Skyscraper City Forum banner
1 - 20 of 33 Posts

·
Registered
Joined
·
7,142 Posts
Discussion Starter · #1 · (Edited)
Abri este thread pra gente poder discutir os resultados do último Censo, com foco na Região Sul e as suas tendências.

As maiores do Sul em 2010 (em parênteses a população em 2000):

1 - Curitiba: 1.746.896 (1.587.315)
2 - Porto Alegre: 1.409.939 (1.360.590)
3 - Joinville: 515.250 (429.604)
4 - Londrina: 506.645 (447.065)
5 - Caxias do Sul: 435.482 (360.419)
6 - Florianópolis: 421.203 (342.315)
7 - Maringá: 357.117 (288.653)
8 - Pelotas: 327.778 (323.158)
9 - Canoas: 324.025 (306.093)
10 - Ponta Grossa: 311.697 (273.616)
11 - Blumenau: 309.214 (261.808)
12 - Cascavel: 286.172 (245.369)
13 - São José dos Pinhais: 263.488 (204.316)
14 - Santa Maria: 261.027 (243.611)
15 - Foz do Iguaçu: 256.081 (258.543)


Mantido um ritmo de crescimento semelhante ao dessa década, até 2020 Blumenau terá ultrapassado Ponta Grossa, Canoas e Pelotas, ocupando o posto de 8ª do Sul. Talvez SJP ultrapasse Cascavel, e Florianópolis Caxias do Sul.


Censo 2010 - Municípios brasileiros com mais de 200 mil habitantes
(capitais em negrito)

Município - UF --- População 2010 (Cresc. % 2000-2010)

1º. São Paulo - SP --- 11.244.369 (7,8%)
2º. Rio de Janeiro - RJ --- 6.323.037 (7,9%)
3º. Salvador - BA --- 2.676.606 (9,6%)
4º. Brasília - DF --- 2.562.963 (25,0%)
5º. Fortaleza - CE --- 2.447.409 (14,3%)
6º. Belo Horizonte - MG --- 2.375.444 (6,1%)
7º. Manaus - AM --- 1.802.525 (28,2%)
8º. Curitiba - PR --- 1.746.896 (10,1%)
9º. Recife - PE --- 1.536.934 (8,0%)
10º. Porto Alegre - RS --- 1.409.939 (3,6%)
11º. Belém - PA --- 1.392.031 (8,7%)
12º. Goiânia - GO --- 1.301.892 (19,1%)

13º. Guarulhos - SP --- 1.222.357 (13,9%)
14º. Campinas - SP --- 1.080.999 (11,5%)
15º. São Luís - MA --- 1.011.943 (16,3%)
16º. São Gonçalo - RJ --- 999.901 (12,2%)
17º. Maceió - AL --- 932.608 (16,9%)
18º. Duque de Caxias - RJ --- 855.046 (10,3%)
19º. Teresina - PI --- 814.439 (13,9%)
20º. Natal - RN --- 803.811 (12,8%)

21º. Nova Iguaçu - RJ --- 795.212 (-13,6%)
22º. Campo Grande - MS --- 787.204 (18,6%)
23º. São Bernardo do Campo - SP --- 765.203 (8,8%)
24º. João Pessoa - PB --- 723.514 (21,0%)
25º. Santo André - SP --- 673.914 (3,8%)
26º. Osasco - SP --- 666.469 (2,1%)
27º. Jaboatão dos Guararapes - PE --- 644.699 (10,9%)
28º. São José dos Campos - SP --- 627.544 (16,4%)
29º. Ribeirão Preto - SP --- 605.114 (19,8%)
30º. Contagem - MG --- 603.048 (12,1%)
31º. Uberlândia - MG --- 600.285 (19,8%)
32º. Sorocaba - SP --- 586.311 (18,8%)
33º. Aracaju - SE --- 570.937 (23,7%)
34º. Feira de Santana - BA --- 556.756 (15,8%)
35º. Cuiabá - MT --- 551.350 (14,1%)
36º. Juiz de Fora - MG --- 517.872 (13,4%)
37º. Joinville - SC --- 515.250 (19,9%)
38º. Londrina - PR --- 506.645 (13,3%)
39º. Niterói - RJ --- 487.327 (6,1%)
40º. Ananindeua - PA --- 471.744 (19,9%)
41º. Belford Roxo - RJ --- 469.261 (8,0%)
42º. Campos dos Goytacazes - RJ --- 463.545 (13,9%)
43º. São João de Meriti - RJ --- 459.356 (2,2%)
44º. Aparecida de Goiânia - GO --- 455.735 (35,5%)
45º. Caxias do Sul - RS --- 435.482 (20,8%)
46º. Porto Velho - RO --- 426.558 (27,5%)
47º. Florianópolis - SC --- 421.203 (23,0%)

48º. Santos - SP --- 419.757 (0,4%)
49º. Mauá - SP --- 417.281 (14,8%)
50º. Vila Velha - ES --- 414.420 (19,8%)
51º. Serra - ES --- 409.324 (27,4%)
52º. São José do Rio Preto - SP --- 408.435 (13,9%)
53º. Macapá - AP --- 397.913 (40,5%)
54º. Mogi das Cruzes - SP --- 387.241 (17,3%)
55º. Diadema - SP --- 386.039 (8,1%)
56º. Campina Grande - PB --- 385.276 (8,4%)
57º. Betim - MG --- 377.547 (23,1%)
58º. Olinda - PE --- 375.559 (2,1%)
59º. Jundiaí - SP --- 370.251 (14,5%)
60º. Carapicuíba - SP --- 369.908 (7,3%)
61º. Piracicaba - SP --- 364.872 (10,9%)
62º. Montes Claros - MG --- 361.971 (17,9%)
63º. Maringá - PR --- 357.117 (23,7%)
64º. Cariacica - ES --- 348.933 (7,6%)
65º. Bauru - SP --- 344.039 (8,9%)
66º. Rio Branco - AC --- 335.796 (32,7%)
67º. Anápolis - GO --- 335.032 (16,3%)
68º. São Vicente - SP --- 332.424 (9,5%)
69º. Pelotas - RS --- 327.778 (1,4%)
70º. Vitória - ES --- 325.453 (11,3%)
71º. Caucaia - CE --- 324.738 (29,6%)
72º. Canoas - RS --- 324.025 (5,9%)
73º. Itaquaquecetuba - SP --- 321.854 (17,9%)
74º. Franca - SP --- 318.785 (10,8%)
75º. Caruaru - PE --- 314.951 (24,2%)
76º. Ponta Grossa - PR --- 311.697 (13,9%)
77º. Blumenau - SC --- 309.214 (18,1%)
78º. Vitória da Conquista - BA --- 306.374 (16,7%)
79º. Paulista - PE --- 300.611 (14,6%)
80º. Ribeirão das Neves - MG --- 296.376 (20,1%)
81º. Petrópolis - RJ --- 296.044 (3,3%)
82º. Uberaba - MG --- 296.000 (17,4%)
83º. Santarém - PA --- 294.774 (12,3%)
84º. Petrolina - PE --- 294.081 (34,6%)
85º. Guarujá - SP --- 290.607 (9,7%)
86º. Cascavel - PR --- 286.172 (16,6%)
87º. Boa Vista - RR --- 284.258 (41,7%)
88º. Taubaté - SP --- 278.724 (14,2%)
89º. Limeira - SP --- 276.010 (10,8%)
90º. Governador Valadares - MG --- 263.594 (6,7%)
91º. São José dos Pinhais - PR --- 263.488 (29,0%)
92º. Suzano - SP --- 262.568 (14,8%)
93º. Santa Maria - RS --- 261.027 (7,1%)
94º. Praia Grande - SP --- 260.769 (34,7%)
95º. Mossoró - RN --- 259.886 (21,5%)
96º. Volta Redonda - RJ --- 257.996 (6,6%)
97º. Foz do Iguaçu - PR --- 256.081 (-1,0%)
98º. Gravataí - RS --- 255.762 (9,9%)
99º. Várzea Grande - MT --- 252.709 (17,4%)
100º. Juazeiro do Norte - CE --- 249.936 (17,8%)
101º. Imperatriz - MA --- 247.553 (7,4%)
102º. Taboão da Serra - SP --- 244.719 (23,8%)
103º. Camaçari - BA --- 242.984 (50,2%)
104º. Sumaré - SP --- 241.437 (22,7%)
105º. Barueri - SP --- 240.656 (15,5%)
106º. Embu - SP --- 240.007 (15,6%)
107º. Viamão - RS --- 239.234 (5,2%)
108º. Ipatinga - MG --- 239.177 (12,6%)
109º. Novo Hamburgo - RS --- 239.051 (1,2%)
110º. Marabá - PA --- 233.462 (38,9%)
111º. Palmas - TO --- 228.297 (66,2%)
112º. Magé - RJ --- 228.150 (10,8%)
113º. São Carlos - SP --- 221.936 (15,0%)
114º. Itaboraí - RJ --- 218.090 (16,3%)
115º. Marília - SP --- 216.684 (9,8%)
116º. São Leopoldo - RS --- 214.210 (10,7%)
117º. Sete Lagoas - MG --- 214.071 (15,8%)
118º. Arapiraca - AL --- 214.067 (14,8%)
119º. Divinópolis - MG --- 213.076 (15,8%)
120º. Colombo - PR --- 213.027 (16,2%)
121º. Jacareí - SP --- 211.308 (10,5%)
122º. Americana - SP --- 210.701 (15,4%)
123º. São José - SC --- 210.513 (21,3%)
124º. Maracanaú - CE --- 209.748 (16,7%)
125º. Araraquara - SP --- 208.725 (14,4%)
126º. Presidente Prudente - SP --- 207.625 (9,7%)
127º. Macaé - RJ --- 206.748 (56,1%)
128º. Itabuna - BA --- 204.710 (4,1%)
129º. Santa Luzia - MG --- 203.184 (9,9%)
130º. Parnamirim - RN --- 202.413 (62,3%)
131º. Indaiatuba - SP --- 201.848 (37,3%)
132º. Cotia - SP --- 201.023 (34,9%)
133º. Itapevi - SP --- 200.874 (23,7%)

Algumas tendências que já parece bem claras são o crescimento exuberante das cidades pólo do interior (Londrina, Joinville e Caxias do Sul) e a relativa estabilização de Curitiba e, principalmente, Porto Alegre, com Florianópolis mantendo o grande crescimento como pólo de atração de migrantes qualificados.
 

·
Registered
Joined
·
7,142 Posts
Discussion Starter · #2 ·
Florianópolis tem crescimento populacional acima da média, aponta Censo
Capital catarinense foi a cidade da Região Sul que mais aumentou a população
http://www.clicrbs.com.br/diariocatarinense/jsp/default.jsp?uf=2&section=Geral&newsID=a3102995.htm

Florianópolis cresceu o dobro da média nacional, de acordo com o Censo 2010. A população passou de 342.315 para 404.224 habitantes, o que representa um aumento de 18,08%, enquanto o crescimento médio do país foi de 9,4%. A cidade também foi a que mais aumentou a população na Região Sul.

Apesar disso, crescimento da Capital caiu quase pela metade do que vinha apresentando nas últimas décadas. Entre 1980 e 1991 Florianópolis passou de 187.880 para 255.390 moradores, um aumento de 35%. Entre 1991 e 2000, o acréscimo foi de 34%.

— Mesmo não repetindo o crescimento das outras décadas, o número é considerável — avalia o professor do departamento de Economia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Hoyedo Nunes Lins.

Ele explica que o incremento deve-se a dois movimentos migratórios: os de pessoas que vêm do interior de Santa Catarina, atraídas pelo título de Capital, e os de moradores de outros estados do Brasil, principalmente Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo, que são seduzidas pela propaganda da cidade, como Capital brasileira que tem qualidade de vida. Além disso, há o fato de a cidade estar no Litoral.

Assim como Florianópolis, outros municípios que são polos atrativos também cresceram acima da média nacional. Como Joinville, cidade industrial, que aumentou 18,54% — 79.689 moradores — e Chapecó, polo agroindustrial, que cresceu 24% — 35.842.

O professor do departamento de geociências da UFSC, Clécio Azevedo da Silva, acrescenta que o crescimento menor da Capital em comparação a outras décadas foi influenciado pelo aumento de outras cidades da Grande Florianópolis, como Palhoça e São José.

— Elas também são cidades atrativas, por apresentarem indústrias. Não podemos pensar em Florianópolis isoladamente — ressalta Silva.

São José teve um acréscimo de 28.746 moradores, o que representa 16% e Palhoça, 32.978 habitantes (32,09%)
 

·
Registered User
Joined
·
1,866 Posts
Interessante notar que das grandes do interior paranaense, Cascavel só perdeu para Maringá no crescimento porcentual. Aliás, que inchaço é este da cidade canção! Só espero que possa manter a qualidade de vida mesmo com tantos forasteiros chegando.
 

·
Registered
Joined
·
7,142 Posts
Discussion Starter · #4 ·
Cascavel teve mesmo um crescimento notável, mas tb é impressionante a subida de São José dos Pinhas! Pode ter, inclusive, troca de posições entre essas cidades no próximo censo do PR.
 

·
Grande Campinas (S.Paulo)
Joined
·
50,057 Posts
capital gaucha está estagnada.???

Abri este thread pra gente poder discutir os resultados do último Censo, com foco na Região Sul e as suas tendências.








Algumas tendências que já parece bem claras são o crescimento exuberante das cidades pólo do interior (Londrina, Joinville e Caxias do Sul) e a relativa estabilização de Curitiba e, principalmente, Porto Alegre, com Florianópolis mantendo o grande crescimento como pólo de atração de migrantes qualificados.
 

·
Grande Campinas (S.Paulo)
Joined
·
50,057 Posts
Relativa estabilizaçao da populaçao não é sinonimo de cidade estagnada e creio que nao foi em nenhum momento a intenção do forista em dizer isso.
ok...
 

·
NON FVCKOR FVCKO
Joined
·
3,418 Posts
Relativa estabilizaçao da populaçao não é sinonimo de cidade estagnada e creio que nao foi em nenhum momento a intenção do forista em dizer isso.
De certa forma indica estagnação sim, no caso de Porto Alegre. Significa q MUITAS pessoas saíram da cidade em contrapartida às que chegaram, pra dar um saldo positivo total de 40 mil pessoas apenas. Sempre quando há debandada é sinal de saturação econômica.
 

·
Registered
Joined
·
7,142 Posts
Discussion Starter · #10 ·
Acho que o texto quiz dizer que Florianópolis foi a cidade com maior crescimento absoluto na população no Sul, mais até mesmo do que Curitiba
 

·
freiheit über alles
Joined
·
20,247 Posts
Eu quero ver daqui pra frente chapecó continuar com este crescimento forte (+20%), o q vai lhe projetar com uns 230 mil habitantes, em 2020.

bem como gostaria de ter visto a regiao de passo fundo crescer fortemente.

estes dois municipios, formam um eixo do agronegocio q se estende até cascavel, e passa pela minha regiao.

felizmente chapeco cresceu forte, já o noroeste do rio grande do sul ta esvaziando em velocidade muito alta. Passo fundo cresceu só 10%. erechim 6%. e o quarteto carazinho, cruz alta, santo angelo e ijui tb tao feio.
 

·
Registered
Joined
·
7,142 Posts
Discussion Starter · #12 ·
É estranho mesmo Squibb, duas regiões com o mesmo perfil humano e econômico terem padrões de crescimento tão diferentes !
O que mostra que a crise fiscal do RS tá influindo mesmo nas possibilidades de crescimento do Estado.
 

·
Registered
Joined
·
7,142 Posts
Discussion Starter · #13 ·
Taxa de crescimento zero no RS deve ocorrer até 2030, projeta coordenador do Censo 2010
Aumento do crescimento pouplacional acontecerá uma década antes do resto do Brasil
http://zerohora.clicrbs.com.br/zero...f=1&local=1&section=Geral&newsID=a3125902.xml


O Rio Grande do Sul deve verificar uma taxa de crescimento populacional zero até 2030, projetou o coordenador de dilvulgação do Censo 2010 no Estado, Ademir Koucher. Apenas na década seguinte o Brasil deve não ter um aumento de crescimento de pessoas, quando o país atingiria 219 milhões de pessoas.

A tendência de cresciemento zero até 2030 pôde ser traçada após a verificação do aumento populacional de apenas 0,49% entre 2000 e 2010.

— O RS tem uma taxa de fecundidade muito baixa que vem se verificando nos últimos 20 anos, o Estado vem dimunindo gradativamente o número de filhos por mulher fértil. Por outro lado, aumenta-se a expectativa de vida — explicou Koucher.

Os dados, no entanto, não chegam a níveis de envelhecimento como os verificados na Alemanha:

— O nosso Estado passa a ter um padrão muito próximo dos países mais desenvolvidos, mas não chegamos ao porte de uma Alemanha - que para cada grupo de 100 crianças tem mais de 100 idosos. Aqui no RS estamos em torno de 80 — detalhou o coordenador de dilvulgação do Censo 2010 no RS.
Koucher revelou que o Litoral Norte é a nova região urbana do Rio Grande do Sul, onde verifica-se um crescimento entre 4% e 5% ao ano.

O aumento do número de pessoas morando em Caxias do Sul superou as estimativas do próprio IBGE. No segundo maior município do Estado, entre 2000 e 2010, verificou-se um aumento da população de 360.419 para 435.482, ou seja, 20,83%.
 

·
Registered
Joined
·
7,142 Posts
Discussion Starter · #14 ·
Reportagem sobre Santa Catarina:


Cidades pequenas estão mais vazias
Municípios do Oeste do Estado foram os que mais perderam habitantes
http://www.clicrbs.com.br/anoticia/...&template=4187.dwt&edition=16022&section=2000

Três cidades e uma realidade em comum. Com base nos dados do Censo 2010 do IBGE, três municípios catarinenses diminuíram seus habitantes nos últimos dez anos. Presidente Castello Branco (-20,1%), Galvão (-17,9%) e Piratuba (-17,6%) aparecem no alto do ranking. Em todos eles, os reflexos do êxodo do campo. Perda de território para outras cidades, em Castello Branco, e o término de obras como a Usina de Machadinho, em Piratuba, são outras causas apontadas para a queda da população.

O Censo 2010 também mostra que a população está mais urbanizada do que há dez anos. Em 2000, 81% dos brasileiros viviam em áreas urbanas, agora são 84%. Em Santa Catarina, 78,5% dos catarinenses viviam em áreas urbanas em 2000. Agora, o índice é o mesmo da média nacional: 84%. O restante, 16%, vive em áreas rurais.

O estudante Everton Bett, 18 anos, sabe bem o que os números representam. Todos os dias ele, deixa Galvão, no Oeste do Estado, para estudar na cidade vizinha, em Xanxerê. Setenta quilômetros e quase três horas de viagem por dia separam as duas pequenas cidades. Trabalhador na construção civil, ele cursa zootecnia. Com o diploma, virá outra busca: um emprego.

A agricultura familiar está em queda no município com colonização italiana e alemã. A maior empresa é a Prefeitura, onde trabalham 120 pessoas. Com quase 50 anos, o município já teve em torno de 12 mil moradores na década de 1980. No censo de 2000, o IBGE contou 4.235 habitantes. Agora, dez anos depois, são 3.471. Para quem vive em centros maiores pode parecer pouco – 664 moradores a menos –, mas para quem vive em uma cidade pequena representa muito.

“Pagamos o preço de não oferecer incentivos para indústrias, o que fizeram municípios vizinhos. Além disso, 20 famílias venderam as roças para fazendeiros e se mudaram para outras cidades. Até para assentamentos sem-terra nós perdemos gente”, diz o vice-prefeito Paulino Quirino.

Quem anda pela cidade percebe o comércio acanhado. São poucas as lojas e o movimento em dias determinados, quando ocorre o pagamento dos aposentados. “Galvão encruou. Se eu fosse jovem, também iria querer uma vida melhor”, diz Antônio Bellé, 71 anos. Para Bellé, os aposentados são a força viva da cidade. “Sem eles, o comércio fecharia as portas.”
 

·
Registered
Joined
·
26 Posts
É visível em todos os aspectos o inchaço da Cidade Canção!

Positivo: Novas oportunidades, várias coisas novas na cidade todas as semanas...

Negativo: Fila, fila, fila, Congestionamentos ( sim, em uma cidade com 350 mil/hab )
 

·
freiheit über alles
Joined
·
20,247 Posts
congestionamento em cidade de 350 mil hab, até vai.

mas aqui em beltrão o sistema de transito é tao ruim, mas tao ruim, que sexta feira quatro ruas principais da cidade estavam completamente travadas. velocidade media inferior a 5km/h (mesmo).
 

·
Registered
Joined
·
7,142 Posts
Discussion Starter · #18 ·
É visível em todos os aspectos o inchaço da Cidade Canção!

Positivo: Novas oportunidades, várias coisas novas na cidade todas as semanas...

Negativo: Fila, fila, fila, Congestionamentos ( sim, em uma cidade com 350 mil/hab )
O PR tem mostrado dinamismo econômico suficiente para acolher esses novos moradores. Aliás, na sua maioria, imagino, devem vir de SP em busca de novas oportunidades...
 

·
25º25'S 49º15'W
Joined
·
469 Posts
Acho que o texto quiz dizer que Florianópolis foi a cidade com maior crescimento absoluto na população no Sul, mais até mesmo do que Curitiba
Em termos absolutos foi Curitiba quem teve o maior crescimento, com um aumento demográfico de aproximadamente 159.000 habitantes, enquanto Florianópolis cresceu "apenas" 79.000 habitantes, ou seja, o crescimento absoluto de Curitiba é mais que o dobro do de Florianópolis. Agora, em termos relativos, a história é outra.
 

·
freiheit über alles
Joined
·
20,247 Posts
Em termos absolutos foi Curitiba quem teve o maior crescimento, com um aumento demográfico de aproximadamente 159.000 habitantes, enquanto Florianópolis cresceu "apenas" 79.000 habitantes, ou seja, o crescimento absoluto de Curitiba é mais que o dobro do de Florianópolis. Agora, em termos relativos, a história é outra.
Até porque curitiba agora só cresce pra cima, que suas divisas já estão todas conurbadas.

Mas se for dar uma olhada em algumas cidades da RM, é coisa impressionante, não obstante ser muito menos do que já foi no passado.
 
1 - 20 of 33 Posts
Top