SkyscraperCity banner

141 - 160 of 374 Posts

·
Registered
Joined
·
2,432 Posts
Duas casas ecléticas LINDAS foram demolidas na Protásio. Motivo: colocar os terrenos à venda. :(
é a prova de que esses malfadados planos diretores são prá enganar trouxa, uma vez que não criam áreas de proteção das cidades.

apenas dizem o percentual de rentabilidade do investimento, calculado a partir do possível aproveitamento dos lotes.

quando não tiverem mais cidade para demolir, vão aparecer políticos dizendo: que pena, não sobrou nada!
 

·
Registered
Joined
·
2,432 Posts
É só um desabafo. Tem muito forista comunista aqui que adora fazer caridade arquitetônica com o SUADO DINHEIRO E PATRIMÔNIO ALHEIOS!
suado dinheiro de quem paga impostos diretos e indiretos que vão ser usados na criação de infraestruturas para as cidades densificadas e para as cidades periféricas dos expulsos pela especulação.
 

·
Arquitetura de banheiro
Joined
·
3,914 Posts
É só um desabafo. Tem muito forista comunista aqui que adora fazer caridade arquitetônica com o SUADO DINHEIRO E PATRIMÔNIO ALHEIOS!
Quer desabafar? :toilet:

Fique a vontade! :D

"Forista comunista" e "caridade arquitetônica" merecem ir pro thread das pérolas, aliás quantos anos faz que vc não olha pro calendário Suburbanist? Século XXI mandou lembranças! :hi:
 

·
.
Joined
·
8,695 Posts
Fico muito feliz com a demolição de velharias inúteis, de norte a sul do Brasil. Sem entrar em detalhes, tem gente que parece que não quer que nenhuma casa com mais de 30 anos seja demolida. Felizmente, os órgãos de preservação do patrimônio não são assim tão radicais.

Mas eu fico ultrafeliz quando casas velhas, principalmente aquelas associadas a moradias de classe média e baixa de tempos atrás, são postas abaixo para dar lugar a outras coisas mais modernas, ou simplesmente para remover a visão do atraso que elas proporcionam. Até um estacionamento em cascalho é melhor do que certas construções caindo aos pedaços mostradas nesse thread!

Preservar o patrimônio dos outros é fácil... Quero ver os foristas colocarem dinheiro do próprio bolso para comprar uma casa onde pode ser construído um prédio com VGV de R$ 2 milhões só para preservar a memória dos colonizadores de algum país europeu qualquer.

Enquanto isso, por motivos óbvios não direi onde, um conjunto de 14 casas estilo "colônia italiana" na zona rural de algum lugar no interior de SP foi demolido, perfeitamente dentro da lei, porque ficava no meio de um canavial e estava atraindo elementos suspeitos que iam lá usar drogras e fazer destinhas particulares a noite. Um terreiro de café foi igualmente demolido. O local ficava a 8-10km do centro urbano mais próximo, acessível com relativa facilidade por uma estrada municipal de terra, mas não aslfatada.

O local foi posto abaixo, um conhecido tirou umas fotos só para guardar de lembrança da fazenda cujo bisavô havia transformado em colônia. Ele nem queria destruir as casas (umas 13/14), mas elas foram sucessivamente saqueadas, levaram as portas, vandalizaram ao longo dos últimos 12 anos e o local estava ficando perigoso, até moto de luxo roubada desmanchada acharam lá uma vez, fora seringas e camisinhas etc.

Antes havia uma fazenda da café e era fácil controlar o acesso, mas de 12 anos para cá plantam cana, e não mora mais ninguém em um raio de 4km ou mais. A casa principal, já descaracterizada há tempos, foi demolida antes para construir uma estrada para os caminhões de cana.

Agora, devido ao mau comportamento de vândalos da região, ele demoliu casas que tinham uns 100 anos de idade mais ou menos, e não restou nada, foi tudo enviado para um depósito de entulho, o chão tá liso e só as fundações estão lá.

Se eu fosse o dono da fazenda, eu agiria difernete. Eu teria demolido as casas no dia em que virasse dono da fazenda, pq nunca se sabe quando um arquiteto paranóico vai querer te impedir de usar sua propriedade. E, ao contrário do meu amigo, só vejo sentido em preservar casas de alto padrão no Brasil, pois a história arquitetônica das nossas classes média e baixa é insignificante perto da europeia ou mesmo americana, e por isso merece ser confinada aos livros de memória.
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
:puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke: :puke:
 

·
Gabriel
Joined
·
7,482 Posts
Discussion Starter #149
Fico muito feliz com a demolição de velharias inúteis, de norte a sul do Brasil. Sem entrar em detalhes, tem gente que parece que não quer que nenhuma casa com mais de 30 anos seja demolida. Felizmente, os órgãos de preservação do patrimônio não são assim tão radicais.

Mas eu fico ultrafeliz quando casas velhas, principalmente aquelas associadas a moradias de classe média e baixa de tempos atrás, são postas abaixo para dar lugar a outras coisas mais modernas, ou simplesmente para remover a visão do atraso que elas proporcionam. Até um estacionamento em cascalho é melhor do que certas construções caindo aos pedaços mostradas nesse thread!

Preservar o patrimônio dos outros é fácil... Quero ver os foristas colocarem dinheiro do próprio bolso para comprar uma casa onde pode ser construído um prédio com VGV de R$ 2 milhões só para preservar a memória dos colonizadores de algum país europeu qualquer.

Enquanto isso, por motivos óbvios não direi onde, um conjunto de 14 casas estilo "colônia italiana" na zona rural de algum lugar no interior de SP foi demolido, perfeitamente dentro da lei, porque ficava no meio de um canavial e estava atraindo elementos suspeitos que iam lá usar drogras e fazer destinhas particulares a noite. Um terreiro de café foi igualmente demolido. O local ficava a 8-10km do centro urbano mais próximo, acessível com relativa facilidade por uma estrada municipal de terra, mas não aslfatada.

O local foi posto abaixo, um conhecido tirou umas fotos só para guardar de lembrança da fazenda cujo bisavô havia transformado em colônia. Ele nem queria destruir as casas (umas 13/14), mas elas foram sucessivamente saqueadas, levaram as portas, vandalizaram ao longo dos últimos 12 anos e o local estava ficando perigoso, até moto de luxo roubada desmanchada acharam lá uma vez, fora seringas e camisinhas etc.

Antes havia uma fazenda da café e era fácil controlar o acesso, mas de 12 anos para cá plantam cana, e não mora mais ninguém em um raio de 4km ou mais. A casa principal, já descaracterizada há tempos, foi demolida antes para construir uma estrada para os caminhões de cana.

Agora, devido ao mau comportamento de vândalos da região, ele demoliu casas que tinham uns 100 anos de idade mais ou menos, e não restou nada, foi tudo enviado para um depósito de entulho, o chão tá liso e só as fundações estão lá.

Se eu fosse o dono da fazenda, eu agiria difernete. Eu teria demolido as casas no dia em que virasse dono da fazenda, pq nunca se sabe quando um arquiteto paranóico vai querer te impedir de usar sua propriedade. E, ao contrário do meu amigo, só vejo sentido em preservar casas de alto padrão no Brasil, pois a história arquitetônica das nossas classes média e baixa é insignificante perto da europeia ou mesmo americana, e por isso merece ser confinada aos livros de memória.
É só um desabafo. Tem muito forista comunista aqui que adora fazer caridade arquitetônica com o SUADO DINHEIRO E PATRIMÔNIO ALHEIOS!
Affe, mas que cara mais chato! TODA VEZ VEM COM A MESMA LADAINHA! O thread aqui é sobre isso... será que dá pra ler o título? Se você não tá nem aí pra patrimônio histórico, ou entende que "patrimônio histórico é coisa com mais de 500 anos", já sabe que no Brasil não vai ter nada assim, ou seja, nem entre aqui... vai entrar pra quê? Pra vir repetir a mesma ladainha de sempre e mostrar como você foi cúmplice de ações criminosas?

E sobre o seu segundo comentário, quem não sabe fazer uso do diferencial arquitetônico que uma construção antiga oferece, ainda mais no cenário brasileiro em que elas são raras, é BURRO, simples assim. O capitalismo também não gosta muito de gente burra e que perde oportunidades, não é?

Vai na sombra! :hi:
 

·
Banned
Joined
·
9,271 Posts
Infelizmente tenho MUITOS casos pra atualizar aqui, vou ver se começo a colocar com uma certa frequência... por enquanto vai esse palacete que ficava na Rua Pará, em Higienópolis, e foi demolido da noite pro dia durante este Carnaval:



o queeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee estou indignado! Quando eu estudei no Rio Branco eu andava muito pela regiao de higienopolis e fui vendo todos os semestres da escola mais e mais casaroes sendo derrubados. Isso vai acontecendo e sao apulo ficando cada vez com menos personalidade. Essa mentalidade do Brasil e horrivel.
 

·
on the road
Joined
·
33,349 Posts
Século XXI mandou lembranças! :hi:
Enquanto foristas se autocongratulam aqui, amigos da área jurídica montam ofensivas administrativas e jurídicas para favorecer o bolso de quem pode pagar caras assessorias jurídicas dispostas a levar casos até o STJ, e sempre prestes a mandarem tratores quando liminares são conseguidas.

Eu quero mais é que a história arquitetônica irrelevante fique confinada às maquetes, mesmo que seja para ter um estacionamento de cascalho no local. Enfim, é a ideologia de que o progresso é bom, o novo é ótimo e o velho, se não for excepcionalmente belo ou relevante, vai pro lixo ou, no caso, pro aterro de entulhos.
 

·
Arquitetura de banheiro
Joined
·
3,914 Posts
^^

:lol:

Foi mais rápido que eu, vou seguir seu conselho de umas páginas atrás e deixar ele "sentar lá". :D

Por sinal o banco tá cheio, já tem ele, a Cláudia, os amigos advogados, e os empresários com uma visão de mercado e oportunidade invejável :|
 

·
Registered
Joined
·
3,673 Posts
Por sinal o banco tá cheio, já tem ele, a Cláudia, os amigos advogados, e os empresários com uma visão de mercado e oportunidade invejável :|
É verdade! Fora que metade devem ser amiguinhos imaginários ! :lol:

Enfim, é verdade, vamos deixar ele sentar lá com a Claudia e continuar com o assunto do tópico :cheers:
 

·
/lixa
Joined
·
3,412 Posts
^^
Quer chamar atenção :eek:hno


Pois é! Uma pena ver que muito da nossa história já foi perdida.

Aqui em Belém, acho que a maior perda foi o Grande Hotel, considerado o Copacabana Pallace de Belém. Ele foi demolido por volta dos anos 60, se não me engano, e alguns anos depois foi construido o Hotel Hilton :eek:hno






Que lástima!!
 

·
Mameluco sangue azul
Joined
·
20,420 Posts
LUTO

Patrimônio secular no chão


Jaboatão dos Guararapes // Engenho São Bartolomeu, mostrado pelo Diario no último domingo, foi destruído pelos proprietários



Recorte da capa de hoje, 14/04/2010, do Diário de Pernambuco.​

Os moradores ainda não se recuperaram do susto. Foi tudo abaixo. Paredes, teto. Da antiga casa grande do Engenho São Bartolomeu, em Jaboatão dos Guararapes, só restou pedra sobre pedra de um bem que, segundo historiadores, data de 1636 e era um dos mais antigos da Região Metropolitana do Recife. O imóvel, reformado pelo último dono há cerca de 100 anos, inspirou uma matéria que saiu no Diario no último domingo. A Prefeitura de Jaboatão havia demonstrado, inclusive, interesse em tombar a casa. Coincidência ou não, a casa grande foi derrubada no mesmo dia. O empresário Gunther Gulde, genro do antigo proprietário, já morto, administra hoje o lugar e disse que pretende construir no local galpões e alugá-los. Já a prefeitura deverá encaminhar o problema para a Procuradoria de Justiça do município para cobrar as providências legais.

O advogado dos atuais proprietários da área, Manoel Jales, disse que em nenhum momento os clientes dele foram procurados pela prefeitura para negociar o tombamento do casarão e negou que o prédio tenha valor histórico, como é defendido por estudiosos do engenho. "A casa teria pertencido à família Lapa, de origem portuguesa, e foi passada para Augusto de Castro, que deixou o imóvel como herança para o filho Hermano de Castro. Somente em 1976 o casarão foi vendido, já em ruínas, para José Miguel, o último dono, que reergueu o lugar. A casa tinha no máximo oitenta anos", explicou o advogado. O empresário Gunther Gulde explicou que a família tem a intenção de alugar os futuros galpões para abrigar produtos alimentícios e máquinas.

O secretário de Cultura e Eventos de Jaboatão, Ivan Lima Filho, estava agilizando o pedido de tombamento municipal da casa grande. A solicitação era avaliada pelo prefeito Elias Gomes e poderia sair dentro de 90 dias. A ideia do governo municipal era comprar a casa dos atuais proprietários e começar o processo de revitalização da área. O valor das obras, incluindo a construção de um pequeno polo cultural, estava orçado em R$ 700 mil. Segundo Ivan Lima Filho, o governo já tinha garantido R$ 300 mil e iria buscar o restante dos recursos junto aos governos estadual e federal.

Somente ontem Ivan Lima Filho soube da derrubada do patrimônio e foi ao local para obter mais informações dos moradores. "Sabendo que o município tinha interesse em tombar o patrimônio, ele não poderia ter tomado esse tipo de atitude. Encaminharemos o problema para a procuradoria municipal e vamos cobrar dele a reconstrução do imóvel, com verba dele mesmo", afirmou o secretário.

Desalento - Moradora do lugar há 27 anos, a dona de casa Maria das Dores Conceição, 69 anos, contou que costumava passar as tardes no terraço da casa grande, deitada em uma rede. "A gente aproveitava para descansar lá. Isso faz falta", comentou. Edna Costa Miguel, 26 anos, ganhou o nome Miguel em homenagem ao último dono, José Miguel da Silva Neto, e contou que estava se preparando para comemorar o aniversário de um ano da única filha no terraço. "Agora vou ter que arrumar outro local", disse, entristecida, falando que ouviu obarulho da derrubada da casa. Comemorações no lugar eram comuns. A última delas foi a Festa da Manga, organizada pela própria comunidade.

As professoras da rede municipal de Jaboatão Sueli Tavares e Mônica Coelho também ficaram surpresas com a paisagem onde antes havia a casa grande. "Lemos a matéria no domingo e decidimos que íamos visitar o lugar. Quando chegamos aqui hoje (ontem), estava tudo destruído", comentou Sueli. O medo agora está em torno da moenda, que ainda resiste de pé, mas que pode ser derrubada a qualquer momento. (Marcionila Teixeira)
http://www.diariodepernambuco.com.br/2010/04/14/urbana10_0.asp

Um passado muito rico de histórias

Calcula-se que a casa destruída tinha cerca de 100 anos, data de sua última reforma, mas originalmente o prédio datava de 1636. Os historiadores contam que o lugar foi morada de judeus, cristãos-novos e holandeses. O Engenho São Bartolomeu foi palco, ainda, da confecção do tradicional bolo de mandioca pernambucano, que ganhou o nome de Souza Leão, sobrenome da esposa de um dos senhores de engenho. Continuam de pé a fachada do que foi a antiga senzala, que hoje abriga uma igreja evangélica e uma biblioteca comunitária.

Apesar da importância histórica do ambiente, podiam ser vistos sinais de descuido. Objetos antigos, como a balança de pesagem de cana-de-açúcar usada pelos senhores no século passado, são guardados sem cuidados até hoje por moradores da redondeza. O instrumento foi achado por pessoas que limpavam o mato em frente à casa grande.

A pesquisadora Eulina Maciel, que estuda sobre o engenho há 27 anos, contou que no local era produzido aguardente. Ela explicou que o primeiro dono foi o judeu Fernão doVale, que herdou a propriedade do irmão, Fernão Soares, dois holandeses. Conta a história que Fernão do Vale delatava planos de portugueses e pernambucanos para os holandeses durante a Batalha dos Guararapes. Um dia foi capturado pelos inimigos dentro do engenho e desapareceu.

O nome São Bartolomeu vem de uma imagem que a família de Fernão do Vale mandou trazer da Holanda. Diz a lenda que ele aparecia à noite para contar que havia riquezas enterradas atrás da casa grande. Verdade ou não, o local até hoje não foi escavado. O espaço também abriga árvores centenárias, plantadas pelo engenheiro agrônomo Augusto de Castro, em 1900. Moradores dizem que muitas espécies foram derrubadas ao longo dos últimos anos e que a casa grande estava fechada há mais de 20 anos. No longo terraço que havia, os moradores utilizavam para realizar festas. "Apesar de ricos, os donos desse lugar são mais ignorantes que a gente", disse, revoltada, ontem, uma moradora.
http://www.diariodepernambuco.com.br/2010/04/14/urbana10_1.asp
 

·
Mameluco sangue azul
Joined
·
20,420 Posts
^^ É muita ignorância!!! O FDP que fez isso deveria ser condenado à pena de morte!!!
 

·
Registered
Joined
·
3,673 Posts
pior são esses advogados laranjas de quinta categoria, sempre com as justificativas mais improváveis e enrolonas.
Primeiro que advogado não é ninguém pra definir o que deve ou não ser preservado, cabe aos conselhos de patrimônio.
Segundo que é CONTRA A LEI demolir sem autorização da Pref QUALQUER prédio, histórico ou não.
 

·
Arquitetura de banheiro
Joined
·
3,914 Posts
LUTO

Patrimônio secular no chão

Jaboatão dos Guararapes // Engenho São Bartolomeu, mostrado pelo Diario no último domingo, foi destruído pelos proprietários


No longo terraço que havia, os moradores utilizavam para realizar festas. "Apesar de ricos, os donos desse lugar são mais ignorantes que a gente", disse, revoltada, ontem, uma moradora.
http://www.diariodepernambuco.com.br...urbana10_1.asp

A frase(negritada por mim) resume toda a matéria.
:applause:

Ia escrever meus textos imensos, mas a notícia é broxante, me junto ao luto do Mascate.:eek:hno:
Roubando meu quote do Leão do Norte.
 
141 - 160 of 374 Posts
Top