma situação econômica diferente. Nossa economia vai bem, obrigado, apesar da crise financeira mundial, nosso setor automotivo vive situação de dar inveja aos países da Europa e Estados Unidos, e, principalmente, somos auto-suficientes em derivados de petróleo, com produção crescente e novas reservas sendo descobertas.

E, para os que acham que a liberação do carro Diesel trará desequilíbrio na balança comercial (sim, porque apesar da auto-suficiência, ainda compramos Diesel, porém vendemos outros derivados de petróleo), vale lembrar que o parque de refino da Petrobras está em evolução para produzir mais diesel de qualidade, com excedentes previstos já a partir de 2012.

Também não haverá uma explosão de consumo desse tipo de veículo com a sua liberação. Podemos usar o exemplo da Argentina, onde qualquer pessoa pode comprar um automóvel Diesel, porem os maiores consumidores desse tipo de carro são frotistas, justamente porque rodam muito e apresentam melhor relação custo/benefício por quilômetro rodado.

E nós, aqui no Brasil, já temos uma parte do diesel de origem vegetal sendo usada, o biodiesel. A adição de 4% de biodiesel em todo o diesel (B3) comercializado no País, autorizada a partir de 01/07/2008, resulta numa economia 1.350.000 m³ de óleo Diesel, suficientes para suprir, por exemplo, três vezes o consumo anual da frota de táxi das capitais do Brasil, se equipados com motores Diesel. E o B3 está passando agora para B4. Em 2010 está previsto aumentar a adição de biodiesel para 5% (B5).
Se o motor flex proporcionou o livre arbítrio do usuário na escolha de seu combustível a proibição do carro a Diesel vai justamente a sentido contrário. Assim, enquanto o mundo inteiro se beneficia da tecnologia do carro Diesel, hoje, só você não pode.


- Por Rubens Avanzini da SAE Br

Fonte: Motonline (http://www.motonline.com.br/default.asp?cod=12899&categoria=9&show=1)
See less See more
21 - 40 of 82 Posts
Corrigindo informações erradas do post

Bom, tem algumas informações aqui que estão equivocadas.

1. Carro a diesel moderno (moro na Europa, convivo com eles diariamente) não tem quase nenhuma diferença de ruído ou poluição para carro a gasolina moderno. Essa história de barulho é coisa de caminhonete feita com baixo custo, transferindo vibrações do motor para o carro.

2. O diesel NÃO é mais subsidiado no Brasil! O que ocorre é que sobre ele incide uma CIDE menor que a da gasolina, e equivalente à do Álcool.

3. O tipo de diesel produzido pela Petrobras não tem nada a ver com restrição de carro a diesel no Brasil. O combustível é o mesmo para caminhões e carros, o que ocorre é que em outros países normalmente as bombas para caminhòes são separadas, mais altas, mais pressão... aí tem gente que conclui que o diesel é diferente pq o caminhão abastece em lugar diferente do carro.

O que é fato é que o Brasil é importador líquido de diesel, pois a produção de diesel no Braisl não é capaz de atender à demanda. E, com o crescimento da produção de álcool e a revolução dos multi-flex, o consumo relativo de gasolina cai em relação ao do álcool.

Se os carros a diesel fossem liberados no Brasil, o cenário mais provável seria uma queda ainda mais acentuada no consumo de gasolina. A Petrobras poderia exportar gasolina e importar mais diesel, mas isso tem repercussões na capacidade de refino (que está no limite) etc.

De qualquer forma, é mais sensato expandir a produção de álcool do que importar mais diesel, ao menos até que haja capacidade de refino de gasolina para atingir os padrões internacionais de exportação.
See less See more
O andrelot deu todas as informações corretas, mas preciso fazer um adendo acerca dessa palhaçada que a SAE tá promovendo:

O diesel no Brasil é sujo, sim! Mesmo o diesel vendido nas grandes metrópoles, como foi dito aqui, possui muito mais enxofre (e gera muito mais material particulado) do que o diesel europeu. O nosso diesel até poderia sofrer um refino melhor mas, como também foi dito aqui, custaria os tubos, pois nosso petróleo - até o momento - é mais pesado do que o do Velho Continente.

Um exemplo: Mercedes ML 320 CDI. Motor a diesel moderno, um dos mais novos oferecidos no Brasil. Por aqui o carro solta tanta fumaça quanto um caminhão ou um ônibus regulado (fumaça branca/cinza e constante). Isso porque o carro não possui o filtro de partículas no escape que o modelo europeu tem. Motivo? "O filtro entupiria rapidamente, prejudicando o carro", segundo o próprio fabricante.

Não adianta nada trazermos "o que há de melhor em tecnologia diesel" se não evoluirmos no mais importante: o combustível. E, por ora, é inviável que nosso diesel melhore.
See less See more
Que lenda essa de carros barulhentos e poluentes!

Na Europa eles até fazem piada, os carros a diesel são mais silenciosos do que os a gasolina e ainda poluem menos. E quanto ao odor do Diesel isso já n acontece mais.

O mais irônico de tudo é que há motores para carros de passeio a diesel fabricados no Brasil e montado em carros para exportação.

Exemplo deles são o Pálio e o Fox.
See less See more
Bom, tem algumas informações aqui que estão equivocadas.

1. Carro a diesel moderno (moro na Europa, convivo com eles diariamente) não tem quase nenhuma diferença de ruído ou poluição para carro a gasolina moderno. Essa história de barulho é coisa de caminhonete feita com baixo custo, transferindo vibrações do motor para o carro.
Corretíssimo!

2. O diesel NÃO é mais subsidiado no Brasil! O que ocorre é que sobre ele incide uma CIDE menor que a da gasolina, e equivalente à do Álcool.
Eu tinha dito que à época da proibição era, hoje não tinha a certeza se existia. Mas a complemententação da CIDE é ótima. :applause::applause:

3. O tipo de diesel produzido pela Petrobras não tem nada a ver com restrição de carro a diesel no Brasil. O combustível é o mesmo para caminhões e carros, o que ocorre é que em outros países normalmente as bombas para caminhòes são separadas, mais altas, mais pressão... aí tem gente que conclui que o diesel é diferente pq o caminhão abastece em lugar diferente do carro.
O argumento de que ainda não dava pra liberar em função da qualidade, eu ouvi de uma pessoa da ANP . Aqui no Brasil, andrelot, a própria Petrobrás classifica o Diesel em "metropolitano" (máximo 500 ppm enxofre, para regiões metropolitnas de SP, RJ e MG) e "interior" (máximo 1800 ppm enxofre, pros resto do país). Veja em http://www2.petrobras.com.br/produtos_servicos/port/Produtos/Oleo_Diesel/Oleo_Diesel.asp

O que é fato é que o Brasil é importador líquido de diesel, pois a produção de diesel no Braisl não é capaz de atender à demanda. E, com o crescimento da produção de álcool e a revolução dos multi-flex, o consumo relativo de gasolina cai em relação ao do álcool.

Se os carros a diesel fossem liberados no Brasil, o cenário mais provável seria uma queda ainda mais acentuada no consumo de gasolina. A Petrobras poderia exportar gasolina e importar mais diesel, mas isso tem repercussões na capacidade de refino (que está no limite) etc.

De qualquer forma, é mais sensato expandir a produção de álcool do que importar mais diesel, ao menos até que haja capacidade de refino de gasolina para atingir os padrões internacionais de exportação.
Você está correto. A questão do cenário de importação não restringe só o Diesel, mas também o uso do GLP em automóveis (aí na Europa, Autogas) e outras aplicações. E isso vem de uma época em que tínhamos situação bem pior que a atual.
Mas, como disse, pra mudar a legislação é demorado. E pra mudança ser economicamente viável, teremos que usar nosso petróleo leve, que está a caminho.

Enfim, pessoal: condições para uso maior do diesel, temos desde que:
1) da parte técnica, tenhamos um óleo mais "limpo", e em quantidade maior. E isto será possível com o pré-sal, se melhormos e ampliarmos nosso parque de refino
2) da parte legal, haja a revisão normativa. Pra que os responsáveis façam isso, a primeira parte tem que estar funcionando bem.
See less See more
Você está correto. A questão do cenário de importação não restringe só o Diesel, mas também o uso do GLP em automóveis (aí na Europa, Autogas) e outras aplicações. E isso vem de uma época em que tínhamos situação bem pior que a atual.
Só existe um carro no mundo capaz de rodar com GLP (Gás Liquefeito de Petróleo, ou gás de cozinha): o Kia Forte (Cerato) Hybrid LPI que, por ora, só será vendido na Coreia do Sul.

O que existe, no Brasil e no resto do mundo, são veículos movidos a GNV, Gás Natural Veicular. Por algum tempo rodaram alguns ônibus em SP movidos a metano, mas acho já retiraram todos os protótipos de circulação.
See less See more
não temos pq esses textos em favor do diesel só existem pq não tem, pq se tivesse só enxergariam os defeitos do mesmo... se fosse permitido muitos estariam preocupados em apontar os defeitos do mesmo como muitos com o etanol
Só existe um carro no mundo capaz de rodar com GLP (Gás Liquefeito de Petróleo, ou gás de cozinha): o Kia Forte (Cerato) Hybrid LPI que, por ora, só será vendido na Coreia do Sul.

O que existe, no Brasil e no resto do mundo, são veículos movidos a GNV, Gás Natural Veicular. Por algum tempo rodaram alguns ônibus em SP movidos a metano, mas acho já retiraram todos os protótipos de circulação.
Honda, você está enganado. Tem carro pra caramba a GLP. Vê este site: http://www.worldlpgas.com/gain/what-is-autogas-/autogas-vehicles-sold-by-car-manufacturers/

Ah, metano é a mesma coisa que Gás Natural. Chamamos veicular por convenção. O gás que tem em qualquer posto é o mesmo que chega encanado às casas e apartamentos e bem diferente do de botijão.

Mas, o assunto é diesel :lol:. GLP, pra mim é trabalho...
See less See more
não temos pq esses textos em favor do diesel só existem pq não tem, pq se tivesse só enxergariam os defeitos do mesmo... se fosse permitido muitos estariam preocupados em apontar os defeitos do mesmo como muitos com o etanol
Pulga, é verdade. Todo e qualquer combustível tem seus prós e contras.
Você mencionou os problemas do etanol. E os maiores, pra ele não ser usado fora daqui são esses:
- ele não se dá bem com baixas temperaturas (dê partida num carro a álcool no inverno...)
- é visto como ameaça à segurança alimentar fora daqui ( é coisa de quem não conhece como funciona o país)
See less See more
Ameaça a segurança alimentar?! Como assim?!

Faltar açucar para fazer etanol?!
É engraçado pra maioria das pessoas, pois já estamos há 30 anos com essa proibição idiota (se eu não me engano, único país no mundo) e criou-se na imagem do brasileiro que carro a diesel é uma tranqueira, barulhenta e poluente. Enquanto isso, na Europa, 2/3 das BMW são a diesel.

Meu sonho é um dia comprar um desses aqui ;~


See less See more
Ameaça a segurança alimentar?! Como assim?!

Faltar açucar para fazer etanol?!
Não. Utilizar uma área para plantar cana no lugar de gêneros alimentícios. Mas isso não ocorre no Brasil.
Pulga, é verdade. Todo e qualquer combustível tem seus prós e contras.
Você mencionou os problemas do etanol. E os maiores, pra ele não ser usado fora daqui são esses:
- ele não se dá bem com baixas temperaturas (dê partida num carro a álcool no inverno...)
- é visto como ameaça à segurança alimentar fora daqui ( é coisa de quem não conhece como funciona o país)
isso num existe mais, isso era coisa da época do carro 100% alcool nos anos 80, hj milhões de brasileiros tem carro a etanol e não tem problema nenhum com baixas temperaturas (eu por exemplo)

eu sou contra a permitir o diesel por um motivo simples, é umcombustivel não renovável, aumenta a dependência do petróleo que é uma das coisas que o Brasil fez direito com o etanol

voltar com mais um combustivel fóssil nesse momento seria um passo pra trás, não só pela questão ecológica mas tb pq seria um grande passo pro Brasil voltar a ter que importar petróleo

pra mim diesel só quando o Bio-diesel estiver sendo produzido em larga escala e os carros forem flex aceitando todas as misturas
See less See more
O detalhe é que todo diesel deveria ser diesel limpo, não só o eventualmente usado por utilitários... o custo social da poluição é muito alto também, não adianta pensar só no custo do combustível em si.
isso num existe mais, isso era coisa da época do carro 100% alcool nos anos 80, hj milhões de brasileiros tem carro a etanol e não tem problema nenhum com baixas temperaturas (eu por exemplo)

eu sou contra a permitir o diesel por um motivo simples, é umcombustivel não renovável, aumenta a dependência do petróleo que é uma das coisas que o Brasil fez direito com o etanol

voltar com mais um combustivel fóssil nesse momento seria um passo pra trás, não só pela questão ecológica mas tb pq seria um grande passo pro Brasil voltar a ter que importar petróleo

pra mim diesel só quando o Bio-diesel estiver sendo produzido em larga escala e os carros forem flex aceitando todas as misturas
Pulga, meu carro é Flex. É mais difícil fazê-lo pegar em dias frios, foi isso que disse. Em locais muito frios, o etanol não vai....
Quanto à "dependência" do petróleo, o pré-sal vem aí. Se não exportarmos este petróleo, e levarmos adiante as reformas necessárias nas refinarias, estaremos verdadeiramente auto suficientes em petróleo.
Nos anos 80 foi feito um carro que rodava com qualquer combustível - inclusive óleo vegetal- de cozinha mesmo. Não sei porquê, mas sumiu...
Leia aqui:
www.pt.wikipedia.org/wiki/Elsbett
www.4x4brasil.com.br/forum/showthread.php?t=26865

O detalhe é que todo diesel deveria ser diesel limpo, não só o eventualmente usado por utilitários... o custo social da poluição é muito alto também, não adianta pensar só no custo do combustível em si.
Concordo!!!
See less See more
Não. Utilizar uma área para plantar cana no lugar de gêneros alimentícios. Mas isso não ocorre no Brasil.
Não?? Eu não teria tanta certeza... o interior de São Paulo é praticamente só cana, vários e vários hectares foram "perdidos" para a cana de açúcar, tem um professor da Unicamp, Wilson Jardim que é uma espécie de advogado do diabo no que se trata do álcool, ele mostra a faceta negativa do combustível e tem números para provar que a segurança alimentar está, sim, comprometida.

Falta uma espécie de plano diretor do campo para dizer onde pode-se plantar o que, para evitar que falte comida, penso que poderia ser algo como reservar uma parte para culturas alimentícias, mas é algo que deve ser muito discutido.
See less See more
Só para saberem na VW existe uma frota de carros internamente que rodam com diesel...rs

Outra coisa a gasoliina é um subprodutto do diesel, se fossem usar so diesel onde iriam colocar a gasolina...

Fora que como já dissseram tem o subsidio do diesel que quem paga é a gasolina... isso ninguem diz...
See less See more
Só para saberem na VW existe uma frota de carros internamente que rodam com diesel...rs

Outra coisa a gasoliina é um subprodutto do diesel, se fossem usar so diesel onde iriam colocar a gasolina...

Fora que como já dissseram tem o subsidio do diesel que quem paga é a gasolina... isso ninguem diz...
Ambos são derivados do petróleo. É possível extrair menos gasolina do nosso petróleo pelo craqueamento, fazendo assim mais diesel. Na Europa pelo menos, sempre tem gente que quer carro a gasolina, mesmo com as muitas vantagens do diesel. E qualquer coisa, podemos exportar gasolina. Também disseram que o subsídio do diesel não existe mais. A CIDE do diesel que é menor.
See less See more
... é muito mais barulhento do que os à gasolina.

Quando estive em Assunção, Paraguai; achei o odor do referido combustível insuportável, na minha opinião.

Outrossim, quando fui à Foz do Iguaçu, quase passei mal só de passar por um monte de carros argentinos movidos à diesel estacionados na entrada do parque ecológico da região.

Presenciei um Peugeot 504 picape um 504 sedã junto com um VW Senda (antigo VW Voyage 4 portas quadradão). Vixi, vocês não têm noção, o cheiro do diesel é muito fedido. :puke:
Mas la existem muitos paus véios a diesel, por isso que acontece isso.


Eu não passo mal, mas depois de um dia la, passo uma camisa branca na cara e a camisa fica manchada por causa da poluição.

Mas isso acontece pelo fato da maioria dos carros serem velhos, o que mais tem na Cidad del leste (assim que escreve?) no paraguai são toyotas dos anos 80 caindo aos pedaços sem manutenção.

Eu por exemplo andei em um taxi la que no meio da viagem a porta abriu e eu quase fui pro chão.

Hoje no Brasil não existem tantos pau velhos como existe la, ao menos aqui no RS não vejo muito, os carros mais antigos que vejo normalmente tem a manutenção boa.

Basta o governo fiscalizar bem a manutenção dos carros que ja era.
Sem contar que não vamos ter pau velhos ja que carros a diesel não existe no Brasil, muito poucos, e importação de usados é proibida.


Mas acho que o Brasil deveria dar um jeito nos carros Flex, esse sistema xinelo faz eles beberem MUITO, se colocassem um sistema compressão do motor que mudasse as taxas em cada combustivel, os carros seriam muito mais economicos.

Um carro a alcool com motor 1.6 pode ser tão economico como um a gasolina 1.0 e com potencia de um 2.0.

Ja o carro a gasolina perde potencia com esse sitema fraco.

E outra coisa, um motor v10 a diesem pode gastar o mesmo que um motor 4 cilindros a gasolina, claro, dependendo da cilindrada.
See less See more
^^
Quanto ao desempenho,
a vida útil do motor e economia de combustivel,
comparando ao alcool, gás, gasolina..... como o diesel se sobre sai nessa lista?


Um motor a diesel é muito economico, mas não tem bom desempenho.

Mas por exemplo, um motor 10 cilindros a diesel consome o mesmo que um v6 a gasolina e uns 4cilindros que tem no Brasil.

Um motor 2.0 diesel tem a potencia de um 1.0, mas se tu coloca um compressor ele ganha potencia e continua muito economico.

A manutenção de um carro a diesem é cara, mas os motores a diesel não tem manutenção, demora muito para dar problemas, um motor a diesel nem de bateria precisa para funcionar.

Motores a diesel passam facil dos 100 mil km sem ter problemas...
São motores com um torque altissimo e andam muito bem.
See less See more
21 - 40 of 82 Posts
This is an older thread, you may not receive a response, and could be reviving an old thread. Please consider creating a new thread.
Top