SkyscraperCity banner

1 - 20 of 106 Posts

·
Registered
Joined
·
6,715 Posts


O Estado da Palestina (em árabe: دولة فلسطين, Dawlat Filasṭīn) é um Estado de jure que reivindica soberania sobre os territórios da Cisjordânia e da Faixa de Gaza e que designa Jerusalém Oriental como sua capital, apesar de seu centro administrativo estar localizado na cidade de Ramallah.

A sua independência foi declarada em 15 de novembro de 1988 pela Organização para a Libertação da Palestina (OLP) e por seu governo no exílio em Argel, na Argélia. No entanto, a maioria das áreas reivindicadas pelos palestinos estão ocupadas por Israel desde a Guerra dos Seis Dias, em 1967. Após a Segunda Guerra Mundial, em 1947, as Nações Unidas adotaram um Plano para Partilha da Palestina, recomendando a criação de dois estados árabe e judeu independentes, com uma Jerusalém internacionalizada.[6] Em 1993, os Acordos de Oslo estabeleceram a Autoridade Nacional Palestina, que realiza a administração sócio-política de áreas delimitadas dos territórios, enquanto o Hamas controla a Faixa de Gaza.

Em outubro de 1974, a cúpula da Liga Árabe designou a OLP como o "único representante legítimo do povo palestino" e reafirmou "o seu direito de estabelecer um Estado independente com urgência".[7] Em novembro de 1974, a OLP foi reconhecida como competente em todos os aspectos referentes à questão Palestina e os palestinianos ganharam reconhecimento implícito de soberania pela Assembleia Geral da ONU, que concedeu-lhe o estatuto de observador como uma "entidade não estatal" dentro da organização.[8][9] Depois da declaração de independência de 1988, a Assembleia Geral oficialmente "reconheceu" a proclamação e decidiu usar a designação "Palestina", ao invés de "Organização para a Libertação da Palestina".[10][11] Apesar desta decisão, a OLP não participa da ONU na qualidade de governo da Palestina.[12]

Em 1993, com os Acordos de Oslo, o governo israelense reconheceu a equipe negociadora da OLP como "representante do povo palestino", com a condição de que a OLP reconhecesse o direito do Estado de Israel de existir em paz, aceitasse as resoluções 242 e 338 do Conselho de Segurança da ONU e rejeitasse "a violência e o terrorismo".[13] Como resultado, em 1994 a OLP estabeleceu a administração territorial da Autoridade Nacional Palestina (ANP), que exerce algumas funções governamentais em partes da Cisjordânia e da Faixa de Gaza.[14][15] Em 2007, o Hamas assumiu o governo da Faixa de Gaza, o que dividiu os palestinos politicamente e territorialmente. O Fatah, de Mahmoud Abbas, ficou com o governo de grande parte da Cisjordânia, enquanto o Hamas obteve o controle da Faixa de Gaza.[16] Em abril de 2011, os partidos palestinos assinaram um acordo de reconciliação, mas sua implementação foi suspensa,[16] até que um governo de unidade foi formado no dia 2 de junho de 2014.[17]

Em 29 de novembro de 2012, a Assembleia Geral da ONU aprovou em uma votação a Resolução 67/19, que atualiza o estatuto da Palestina de uma "entidade observadora" para um "Estado observador não membro" dentro do sistema das Nações Unidas, o que foi descrito como o reconhecimento de facto da soberania da OLP sobre os territórios palestinos.[18][19][20][21] Em 17 de dezembro de 2012, a ONU declarou que "a designação de 'Estado da Palestina' será utilizada pelo secretariado em todos os documentos oficiais das Nações Unidas".[22] Em 27 de setembro de 2013, 137 dos 193 países-membros das Nações Unidas reconheceram a existência do Estado da Palestina.[23][24][21][25] Muitos dos países que não reconheceram o Estado palestino, no entanto, reconhecem a OLP como "representante do povo palestino".

https://pt.wikipedia.org/wiki/Estado_da_Palestina







A Faixa de Gaza (em árabe: قطاع غزة Qiṭāʿ Ġazzah, IPA: [qɪˈtˤɑːʕ ˈɣazza]) é um território Palestiniano composto por uma estreita faixa de terra localizada na costa oriental do Mar Mediterrâneo, no Oriente Médio, que faz fronteira com o Egito no sudoeste (11 km) e com Israel no leste e no norte (51 km). O território tem 41 quilômetros de comprimento e apenas de 6 a 12 quilômetros de largura, com uma área total de 365 quilômetros quadrados.

A população da Faixa de Gaza é de cerca de 1,7 milhão de pessoas.[7] Apesar da maior parte da população ter nascido na Faixa de Gaza, uma grande porcentagem se identifica como refugiados palestinos,[8] que fugiram para Gaza durante o êxodo palestino que ocorreu após a Guerra árabe-israelense de 1948. A população é predominantemente muçulmana sunita. Com uma taxa de crescimento anual de cerca de 3,2%, a Faixa de Gaza tem a sétima maior taxa de crescimento demográfico do mundo,[7] além de ser um dos territórios mais densamente povoados do planeta. A área sofre uma escassez crônica de água e praticamente não tem indústrias.[9] A infraestrutura é precária, e quase nada foi refeito após os bombardeios israelenses de 2008-2009.[10] A designação Faixa de Gaza deriva do nome da sua principal cidade, Gaza, cuja existência remonta à Antiguidade.

A Faixa de Gaza adquiriu suas fronteiras atuais com o fim dos combates da guerra de 1948, confirmado pelo Acordo de Armistício entre Israel e Egito em 24 de fevereiro de 1949.[11] O Artigo V do Acordo declarou que a linha de demarcação não era para se tornar uma fronteira internacional. Primeiramente, a Faixa de Gaza foi oficialmente administrada por um governo completamente palestino estabelecido pela Liga Árabe em setembro de 1948. A partir da dissolução desse governo em 1959, a Faixa de Gaza tornou-se uma área diretamente administrada por um governador militar egípcio até 1967.

Israel anexou e ocupou a Faixa de Gaza durante a Guerra dos Seis Dias, em 1967. Em conformidade com os Acordos de Oslo, assinados em 1993, a Autoridade Palestina se tornou o órgão administrativo que governa os centros populacionais palestinos. Israel manteve o controle do espaço aéreo, das águas territoriais e das fronteiras, além da fronteira com o Egito. Em 2005, o governo israelense retirou-se do território ocupado .[12] Desde julho de 2007, depois das eleições parlamentares palestinas de 2006 e da Batalha de Gaza, o Hamas tem controlado de facto a administração da área. Após a desocupação militar e a retirada dos assentamentos de colonos judeus do território palestino, Israel bombardeou a Faixa de Gaza em 2008, 2012 e 2014. Esses ataques resultaram em milhares de mortos, sobretudo entre a população civil, além produzirem severos danos à infraestrutura local.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Faixa_de_Gaza



 

·
Uma dúzia de anos disto..
Joined
·
30,728 Posts
Parece 1 cidade bonita, mas não é propriamente sitio que me cative muito...;)
 

·
Registered
Joined
·
52,552 Posts
tanta foto :eek2: bom para mim o grande encanto desta cidade é a pedra, esta em todo o lado, ate ja a arquitectura moderna a incorporou :yes: o Domus da Rocha é fabuloso :drool:
 

·
Moderator
Joined
·
179,509 Posts
Há algumas zonas da cidade em que as casas estão bonitinhas... mas Jerusalém é uma cidade muito curiosa.....

Se virem no Google Earth..... do lado israelita o planeamento está muito bom.... do outro lado palestino parece uma cidade berbere tudo confuso :lol:
 

·
Registered
Joined
·
21,083 Posts
é uma cidade fasntastica! um bocado desorganizada demais para o meu gosto mas sublime de qq forma :yes:
 

·
Registered
Joined
·
5,675 Posts








Rawabi: a primeira cidade planejada da Palestina

Uma cidade palestina planejada sempre foi considerada uma utopia, principalmente pelos próprios palestinos. No entanto, este sonho pode se tornar realidade.
O investidor palestino Bashar Masri, com apoio da Autoridade Nacional Palestina e investidores do Qatar, planeja construir há 9 km de Ramallah, Cisjordânia, uma cidade cosmopolita e moderna, batizada de Rawabi.

Rawabi, que será a primeira cidade palestina planejada, quer atrair os “yuppies palestinos”: jovens, educados com valores ocidentais e que possuem rendimentos médios para alto. Pretende-se investir por volta de U$ 800 milhões para construir seis mil “unidades domiciliares”, ou seja, casas e apartamentos. Espera-se que 40 mil pessoas vivam em Rawabi e que sejam criadas cinco mil vagas de emprego permanentes.



Segundo o jornalista Ari Shavet, do jornal israelense Haaretz, este projeto só foi possível de ser arquitetado seriamente graças a três fatores: as políticas do primeiro-ministro palestino, Salam Fayyad, na Cisjordânia, que colocaram ordem na “anarquia” que até então reinava; a retirada de 25 checkpoints – barreiras militares que cortam as estradas dos territórios ocupados e impedem a livre circulação dos palestinos – ajudando o desenvolvimento econômico e a mudança de comportamento dos palestinos, que se cansaram dos confrontos e que buscam viverem suas vidas normalmente.

Além da possibilidade de planejar Rawabi, estes movimentos foram muito benéficos às outras cidades da Cisjordânia. Jenin e Belém começaram a receber mais turistas. Em Ramallah foram abertos 12 novos restaurantes. A vida noturna da cidade voltou a ser efervescente, com comércio e casas noturnas funcionando normalmente.

Mais informações em www.rawabi.ps/

Link no youtube:http://www.youtube.com/watch?v=410_6TDHJMc
 

·
Registered
Joined
·
3,091 Posts
Planeada! :D

Planejada deve ser em brasileiro!


Não gosto. :eek:hno: Edifícios altos a trepar a colina.
me neither...

mas nao deixa de ser um marco importante para o povo palestiano....pelo menos até dar na cabeça de algum israelita de que eles devem la ir estabelecer um colonato....
 

·
instagram: t.l.rekarte
Joined
·
59,444 Posts
Já tinha visto,é bem interessante a arquitetura neo-árabe
mas n sei se o governo de Israel irá permitir isso
 
1 - 20 of 106 Posts
Top