SkyscraperCity banner
1 - 11 of 11 Posts

·
is this it
Joined
·
609 Posts
Discussion Starter · #1 ·
Uma equipe de engenheiros e arquitetos começa no próximo mês a planejar uma ampla reforma no Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo. Ao contrário da última grande intervenção, que entre 2004 e 2007 remodelou por completo o terminal de passageiros e ampliou as vagas de estacionamento para veículos, desta vez o foco será o patrimônio arquitetônico de Congonhas. As obras devem se concentrar no restauro do saguão principal, espécie de "sala de estar" do aeroporto inaugurado na década de 1930.

"Nossa ideia é promover uma harmonização entre cafés, restaurantes e as demais áreas de serviço do aeroporto com sua arquitetura original. Com a configuração atual, ela está ofuscada", disse João Márcio Jordão, diretor de Operações da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), estatal federal que administra 67 principais aeroportos do País.

O diretor tranquiliza quem considera lojas, cafés e restaurantes fundamentais no aeroporto. "Temos o objetivo de resgatar o glamour de Congonhas e, ao mesmo tempo, oferecer mais conforto aos passageiros. Os serviços existentes não só permanecerão como serão até mesmo aprimorados."

O projeto inicial prevê o restauro da cúpula, do piso de cerâmica xadrez e dos pilares revestidos de pastilhas espalhados pelo saguão principal. "Queremos, de alguma forma, valorizar esses elementos tão importantes para a história do aeroporto", destacou Jordão.

Após a análise dos técnicos, a estatal deve lançar edital para a contratação de uma empresa especializada nesse tipo de reforma. "Essa intervenção requer um contrato diferente do que estamos acostumados. Esse trabalho não deve ser executado por empreiteiras. Isso é coisa para restauradores."

As obras devem contemplar ainda a expansão dos balcões de check-in das companhias. Com a chegada de novas empresas e o crescimento natural do mercado, eles já são insuficientes para absorver a demanda. Os planos iniciais são de avançar em direção ao Salão de Autoridades, a área reservada de embarque e desembarque que fica de frente para a Avenida Washington Luís. Os trabalhos ainda não têm data para começar, mas a Infraero adianta que pretende concluí-los para a Copa do Mundo de 2014.

MODIFICAÇÕES

Embora inaugurado oficialmente em abril de 1936, a estrutura atual do Aeroporto de Congonhas é resultado de construções executadas ao longo dos anos 1950, seguindo projeto elaborado pelo arquiteto Hernani do Val Penteado.

Maior alvo de modificações, o Terminal de Passageiros, inaugurado em 1955, sofreu ao menos quatro grandes intervenções no projeto original, todas ligadas à ampliação da oferta de serviços aos usuários e de adequação da infraestrutura do terminal.

As principais intervenções ocorreram em 1959, quando foi inaugurada a ala internacional do aeroporto (que funcionou até 1985); em 1981, quando a Infraero se tornou responsável pelo aeroporto; e, em 1990, quando o então Departamento de Aviação Civil (DAC) autorizou o pouso de jatos no aeroporto, aumentando o número de operações. Foi, a partir do início dos anos 1990, aliás, que lojas e caixas bancários passaram a tomar o lugar dos bancos, cadeiras e mesas do saguão.

Ainda assim, segundo o Departamento do Patrimônio Histórico (DPH), elementos internos - como pisos e revestimentos - e as escadas curvas com corrimãos de metal ainda mantêm características originais, "embora encobertos em muitos pontos".

Para a historiadora Giselle Beiguelman, autora do livro No Ar: 60 Anos do Aeroporto de Congonhas, a Infraero deveria tentar, com a reforma, recuperar parte da aura de "espaço de convívio" do aeroporto, adquirida nas décadas de 1950 e 1960. "Há mais espaço para publicidade e estandes do que mesas, cadeiras e bancos que possibilitem circulação e acomodação dos passageiros", avalia. "Áreas comerciais são necessárias, mas uma boa ideia seria tentar dar aos passageiros um pouco mais do que lojas e lanchonetes. Deve-se proporcionar conforto."

http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20090728/not_imp409499,0.php
 

·
Banned
Joined
·
657 Posts
No Brasil confunde-se valor histórico com saudosismo, o que tem de estraordinário na arquitetura horiginal de congonhas, que não haja de monte espalhado por São Paulo, não estranharia se tombassem o asfalto da rua também!
 

·
Gabriel
Joined
·
7,483 Posts
^ Discordo e sei que serei muuuito arrogante na minha afirmação, mas dane-se: tem gente que acha que patrimônio histórico é só o que existe há mais de um século (na verdade, muita gente acha que nem isso é patrimônio histórico), daí ignora as coisas de estilos mais sóbrios e austeros, como o do aeroporto de Congonhas... ele era estilosíssimo e quem tem a cabeça mais aberta e menos doutrinada nessa questão de "reconhecimento do valor arquitetônico" sabe valorizá-lo ;)
 

·
Banned
Joined
·
657 Posts
São Paulo está cheia de arquitetura modernista em inúmeros lugares, não vejo jutificativa em ficar tombando varios e varios emplares de um mesmo estilo arquitetonico relativamente recente (sem desmerecer seu valor), isso limita muito o desenvolvimento de uma cidade com o perfil dinâmico de São Paulo, não é a toa que alguns estrangeiros acham a cidade com cara de anos 60 e 70, e quando começarem a tombar o que se controi hoje? onde vai sobrar terreno para novas idéias e possibilidades arquitetônicas e urbanas? vamos ficar parados no tempo? só na base do retroif e com cada vez mais restrições no entorno dessas edificações tombadas aos montes?eu sou um defenssor árduo da preservação do patrimonio histórico (até meio radical em alguns momentos) mas acho que por perder tantas jóias algumas décadas atrás São Paulo ficou traumatizada e receosa em demasia, defendo o tombamento (me interesso e leio sobre o assunto) mas de forma realmente criteriosa, mas esse é o meu ponto de vista ( e de alguns que tenho lido), enfim eu repeito o seu gosto/opinião/ponto de vista:eek:kay:!

OBS:Normalmente deixo passar batido mas como você foi franco, também me sinto a vontade para ser:

Não acho congonhas estiloso nem charmoso (respeito seu gosto/opinião/forma de ver)

Sei que vou parecer arrogante também, mas na minha opinião quem tem a cabeça mais aberta de nós dois sou eu, mas você prefere vêr da forma contrária, tudo bem, por que esse conceito é muito relativo e pessoal mesmo!:angel:
 

·
Registered
Joined
·
17,341 Posts
^^ Aquele piso é "tudo". Marca registrada do aeroporto. Pra mim resgataria parte do glamour se cortasse alguns voos de lá, de modo a diminuir a superlotação. Qual o interesse do aero em manter voos pra Macapá, Porto Velho e Belem, por exemplo? Tinha que haver um raio máximo (exemplo: Brasilia ou Porto Alegre).
 

·
Annoying ex-moderator
Joined
·
17,643 Posts
^^ Aquele piso é "tudo". Marca registrada do aeroporto. Pra mim resgataria parte do glamour se cortasse alguns voos de lá, de modo a diminuir a superlotação. Qual o interesse do aero em manter voos pra Macapá, Porto Velho e Belem, por exemplo? Tinha que haver um raio máximo (exemplo: Brasilia ou Porto Alegre).
São voos com escala(Brasília) que não mudam em nada o foco do aeroporto.

O raio máximo existe: 1500km para voos diretos. Havendo uma escala antes de 1500km, o avião pode seguir para onde quiser. Até para fora do país.
 

·
Registered
Joined
·
1,090 Posts
Congonhas é lindo!

Tomara que fique ainda melhor!
 

·
Registered
Joined
·
17,341 Posts
São voos com escala(Brasília) que não mudam em nada o foco do aeroporto.

O raio máximo existe: 1500km para voos diretos. Havendo uma escala antes de 1500km, o avião pode seguir para onde quiser. Até para fora do país.
Em relação ao conforto muda sim. Poderiam cortar a supelotação mudando alguns voos pra GRU. Pra alguem que venha de Macapá ou Boa Vista tanto faz descer por GRU ou CGH, pra quem passou 4h num voo, 1h de taxi não é nada.
 

·
Annoying ex-moderator
Joined
·
17,643 Posts
Em relação ao conforto muda sim. Poderiam cortar a supelotação mudando alguns voos pra GRU. Pra alguem que venha de Macapá ou Boa Vista tanto faz descer por GRU ou CGH, pra quem passou 4h num voo, 1h de taxi não é nada.
Voce nao anda muito de aviao né?!

Já tiraram MUITOS voos de Congonhas, transferidos basicamente para Guarulhos.

É cronica a falta de espaço em Guarulhos, o que acaba deteriorando o pouco conforto relativo que o Internacional possuia.

E o voo de Macapá, como eu já disse, faz uma escala em Brasilia. Isso nao significa que embarcam 170 macapaenses num A320 da TAM, faz apenas uma escalinha em Brasilia pra reabastecer e seguem os mesmos 170 passageiros pra São Paulo. É apenas uma mera questão de logistica, isso é comum na aviação.

Descem macapaenses em Brasilia, seja como destino final, seja por conexão, e sobem outros passageiros, sejam vindos de Brasilia, sejam oriundos de conexão.
 
1 - 11 of 11 Posts
Top