SkyscraperCity banner

1 - 20 of 35440 Posts

·
Les cites obscures
Joined
·
10,773 Posts
Metro de Lisboa

Metropolitano de Lisboa, E.P.E.



Breve resumo da história do Metropolitano de Lisboa (ML)

Os factos relativos ao material circulante encontram-se em itálico


A concepção

O primeiro projecto de construção de um caminho-de-ferro subterrâneo em Lisboa foi elaborado pelo engenheiro Costa Lima em 1885. A linha proposta partiria de Santa Apolónia, passaria pelo Rossio, São Bento, Janelas Verdes e Alcântara e terminaria em Algés. A ideia viria a ser posta de parte não só devido ao seu elevado custo como também à preferência pelo meio eléctrico.

Em 1888 e em 1923 foram apresentados outros dois projectos. Contudo, o desejo de ter uma rede de caminho-de-ferro subterrânea em Lisboa só foi concretizado em 1948, quando a sociedade do Metropolitano de Lisboa (ML) foi formada.

Apresentadas quatro linhas, apenas duas foram tornadas realidade. Todavia, nem todos os troços viriam a ser construídos de imediato. A título de exemplo, a extensão ao Lumiar, inaugurada em 2004, estava já programada numa dessas quatro linhas apresentadas em 1948!


Década de 1950

Em Agosto de 1955 iniciou-se a construção dos troços Sete RiosRotunda (com 2,8 quilómetros de extensão) e Entre CamposRotunda (com 2,7 quilómetros de comprimento). Ambos se intersectavam na Rotunda, onde seria criado o famoso Y da Rotunda, de onde partia um tronco comum, RotundaRestauradores (com 1,1 quilómetros de percurso). Em 29 de Dezembro de 1959, após mais de quatro anos de trabalhos, foi aberto ao público o ML (ver mapa). Todas as estações, à excepção do nó da Avenida, assinada por Rogério Ribeiro, tinham intervenções plásticas de Maria Keil.



Das 11 estações inauguradas, apenas Sete Rios, Entre Campos e Rotunda detinham um cais com 70 metros de comprimento, o que permitia acolher quatro carruagens. Todas os outros nós (Palhavã, São Sebastião e Parque no primeiro troço, Campo Pequeno, Saldanha e Picoas no segundo e Avenida e Restauradores no tronco comum) possuíam apenas um cais com 35 metros de comprimento, o suficiente para receber comboios de duas carruagens. O Parque de Material e Oficinas (PMO) situava-se em Sete Rios e era acedido através da estação da Palhavã. Os comboios que circulavam na rede tinham apenas duas carruagens. Nesta época, o ML tinha ao seu dispor 24 unidades da série ML7, construídas pela Sorefame, com a configuração motora-motora, e numeradas de A-1 a A-24 (ver imagem). Para uma melhor informação aos passageiros sobre o novo meio de transporte, foi produzida pela Tóbis, em 1959, por encomenda do ML, uma curta-metragem de divulgação, emitida não só na televisão como também nos cinemas da capital, na secção de “actualidades” (antes do filme principal). A sua versão completa pode ser vista aqui.




Década de 1960

Em Maio de 1960 arrancaram as obras de prolongamento até à estação do Rossio, inaugurada em 27 de Janeiro de 1963. A extensão inaugurada acrescentava 500 metros à rede do ML. O novo nó já tinha um cais com 70 metros de comprimento.

Três anos mais tarde, em 28 de Setembro de 1966, foi aberta ao público uma nova extensão, desta vez entre o Rossio e os Anjos. A rede era aumentada em 1,5 quilómetros com a entrada em funcionamento de três novos nós: Socorro, Intendente e Anjos. Todas estas estações detinham um cais com 35 metros de comprimento.


Década de 1970

Em 18 de Junho de 1972 foi inaugurado o troço AnjosAlvalade, que possuía cinco novas estações: Arroios, Alameda, Areeiro, Roma e Alvalade, todas dotadas de um cais com 70 metros de comprimento. Com este troço, a rede cresceu mais 3,4 quilómetros e possuía agora 20 nós, dos quais 19 tinham intervenções plásticas de Maria Keil (ver mapa).



Ao longo da década de 1970 começaram a ser ampliados os nós do ML. Em 1973 o cais da estação Entre Campos foi ampliado para 105 metros. Simultaneamente, foram instituídos os “comboios rápidos”, que faziam o percurso Sete RiosRotunda e Entre CamposRotunda sem parar nas estações intermédias. Todavia, a contestação fez o ML abolir esta medida rapidamente.

Mais tarde, quando em 1 de Setembro de 1975 as estações São Sebastião, Saldanha, Restauradores e Intendente viram o seu cais ampliado para 70 metros de comprimento, o ML colocou em exploração, alternadamente, comboios de duas e quatro carruagens. Para evitar que os passageiros pudessem ficar retidos dentro do túnel nas carruagens que não podiam entrar nas estações ainda não ampliadas, por falta de espaço do cais, foram utilizadas “zebras”. Os locais marcados só serviam as estações maiores.

Também em 1975, ano em que ML obteve a sua nacionalização, ficou completa a entrega das 84 carruagens ML7 encomendadas logo na década de 1950. Desde 1963 até 1975 foram colocadas ao serviço mais 60 carruagens, numeradas de A-25 a A-84. No ano seguinte, um incêndio ocorrido num comboio de quatro carruagens na estação Arroios, fez cair a disponibilidade do parque de material circulante do ML para 80 carruagens. É de ressalvar que não se registou nenhum ferimento nem nenhuma perda humana neste incidente.

Mais tarde, em 1977 ficaram concluídos os trabalhos de alargamento para 105 metros do cais dos nós São Sebastião, Saldanha, Restauradores e Intendente. Enquanto as estações Avenida e Anjos passaram a deter um cais com 70 metros de comprimento também nesse ano, o mesmo veio a suceder com os nós Palhavã e Picoas em 1978, ano da passagem do ML a empresa pública, e com o do Campo Pequeno, em 1979. Em 1980 a Palhavã passava a poder receber comboios de seis carruagens.


Década de 1980

Ao longo da década de 1980 foram arrancando novos prolongamentos, a começar pelo de Alvalade às Calvanas, em 1980. Mais tarde, foi também iniciada a frente de obra de Sete Rios ao Colégio Militar/Luz, em 1982, e depois a das Calvanas ao Campo Grande, em 1983. Também no ano seguinte viria a arrancar a construção do empreendimento de Entre Campos ao Campo Grande, estação designada por Cruz Norte, numa época em que já se havia abandonado o projecto de edificar um nó nas Calvanas. O PMO II começava também a ser construído perto do Campo Grande.

Em 1982 concluíram-se as obras de ampliação de todos os nós da rede. Assim sendo, os cais dos nós Campo Pequeno, Picoas, Avenida e Anjos foram alargados para 105 metros depois de já terem sofrido uma intervenção alguns anos mais cedo. Por seu turno, as estações Parque e Socorro viram o seu cais alargado dos 35 para os 105 metros, de uma só vez. Desta forma, a exploração com comboios de duas carruagens cessou definitivamente a partir de 30 de Novembro de 1982, razão pela qual agora circulavam somente comboios de quatro carruagens. Apesar de todas as estações poderem já receber comboios de quatro carruagens, os nós Sete Rios, Rotunda, Rossio, Arroios, Alameda, Areeiro, Roma e Alvalade ainda não tinham um cais com 105 metros de comprimento, razão pela qual seriam alvo de futuras intervenções.

Em 1984 entraram em circulação 12 novas carruagens, agora da série ML79. A ventilação forçada foi introduzida e o indicador de destino melhorado (ver imagem).



Nesse mesmo ano verificaram-se alguns incidentes nos troços Sete RiosColégio Militar/Luz e AlvaladeCampo Grande, o que levou ao adiamento das datas de conclusão. Enquanto no primeiro caso a caracterização geológica do local foi deficiente, tanto que na estação das Laranjeiras acabou por se registar uma inundação, no segundo, o conflito gerou-se entre o Sporting e o ML, uma vez que a empresa de transporte acabou por construir a estação em terrenos do clube desportivo.

Desta forma, só em 14 de Outubro de 1988 teve lugar a inauguração do prolongamento que ligaria Sete Rios ao Colégio Militar/Luz, com três novas estações: Laranjeiras, com intervenções artísticas de Sá Nogueira, Alto dos Moinhos, assinada por Júlio Pomar, e Colégio Militar/Luz, na qual interveio Manuel Cargaleiro. Também nesse mesmo dia abriu ao público a estação da Cidade Universitária, com intervenções artísticas da autoria de Vieira da Silva, e inserida no prolongamento que ligaria Entre Campos ao Campo Grande. Estas novas quatro estações foram as primeiras a ser construídas de raiz com um cais com 105 metros de extensão, tal como todos os futuros nós, e obedeciam também a uma filosofia que levava as intervenções plásticas até ao seu cais. A rede aumentava 3,8 quilómetros.
No ano seguinte ficava concluída a entrega das ML79. No total, dessa série, o ML recebeu mais 56 carruagens, que eram agora numeradas de M-101 a M-156.


Década de 1990

Em 1990 foi apresentado o Plano de Expansão da Rede (PER), que previa os prolongamentos RossioCais do Sodré e RestauradoresBaixa-Chiado. Era também contemplada a desconexão do Y da Rotunda e a extensão ao Rato, bem como o alargamento à Pontinha e a construção do PMO III nesse local.

No ano de 1991, foram apresentados os protótipos da série ML90, numerados de M-201 a M-206. Eram então construídas as duas primeiras unidades triplas do ML, com a configuração motora-reboque-motora, tal como todas as seguintes, o que acrescentava em seis o futuro número de carruagens disponível. Note-se que apenas estas motoras possuem uma porta frontal à cabine de condução.

Em 3 de Abril de 1993 abriu ao público a estação Campo Grande, na qual interveio plasticamente Eduardo Nery, juntamente com os troços AlvaladeCampo Grande e Cidade UniversitáriaCampo Grande. Com este prolongamento a rede do metropolitano cresceu 3,1 quilómetros. Nesse mesmo mês, entraram em exploração as duas unidades triplas ML90. Estas novas composições foram construídas pela Sorefame/Bombardier e já podem circular com ou sem o reboque (ver imagem).



Também em 1993 foi apresentado o PER II, destinado a servir a futura Expo’98. Previa-se que, até 1999, o ML deveria circular nas linhas:
O ano seguinte marcou a inauguração do PMO II, após mais de uma década de terraplanagens e construção. No dia 15 de Julho de 1995, o sonho da desconexão do Y da Rotunda tornou-se realidade. Assim, o ML passava a explorar duas linhas autónomas: a linha azul, entre o Colégio Militar/Luz e o Campo Grande, via Rossio, e a linha amarela, entre o Campo Grande e a Rotunda (ver mapa). Nesta intervenção, a antiga estação Rotunda, agora designada por Rotunda I, foi alargada para 105 metros.



Alguns dias mais tarde, abriu também ao público a renovada estação de Sete Rios, agora com um cais já de 105 metros. Em 1996 ficou concluída a entrega das ML90, com a recepção de mais 17 unidades triplas, ou 51 carruagens, numeradas de M-207 a M-257, com cores e materiais ligeiramente diferentes dos utilizados nos protótipos. Também nesse ano, mais concretamente em 23 de Julho, o ML foi feito Membro-Honorário da Ordem do Infante Dom Henrique.

Em 18 de Outubro de 1997 foi inaugurado o troço Colégio Militar/LuzPontinha, que adicionou à rede 1,6 quilómetros de extensão e duas novas estações: Carnide e Pontinha. Em 29 de Dezembro do mesmo ano foi inaugurada a estação Rato. Entretanto, em 1997 foi recebido um novo lote de material circulante, agora denominado ML95, que acrescentou mais 19 unidades triplas, ou 57 carruagens, ao parque do ML. Embora exteriormente estas novas carruagens tivessem um aspecto muito semelhante às ML90, no interior foram introduzidas algumas diferenças técnicas, como uma motorização diferente e um controlo eléctrico de abertura e fecho das portas, ao invés do pneumático (ver imagem).



1998 marcou a conclusão de muitos dos projectos do ML. Logo em Março as designações de quatro estações foram alteradas:
Em 18 de Abril de 1998 foi inaugurado o troço RossioCais do Sodré. Com este prolongamento, que trouxe também a ampliação do cais da estação Rossio para 105 metros, a rede cresceu 1,4 quilómetros. Sete dias mais tarde, foi aberta ao público a estação Baixa-Chiado I.

A linha vermelha foi inaugurada em 19 de Maio de 1998, três dias antes da abertura da Expo’98. O troço detinha uma extensão de cinco quilómetros e incluía sete novas estações: Alameda II, Olaias, Bela Vista, Chelas, Olivais, Cabo Ruivo e Oriente. Juntamente com a inauguração do nó da Alameda II, a estação Alameda I viu também o seu cais ser alargado para 105 metros de comprimento. Em Junho de 1998, nesta linha, que contava com um mecanismo automático de condução, circularam pela primeira vez composições de seis carruagens. Todavia, com o final da Expo’98, a linha vermelha passou a ser explorada com comboios de três carruagens. De forma a disponibilizar uma oferta que assegurasse o transporte de milhares de turistas à Expo’98 foram nessa época entregues mais 19 unidades triplas, ou 57 carruagens, da série ML95. A nova série era numerada de M-301 a M-414. Com a abertura das estações Cabo Ruivo, em 18 de Julho, Baixa-Chiado II, em 8 de Agosto, e Olivais, em 7 de Novembro, a rede comportava agora 40 estações (ver mapa).



Em 1999 foi inaugurado o PMO III, na Pontinha. Nesse ano entraram em circulação mais 54 carruagens de um novo lote de material circulante, denominado ML97 e composto por 18 unidades triplas articuladas. Esta nova série possibilitava a livre circulação entre carruagens, o que permitia um ligeiro incremento da capacidade de transporte de uma unidade tripla (ver imagem).



Segundo o ML, nestas unidades triplas, o reboque pode ser removido, ainda que tal nunca tenha sido presenciado em circulação. O parque do ML ficava, no virar do milénio, com 361 carruagens, 80 ML7, 56 ML79, 57 ML90, 114 ML95 e 54 ML97, o maior número atingido até hoje.



Década de 2000

No ano seguinte iniciou-se a exploração com composições de seis carruagens na linha azul e na linha amarela, o que originou o afastamento das ML7, dado que só comportavam quatro carruagens atreladas. Depois de 40 anos ao serviço, as duas primeiras carruagens desta série viriam a ser preservadas e restauradas. A quebra de oferta que se seguiu foi complementada com a entrada em circulação de um novo lote, denominado ML99, composto por 20 unidades triplas, ou seja, por 60 carruagens, numeradas de M-601 a M-660. O seu processo de fabrico pode ser visto aqui. Face à série anterior, os novos comboios possuem baterias que asseguram a iluminação e ventilação no caso de a corrente falhar e uma melhor insonorização (ver imagem).



Entretanto, uma vez que em 2001 se começaram a verificar avarias constantes nas ML79, foi encomendado um segundo lote das ML99, constituído agora por 18 unidades triplas, ou por 54 carruagens, tendo em vista o afastamento das ML79. Assim sendo, em 2002, com a recepção do segundo lote das ML99, numerado de M-661 a M-714, e com a saída de circulação de todas as ML79, o número de carruagens do ML ficou estabilizado nas 339: 57 ML90, 114 ML95, 54 ML97 e 114 ML99. Todavia, uma vez que, ainda nesse ano, uma ML99 galgou uma protecção no PMO II, a sua inutilização fez na verdade cair a disponibilidade do parque de material circulante para 338 carruagens
.

A extensão Campo GrandeTelheiras foi inaugurada em 2 de Novembro de 2002. A entrada em funcionamento da estação Telheiras ampliou a rede em 600 metros.

Em 27 de Março de 2004 foi inaugurado o troço Campo GrandeOdivelas, o que permitiu ao ML ultrapassar, pela primeira vez, as fronteiras de Lisboa. No total, a rede foi aumentada em cinco quilómetros e acrescentaram-se-lhe cinco novas estações: Quinta das Conchas, Lumiar, Ameixoeira, Senhor Roubado e Odivelas.

Quase dois meses mais tarde, em 15 de Maio de 2004, foi inaugurado um novo troço, desta vez compreendido entre a Pontinha e a Amadora Este, com duas novas estações: Alfornelos e Amadora Este. A rede do ML cresceu mais 2,1 quilómetros e ficou com, aproximadamente, 38,5 quilómetros de extensão e 48 estações, quatro das quais duplas (ver mapa).



Enquanto em finais de 2004 passou a ser disponibilizado o tempo de espera para o próximo comboio na linha vermelha, em Junho de 2006 o ML instalou rede telefónica em todas as estações. É justo salientar-se que foi um dos metropolitanos pioneiros no mundo nessa matéria. Esse ano ficou ainda marcado pelo alargamento do cais das estações Roma e Alvalade para 105 metros de comprimento.

Em 19 de Dezembro de 2007 foram acrescentados 2,2 quilómetros à linha azul. O empreendimento Baixa-ChiadoSanta Apolónia permitiu a criação de mais duas estações: Terreiro do Paço e Santa Apolónia.

Mais tarde, em 29 de Agosto de 2009 foi inaugurado o troço AlamedaSão Sebastião, com duas novas estações: Saldanha II e São Sebastião II. Desta forma, a rede do ML aumentou 2,2 quilómetros e a linha vermelha passou a cruzar todas as restantes linhas. Por essa ocasião, passaram a circular nessa linha definitivamente comboios de seis carruagens e foi também desactivado o sistema de condução automático.


Década de 2010

Depois de ter deslocado cerca de 182 milhões de passageiros, em 2010, o ML transportou 180 milhões, no ano seguinte, e apenas 154 milhões em 2012. Calcula-se que esta redução se encontre relacionada com o decréscimo dos movimentos pendulares, em função do aumento do desemprego. Assim sendo, em inícios de 2012, o ML reduziu o tamanho das composições e a sua frequência. Devido às crescentes restrições orçamentais, a linha verde passou também a ter em circulação comboios de três carruagens.

Foram também disponibilizados os tempos de espera na linha azul e na linha verde em meados de 2012.

Em 17 de Julho de 2012, depois de mais de cinco anos de obras, foi aberto ao público o empreendimento OrienteAeroporto, que comporta três novas estações: Moscavide, Encarnação e Aeroporto. A rede cresceu mais 3,3 quilómetros e passou a deter 55 nós, seis dos quais duplos.

No final de 2012 a estação Terreiro do Paço foi distinguida com o Prémio Valmor 2007. Por seu turno, a estação Cais do Sodré recebeu o Prémio Valmor 2008. Mais tarde, em Março de 2013, entrou novamente em circulação o primeiro protótipo da série ML90, numerado de M-201 a M-203, depois de sofrer uma profunda transformação.

Enquanto em 17 de Novembro de 2013 foi aberto ao público o átrio sul da estação Areeiro, em 17 de Dezembro de 2013 entrou em funcionamento um sistema de wi-fi gratuito nos nós Alameda, Campo Grande, Colégio Militar/Luz e Marquês de Pombal. Previa-se que todas as estações e carruagens fossem equipadas com este serviço até ao final do primeiro trimestre de 2014.

Em inícios de 2014 foram disponibilizados os tempos de espera na linha amarela. Alguns meses mais tarde, em 29 de Julho de 2014, com o embate de uma unidade tripla da série ML90, no terminal do Aeroporto, o parque de material circulante do metropolitano ficou reduzido a 335 carruagens. Por seu turno, um ano mais tarde foi novamente colocado em circulação o segundo protótipo da série ML90, numerado de M-204 a M-206, após ter sofrido uma importante transformação.

Em 13 de Abril de 2016, depois de praticamente sete anos em construção, durante os quais se registou um longo período de interrupção dos trabalhos, foi finalmente inaugurado o prolongamento Amadora EsteReboleira. Com a abertura do nó da Reboleira, a rede passou a ter uma extensão de 44,2 quilómetros e um total de 56 estações, seis das quais duplas (ver mapa).



Em 19 de Julho de 2017, com o encerramento da estação Arroios, para obras de ampliação e de remodelação, a circulação na linha verde passou a efectuar-se com comboios de seis carruagens.


Eventos a decorrer
Remodelação do átrio norte da estação Areeiro, iniciada em 17 de Novembro de 2013;
Ampliação e remodelação do átrio norte e do átrio sul da estação Arroios, iniciada em 19 de Julho de 2017 (consultar informações adicionais aqui).


PER III (2010-2020)
Apresentado em 2 de Setembro de 2009





Curiosidades sobre os painéis das estações

Linha azul

Linha amarela
Linha verde
Linha vermelha


Outros documentos de interesse
Estatísticas acerca do Número de Passageiros por Estação, elaboradas pela Direcção-Geral de Transportes Terrestres (DGTT) em Maio de 1999 (ver página 160);
Estudo intitulado Lisboa: O Desafio da Mobilidade, desenvolvido pela Câmara Municipal de Lisboa (CML) em Julho de 2005;
Informações sobre o Prolongamento Oriente - Aeroporto, difundidas pela Junta de Freguesia de Moscavide em Dezembro de 2011;
Esboço do Plano de Desenvolvimento Operacional da Rede, apresentado pelo ML em Maio de 2017.


Outras ligações de interesse
Metropolitano de Lisboa: Fotografias;
Metropolitano de Lisboa: Qual a Linha Mais Bonita?;
Metropolitano de Lisboa: Proposta de Expansão da Comunidade SSC;
Metropolitano de Lisboa: Sugestões para Prolongamentos e Novas Linhas;
Metropolitano de Lisboa: Que Prolongamento Escolherias?;
Metropolitano de Lisboa: Informações Dispersas.



Atalhos para o início de cada ano
Metropolitano de Lisboa e Metro Sul do Tejo [2005-2006];
Metropolitano de Lisboa [2007];
Metropolitano de Lisboa [2008];
Metropolitano de Lisboa [2009];
Metropolitano de Lisboa [2010];
Metropolitano de Lisboa [2011];
Metropolitano de Lisboa [2012];
Metropolitano de Lisboa [2013];
Metropolitano de Lisboa [2014];
Metropolitano de Lisboa [2015];
Metropolitano de Lisboa [2016];
Metropolitano de Lisboa [2017];
Metropolitano de Lisboa [2018];
Metropolitano de Lisboa [2019];
Metropolitano de Lisboa [2020].



Bibliografia: ROLLO, Maria Fernanda, “Um Metro e Uma Cidade: História do Metropolitano de Lisboa”, Metropolitano de Lisboa, 1999-2001 (três volumes)
Os mapas e imagens são da exclusiva propriedade do ML.
 
I

·
Guest
Joined
·
0 Posts
De acordo com as obras de expanção ja em curso, os projectos de expanção do metropolitano ja existentes, mais a recente informação sobre a possibilidade de uma quinta linha (linha das colinas), o mapa da rede de metro da capital poderá ter este aspecto daqui a pouco menos de uma decada.


Modificações de mapa já existente feitas por mim. Nomes das novas estações não estão no mapa.

O que acham? :D
 

·
Registered
Joined
·
6,703 Posts
Muito bom! Mas olha la em relação as ligações até Alcantara Mar e Sacavém isso inda não está certo né? Também ouvi dizer que iam fazer uma circular externa(metro ligeiro) que ia ligar pelo menos na 1ªfase Algés a Amadora mas por este andar nem em 2012 estárá pronta :bash:
 

·
Registered
Joined
·
319 Posts
Eu já li uma entrevista com o Presidente do Metro, em que o mesmo adiantou que Sacavém e Alcântara eram uma certeza nos próximos anos, assim como a possibilidade do metro chegar a Santo António dos Cavaleiros, aproveitando a linha amarela que já chega aqui a Odivelas. Pessoalmente acho que toda e uqlaquer expansão do metro é sempre bem vinda!!!!!!!
 

·
Αλέξανδρ&#
Joined
·
52,597 Posts
ya ta bonzinho o mapa :) esse metro da margem sul não é para ligar a rede do metro subterraneo não?
 

·
Enlightened user
Joined
·
5,782 Posts
O tunel por baixo do tejo tinha mais lógica que fosse percorrido pelo metro de lisboa visto ser um metro "pesado", tendo mais capacidade para trasnportar as pessoas para a outra margem, e talves seja mais rápido, embora isso dependa das carruagens a utilizar...
 

·
Registered
Joined
·
16 Posts
Yaps tá muito futurista lol
Mas agora imaginem, em 2016 ou 2020 quando os jogos olipicos (espero que sim) vierem para lisboa! As novas linhas terão q chegar a vários pontos de Lisboa e arredores, principalmente na zona do Jamor ( estádio Olimpico ), enfim, nas várias zonas olímpicas a construir que para mim podiam ser algumas em Monsanto, aproveitava-se o parque e além disse teria altas vistas, tipo piscinas olimpicas em Barcelona, não acham?? Mas nada que descaracterizasse o parque florestal. E é claro que a zona vaga do aeroporto seria a vila Olímpica, com altas torres :cool:

Enfim, propostas q seriam óptimas para Lisboa.
 
I

·
Guest
Joined
·
0 Posts
Portugalboy said:
Yaps tá muito futurista lol
Mas agora imaginem, em 2016 ou 2020 quando os jogos olipicos (espero que sim) vierem para lisboa! As novas linhas terão q chegar a vários pontos de Lisboa e arredores, principalmente na zona do Jamor ( estádio Olimpico ), enfim, nas várias zonas olímpicas a construir que para mim podiam ser algumas em Monsanto, aproveitava-se o parque e além disse teria altas vistas, tipo piscinas olimpicas em Barcelona, não acham?? Mas nada que descaracterizasse o parque florestal. E é claro que a zona vaga do aeroporto seria a vila Olímpica, com altas torres :cool:

Enfim, propostas q seriam óptimas para Lisboa.
Um sonho, um sonho que não deixa de ser maravilhoso! :master:

Mas agora a serio, a Grecia ficou com um defice na ordem dos 5% do PIB por causa dos jogos Olimpicos, que digasse já, foram uma merda comparados com os jogos de Sydney! Esta a ficar muito complicado para paises pequenos organizar jogos com a qualidade esperada. Os standards aumentaram muito depois de Sydney e depois de Pekin é que vai ser mesmo um investimento quase inimaginavel para paises fora do G8! Vamos-la ver... :sleepy:
 

·
Registered
Joined
·
2,011 Posts
se houver jogos olimpicos em Portugal (que aviso ja' que sou contra, acho que devemos investir em infra-estruturas) , acho que nao deveria ser em Lisboa. Lisboa ja' teve tudo o que tinha de ter, e tem um nivel de vida acima do da media europeia. Cidades como Faro, Coimbra, Braga, Aveiro, etc. etc. etc. poderiam perfeitamente albergar os jogos olimpicos. Se estes se vierem a realizar em Portugal eu declaro-me contra a sua realizacao em Lisboa.
 

·
Registered
Joined
·
6,703 Posts
Faro Coimbra? loOOOOl talvez daqui a 100 anos neste momento a unica cidade que podia eventualmente competir com outras para albergar os Jogos Olimpicos é Lisboa quer pelas boas infraestrutura(transportes,aeroporto, metro etc) ou simplesmente pela notoriedade mundial reconheçida. Se fosse a escolher uma segunda cidade serio o Porto mas para competir talvez daqui a 20 anos..
 

·
Registered
Joined
·
1,381 Posts
ooo os jogos olímpicos não são um campeonato da Europa.... Lisboa é a única cidade portuguesa que tem capacidade para realizar um invento desse tamanho, a meu ver claro.
 

·
Registered
Joined
·
6,420 Posts
Pedrocid, já imaginaste o que sería ver a lista de concorrentes para organizar os Jogos Olímpicos de 2016, 2020 ou 2024?
-Chicago, Milão, Londres, Buenos Aires, Osaka, Shanghai....e Coimbra? Faro? Montemor-o-velho? Freixo de Espada à Cinta?
 

·
Future after Past
Joined
·
1,515 Posts
:horse: Jogos Olimpicos na Praia da Oura e ja pro ano!!!!
 

·
Αλέξανδρ&#
Joined
·
52,597 Posts
:), vou entrar ja amanha com 1 processo de 1.500 paginas no comité Olimpico Internacional em que aparece bem descriminadas todas as potencialidades de acomodação e infraestruturas existentes na ilha do Corvo para que la se realizem lá os jogos Olimpicos de 2016 :D
 
1 - 20 of 35440 Posts
Top