SkyscraperCity banner

1261 - 1278 of 1278 Posts

·
Soldadinho de chumbo
Joined
·
8,491 Posts
Diáspora pernambucana

Como 23 judeus que viviam no Recife foram parar sem querer em Nova York, onde mudariam a história do mundo.



1. As primeiras incursões de judeus para o Brasil começaram já com Cabral. Nos anos seguintes, muitos aproveitaram a colônia para fugir da Inquisição.

2. A partir da ocupação holandesa, em 1630, viveram uma inédita liberdade religiosa, e construíram no Recife a primeira sinagoga das Américas.

3. Com a retomada portuguesa, a maioria dos judeus fugiu para Amsterdã. Mas não foram todos. Muitos saíram de Pernambuco direto para as Antilhas, dominadas pela Holanda.

4. Um grupo que planejava ir para a capital da Holanda foi atacado por piratas. Os 23 sobreviventes mudaram de destino, rumo à Nova Amsterdã, a atual Nova York.

5. Lá, formariam a primeira comunidade judaica de Nova York, dando o ponta-pé inicial na história da cidade.

Fonte: Abril (https://super.abril.com.br/historia/como-23-pernambucanos-ajudaram-a-fundar-nova-york/)
 

·
Back to Boston
Joined
·
5,481 Posts
Discussion Starter #1,262 (Edited)
Impressionante como Recife foi uma chave importante na diáspora judaica no novo mundo. Bela postagem, Lukas!
 
  • Like
Reactions: LucasPE

·
Back to Boston
Joined
·
5,481 Posts
Discussion Starter #1,263 (Edited)

Os judeus que não foram pra Nova York (Nova Amsterdam, na época), foram para o interior de PE, PB e RN. Onde se converteram ao catolicismo e praticavam o judaísmo em suas casas. Até hj no interior as famílias tradicionais de origem Judaica ( including my family) praticam o ano novo judaico, festa do Hannukkar, dentre outros eventos judaicos.
 
  • Like
Reactions: LucasPE

·
Back to Boston
Joined
·
5,481 Posts
Discussion Starter #1,264
RECIFE – THE FIRST JEWISH COMMUNITY IN THE NEW WORLD


Rabbi Issac Aboab da Fonseca

Rabbi Issac Aboab da Fonseca A»H

Recife – The First Jewish Community In The New WorldMany people know that on September 7, 1654, twenty-three Jews arrived in New Amsterdam (renamed New York after the Dutch left). Most are not, however, aware of the fact that these Jews came to America from Recife, Brazil.

Recife, now the capital of the state of Pernambuco, is located on the northeastern shore of Brazil. It has a fascinating Jewish history of its own.Brazil was originally under Portuguese rule, and Jews first arrived there some time after the year 1500. They were active in making Recife a prosperous center for the production of sugar in the sixteenth and seventeenth centuries. Many if not all of the Jews who came to Recife before 1630 were «New Christians,» that is, Jews forced to convert to Christianity during the Inquisition. These Jews were also known as Marranos.

They most likely came to the New World for two reasons. First, there were attractive economic opportunities in Brazil that were not available in Europe. Second, and at least as important to these Jews who secretly clung to the faith of their ancestors, is the fact that until 1580 the Inquisition was not as prevalent in Brazil as it was in countries that Spain controlled.With the unification of Portugal and Spain in 1580, the Inquisition spread with full force to Portugal and to the areas controlled by it in the New World.

Though the Inquisition was never established in Brazil, it had its «familiars» in that country, who spied upon secret Jews, and, in case of detection, seized them and sent them to Lisbon to be tried by the tribunal there. On the other hand, a favorite method of punishment by the Inquisition of Lisbon was to transport convicted relapsed Jews to the colony of Brazil, it is said, twice every year.

The earliest notice of Jews in the country refers to some who had been thus banished in 1548. In the same year, however, several Portuguese Jews transplanted sugar-cane from Madeira to Brazil, and Jews were connected with the sugar industry of the country for the following two centuries.

During the twenty years following the arrival of the first Jewish settlers they were joined by many volunteer exiles of the same faith, until their prominence in trade became noticeable; and edicts were issued by Don Henrique, regent of Portugal, on June 20, 1567, and March 15, 1568, forbidding Marranos to settle in Brazil. This edict, however, was repealed for the sum of 1,700,000 crusados ($714,000) given by the Marranos of Lisbon and Brazil, and the privileges of residence and free commerce were granted to Neo-Christians by an edict of May 21, 1577.

[1]New Christian Jews, while forced to practice Christianity publicly, did whatever they could to maintain their Judaism secretly. They attended Catholic mass regularly and did their best to appear as «loyal» Christians to their neighbors. However, whenever possible, they clandestinely gathered to daven. In order to avoid the ever watchful eye of the Inquisition, the servants of New Christians often did not work on either Saturday or Sunday.

The simple act of bathing on Fridays or wearing nicer clothes on Shabbos could be construed as «a lapse into Judaism,» possibly setting in motion an inquest certain to end badly for the accused. We should keep in mind that the simplest and safest thing for New Christians to do would have been to forsake Judaism entirely. Yet, despite the risk of barbaric punishments and even a horrible death, many tenaciously clung to as many Jewish practices as they could.

In 1630 the Dutch occupied Pernambuco. Holland had a tradition of granting Jews a good deal of religious freedom, and this same freedom was now extended to Recife and its environs. So promising was the position of the Jews in Brazil that Ephraim Sueiro A»H , brother-in-law of Manasseh ben Israel A»H, emigrated to that country in 1638, and was to have been followed by Manasseh himself, who dedicated the second part of his «Conciliador» to the community at Recife (1640). Two years later no less than 600 Jews from Amsterdam embarked for Recife. Included in this number were Rabbi Isaac Aboab da Fonseca A»H, a well-known Amsterdam rabbi, and scholar Moses Raphael d`Aguilar A»H.

They came to Brazil as spiritual leaders to assist the congregations of Kahal Kodesh Tzur Yisroel in Recife and Magen Abraham in Mauricia. By 1645, the Dutch Jewish population of Recife was about 1,500, approximately half of its European population.Synagogue records show a well-organized Jewish community with a high level of participation by Jews as well as New Christians, who were finally able to openly return to the practice of Judaism.

There was an elementary level Talmud Torah and an upper level yeshiva in which Gemara was taught. These records also indicate the existence of a tzedaka fund and an overseeing executive committee. The community was, not surprisingly, in general observant. Each adult male was required to stand guard on a regular basis.

There are documents that show that Jews were exempt from doing guard duty on Shabbos.

They were, however, required to hire gentiles who served in their stead.The life story of the Rabbi Aboab is most interesting.Rabbi Aboab da Fonseca A»H was born in Portugal in 1605 into a family of New Christians. After settling in Amsterdam he returned to Judaism and eventually became a rabbi and a friend of Menashe Ben Israel A»H. (When Rabbi) Aboab joined the Amsterdam Jews in Recife as their hakham, (he became) the first American rabbi.He continued for 13 years as the spiritual mainstay of the community. After the repulse of the Portuguese attack on the city in 1646, (Rabbi) Aboab composed a thanksgiving narrative hymn … the first known Hebrew composition in the New World that has been preserved.While in Recife, Rabbi Aboab also wrote his Hebrew grammar, Melekhet ha-Dikduk, still unpublished, and a treatise on the Thirteen Articles of Faith, now untraceable. After the Portuguese victory in 1654, (Rabbi) Aboab and other Jews returned to Amsterdam, where he became a prominent leader of the local Jewish community.

[2]Held in high esteem by his former Amsterdam congregants, (Rabbi) Aboab was reappointed as hocham in the synagogue and made teacher in the city`s talmud torah, principal of its yeshiva and member of the city`s bet din, or rabbinic court. He died in 1693 at the age of 88, having served the Jewish community of Amsterdam for 50 years after his return from Recife.

[3]The bereavement of their spiritual guide was so keenly felt by Amsterdam Jewry that for many years the name of Rabbi Aboab and the date of his death were incorporated in the engraved border of all marriage contracts issued by the community.

[4]*During the twenty-four years that Recife was under Dutch rule the Jews developed a vibrant community. Recife became the first place in the New World where Judaism was practiced openly. Its members were doctors, lawyers, peddlers, and merchants.

Many Jews prospered in the tobacco, precious gems, wood, and sugar trades. It even had a street called the Rua dos Judeos (Street of the Jews) on which the synagogue Tzur Yisroel was located. Indeed, in 1999 archeological investigation located the exact site of the synagogue when its bor and mikvah were found. The site has been restored and is now a featured tourist attraction of the Recife community.Everything changed in 1654 when Portugal reconquered Brazil. Fearing the reenactment of the Inquisition, the Jews of Recife either returned to Holland or fled to Dutch, French, or English colonies in the Caribbean.

Jews mainly of Sephardic descent (collectively known as «La Nacion») had recently established small but flourishing economic enclaves in Parimaribo, Barbados, Curacao, Jamaica, Hispaniola and Cayenne.

A total of sixteen ships transported both Jewish and Dutch colonists from Recife. Fifteen arrived safely; however, the sixteenth was captured by Spanish pirates only to be overtaken by the St. Charles, a French privateer. After much negotiating, the master of the St. Charles agreed to bring a group of twenty-three Jewish men, women and children from the captured ship to New Amsterdam for 900 guilders in advance and 1,600 on arrival.

[5]These twenty-three refugees arrived in New Amsterdam in 1654. They, together with at least two other Jews who had arrived not long before, were the founders of the Jewish Community of New York.*After finishing this article I discovered that Rabbi Isaac Aboab da Fonseca A»H was apparently a follower of Shabbtai Tzvi. (See www.jewishencyclopedia.com/view. jsp?artid=344&letter=A#810, The Sabbatean Prophets by Matt Goldish page 33, and Sabbatai Sevi by Gershom Scholem, pages 520-522.) To put it mildly, I was shocked, given the greatness of Rabbi Aboab. However, it made me realize how strong the messianic movement in the 17th century must have been to gain adherents of Rabbi Aboab`s caliber.

Fuente: Sephardic Brazil

http://esefarad.com/?p=6840"]http://esefarad.com/?p=6840
 
  • Like
Reactions: LucasPE

·
Back to Boston
Joined
·
5,481 Posts
Discussion Starter #1,265
Os traços que revelam a identidade judaica pernambucana

Os traços que revelam a identidade judaica pernambucana
Navios vindos do velho continente atracam no Porto do Recife e, entre os passageiros que desembarcam, judeus chegam e permanecem. Esta cena de imigração,comum ao mundo atual e globalizado, tornou-se constante na cidade do Recife no fim do século 19 até meados do século 20, mas o que acontecia ali já não era um fato novo. Durantes os séculos 16 e 17, judeus também chegaram ao Recife. Talvez os primeiros tenham inspirado os segundos a também procurarem a capital pernambucana, mas agora o motivo da vinda era outro. Em quase toda a Europa, a perseguição aos judeus se espalhava e estes buscavam apenas um lugar onde pudessem criar seus filhos e rezar ao seu Deus sem que fossem caçados por isso.

Praça Maciel Pinheiro: Ponto de encontro entre judeus
Praça Maciel Pinheiro: Ponto de encontro entre judeus

Foi desta maneira que a Comunidade Judaica de Pernambuco que existe hoje foi formada. Famílias tradicionais da sociedade chegaram com poucos membros e agora já assistem uma geração de filhos, netos e bisnetos judeus que nascem, crescem e estabelecem seus laços com a sociedade e com a nação brasileira. Hoje eles formam gerações de judeus pernambucanos, que valorizam os seus ancestrais e não esquecem onde nasceram.

A historiadora Tânia Kaufman conta que as primeiras ações que consolidaram a integração do povo judeu com o povo pernambucano teve início com o estabelecimento dos judeus no comércio. “A ocupação se deu no bairro da Boa Vista, onde casas comerciais formaram o vetor mais importante da integração positiva dos judeus. A partir daí, os eles não permaneceram mais à margem dos acontecimentos sociais, econômicos e culturais que aconteciam naquele momento na Europa”, explica.

A Praça Maciel Pinheiro se transformou no coração dos primeiros imigrantes judeus da comunidade atual, que só começaram a se espalhar pela cidade na mesma época em que os judeus pararam de ser perseguidos pela Europa. Esse é um dos pontos citados na pesquisa de mestrado da arquiteta judia pernambucana Rosa Ludemir. “Os judeus tem a necessidade de manter sua identidade. (…) E um mecanismo urbanístico para que isso aconteça é estarem juntos, num mesmo lugar”, relata também Ludemir em sua tese. Mas a Boa Vista continuava como um importante pólo comercial tanto para o Recife quanto para os judeus, a prova disto é a importância da rua da Imperatriz para o comércio de Pernambuco.

“Nós, judeus, não somos diferentes de nenhuma outra comunidade religiosa” – Rabino Joseph Edelheit

A geração que já nasceu no Recife vive, então, de forma integrada e está inserida no dia a dia da cidade, mas sem deixar de lado as tradições e os costumes que foram ensinados pelos seus pais e avós, e que são originárias de terras distantes. Por outro lado, cerca de 70% dos casamentos das famílias judaicas já são considerados inter-religiosos, onde um dos cônjugues não é judeu. E os filhos destas uniões são considerados tão judeus como aqueles primeiros que chegaram a Pernambuco nos séculos passados.

O Rabino Joseph Edelheit, aprova um judaismo mais reformista
O Rabino Joseph Edelheit, aprova um judaismo mais reformista

“O importante é não deixar a criança, fruto do casamento inter-religioso, crescer sem esta cultura e negá-la à sua identidade”, lembra o rabino progressista nova-iorquino e professor da St. Cloud State University nos Estados Unidos, Joseph Edelheit. “Nós, judeus, não somos diferentes de nenhuma outra comunidade religiosa. Durante 40 anos em que sou rabino, tenho falado para os casais inter-religiosos o seguinte: “Você não pode criar o seu filho com as duas religiões, e você não pode criar seu filho como nada. Vocês devem a seus filhos o que seus pais deram a vocês. Se uma criança é criada como nada, os pais acabam sendo covardes”, afirma o rabino Joseph.

Por isso, casais inter-religiosos como Isabela e Marcos resolvem colocar seu filho no Colégio Israelita e dar a eles uma educação judaica. “Queremos dar a ele a educação que tive, que ele possa conhecer a cultura que também é dele. Porque isso será importante no crescimento e na construção de valores. Mas não quer dizer que ele não vá seguir os seus próprios caminhos quando crescer”, afirma Isabela que é filha de pai judeu e mãe não judia mas sempre participou das atividades da Comunidade Judaica de Pernambuco.

http://www.unicap.br/webjornalismo/maguentown/?portfolio=os-tracos-que-revelam-a-identidade-judaica-pernambucana

Quando um povo conhece seu passado, sua identidade, sua religiosidade, seus costumes e sua origem, esse mesmo povo, caminha mais leve, feliz e livre na sua jornada. Não somos diferentes de ninguém, somos apenas orgulhosos de nossa origem e nossa história.
Happy Holidays & Happy Hannukkar, Shalom!
Recife, Berço do Judaísmo no Novo Mundo. :)
 
  • Like
Reactions: LucasPE

·
Back to Boston
Joined
·
5,481 Posts
Discussion Starter #1,266
RECIFE É O PRIMEIRO ESTADO A "RETORNAR" JUDEUS​


GLAUCO ARAÚJO, DO G1, EM SÃO PAULO
entre em contato
Tamanho da letra A-A+
Os marranos no Brasil já podem iniciar o processo de retorno ao judaísmo, oficialmente, por meio do Centro Beith Arie, no Recife, que tem o apoio do Grande Rabinato de Israel, desde 2005. “Essa foi a primeira vez que se reconheceu o direito aos marranos de querer voltar às origens. Um rabino de Israel veio ao Brasil para ajudar a encontrar o caminho ao judaísmo no Recife”, explicou o rabino Avraam Amitai, da Comunidade Judaica de Recife.

Os encontros são feitos, pelo menos, duas vezes por semana, para estudar hebraico, judaísmo e, principalmente, sobre o marranismo. “Já enviamos um marrano para Israel, por dez dias, para estudar. Vamos enviar, em breve, outros dois jovens marranos para lá. O apoio do Grande Rabinato de Israel é que nos permite facilitar esse intercâmbio na Yemin Ord”, disse Amitai.

O rabino explicou ainda que recebe pedidos de retorno ao judaísmo de marranos da Paraíba, de Rondônia, Pará, Rio de Janeiro e São Paulo. “Este centro, em Recife, é o único, oficial, que se dedica aos marranos. Bom seria se todas as regiões do país tivessem um centro como esse. De qualquer forma, nunca deixo de atender aos pedidos dos marranos, estejam onde estiverem.”

Amitai explica que há duas maneiras de se tornar um judeu. “O primeiro é a conversão. No caso dos marranos, o que acontece é o retorno, ou seja, eles já têm a descendência judaica e apenas passam pelo processo de retorno aos costumes judeus.”

http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,AA1283074-5598,00-RECIFE+E+O+PRIMEIRO+ESTADO+A+RETORNAR+JUDEUS.html[/B]

Recife, a primeira cidade cosmopolita do Brasil, na vanguarda do Brasil contemporâneo. Shalom and Happy Hannukkar! :)
 
  • Like
Reactions: LucasPE

·
Back to Boston
Joined
·
5,481 Posts
Discussion Starter #1,267
Lukas, preste atenção nestas últimas postagens sobre os Judeus em Pernambuco. ;)
Shalom Hashem!
 
  • Like
Reactions: LucasPE

·
Back to Boston
Joined
·
5,481 Posts
Discussion Starter #1,268
Colégio Israelita do Recife é escola é a mais antiga instituição judaica do país

[email protected] by [email protected] on terça-feira, março
Colégio Israelita do Recife é escola é a mais antiga instituição judaica do paísAcademia Pernambucana de Letras comemora os 100 anos de fundação do Colégio Israelita do Recife
Escola é a mais antiga instituição judaica de ensino formal do país

As comemorações do centenário de fundação do Colégio Israelita Moysés Chvarts, no Recife, que é a mais antiga instituição judaica de ensino formal do país, tiveram início nesta segunda-feira (19), com um coquetel na Academia Pernambucana de Letras, no bairro das Graças, Zona Norte do Recife.

Durante o evento, promovido pela Federação Israelita de Pernambuco (FIPE) junto com a APL, representantes de diversas entidades judaicas fundadas no estado ressaltaram o papel que o colégio teve não apenas na formação acadêmica de seus alunos mas também na difusão e manutenção da comunidade judaica no Brasil. A presidente da APL Margarida Cantarelli ressaltou nomes importantes cuja formação intelectual passou pelas salas de aula do Colégio Israelita do Recife, a exemplo da escritora Clarice Lispector.

O ministro da Educação Mendonça Filho destacou a contribuição da comunidade judaica na preservação dos valores humanos e democráticos. “Quando me dedico a refletir sobre a evolução humana, não tem como não pensar no povo judeu como exemplo de sociedade organizada, de força, expressão, manutenção de sua cultura e seus valores coletivos. E Pernambuco deve muito a essa comunidade que aqui cresceu e contribui para o desenvolvimento econômico do estado”, disse o ministro.

Mendonça Filho destacou também mudanças importantes na área de educação para atender pleitos da comunidade judaica no Brasil. Uma delas foi a alteração na aplicação das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que antes eram realizadas no sábado e no domingo, para dois domingos consecutivos. A história do holocausto também passou a estar presente no currículo da educação básica. “Sabemos que o judaísmo guarda os sábados como dia de descanso. E a aplicação das provas nesse dia gerava um certo constrangimento ao povo judeu”, justificou o ministro da Educação.

A presidente da FIPE Sonia Sette ressaltou que o Colégio Israelita tem um papel fundamental no sentido de preservar a identidade e a cultura judaicas e como povo judeu sempre investiu na educação, mesmo quando em condições adversas. “Ao longo da história, devido às perseguições e instabilidade, cristalizou-se na mentalidade judaica a priorização do estudo. Bens materiais poderiam ser perdidos a qualquer instante, mas aquilo que se aprendia era o que permitia seguir com a vida”, frisou Sonia.

[url]https://www.coisasjudaicas.com/2018/03/colegio-israelita-do-recife-e-escola-e.html?m=1[/URL]

Recife, filha de Holanda e
Berço do Judaísmo no Brasil.
 
  • Like
Reactions: LucasPE

·
Back to Boston
Joined
·
5,481 Posts
Discussion Starter #1,269
Direto do LDN

B-R-Z-L, uma terra para os filhos de Israel


O estudo da toponímia – a origem dos nomes dos lugares – pode revelar tesouros que, às vezes, permanecem imersos por décadas a fio antes de serem descobertos. Citamos o caso do nome de Pernambuco, que por quatro séculos foi associado a paranã-buka, que no tupi significaria “buraco no mar”. Bem mais provável, contudo, é que derive da expressão “boca de Fernão” que, no linguajar dos índios, tornou-se Pernão-buku, haja vista que os nativos não conheciam o fonema [f], permutando-o por [p], e pelo costume de anteporem o substantivo próprio ao substantivo comum. Nesse caso, a “boca” era a embocadura (boca de rio) situada entre os atuais municípios de Igarassu e Itamaracá, pertencentes a Fernão de Noronha, rico financista e mercador que arrendara o Brasil em 1502.

De outro lado, sabe-se a respeito da origem semítica dos primeiros colonos procedentes de Portugal e da genética que legaram à população nordestina. Não foram poucos os cristãos-novos que chegaram a Pernambuco fugindo da Inquisição. Ao que tudo indica, Fernão de Noronha, ele próprio um cristão-novo, empenhou-se em ajudar na transferência das famílias israelitas, durante aqueles difíceis primórdios da colonização, em que poucos se aventuravam a cruzar o Atlântico para vir morar em um lugar tão inóspito.

Para os judeus, contudo, as terras descobertas surgiram como uma tábua de salvação. Longe das perseguições e humilhações na Europa, o Brasil se apresentava como um milagre, uma nova Canaã, a misteriosa “Ilha Brasil” das lendas célticas, de há tanto esperada. Mas aqui existe um detalhe adicional: o nome BRAZIL é um acrônimo das letras hebraicas beit, resh, zain, lamed, iniciais das quatro mulheres de Jacó (duas esposas, Raquel e Lia, e duas servas, Bila e Zilpa), ressaltando que as vogais A e I podem ser declinadas da escrita original e que, se incluído o I (iud) teríamos no acrônimo a inicial de Jacó (Iaacov, em hebraico).

Portanto, todos os filhos de Jacó – e as doze tribos que se formarão – descendem, necessariamente, dessas quatro senhoras. Destaque-se que Jacó passa a ser chamado de Israel após sua luta com o anjo e, a partir de então, seus descendentes serão conhecidos como “filhos de Israel” (bnei Israel) dando origem ao “povo de Israel” (am Israel). Aliás, o próprio nome ISRAEL também é um acrônimo, reunindo as iniciais dos três patriarcas e das quatro matriarcas: Abraam (aleph) e Sara (shin); Isaac (iud) e Rebeca (resh); Iaacov (iud), Raquel (resh) e Lea (lâmed), lembrando que, desta feita, as vogais I e A, correspondem às letras iud e aleph, as quais têm status de consoantes no alfabeto hebraico e devem, sim, constar no acrônimo original.

Isso tudo faz levantar a hipótese de que o nome do nosso país guarde um grande segredo, ter sido uma espécie de Terra Prometida no Ocidente, onde os judeus pudessem viver livres e felizes. Para os que duvidarem, a probabilidade de ser mera coincidência é de 0,0137%, ou seja, acontece uma vez a cada sete mil e trezentos descobrimentos ultramarinos.

fonte:
https://www.diariodepernambuco.com.br/noticia/opiniao/2020/03/b-r-z-l-uma-terra-para-os-filhos-de-israel.html
 

·
Back to Boston
Joined
·
5,481 Posts
Discussion Starter #1,270
A prostituição no Brasil Holandês
Leonardo Dantas Silva
Escritor e historiador
Publicado em: 09/04/2020 03:00 Atualizado em: 09/04/2020 07:19
Da promiscuidade do dia a dia, agravada com a chegada de um número cada vez maior de aventureiros, dentre os quais algumas prostitutas, a sífilis veio a tornar-se uma verdadeira epidemia no Brasil Holandês, obrigando cientistas, como o médico Willem Piso e Georg Marcgrave, autores do livro clássico Historia Naturalis Brasiliae (1648), buscar a cura junto à flora medicinal indígena e aos médicos portugueses, que recomendavam para a infecção por gonorréia o sumo fermentado da cana, através do qual, “fica-se curado dentro de oito dias”.



A propagação da lues, como também é denominada a sífilis, era propiciado pelo imenso bordel a que fora transformado o Recife de então. Tal preocupação vem acontecer logo nos primeiros anos do Brasil Holandês, que recebeu verdadeiros “carregamentos de mulheres perdidas”, como se depreende das cartas do Conselho do Recife, como a de 20 de dezembro de 1635, endereçada à Câmara da Zelândia.

Muitas dessas “mulheres fáceis”, como a elas se referiam os documentos, aparecem com os seus nomes mais conhecidos: Cristinazinha Harmens, Anna Loenen, Janneken Jans, Maria Roothaer (Maria Cabelo de Fogo), Agniet, Elizabeth (apelidada de a Admirael), Maria Krack, Jannetgien Hendricx, Wyburch van den Cruze, Sara Douwaerts (apelidada de Senhorita Leiden), havendo outras duas conhecidas por Chalupa Negra e Sijtgen, segundo demonstra José Antônio Gonsalves de Mello em Tempo dos Flamengos.

Sobre o estado de promiscuidade atingido pela capital do Brasil Holandês, comenta Hermann Wätjen “que pelas ruas do Recife andava muita gente pouco ajuizada e que aí todas as portas se achavam abertas ao vício. Os soldados arrebanhados de todos os campos de batalhas da Europa, para arriscarem diariamente a vida e a saúde numa campanha de guerrilhas, contra um inimigo ardiloso e prático, queriam gozar à rédea solta os dias de folga”.

O mesmo proceder que acontecia com os marinheiros, após travessias de muitas semanas no mar, quase sempre envolvidos em batalhas e refregas, se estendia aos homens procedentes dos engenhos de açúcar, que se encontravam no Recife de passagem, longe da vista de suas famílias.

Todos eles, soldados, marinheiros, capitães, agricultores, lotavam os botequins e albergues, ingerindo grandes quantidades de vinho e outras bebidas destiladas. Eram portugueses, holandeses, negros, indígenas, turcos, judeus, mazombos, mulatos, mamelucos, crioulos, ingleses, franceses, alemães, italianos, cujo panorama de excessos, segundo Pierre Moreau não pode ser descrito por simples palavras.
 
  • Like
Reactions: LucasPE

·
Back to Boston
Joined
·
5,481 Posts
Discussion Starter #1,271
Recife desde sempre um caldeirão mix cultural e étnico.
Enquanto o mundo é mundo a prostituição corre solta, vide Recife, a Capital dos Trópicos do Brasil Holandês.
 
  • Like
Reactions: LucasPE

·
Back to Boston
Joined
·
5,481 Posts
Discussion Starter #1,273
Um pouco sobre o Recife Judaico durante o Período antes/pós Holandês.
 

·
Back to Boston
Joined
·
5,481 Posts
Discussion Starter #1,274
"A vida de ninguém será mais a mesma"
Por: Silvia Bessa
Publicado em: 18/04/2020 08:38



Um dos mais experientes infectologistas de Pernambuco, o médico Vicente Luiz Vaz da Costa soma 34 anos de profissão. Na sua trajetória, já enfrentou epidemias como da influenza, dengue, HIV/Aids e cólera, e agora está diante da Covid-19. É médico do Serviço de Doenças Infecciosas e Parasitárias do Hospital Universitário Oswaldo Cruz e professor da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Pernambuco. Neste depoimento para o Diario de Pernambuco, Vicente Vaz vai além das teorias e projeções. Aqui, no primeiro testemunho publicado pelo projeto #nalinhadefrente, o especialista fala da rotina que vive hoje no enfrentamento do coronavírus em Pernambuco, do que mudou e dos medos enfrentados.

 (Ines Campelo/DP/D.A Press)
Ines Campelo/DP/D.A Press
“Minha rotina de trabalho hoje é quase que totalmente voltada para a epidemia de coronavírus. Seja trabalhando ou estudando sobre o assunto. Vou ao Hospital Universitário Oswaldo Cruz todos os dias pela manhã e vejo os pacientes internados com suspeita da Covid-19 ou já confirmados. Eventualmente vejo a enfermaria dos pacientes regulares de doenças infecciosas, que continua funcionando. Temos um programa de residência médica que forma especialistas na área e que está funcionando muito como apoio ao atendimento dos pacientes da pandemia também. Há escalas em funcionamento para que os profissionais de saúde não se exponham demasiadamente ao risco biológico que o atendimento aos pacientes com coronavírus representa. Então evitamos entrar nas áreas críticas todos os dias, para minimizar os riscos de contaminação. Mas os casos vêm aumentando em número e gravidade e não sei se poderemos manter esse distanciamento relativo por muito tempo. A tendência é de aumentar a exposição.

DESPERSONALIZAÇÃO
A rotina é mais intensa que a vida normal no que se refere a uma nova curva de aprendizado com desafios enormes, levando em conta que temos de nos paramentar para atender os pacientes, o que gera um certo distanciamento e despersonalização da relação profissional de saúde e pacientes, afinal estamos todos mais ou menos iguais e com o rosto coberto de máscaras. Acho que isso afeta negativamente a interação com os doentes. Mesmo que cheguemos a nos identificar para os pacientes, o que fazemos, ainda assim é muito diferente do contato normal e da prática médica com que estamos habituados. O que não muda é o olho no olho, a despeito dos óculos, escudos faciais de proteção. Espero que os pacientes sintam que estamos interessados em ajudar, apesar da aparência impessoal.

Frequentemente fica difícil até mesmo reconhecer os colegas que cruzam conosco nos corredores do hospital. Pessoas que conhecemos há anos. Outras pessoas estamos conhecendo apenas agora e raramente as vemos sem máscaras. Acho que vou ter de ser reapresentado a muita gente quando tudo isso acabar. A rotina de trabalho é intensa e desgastante, mas as relações profissionais se estreitam nesse momento. Sabemos, mais do que nunca, que precisamos atuar com unidade e apoio mútuo. E isso tem acontecido.

Uma das vantagens da minha profissão é que eu não preciso ficar de quarentena. Eu posso trabalhar e ajudar alguém. A medicina funciona bem e até melhor em cenários desfavoráveis para as outras profissões, no sentido de ser essencial. Funciona bem em quase qualquer cenário.

Meu pensamento mais presente ao longo de minha jornada é o de sempre: como prestar um bom atendimento aos pacientes que nos procuram, sem expor demais minha equipe e eu mesmo e sem deixar desassistido o doente que é a razão da nossa profissão. Nesse momento com características únicas pelo fato da possibilidade de contaminação estar sempre presente.

ESCOLHAS
Os momentos mais difíceis são quando esbarramos nas dificuldades de trabalho, que infelizmente fazem parte da realidade cotidiana dos hospitais públicos do Brasil, sobretudo do Nordeste do Brasil. Há muitos bons profissionais e gestores. Mas sem dinheiro nada funciona direito. Então somos obrigados a fazer escolhas muito cruéis que envolvem quem vai disputar um leito de UTI por exemplo. Não que isso seja um fato novo devido à pandemia. Faz parte de nossa rotina trabalhar com poucos recursos. Mas sempre é chocante.

O serviço de doenças infecciosas do HUOC tem o nome de ISOLAMENTO ADULTO. Há poucos dias me dei conta do quanto essa denominação era antiga e obsoleta e ao mesmo tempo absolutamente atual. Foi difícil assimilar que todos os pacientes seriam atendidos sob regime de isolamento de contato e também respiratório.

Quando entrei pela primeira vez para atender os pacientes totalmente paramentado e tendo que prestar atenção e assimilar uma rotina de cuidados que eu só praticava eventualmente, me dei conta de que ia ser muito difícil. Mas a realidade bateu forte quando a doença alcançou a Itália. Se um país de primeiro mundo estava enfrentando enormes dificuldades para lidar com essa situação, entendi que seria um desafio gigantesco para o mundo inteiro. Uma frase do meu colega e chefe Dr. Demétrius Montenegro eu lembro bem, durante uma das reuniões de preparação para o enfrentamento da epidemia. Alguém perguntava como iríamos enfrentar a pandemia. E ele respondia pragmaticamente: “Da maneira que pudermos enfrentar. Com o que temos”. E temos muito, em termos de material humano.

Precisamos e vamos precisar de muitos recursos, equipamentos de proteção individual e insumos hospitalares. Mas descobrimos que temos uma massa crítica de material humano de ótima qualidade que estava latente esperando para ser acionada. Falo de médicos, enfermeiros, técnicos, pessoal da limpeza, os gestores, enfim, uma multidão de gente disposta a trabalhar pelo bem comum. Lamentavelmente há os que não se engajam, mas os que se dispuseram a enfrentar têm uma grandeza e uma coragem muito maior.

MEDOS
Os infectologistas, quando fazem dessa especialidade uma opção, aprendem a lidar com riscos biológicos e os medos. Somos treinados a lidar com isso e o melhor exemplo é o trabalho diário com pacientes com tuberculose, pacientes com HIV, hepatites, etc. Então há um treinamento e uma consciência dos limites e de como se proteger. As outras especialidades também convivem com esse mesmo risco em menor escala. Acho que o medo é saudável e nos garante que não vamos nos arriscar impensadamente e irresponsavelmente. Mas não podemos nos deixar dominar por ele. Vejo meus residentes, muito jovens, encarando as precauções e os riscos com responsabilidade e coragem. Acho que isso é fruto do treinamento que recebem. Para isso o conhecimento é fundamental. Estudar sempre, saber seus limites e prestar a melhor assistência possível sem se contaminar. Eventualmente alguns profissionais de saúde serão contaminados. É um risco inerente à profissão.

Mas existe entre os médicos um medo que não passa nunca. O medo de errar. Eu me formei em 1986 e continuo com ele. São tantas variáveis e muitas decisões vitais que temos de tomar que é impossível não errar. Estudamos e trabalhamos para errar pouco, errar menos, mas não será possível acertar sempre.

Difícil dizer hoje quando podemos nos sentir mais aliviados. Acho que nossa vida não será mais a mesma após tudo isso. A minha não será. Acho que a de ninguém. Essas crises terminam por nos transformar e enxergar outras coisas que não víamos antes. A sensação é de que ainda estamos no começo aqui no Brasil. Levará meses para que essa onda passe. Até lá é trabalhar e fazer o melhor com o que temos.”


O PROJETO


O projeto #nalinhadefrente iniciado nesta edição pelo Diario de Pernambuco traz relatos daqueles que estão no combate direto ao coronavírus, como os profissionais de saúde.

Com estes testemunhos, feitos a partir de entrevistas, queremos reportar ao leitor o ambiente em que estas pessoas trabalham, mostrar como enfrentam seus próprios temores, administram a rotina pessoal e o distanciamento dos filhos - nuances que nem sempre estão nas matérias jornalísticas, mas que personalizam estas pessoas. Muitas das quais despersonalizadas por máscaras e roupas especiais de proteção.

O projeto #nalinhadefrente é uma forma de humanizar ainda mais nossa cobertura jornalística, mostrando a guerra travada por profissionais que estão exercendo funções tidas como essenciais para que a maior parte da população possa ficar em casa, protegida em isolamento social e preventivo.

Além dos convites feitos pela reportagem, contamos com você, leitor (a), para ampliar o projeto e ouvir outros trabalhadores do front. Se você tem sugestão de profissional para ser ouvido, entre em contato com a reportagem. Mande uma sugestão para o email [email protected] ou entre em contato pelas redes sociais do jornal.


👆 👆 👆
Essa pandemia, vai ficar na memória e na história de Pernambuco e do Mundo.
 
  • Like
Reactions: RecHub

·
Back to Boston
Joined
·
5,481 Posts
Discussion Starter #1,275

Aprendendo mais sobre nossa; cultura, religiosidade, história e etnia. 🙂
 

·
Back to Boston
Joined
·
5,481 Posts
Discussion Starter #1,276

Documentário sobre Branca Dias ( judia refugiada em Pernambuco, durante a Inquisição do Santo Ofício da Igreja Católica).
 

·
Back to Boston
Joined
·
5,481 Posts
Discussion Starter #1,277

IRB- Instituto Ricardo Brennand, Recife, Pernambuco.
 

·
Soldadinho de chumbo
Joined
·
8,491 Posts
Casarão dos Lundgren, o misterioso cartão-postal da cidade do Paulista



O casarão dos Lundgren, no Centro do Paulista, será transformado em instituto sobre a indústria nordestina. A informação é de Nilson Lundgren, 79, neto do líder da família instalada no município no início do século 20, mas ainda não há previsão de conclusão ou abertura ao público.

A casa com tijolos avermelhados aparentes é, para muitos, o coração da cidade. O imóvel teve parte construída há mais de três séculos, como um engenho de cana-de-açúcar, e foi concluído em 1918, em obra da família Lundgren, até hoje proprietária da mansão que carrega a história da urbe e dos bairros fundados no seu entorno.

Logo na entrada está escrito no tapete “casa-grande”, um lembrete que a estrutura já fez parte do Engenho Paulista, ainda que a família afirme nunca ter possuído um. Na casa, habitavam Herman Lundgren, sueco de uma família sem muitas posses que veio como imigrante para o Brasil, a esposa Elizabeth Lundgren, professora dinamarquesa, e os cinco filhos do casal: Herman Júnior, Frederico, Arthur, Alberto e Anita. O casarão ficava em torno das duas fábricas têxteis da família. “A fábrica que era responsável pela fiação e tecelagem dos tecidos ficava localizada onde hoje está o shopping novo da cidade (North Way). Inclusive, ainda tem uma chaminé no terreno, que foi preservada”, conta o neto de Herman, Nilson Lundgren, 79.

Construída por engenheiros alemães e ingleses, a mansão recebeu referências também na decoração imponente: “Essa casa me lembra muito a Europa – a cor da madeira, os quadros. Existia uma grande colônia alemã na região, por isso já nos chamaram até de nazistas”, comenta Nilson, que mantém a casa como um grande museu. “A maioria dos móveis é a mesma da época dos meus avós, que preservamos. A mesa de madeira da sala, o telefone, as poltronas verdes, a banheira…”, completa.

Após a morte de Herman, por um grande período de tempo morava um Lundgren por andar – a matriarca, no térreo, e os filhos, cujas esposas viviam em outras residências, sozinhos. Por isso, cada andar possui um tipo de sala, dois quartos e banheiro.

Uma porção da Suécia ao norte da Grande Recife



O sueco Herman Lundgren migrou para o Brasil, fazendo paradas no Rio de Janeiro e na Bahia, antes de chegar ao Recife, em 1857. “Aqui era o porto mais importante do Brasil, um centro muito importante e, por isso, ele resolveu abrir um negócio no porto. Aproximadamente, onde hoje é o armazém 10”, conta o neto Nilson Lundgren. A loja servia aos navios, de alimentos até lavar roupas. O crescimento o tornou cônsul da Suécia em Pernambuco e o levou a novos negócios, como uma sociedade na fábrica de pólvora Pernambuco Powder Factory, no Cabo de Santo Agostinho, desativada em 2011.

Mas foi ao adquirir sua primeira fábrica de tecidos que a família começou a aumentar a influência local. “Meu tio foi procurar trabalhadores no interior da Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte. Todas as casas aqui ao redor da casa e das fábricas foram construídas para os trabalhadores. Eles precisavam de madeira para gerar energia, por isso, do Centro até Aldeia (Camaragibe) existiam várias plantações de eucalipto. Só em 1957 chegou a energia de Paulo Afonso”, afirma Nilson Lundgren sobre a influência da família no desenvolvimento histórico da própria cidade.

Em 1907, o sueco adquiriu também a Companhia de Tecidos Paulista. Antes dedicada apenas a sacos, que abasteciam o mercado do açúcar, tendo o estado como maior produtor da época, a iniciativa passou a produzir os que viriam a ser carros-chefe do negócio: chita e brim, inclusive com a primeira estamparia da região. Três anos depois, Herman morreu e o filho Frederico assumiu o negócio, que chegou a produzir oito milhões de metros de tecido por mês, segundo Nilson: “A companhia Paulista tornou-se a maior fábrica têxtil da América Latina”.

Em 1918, uma nova fábrica de tecidos foi montada pela família, desta vez na Paraíba. A Companhia de Tecidos Rio Tinto, a 450 km de João Pessoa, não se dedicava à estamparia, mas à produção de brim e tricoline. O sucesso obrigou a família a investir também no ramo de vendas do próprio tecido, o que fez nascer as Casas Pernambucanas, com mais de mil lojas em todo o país. O tino para os negócio continua circulando na família, tanto que, segundo Nilson, a Rio Tinto deve ser reativada até 2018.

Fonte: Casarão dos Lundgren será instituto aberto a visitações
 
1261 - 1278 of 1278 Posts
Top