Skyscraper City Forum banner
1 - 20 of 25 Posts

·
João Manoel
Joined
·
5,464 Posts
Discussion Starter · #1 ·
A cidade fica situada a 121 Km de Aracaju, estando a uma altitude de 30 metros. Sua população estimada em 2004 era de 20 141 habitantes. A densidade demográfica é de 75,5 hab/km2. Possui uma área de 249,9 km².

O município de Neópolis foi fundado no século XVII com o nome de Santo Antônio de Vila Nova. As terras foram doadas a Antônio de Britto Castro, pelo rei de Portugal, com o compromisso de serem construídas no local 30 casas, cadeia, pelourinho e casa de câmara. Em 18 de outubro de 1679 foi criado o município que passou a designar-se por Vila Nova d'El Rei em 1733. Em 1835 é alterado o nome para Vila Nova do Rio São Francisco. Em 1910 é elevada a cidade e em 1940 passa a ter a designação atual.

Neópolis possui um dos mais tradicionais carnavais do Estado e do Nordeste. É conhecida como a capital sergipana do frevo. A cidade foi influenciada pela festa de rua e, até hoje, realiza os tradicionais desfiles de blocos puxados por bandas, conhecido como Zé Pereira. A festa começou pequena, apenas com os habitantes do próprio município e regiões vizinhas, como a cidade alagoana de Penedo. Entretanto, hoje, a festa cresceu e agrega gente de vários Estados brasileiros.

01


Situada às margens do Rio São Francisco, a cidade tem uma vista maravilhosa e destaca-se por possuir duas igrejas católicas na mesma praça, uma de frente pra outra.

02


03


Neópolis tem uma das igrejas mais antigas de Sergipe, a de Nossa Senhora do Rosário. Não se sabe ao certo quando foi construída, mas pelos seus aspectos arquitetônicos e por ter sido quartel-general no século XVII, chega-se à conclusão de que é umas das mais antigas do Estado.
São poucos os documentos existentes deste tão importante templo. Mas as informações encontradas nos dão a certeza de que a Igreja do Rosário foi a nossa primeira Matriz Paroquial, e não a de Santo Antônio.
Em 1638, o Conde de Bagnuolo, quando comandava suas forças com soldados e civis vila-novenses, fez dela quartel-general para enfrentar as tropas de Maurício de Nassau.
Em 1813, o inverno foi muito rigoroso, quase o ano todo. A nossa Matriz de Santo Antônio, por encontrar-se já em péssimas condições, devido ao seu telhado apresentar-se em ruínas e possuir infiltrações nas suas paredes, veio a desabar naquele ano, o que levou a nossa Igreja do Rosário a voltar a ser Matriz, conforme historia o vigário da época, Padre Antônio do C. Bruno.
Com a visita do Imperador do Brasil, D. Pedro ll, em 1859 foi formada uma comissão de dedicados devotos de nosso padroeiro e, após a celebração da missa em homenagem ao ilustre visitante, foi entregue uma bem caprichada solicitação no sentido de que fosse recuperada a nossa Igreja de Santo Antônio.
No ano seguinte, chegou um emissário da Imperatriz para verificar a situação da igreja e levantar os valores que deveriam ser gastos na recuperação. Ele não mediu esforços e mandou reconstruir a nossa Matriz de Santo Antônio, mas a obra só foi concluída em 1959, um século depois, ano que a Igreja do Rosário perdeu mais uma vez o título de Matriz Paroquial.
Conforme podemos constatar, a Igreja do Rosário foi construída ao lado da forca (local onde hoje se encontra o Fórum), pois quando um negro era condenado à forca, antes teria que ir à Igreja da protetora dos negros, que era Nossa Senhora do Rosário, pedir perdão de seus pecados e confessar o motivo que lhe levava à morte. Após o ato do enforcamento, era sepultado na referida igreja.

04


05


06


07


08


A industrialização do município teve início em 1892, com a instalação da fábrica de óleo de caroço de algodão, de Alberto Vaz, vindo depois uma usina de beneficiamento de arroz. Em 1906 instala-se na sede municipal a fábrica têxtil de Antunes & Cia e, em 1907, na propriedade de Passagem, a fábrica de Tecidos de Peixoto Gonçalves & Cia.
A Vila Operária da Passagem foi fundada pelo comendador português Manoel Gonçalves, proprietário e idealizador da Fábrica de Tecidos ‘Peixoto Gonçalves’, empregando mais de 200 trabalhadores na década de 1960.

http://www.infonet.com.br/cinformmunicipios/municipio_neopolis.htm

09


10


11


12


13


14


15


Só deu para fotografar fora do circuito da festa... não quis me arriscar na guerra de farinha com a câmera :D

Rio São Francisco:

16


17


Penedo ao fundo:

18
 

·
O Show é aqui!
Joined
·
5,738 Posts

·
O Show é aqui!
Joined
·
5,738 Posts

·
João Manoel
Joined
·
5,464 Posts
Discussion Starter · #7 ·
legal, João! já escutei sobre essa cidade, tem uma rica e interessante história. essas panorâmicas estão lindas, mais uma cidade sergipana a ser visitada.
valeu!
Infelizmente não deu para tirar mais fotos da cidade... cheia de ladeiras e com ruas estreitas, Neópolis tem um ótimo aspecto... a orla ribeirinha é bem bonita, onde a beleza do "velho chico" pode ser contemplada em um preservado espaço urbano... enfim, uma cidade agradável... quem sabe em outra oportunidade eu possa fotografar melhor a cidade... já percebi que será impossível em outro carnaval :D
 

·
Registered
Joined
·
4,657 Posts
Sou louco pra conhecer Neópolis, assim como Penedo-AL. Aliás, a foz do São Francisco!!
Bem bacana a cidade, deve ser muito bom o carnaval daí, ficar jogando trigo colorido nas pessoas, muito legal!!!
Uma pena que não quiseste te arriscar, queria ter vistomais imagens!!
Mas blz! valeu pelas fotos!!
 

·
Registered
Joined
·
5,466 Posts
Guerra de farinha e ovo ,eita saudades da infância.É bom demais.
 

·
João Manoel
Joined
·
5,464 Posts
Discussion Starter · #13 ·
Guerra de farinha e ovo ,eita saudades da infância.É bom demais.
Guerra de farinha no Brasil. Na cidade de Neópolis, em Sergipe, é difícil não se sujar durante a tradicional brincadeira do mela-mela.

Os foliões chegam por terra ou nas embarcações pelo Rio São Francisco, que banha a cidade de Neópolis. A população dobra durante o carnaval. "Tem gente de todo lugar, Salvador, Aracaju, até de Marte", disse Geysa Brito, professora.
Fantasiados ou não, todos ganham as ruas. O carnaval dos blocos e dos bonecos gigantes, arrasta multidões ao som do frevo centenário.

Turistas que invadem a cidade são atraídos não só pela tradição do frevo. O mela-mela é tão importante quanto as bandinhas que arrastam a multidão.

Tinta solúvel, farinha de milho, cada folião tem uma receita. "Amido do milho, farinha de trigo, colorante de suco", diz Fabiano Melo, analista de logística.

A fórmula ganha as ruas e ninguém escapa da brincadeira do mela-mela. E não adianta reclamar. "Quem não quer se melar tem que ficar em casa", afirma Flaviane Gomes, assistente de administração. "Não tenho mais para onde sujar, o cara chegou e disse valei-me Cristo não vou lhe sujar não", disse Patrício Rocha, biólogo.

http://jornalhoje.globo.com/JHoje/0,19125,VJS0-3076-20070220-267406,00.html
 

·
Registered
Joined
·
1,179 Posts
fez bem mesmo não leva a câmera la pro zé pereira...tava uma melação da zorra!!!
passei meu carnaval ae também,que por sinal foi muito bom!!!
sem violência, organização e muita alegria!!!
sem falar na cidade...
10!!!
 

·
Mameluco sangue azul
Joined
·
20,420 Posts
Olha que surpresa boa! Esse thread foi criado antes d´eu participar do SSC, ainda não tinha visto. Alguém sabe explicar como é que o frevo chegou e se estabeleceu em Neópolis?
 

·
:)
Joined
·
18,427 Posts
^^ Eu não faço ideia, Mascate. O interessante é que até em Aracaju o frevo está se espalhando no carnaval. No feriado, Aracaju não tem grandes festas como Salvador, Recife, Olinda e Rio de Janeiro, e mesmo estando pertinho de SSA, no modesto carnaval da cidade o que mais se toca é frevo e marchinhas. :)
 

·
Registered
Joined
·
45,979 Posts
^^Meu amigo morou em Aracaju e falou que as bandas baianas dominam na capital de Sergipe,so toca axe' mesmo!Ele ja tinha falado nesta cidade,disse que o carnaval dai e' o melhor de Sergipe e o frevo domina junto de bonecos e fantasias(ate brincou que era uma mini Olinda),gostaria de saber as razoes historicas disso.:eek:kay:
 
1 - 20 of 25 Posts
Top