SkyscraperCity banner

1 - 20 of 176 Posts

·
Banned
Joined
·
8,524 Posts
Discussion Starter #1
07/11/2007
FUNDBOX lança vendas do Alto do Olival
O Fundo Lisbox, fundo de investimento imobiliário gerido, administrado e representado pela FundBox - SGFII, acaba de lançar a fase de vendas do empreendimento “Alto do Olival”, que integra dois edifícios maioritariamente residenciais com uma área de construção acima do solo de 10.000 metros quadrados. O arranque da comercialização do empreendimento teve lugar durante o Salão Imobiliário de Lisboa, realizado entre 24 e 27 de Outubro, no Parque das Nações, em Lisboa.
Para além da componente habitacional, o empreendimento inclui ainda, nos dois primeiros pisos dos edifícios, áreas de comércio e escritórios. O Alto do Olival está localizado nos Olivais Sul, porventura o bairro mais verde de Lisboa, rematando a poente o quarteirão onde se situa o Olivais Shopping. O projecto, da autoria da arquitecta Maria João Maia Rebelo, privilegia a luminosidade e recorre pujantemente a amplas áreas de varandas e terraço. Foi conferida importância primacial às questões ambientais, com recurso a modernas tecnologias de climatização integrada e aquecimento de águas domésticas por energia solar. A construção está a cargo da ICH – Empreendimentos Urbanos, empresa familiar de sólida reputação. A comercialização é assumida directamente pelo Fundo Lisbox e, encerrado o Salão Imobiliário de Lisboa, decorre no local.
 

·
Registered
Joined
·
11,796 Posts
não está nada pronto! o alto do olival é só o cinzento! os outros é que estão prontos!
 

·
President and CEO
Joined
·
17,597 Posts
LRA, vais muito ao Spacio Shopping?
 

·
( ͠° ͟ʖ ͡°)
Joined
·
6,045 Posts
Acho este projecto muito maçudo. É uma banda contínua demasiado comprida, e nao tem especial relação com a fisionomia do bairro.
yap, concordo, é um pouco pesado... a envolvente é airosa, os edificios isolados por espaços verdes, e este ficou extremamente volumoso e denso...
mas até são edifícios engraçados, é pena...
 

·
SLB User
Joined
·
182 Posts
Nesta ultima zona, mais acima, que está a ser urbanizada agora, havia o famoso "Pingo Doce velho" cheio de drogados lá dentro, onde os ***** da c+s gostavam de se aventurar.
Antes do Shopping existir é que tenho muito poucas recordações, era muito novo...
 

·
Aluga-se espaço.
Joined
·
2,631 Posts
Lisboa | Antigas piscinas dos Olivais, Campo Grande e Areeiro transformadas em Ginásios com Spa



Antigas piscinas dos Olivais, Campo Grande e Areeiro transformadas em ginásios com spa
Por Ana Henriques

Fechados há quatro anos, históricos equipamentos de Lisboa deverão reabrir no Verão do ano que vem, com preços módicos e horários alargados







As antigas piscinas dos Olivais, Campo Grande e Areeiro irão reabrir no Verão de 2012 transformadas em modernos ginásios com preços módicos e horários alargados. Essa é, pelo menos, a promessa da Câmara de Lisboa, que deu ontem a conhecer os projectos para estes históricos equipamentos desportivos.



Além de nadar, vai ser possível relaxar nos spas ou puxar pelo físico nos ginásios que vão ser construídos dentro dos antigos edifícios, encerrados vai para mais de quatro anos pela autarquia e vandalizados desde aí.



Como não tinha dinheiro para reabilitar os recintos, o município abriu um concurso público internacional para realizar uma parceria público-privada. Ganharam duas empresas espanholas da especialidade que, em troca de concessões por 40 anos, vão pagar obras de transformação que totalizam 22,5 milhões de euros. Além disso, vai transferir três por cento dos lucros anuais para a câmara.



No caso dos Olivais e do Campo Grande, a cargo do grupo Ingesport, um passe individual para frequentar o complexo desportivo custa 35 euros mensais, ao passo que o livre trânsito para uma família de dois adultos e uma criança fica por 45 euros. Ainda há descontos para jovens e idosos. Funcionará das 7h às 23h, à semana.



Já o health club do Areeiro, situado na Avenida de Roma, será explorado pela firma Sidecu, com o passe individual a 32 euros e o familiar a 40. "Estas empresas apostam no baixo custo e na utilização maciça, tendo as famílias como alvo preferencial", disse o vereador do Desporto, Manuel Brito.



A Câmara de Lisboa garantiu que os projectos de transformação preservam a identidade e a memória destes equipamentos. Em rigor, a piscina do Areeiro vai ser completamente demolido para dar lugar a um edifício de três pisos, um dos quais enterrado.



Olivais será coberta



No Campo Grande, à obra de Keil do Amaral serão acrescentados 5000 metros quadrados de construção, num edifício de três andares que deverá albergar, além de uma piscina de 25 metros, um tanque de aprendizagem para bebés, uma sala de fitness de 1000 metros quadrados, jacuzzi e um estacionamento semi0wenterrado de 220 lugares. A Ingesport gostava de "colonizar o jardim e convertê-lo numa zona desportiva ao ar livre, mantendo a vegetação".



Também nos Olivais será refeita e coberta a piscina de 50 metros que sempre esteve ao ar livre. A descoberto ficará só o tanque de saltos. E a segunda piscina, construída já neste século e encerrada por deficiências de funcionamento, será suprimida. Segundo Manuel Brito, a Câmara de Lisboa teve de devolver à União Europeia o meio milhão de euros que tinha recebido para financiar este equipamento, uma vez que cinco anos depois de inaugurado ele se revelou imprestável.



O grupo Ingesport promete manter intacto o aspecto exterior do edifício principal dos Olivais, bem como outros pormenores arquitectónicos característicos do recinto.



Sem parecer do Igespar



Quando, em 2006, a autarquia anunciou o abate das velhas piscinas do Campo Grande, Areeiro e Olivais foram várias as vozes que se levantaram contra a decisão. A então presidente da Ordem dos Arquitectos e hoje vereadora de Lisboa, Helena Roseta, escreveu ao presidente da câmara de então - Carmona Rodrigues - chamando a atenção para a importância das três peças arquitectónicas. Embora desenhadas por nomes menos sonantes - Alberto José Pessoa (Areeiro), Aníbal Barros da Fonseca e Eduardo Paiva Lopes (Olivais), os equipamentos da Avenida de Roma e da zona oriental nem por isso deixam de suscitar admiração entre os arquitectos que defendem a preservação do património do séc. XX. Segundo o vereador do Desporto, nenhuma destas obras necessita de autorização do Instituto do Património Arquitectónico.



Questionado sobre o atraso na reabertura das piscinas, que este executivo camarário tinha anunciado para 2011, o autarca invocou o facto de o primeiro concurso público ter ficado deserto e também um contexto económico e político desfavorável.
Público
 

·
Profissional da desordem
Joined
·
4,991 Posts
É isso mesmo.
O Costa no seu melhor, a dar continuidade à política de retirar os poucos espaços públicos a todos os lisboetas em prol de uma elite que possa pagar ginásios e spas a preços exorbitantes.
As piscinas eram efectivamente espaços públicos acessíveis a toda a gente, pois o que se pagava era meramente simbólico.
Um edificio de 3 andares no meio do Campo Grande.
Fantástico, Costa.
Mais uma vergonha.
 

·
Registered
Joined
·
7,782 Posts
Wowowwo curti pra demais!
Sim aquilo ali no Campo Grande é uma verdadeira vergonha!
Principal via de acesso à cidade e naquele estado :(
As piscinas do Areeiro ficam na Av de Roma?!
 

·
braaaap all day!
Joined
·
4,696 Posts
Ficam na Avendida de Roma entre a ponte da av que passa por cima da linha da CP e a Av. João XXI, num largo (ou praceta) que dá par ao Jardim Fernando Peça!

Mais projectos para elites! Que se lixe a classe média! A não ser que o preço "módico" nãos eja mentira! Mas Spas....
 

·
Registered
Joined
·
7,782 Posts
Ficam na Avendida de Roma entre a ponte da av que passa por cima da linha da CP e a Av. João XXI, num largo (ou praceta) que dá par ao Jardim Fernando Peça!

Mais projectos para elites! Que se lixe a classe média! A não ser que o preço "módico" nãos eja mentira! Mas Spas....
hehehe epah que discurso o teu!
Vais ver q os preços vão ser acessiveis a todos!:)
 
1 - 20 of 176 Posts
Top