Skyscraper City Forum banner
1 - 1 of 1 Posts

·
policial disfarçado
Joined
·
17,786 Posts
Discussion Starter · #1 ·
Com longa trajetória no terceiro setor, os dois lideram o recém-lançado Movimento Nossa São Paulo: Uma Outra Cidade

Entrevista Maria Alice Setúbal e Oded Grajew

Luanda Nera

Ele nasceu em Tel-Aviv, Israel, e mudou-se com a família para o Brasil aos 12 anos. Cursou Engenharia Elétrica na USP e nunca deixou São Paulo. Ela, paulistana, é herdeira de um dos maiores banqueiros do País, Olavo Setúbal, fundador do Itaú. Líderes do terceiro setor no País, Oded Grajew e Maria Alice Setúbal comandam o Movimento Nossa São Paulo: Uma Outra Cidade, lançado na semana passada. Nesta entrevista, apontam caminhos possíveis para a metrópole.

Pela pesquisa feita pelo Ibope para vocês, o paulistano não tem sonhos. Como fugir desse pesadelo?

Grajew -O sonho começa quando se vê que existe um caminho. E ele inclui metas, indicadores. O pesadelo é quando não há perspectivas. O fato de o paulistano não ter sonhos agora não significa que ele não quer mais sonhar.
Maria Alice - A proposta é abrir horizontes com metas claras.
Quando visitamos Bogotá, na Colômbia, ficou clara a importância da cultura cidadã. Para mudar as ações é preciso mobilizar a população e torná-la coresponsável. Vamos propor ações coletivas, que tornem as relações mais humanas na cidade. É o primeiro passo.
Grajew - Mensurando expectativas, fica mais fácil começar a trabalhar por elas. Hoje temos informações concretas de como chegar lá. Isso muda tudo.

Está claro que todos esses sonhos passam pela questão política?

Maria Alice -É preciso acreditar que o processo participativo é fundamental. Cada um de nós precisa sair do individualismo, do comodismo, para se colocar na vida da cidade.
Grajew - A falta de confiança nos políticos é um sinal perigoso. Todos os países que deram certo em termos de qualidade de vida têm a democracia participativa enraizada. Desenvolvimento humano, preservação ambiental, emprego, tudo está ligado à democracia participativa levada ao extremo.

Para o paulistano, segundo o Ibope, o tempo (ou a falta dele) é o grande tirano do dia-a-dia. É possível driblar isso?

Maria Alice -O tempo é um tirano, mas o problema é de outra ordem. Morei no interior, onde as pessoas têm mais tempo e a participação política também era muito pequena. Mas vejo na periferia gente com pouquíssimo tempo livre que faz muita coisa pela sociedade.
Grajew - Aliás, uma das nossas metas é fazer as pessoas terem mais tempo. Isso exige melhorar a prestação de serviço, o transporte público. Mas o acompanhamento da administração não demanda tempo.
Depende da qualidade da informação que chega às pessoas.

Vocês falam em tornar a cidade mais bonita. Como pensar em beleza com tanto pesadelo urbano?

Maria Alice -A adesão à lei Cidade Limpa é prova de que é importante cuidar da cidade.
Não foi só pela multa. A população aderiu porque percebeu o valor da idéia.
Grajew - Ninguém reflete, por exemplo, sobre o impacto da qualidade do ar na nossa saúde.
Quando essas questões começarem a ser feitas, as preocupações ganharão outra cara. Uma idéia testada em muitas cidades é fazer as pessoas viverem outra realidade, para verem que é possível melhorar. Criar 'um dia sem carro' não resolve o problema da poluição, mas é um alerta. E faz as pessoas descobrirem outras formas de transporte, de convivência.

O conformismo e a acomodação do paulistano desmotivam?

Grajew -O movimento reúne lideranças que estão há tempos na batalha. Não pararam de sonhar, não se contentam com a postura defensiva que ainda aparece na maioria. Precisamos contagiar a população.

A apropriação do espaço público é uma das metas do movimento. É difícil inserir essa cultura numa cidade de 11 milhões de habitantes?

Grajew -Os paulistanos ainda não conseguem ver a cidade como uma parte da sua casa.
A perda da noção do espaço público é latente e precisa ser combatida.

Como trabalhar diferenças sociais?

Grajew -Vamos envolver subprefeitos, sem exceção. A cidade é desigual, não dá para ficar na média dos indicadores. A média é enganosa.

Dá para popularizar metas sociais?

Grajew -A população é bombardeada pela mídia com informações sobre bolsa de valores e câmbio e vários assuntos que não interessam à esmagadora maioria das pessoas. Achamos possível dar igual importância a indicadores sociais.

Conhecer políticas públicas basta para que as pessoas se tornem coresponsáveis?

Grajew -O cidadão esquece que o imposto que paga financia a atividade política. Se um vereador diz 'dei a vocês um posto de saúde', fica a impressão de que tirou dinheiro do bolso dele.
Maria Alice - E muitas lideranças trabalham na lógica de ir atrás do vereador para conseguir o tal posto e ganhar poder. É um jogo de interesses típico da cultura brasileira.
Fazer o cidadão acompanhar a vida pública vai representar uma grande mudança.

Grajew - A base de indicadores estará pronta até o final do ano. Não basta o candidato dizer 'vou melhorar a educação'. Ele será cobrado sobre números.

O que vocês sonham para uma São Paulo melhor?

Maria Alice -Uma São Paulo mais humana, onde se possa voltar a andar nas ruas, cumprimentar pessoas, ter vontade de usar a cidade.
Grajew - Meu sonho é que os cidadãos parem de ter medo uns dos outros. Não uso relógio, pergunto as horas na rua. A primeira reação da maioria das pessoas é de espanto. Vivemos num conglomerado de pessoas, não numa comunidade.

Fonte: OESP
 
1 - 1 of 1 Posts
Top