Skyscraper City Forum banner
Status
Not open for further replies.
1 - 10 of 10 Posts

·
Registered
Joined
·
15 Posts
Discussion Starter · #1 ·
Tava lendo um artigo sobre o codeshare da BRA com a Oceanair e me surgiu uma dúvida: o artigo fala que elas vão operar no terminal 2 de brasília, mas o terminal 2 não funciona só pra táxi áereo? ele recebe vôos comerciais?
Abs

Bra e a OceanAir apresentaram hoje (29/05) para o mercado fluminense o novo acordo de code share, anunciado em São Paulo em meados de maio, e que começa a vigorar a partir de 18 de junho. As principais vantangens da parceria, que ainda não tem um nome fantasia definido, são o melhor aproveitamento da frota de ambas as companhias, maior conectividade, maior densidade e a eliminação de sobreposições entre as empresas.

Serão utilizadas 27 aeronaves, sendo 12 de cada empresa e três reservas. Essas aeronaves passam a atender 55 cidades brasileiras, das quais 14 são novos destinos: Ji-Paraná (RO), Vilhena (RO), Porto Velho (RO), Alta Floresta (MT), Araguaína (TO), Altamira (PA), Palmas (TO), Cuiabá (MT), Campo Grande (MS), Manaus (AM), Bauru (SP), Presidente Prudente (SP) e Uberaba (MG).

A partir de junho começa a operar o primeiro vôo doméstico das duas empresas em conjunto, ligando São Paulo/Brasília/Manaus. O passageiro identificará os vôos pelo número inicial onde 1 é o número da Bra e 6 é o que corresponde à OceanAir. Com o acordo, que inicialmente vale por dois anos, as duas empresas querem alcançar 10% do mercado. Cada uma possui de 2% a 2,5%, totalizando quase 5% as duas juntas.

"O ponto positivo dessa parceria é a qualidade de serviço e o suprimento da necessidade dos passageiros. Isso vai aumentar as expectativas e esse aumento de quase 5% para 10% chegará antes da nossa previsão", afirma Plínio Fernandes, diretor Comercial da OceanAir.

Anysio Espíndola, gerente de Marketing da OceanAir
A Bra é conhecida por oferecer pacotes promocionais de vôos, por isso, estão sendo estudados maneiras de adequação. "Eqüalizar o serviço, esse é um dos objetivos. Cada uma entrou com uma proposta. O que está sendo mais modificada é a Bra, para se adequar à OceanAir", diz Anysio Espíndola, gerente de Marketing da OceanAir. "Isto não significa que a Bra vai modificar totalmente. O diferencial será o serviço", acrescentou.

Os preços vão variar e atender o mercado competitivo. Em algumas áreas haverá desconto de até 50%, como para a região Centro-Oeste. "O diferencial dessa junção não será a tarifa, que terá de 12 a 13 classes tarifárias. A tarifa será conseqüência, que dependerá do mercado", diz Luis Barreto, diretor de Comunicação e Marketing da aliança. "Os grandes diferenciais serão os horários, a não centralização em São Paulo, os equipamentos para a rota (jato), a condição de pagamento e o espaçamento nos bancos, que agora terá um número menor de assento para aumentar o espaço", finaliza Barreto.

Serão 250 vôos diários, sendo que, na primeira fase, serão operados somente vôos domésticos e, logo depois, será coberta a malha internacional com México, em agosto, Luanda (Angola), em setembro, e Los Angeles, em novembro.

As companhias, que investiram inicialmente R$20 milhões na parceria, terão vôos diretos Brasília/Manaus com o vôo 767 e Rio/Belém, e esperam ter um faturamento anual de R$1 bilhão, em torno de R$80 milhões ao mês. No Rio de Janeiro, haverá um hub de distribuição da aliança. Em Brasília, o Terminal 2 do Aeroporto será exclusivo para essa aliança.
A Bra e a OceanAir têm o plano de comprar 20 aviões de longo curso do modelo 787 (versão moderna do 777), que começa a chegar em 2008 e 2009 e serão distribuídos na Avianca e na OceanAir. O segundo 787 chega em julho, que, em agosto, começa a voar para o México.

Luis Barreto afirma que a aliança está "aberta" para todas as empresas que queiram fazer parte em cima dessas permissas exigidas. "Há seis meses atrás quando começamos esse estudo de uma parceria, a Webjet, a Varig e a Taff faziam parte também. No final só ficaram a Bra e a Ocean Air".

Em São Paulo os vôos foram redesenhados, para melhor aproveitamento no hub. No Rio de Janeiro, as empresas vão operar no Terminal 1 do Galeão e o aumento será de 45% a 50%. Quatro aviões saem e quatro chegam pela manhã. "O Rio saiu ganhando, montamos um hub no Aeroporto. Estamos reestruturando a malha no Rio", afirma Barreto.

Esses vôos são vendidos 75% pelos agentes de viagens e pelas lojas da Bra. Os dois vão vender bilhetes tanto da OceanAir, quanto da Bra. Foi feito um acordo com os agentes onde será facilitada a venda das passagens. Cada empresa terá seu balcão separadamente, porém próximos.
 

·
Banned
Joined
·
27,387 Posts
Na verdade aconteceu que o Terminal 2 vai ter que receber esse fluxo de passageiros, enquanto o Terminal 1 passa por expansões, eu já sabia que iria acontecer isso, mas o Terminal 2 deveria passar por reformas, as pessoas terão de descer da aeronave e ir andando até o terminal.
 

·
Banned
Joined
·
27,387 Posts
Mais eu estava vendo uma coisa estranha, se o aeroporto tem capacidade de receber 7 milhões e 400 mil, e o movimento do ano passado foi de 9 milhoes e 700 mil, pq o governo está autorizando isso, de utilizar o terminal 2, a não ser que a BRA e a Ocenair vai usar teco teco no terminal, pois não tem condições de receber aviões de grande porte naquele ponto.
 

·
Registered
Joined
·
48 Posts
OceanAir e BRA terão três vôos diários saindo da Capital
Quarta-feira, 30 de Maio de 2007 15:00
campograndenews.com


As companhias aéreas OceanAir e BRA vão oferecer diariamente, a partir do dia 18 de junho, vôos diretos de Campo Grande para as cidades de Cuiabá, Curitiba e Goiânia. De acordo com o diretor-executivo da OceanAir, Renato Pascowitch, a parceria vai atender 49 cidades brasileiras com uma frota de 27 aeronaves. “A vantagem da parceria é usar os aviões de forma racional”, enfatiza.

De acordo com ele, as empresas têm como característica preços competitivos, que serão mantidos na parceria. Segundo Renato, as linhas serão atendidas por Fokkers 50 e jatos MK-28. Os vôos terão os seguintes horário: 18h25 (Campo Grande/Cuiabá), 10h30 (Campo Grande/Curitiba) e 15h (Campo Grande/Goiânia).

A OceanAir foi criada em 1998 como empresa de táxi aéreo e em 2002 recebeu autorização do DAC (Departamento de Aviação Civil) para operar como empresa de transporte aéreo regular de passageiros.

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

Achei ótimo esse codeshare! Poderei ir direto de Curitiba para Campo Grande/MS visitar minha mãe, sem escala ou conexão, em apenas 1 hora, por apenas R$199,00!!
Agora falta a infraero tomar vergonha na cara e investir em equipamentos e reforma das pistas!
 

·
spca
Joined
·
202 Posts
Mais eu estava vendo uma coisa estranha, se o aeroporto tem capacidade de receber 7 milhões e 400 mil, e o movimento do ano passado foi de 9 milhoes e 700 mil, pq o governo está autorizando isso, de utilizar o terminal 2, a não ser que a BRA e a Ocenair vai usar teco teco no terminal, pois não tem condições de receber aviões de grande porte naquele ponto.
Esse número de 7,4 milhões de passageiros/ano se refere ao Terminal 1, não ao aeroporto como um todo. Ao transferir alguns vôos ao Terminal 2 (que eu acho que não e utilizado hoje para vôos regulares) vc desafoga um pouco o T1. Talvez eles façam uma peq reforma no T2 para receberem aviões maiores.

Não acho que Brasília precise de um novo aeroporto à curto prazo. O atual, que tem duas pistas paralelas que possibilitam operçãoes simultâneas e com a construção de novos terminais acredito que ele suporte até uns 30 milhões de passageiros por ano. Mas é bom já ir reservando um terreno pro futuro distante, senão as desapropriações ficariam muito caras e o aeroporto muito longe.
 

·
Banned
Joined
·
27,387 Posts
Aqui não vai precisar desapropriar, pois, a Infraero já possui 2 terrenos, um para aeroporto convencional e outro para aeroporto de cargas, e existe uma conversação do governo de Brasília com o prefeito de Luziânia de ampliar o aerodromo do municipio, e nota-se o aerodromo de Luziânia fica bem proximo de uma linha de trem.
 

·
Registered
Joined
·
7,546 Posts
Não seria melhor, antes de pensarem em um novo aeroporto, ir ampliando a infraestrutura do atual?

Li esse mês na Flap que a pista sul de Brasília ainda não opera para pousos por falta de equipamentos.

Pelo terreno BSB tem espaço para ampliação do atual terminal e construção de vários outros, o acesso é ótimo, fica próximo da cidade. Pra que mexer?

E outra se o movimento de aviões se consolida na América do Sul BSB é um "HUB" natural para conexões para qualquer parte do continente.
 

·
tricolor pra sempre
Joined
·
1,343 Posts
Brasília precisa urgentemente é de um segundo aero, BSB já não dá conta da demanda.
tbm acho, achei muito pequeno esse aeroporto acho que ja ta na hora de brasilia ter um maior . ate mesmo pra atender a demada, acho que essa seria a solucao
 

·
Banned
Joined
·
27,387 Posts
Mas acontece o seguinte, o aeroporto de Brasilia e mixed-use, tudo no mesmo lugar, aeroporto doméstico, internacional, de cargas e para piorar, aeroporto militar então já viu, não tem como conciliar todas essas ocupações.

Olha eu já vi o aeroporto de Brasilia fechar para pouso e decolagem de aeronaves militares, parece uma cena que presenciei não no aeroporto, mas com um comboio de carros do exercito, fechando todas as ruas em pleno horario de rush, o que acontece?

Sem comentários, é imperativo que Brasília expanda o terminal, e mesmo que os prazos sejam cumpridos a risca, o terminal vai começar a operar além do limite, então saturado.
 
1 - 10 of 10 Posts
Status
Not open for further replies.
Top