Skyscraper City Forum banner
1 - 8 of 8 Posts

·
Registered User
Joined
·
2,726 Posts
Discussion Starter · #1 ·
Imprensa Oficial lança livro sobre a formação do Estado de São Paulo
Obra em três volumes reúne textos de diversos autores sobre os aspectos econômicos, culturais, políticos, sociais e educacionais que influenciaram o desenvolvimento do Estado

Um verdadeiro raio-X do Estado de São Paulo desde os seus primórdios até os dias atuais. Com farto material acadêmico, "História do Estado de São Paulo: A Formação da Unidade Paulista" indica todos os fatores econômicos, culturais, políticos, sociais e educacionais que influenciaram na formação do Estado paulista. Produzidos por estudiosos e pesquisadores da história, os textos estão dispostos em três volumes organizados por João Ricardo de Castro Caldeira e Nilo Odalia (post mortem) e co-editados pela Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, Editora Unesp e Arquivo Público do Estado de São Paulo. O lançamento acontecerá neste sábado, 23, na Estação Pinacoteca, na Capital.

O primeiro volume trata dos períodos colonial e imperial; o segundo, da República. No terceiro descreve-se a trajetória dos governantes ao longo da história, além de listar todos os 645 municípios paulistas.

Na apresentação, João Ricardo explica que o objetivo da obra é "identificar o processo de constituição da unidade paulista como região dotada de autonomia, expressão internacional e capacidade de exercer influência significativa sobre os rumos da política, da economia e da cultura nacionais". Ele afirma que a opção por um trabalho coletivo se deu pela grande complexidade da proposta, e, por essa razão, os textos não seguem uma ordem cronológica, embora sigam a seqüência Colônia-Império-República.

O primeiro volume, com 508 páginas, começa por um estudo geográfico que detalha morfologia, clima, topografia, aspectos térmicos e pluviométricos. O texto seguinte aborda os primeiros habitantes que ocuparam o território, provavelmente grupos de coletores e pescadores no baixo Vale do Ribeira de Iguape, onde ainda há um grande número de material remanescente da cultura sambaqui. Essa parte da obra passa ainda pelo bandeirismo e pela expansão para o interior paulista; a extinção e os primórdios da restauração da capitania de São Paulo; e o ciclo do açúcar.

Na seção dedicada ao Império, ainda no primeiro volume, os autores tratam dos engenhos centrais, das finanças públicas no século XIX, das dificuldades em se abrir os caminhos para o mar, o surgimento das ferrovias e a abolição da escravidão. Já os textos que tratam de política durante o Império abordam temas como a Independência Nacional; o estado monárquico (após a independência) e a manutenção da ordem pública; a influência da Revolução do Porto na construção do poder de governo na Província de São Paulo; a chamada "Revolução Liberal" de 1842 e a articulação do poder de São Paulo com o Governo Central.

Ao longo das 684 páginas sobre a República, o segundo volume analisa a economia e a evolução social no período cafeeiro, a indústria e as finanças de São Paulo no início do século XX; a expansão da ferrovia para o porto de Santos; as políticas de colonização entre o final do século XIX e meados do XX. Traça ainda um painel sobre a migração no Estado, com quadros comparativos, e a presença cada vez maior das mulheres no trabalho fabril. Do ponto de vista político, são vistos aspectos como a evolução do Partido Republicano Paulista (PRP) e sua hegemonia; a repressão do Governo Vargas sobre os paulistas e as revoluções de 1924 e 1932. Na seção destinada à Cultura os autores falam sobre o modernismo, a atuação da grande imprensa durante o golpe militar de 1964, o cinema e o teatro, entre outros temas. Há, ainda, uma parte reservada à Educação e Ciência, com textos sobre a saúde pública entre 1889 e 1930, a criação da Escola Politécnica e uma análise sobre o sistema universitário paulista.

O terceiro volume, com 310 páginas, traz quatro quadros com a relação de todos os donatários das capitanias hereditárias de São Vicente e Santo Amaro, descendentes de Martim Afonso de Sousa e Pero Lopes de Sousa, e outros três com a lista dos capitães-mores da Capitania de São Vicente e as respectivas datas de nomeação pelos donatários. Na sequência, há um breve histórico de todos os capitães-gerais da Capitania de São Paulo e Minas Gerais do Ouro, criada em 1709, e que teve como sede a vila de São Paulo, elevada à categoria de cidade dois anos mais tarde. A partir do ano de 1824, dois anos após a Independência do Brasil, São Paulo tornou-se uma província, sendo governado por presidentes - todos eles estão listados no livro, com um pequeno histórico. Os autores detalham também todos os presidentes, governadores e interventores do Estado após a proclamação da República. Por fim, há uma listagem com todos os municípios paulistas, com data de fundação e a história de cada um deles.

http://www.saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/lenoticia.php?id=212449&c=6
 

·
Registered
Joined
·
5,097 Posts
Imprensa Oficial lança livro sobre a formação do Estado de São Paulo
Obra em três volumes reúne textos de diversos autores sobre os aspectos econômicos, culturais, políticos, sociais e educacionais que influenciaram o desenvolvimento do Estado

Um verdadeiro raio-X do Estado de São Paulo desde os seus primórdios até os dias atuais. Com farto material acadêmico, "História do Estado de São Paulo: A Formação da Unidade Paulista" indica todos os fatores econômicos, culturais, políticos, sociais e educacionais que influenciaram na formação do Estado paulista. Produzidos por estudiosos e pesquisadores da história, os textos estão dispostos em três volumes organizados por João Ricardo de Castro Caldeira e Nilo Odalia (post mortem) e co-editados pela Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, Editora Unesp e Arquivo Público do Estado de São Paulo. O lançamento acontecerá neste sábado, 23, na Estação Pinacoteca, na Capital.

O primeiro volume trata dos períodos colonial e imperial; o segundo, da República. No terceiro descreve-se a trajetória dos governantes ao longo da história, além de listar todos os 645 municípios paulistas.

Na apresentação, João Ricardo explica que o objetivo da obra é "identificar o processo de constituição da unidade paulista como região dotada de autonomia, expressão internacional e capacidade de exercer influência significativa sobre os rumos da política, da economia e da cultura nacionais". Ele afirma que a opção por um trabalho coletivo se deu pela grande complexidade da proposta, e, por essa razão, os textos não seguem uma ordem cronológica, embora sigam a seqüência Colônia-Império-República.

O primeiro volume, com 508 páginas, começa por um estudo geográfico que detalha morfologia, clima, topografia, aspectos térmicos e pluviométricos. O texto seguinte aborda os primeiros habitantes que ocuparam o território, provavelmente grupos de coletores e pescadores no baixo Vale do Ribeira de Iguape, onde ainda há um grande número de material remanescente da cultura sambaqui. Essa parte da obra passa ainda pelo bandeirismo e pela expansão para o interior paulista; a extinção e os primórdios da restauração da capitania de São Paulo; e o ciclo do açúcar.

Na seção dedicada ao Império, ainda no primeiro volume, os autores tratam dos engenhos centrais, das finanças públicas no século XIX, das dificuldades em se abrir os caminhos para o mar, o surgimento das ferrovias e a abolição da escravidão. Já os textos que tratam de política durante o Império abordam temas como a Independência Nacional; o estado monárquico (após a independência) e a manutenção da ordem pública; a influência da Revolução do Porto na construção do poder de governo na Província de São Paulo; a chamada "Revolução Liberal" de 1842 e a articulação do poder de São Paulo com o Governo Central.

Ao longo das 684 páginas sobre a República, o segundo volume analisa a economia e a evolução social no período cafeeiro, a indústria e as finanças de São Paulo no início do século XX; a expansão da ferrovia para o porto de Santos; as políticas de colonização entre o final do século XIX e meados do XX. Traça ainda um painel sobre a migração no Estado, com quadros comparativos, e a presença cada vez maior das mulheres no trabalho fabril. Do ponto de vista político, são vistos aspectos como a evolução do Partido Republicano Paulista (PRP) e sua hegemonia; a repressão do Governo Vargas sobre os paulistas e as revoluções de 1924 e 1932. Na seção destinada à Cultura os autores falam sobre o modernismo, a atuação da grande imprensa durante o golpe militar de 1964, o cinema e o teatro, entre outros temas. Há, ainda, uma parte reservada à Educação e Ciência, com textos sobre a saúde pública entre 1889 e 1930, a criação da Escola Politécnica e uma análise sobre o sistema universitário paulista.

O terceiro volume, com 310 páginas, traz quatro quadros com a relação de todos os donatários das capitanias hereditárias de São Vicente e Santo Amaro, descendentes de Martim Afonso de Sousa e Pero Lopes de Sousa, e outros três com a lista dos capitães-mores da Capitania de São Vicente e as respectivas datas de nomeação pelos donatários. Na sequência, há um breve histórico de todos os capitães-gerais da Capitania de São Paulo e Minas Gerais do Ouro, criada em 1709, e que teve como sede a vila de São Paulo, elevada à categoria de cidade dois anos mais tarde. A partir do ano de 1824, dois anos após a Independência do Brasil, São Paulo tornou-se uma província, sendo governado por presidentes - todos eles estão listados no livro, com um pequeno histórico. Os autores detalham também todos os presidentes, governadores e interventores do Estado após a proclamação da República. Por fim, há uma listagem com todos os municípios paulistas, com data de fundação e a história de cada um deles.

http://www.saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/lenoticia.php?id=212449&c=6
Rajude, esse livro será que faz parte da coleção "Terra Paulista", que a imprensa oficial lançou há algum tempo? Comprei o ultimo lançamento - "Trajetórias contemporâneas" e sem duvida é um livro para se comprender a complexidade da formação do Estado de São Paulo, que atualmente poucos tem informação sobre o tema e até desmitificar alguns aspectos da colonização do Estado de São Paulo. Como sou leitor fanático sobre o assunto, vou logo logo providenciar a coleção para minha mini-biblioteca.
 

·
Registered
Joined
·
11,262 Posts
Vou adquirir o mais rápido possível esse livro. Há muitos anos eu sou um leitor compulsivo de tudo o que diz respeito à história do glorioso Estado de São Paulo!
 

·
Registered User
Joined
·
2,726 Posts
Discussion Starter · #5 ·
Rajude, esse livro será que faz parte da coleção "Terra Paulista", que a imprensa oficial lançou há algum tempo? Comprei o ultimo lançamento - "Trajetórias contemporâneas" e sem duvida é um livro para se comprender a complexidade da formação do Estado de São Paulo, que atualmente poucos tem informação sobre o tema e até desmitificar alguns aspectos da colonização do Estado de São Paulo. Como sou leitor fanático sobre o assunto, vou logo logo providenciar a coleção para minha mini-biblioteca.
Conheço a coleção "Terra Paulista", inclusive criaram alguns vídeos-documentários a respeito disso... É bem provável que isso tenha uma relação com esses livros, pois tenho visto que, felizmente, nos últimos anos o Governo Estadual tem tomado medidas conjuntas a fim de valorizar a história e a cultura Paulista, haja vista o museu da história de São Paulo, que vem aí, e possui um orçamento para construção maior que o museu da Língua Portuguesa, a restauração da Sede da Academia Paulista de Letras, os desfiles de 9 de Julho, e outras coisas. Eu também irei adquirí-lo assim que possível...

A propósito, esta é, se não engano, a maior coleção de livros a respeito da História do Estado de São Paulo das últimas décadas, pelo menos pelo que conheço. O último livro também com essa quantidade de conteúdo, direcionado ao Estado de São Paulo exclusivamente, foi lançado, se não me engano, em 1954, cujo nome é "A história da Civilização Paulista", de Aureliano Leite. Estes livros serão excelentes para difundir a história Paulista para quem quiser, inclusive porque não serão livros considerados "raros", mas sim estará ao alcance de quem tiver interesse, inclusive porque poderá ser acessado via internet.

ADOREI!
Eu não tenho o costume de ler, nunca tive paciência.:D
Eu estou mesmo pensando em pegar este costume, e nada melhor do que começar com um assunto que eu gosto muito, que é o meu rico estado.:)
Muitissimo obrigado pela dica!:eek:kay:
De nada, mas eu também fiquei sabendo desse livro só agora mesmo, e também vou adquirí-lo assim que possível embora tenha outros um pouco mais antigos.

Vou adquirir o mais rápido possível esse livro. Há muitos anos eu sou um leitor compulsivo de tudo o que diz respeito à história do glorioso Estado de São Paulo!
[2]
 

·
Registered User
Joined
·
2,726 Posts
Discussion Starter · #6 ·
Livro mostra o espírito paulista
O Estado de S. Paulo

Saiu da oficina um livro que joga luz no perfil dos paulistas. Obra nasceu em reunião na casa do professor Nilo Odalia (já morto) na qual estavam pesquisadores como Emilia Viotti da Costa. Leia abaixo a entrevista com o historiador João Ricardo de Castro Caldeira, um dos formuladores de História do Estado de São Paulo: A Formação da Unidade Paulista (Unesp, Imprensa Oficial e Arquivo Público do Estado, 2010):

O que diferencia São Paulo dos demais Estados brasileiros?
Entre as singularidades de São Paulo, pode-se destacar: razoável autonomia frente ao governo central; ponderável dispersão espacial da sua riqueza, presente tanto na capital como em cidades do interior; existência de elites que em diversos momentos da História tomaram importantes medidas de interesse público, e não apenas privado; apreciável projeção internacional, que a torna o principal elo do Brasil com o mundo.

Qual o impacto da explosão populacional da capital nesse processo?

Creio que a questão, nesse caso, está invertida: São Paulo é um forte polo de atração populacional desde que se tornou o mais importante centro do capitalismo no Brasil - uma de suas singularidades -, processo iniciado sobretudo a partir de 1850, e que não teve interrupção até o presente, quando o Estado continua recebendo importantes levas migratórias, que se dirigem tanto para a capital como para o interior.

A "locomotiva" paulista continua no ritmo da década de 1950?
A "locomotiva" está num ritmo mais acelerado. Em termos econômicos, São Paulo ainda concentra a parte mais expressiva da produção da riqueza nacional, mas o Estado se tornou também, ao longo do tempo, um centro cultural de relevância internacional, no qual as mais diversas "tribos" se encontram representadas, em festivais, bienais, museus, espaços culturais diversos, etc. São Paulo impulsiona tanto a produção econômica quanto a produção intelectual e cultural do País.

São Paulo bebeu em fonte europeia por muito tempo. Quando isso deixa de ocorrer?
Em São Paulo, desde o período colonial, começou a conformar-se uma sociedade de caráter específico, inicialmente por causa da combinação de elementos das culturas europeia e indígena. A maior presença do escravo africano a partir do século 19 e a imigração estrangeira, vinda não apenas da Europa, para a região, a partir da segunda metade daquele século, acentuaram esse processo de mistura cultural, que prosseguiu ao longo do século 20 e continua atualmente, com as migrações internas e a imigração latino-americana, contribuindo para configurar aquela que é uma das principais singularidades paulistas frente às demais unidades da federação brasileira: o seu caráter cosmopolita.

Quem melhor traduz o espírito paulista no século 20?
Não gostaria de cometer injustiças, mas se puder citar nomes, gostaria de destacar Antonio Ermírio de Moraes, Alfredo de Mesquita, Assis Chateaubriand, Carlos Alberto de Carvalho Pinto, Fernando Gasparian, José Mindlin e Mário de Andrade. Não esquecendo que houve e ainda há em São Paulo intelectuais, artistas e uma massa anônima imbuídos desse mesmo espírito.

http://www.saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/lenoticia.php?id=212473&c=6
 

·
**16º ano**
**17º ano**
Joined
·
25,815 Posts
Onde posso achar o livro pra comprar? Tentei na livraria cultura, mas nem consegui...
A livraria da Imprensa Oficial do Estado fica dentro da Estação da Luz, com entrada pela parte de dentro (em cima das plataformas), lá deve ter

Aliás lá pode-se encontrar bastante livros interessantes sobre a história de SP

Edit: fui procurar e existem mais endereços:

http://livraria.imprensaoficial.com.br/livrarias.asp
 
1 - 8 of 8 Posts
Top