SkyscraperCity banner
Status
Not open for further replies.
1 - 2 of 2 Posts

·
Amável, charmoso e mortal
Joined
·
9,704 Posts
Discussion Starter · #1 ·
A Paraíba vai “em bloco” para atrair parceiros e investidores externos na 3ª edição do Nordeste Invest 2008, que será realizada nesta semana entre 28 a 30 de maio no Centro de Convenções, em Recife. Construtoras e imobiliárias paraibanas formaram um “pool” de empresas para uma atuação conjunta e estratégica durante os três dias do evento. Considerado o mais importante nos segmentos turístico e imobiliário do Brasil, o Nordeste Invest deverá movimentar mais de R$ 2,2 bilhões em negócios, crescimento de 10% em relação ao ano passado, segundo a Associação para o Desenvolvimento Imobiliário e Turístico do Nordeste Brasileiro (Adit Nordeste), entidade organizadora. “Resolvemos unir forças e realizar uma ação conjunta durante as negociações do Nordeste Invest para trazer investimentos de qualidade ao litoral paraibano já que no ano passado ficamos apenas com água na boca. O mercado está aberto e vamos tentar aproveitar mais uma oportunidade, por isso a importância da ação conjunta”, declarou o empresário Stelo Queiroga, vice-presidente da Adit-Nordeste, que aposta na rodada de negócios, um dos pontos altos do Nordeste Invest 2008, para inserir o Estado como “bola da vez” na captação de investimentos externos nos ramos imobiliário e turístico.
Com um ambiente especialmente formatado para a geração de negócios, a Rodada de Negócios, uma das três modalidades de oportunidade de negócios, consiste em reuniões pré-agendadas, com duração de trinta minutos, entre empresas compradoras e ofertantes. “A Rodada, uma das mais esperadas do evento, reúne executivos pré-selecionados que tem como objetivo oferecer oportunidade de investimento no setor”, completou Stelo ao informar que pelo menos 20 empresários paraibanos e quatro estandes com os visuais da beleza do litoral paraibano já estão garantidos no Nordeste Invest 2008. O empresário acrescentou que a PBTur está apoiando na construção do visual para mostras dos estandes. “É bom sempre reconhecer que se houve um trabalho arrojado do Estado foi na divulgação da Paraíba em eventos externos”, frisou Stelo.
Segundo os organizadores do evento, essas rodadas de negócios vão contar com 25 investidores estrangeiros e 48 empresas brasileiras, organizadas pelo projeto “Investir Nordeste”, desenvolvido, em parceria pela Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos) e Adit Nordeste. Os investidores estrangeiros virão da Espanha, Portugal, Inglaterra, Irlanda, Alemanha e Panamá.
“O diferencial do Nordeste Invest é fazer um link entre a indústria da construção civil e o turismo. Sabemos que quando a indústria turística prospera, a indústria imobiliária vai junto, daí a importância desse evento que une e funde as duas coisas, tendo o mercado imobiliário internacional de segunda residência um dos exemplos mais felizes desse casamento e será ponto alto nas negociações do Nordeste Invest”, avalia o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil de João Pessoa (Sinduscon), Irenaldo Quintans.
A expectativa é que a terceira edição reúna mais de mil executivos do Brasil e do exterior e gere inúmeras oportunidades de negócios, consolidando o evento com negócios mais qualitativos para a Região Nordeste. “Uma das grandes preocupações da Adit Nordeste é promover o chamado turismo de qualidade. A maioria dos empreendimentos imobiliários em curso atualmente na Região respeita as normas ecológicas, atendendo às exigências do público comprador e do mercado, especialmente o internacional. Além disso, esses projetos criam milhares de empregos e geram demanda para uma multiplicidade de serviços e comércio, garantindo o surgimento e perenidade de volume substantivo de postos de trabalho”, revelou o presidente da Adit, Felipe Cavalcante, que colocou Alagoas e a Paraíba como Estados promissores “de boas oportunidades” para investimento na 3ª edição do evento.
Alagoano, Cavalcante conta que durante os últimos 20 anos o Estado perdeu muitos investimentos para os demais Estados do Nordeste. “Sabemos que não temos condições de competir em número de leitos ou volume de investimentos, mas, para nos diferenciar, estamos optando pela qualidade. Estamos trazendo o que nos interessa e captando recursos mais qualitativos”, analisou ao indicar o mesmo caminho à Paraíba.
Para se diferenciar, Cavalcante sugeriu aos empresários paraibanos uma estratégia: “Como o evento vai acontecer em Recife, capital muito próxima a João Pessoa, seria interessante que as empresas alugassem um helicóptero durante o Nordeste Invest para fazer uma visita in loco com os executivos estrangeiros ao litoral paraibano para mostrar de perto as áreas negociadas. Essa postura seria um diferencial entre os Estados participantes, fortaleceria a proposta, além de aproveitar esse número de investidores externos que estarão concentrados em Recife para conhecer de perto as belezas do Estado”, frisou.
O empresário Stelo Queiroga, líder do “pool” de empresas e único associado à Adit Nordeste do Estado, revelou que essa estratégia está nos planos do grupo paraibano. “Se sentirmos interesse dos investidores na rodada de negócios pela Paraíba não pensaremos duas vezes em alugar um helicóptero e mostrar as potencialidades e as belezas naturais do nosso litoral, que é nossa maior riqueza”, reforçou.

* Paraíba quer atrair investidores do exterior

Promovido pela primeira vez em 2006, o Nordeste Invest consolidou-se como o mais importante encontro de investimentos para os mercados turístico e imobiliário brasileiro. No ano passado, em Salvador, reuniu mais de 900 executivos do Brasil e do exterior, tornando-se uma referência como porta de entrada para os investimentos. O encontro promove oportunidades entre os principais investidores do setor como várias conferências com experts nas diversas áreas do país, salão imobiliário e turístico onde ficarão as mostras dos estandes de áreas e projetos turísticos para investimento e a realização da rodada de negócios. “É uma oportunidade ímpar para o empresário do setor de contatar grupos internacionais sem precisar viajar ao exterior”, lembrou o presidente da Adit, Felipe Cavalcante aos empresários da Região.“Não tenho dúvida nenhuma que a vez dos investimentos externos para a segunda residência oriundos da Europa será dos Estados localizados no meio do Nordeste, como Paraíba, Pernambuco e Alagoas”. A afirmação é do empresário pernambucano e um dos organizadores do Nordeste Invest, José Antonio Simon. Ao explicar esse investimento, começou pelos Estados extremos da Região, como o litoral sul baiano e do Ceará. “Esse meio do Nordeste durante todos esses anos esteve dormindo e os Estados extremos pegaram todo tipo de investimento. Talvez, esteja aí o nosso diferencial. Ou seja, os novos investimentos estão chegando de forma mais selecionada, com maior valor agregado, menor adensamento e maior preocupação com o meio ambiente, além de proporcionar melhor padrão de vida para os moradores da Região”, avaliou.
Para Simon, que também é vice-presidente da Adit-Nordeste de Pernambuco, a novidade da terceira geração de investimento será justamente “a qualidade e a categoria do investimento que mudarão a face econômica da Região e de seus moradores, o que de certa forma não aconteceu com a primeira leva de investimentos. Hoje defendemos na Adit investimentos mais qualitativos. Os próprios empresários estão mais preocupados com questões ambientais e ecológicas no ato de investir. São mudanças significativas e nos dá maior distribuição de renda e sem perder a qualidade de vida e não tenho dúvida que esses Estados chamados meio terão a partir dessa maior aproximação com investidores externos”, frisou.
O presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil de João Pessoa (Sinduscon), Irenaldo Quintans, diz que a localização geográfica da Paraíba é estratégica para qualquer investidor europeu. “Nossa posição geográfica é um fator importante que não podemos deixar de elencar como diferencial na Região em relação ao continente Europeu”, lembrou. O empresário Stelo Queiroga disse que a alternativa que será apresentada para a ausência de vôos internacionais entre João Pessoa e países da Europa será a duplicação da BR-101, que encurtará o tempo de viagem entre as duas viagens. “Na Europa, é muito comum o aeroporto ficar uma hora de distância da residência do segundo lugar. É um tempo médio que dá para se tolerar. Eles descem no Aeroporto Internacional de Recife e se direcionam para litoral paraibano através da BR-101. Vamos levar essa proposta na rodada de negociações para os investidores”, frisou. Stelo revelou que áreas do litoral sul (Conde) ao norte (Lucena) estão “no cardápio” de oferta para os executivos europeus, que serão oferecidas no Nordeste Invest. “Temos algumas áreas já licenciadas e outras com licença prévia”.
Já o presidente da Adit Nordeste, Felipe Cavalcante, informou que a Adit conta com assessorias de comunicação no Reino Unido, Portugal e Irlanda, inclusive como forma de estabelecer seletiva rede de relacionamento com esses mercados. “Defendemos investimentos de qualidade, com elevado padrão, baixa densidade ocupacional e respeito ao meio ambiente”, completou, ao afirmar que é importante o estabelecimento de padrões para os licenciamentos ambientais, bem como o desenvolvimento da infra-estrutura, incluindo o transporte aéreo, temas que têm mobilizado politicamente a Adit.
O presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil de João Pessoa (Sinduscon), Irenaldo Quintans, afirmou que a cidade de João Pessoa foi vendida por muito tempo por Estados vizinhos como city tour de Recife e Natal. “Estamos na hora, ou melhor, já passamos da hora. Temos pelo menos quatro motivos para a capital seja um forte destino turístico no Nordeste. A qualidade de vida na cidade com suas matas verdes e ares de tranqüilidade, belezas naturais nos litorais sul e norte e praias urbanas sem poluição, preço médio abaixo de outras capitais e posição geográfica privilegiada. O que está faltando, então, ter competência para trazer esses investimentos, cobrar dos governos mais investimentos na infra-estrutura como um melhor aeroporto e estradas de qualidade para praias do litoral”, apontou.
Para o vice-presidente da Adit-Nordeste, Stelo Queiroga, um dos motivos pode estar justamente no maior engajamento dos empresários paraibanos nas entidades que lhes representam. No Estado, Stelo é o único empresário associado à Adit, entidade promotora e organizadora do Nordeste Invest.

* JEAN GREGÓRIO
Fonte:
http://jornaldaparaiba.globo.com/gera.php?id=15172&IDNOT=3
 

·
Nothing left to fear
Joined
·
2,057 Posts
Texto enorme e muito interessante!
É bom ver que a Paraíba está finalmente despertando pra esse mercado tão promissor que é o do turismo. Eu acho até estranho que a PB tem um litoral bastante parecido com os vizinhos RN e PE mas não o divulga tanto. Ou pelo menos não divulgava :)
 
1 - 2 of 2 Posts
Status
Not open for further replies.
Top