Skyscraper City Forum banner
Status
Not open for further replies.
1 - 3 of 3 Posts

·
Mercado da Boa Vista
Joined
·
479 Posts
Discussion Starter · #1 ·
Publicado em 28.06.2008


Empresa liderada pela Petrobras acredita que já há segurança para tocar o projeto, que prevê investimento total de US$ 632 milhões. Expectativa é gerar 3 mil empregos durante a construção

Renato Lima
[email protected]

As obras de construção da Petroquímica Suape terão início em agosto. A empresa considera que já possui as garantias para que a produção de ácido tereftálico purificado (PTA) em Pernambuco possa competir com o produto importado do México, que hoje conta com isenção de imposto de importação. “A decisão da construção é definitiva”, garante o superintendente da Petroquímica Suape, Richard Ward.

No momento, a unidade passa por terraplenagem, que estava prevista para ser encerrada em maio, mas acabou se prolongando por causa do período chuvoso. Em agosto, a terraplenagem deve ser finalizada e terá início o estaqueamento. A previsão anterior da unidade era iniciar a produção no final de 2009, agora o cronograma prevê o início de 2010 - um pouco atrasado, mas não tão distante.

O atraso foi devido a uma negociação tributária em curso com o governo do México, país que supre boa parte das importações de PTA no Brasil. O PTA mexicano foi isentado da tarifa de 7,2% que pagava para entrar no Brasil. Com isso, a planta da Petroquímica Suape não teria condições de competir com o produto importado isento de tarifa, que entra em Pernambuco ainda com incentivo fiscal do Prodepe para a Mossi & Ghisolfi (M&G), principal consumidora do produto. “O governo federal já prometeu resolver essa situação. A isenção tarifária deverá continuar até o início da operação da Petroquímica Suape e depois voltará a tarifa de 7,2% para o produto mexicano. Já há segurança jurídica para tocar o negócio”, acredita Ward. Provavelmente, o governo brasileiro concederá isenção para outro produto mexicano, como compensação da saída do PTA.

A Odebrecht é a mais cotada para a construção do empreendimento. “Estamos numa fase final de negociação com a Odebrecht, acertando o detalhamento e os preços. Em agosto, o terreno deve estar seco e teremos condições de iniciar as obras”, afirma.

O PTA é matéria-prima para fios de poliéster, usados na indústria de confecções, por exemplo, e na produção da resina PET da indústria de bebidas. O empreendimento da Petroquímica Suape deseja vender sua produção para a M&G, que tem em Suape uma indústria de PET, e para a Companhia Têxtil de Pernambuco (Citepe), que prevê se instalar também em Suape.

Segundo Ward, a alta do petróleo não atrapalhará o negócio da Petroquímica Suape. “O aumento reflete nas nossas matérias-primas, mas o produto final é vendido com base na margem. É assim que a British Petroleum faz, por exemplo”, diz.

A indústria de PTA de Pernambuco terá capacidade de produzir 640 mil toneladas por ano, estando entre as maiores do mundo. A unidade se localizará num terreno de 18 hectares, em Suape, ao lado de onde funcionará a Refinaria Abreu e Lima. O investimento previsto é de US$ 632 milhões, com cerca de 3.000 empregos gerados durante a construção.
 
1 - 3 of 3 Posts
Status
Not open for further replies.
Top