Skyscraper City Forum banner
1 - 4 of 4 Posts

·
UNICAMP
Joined
·
1,195 Posts
Discussion Starter · #1 ·
Fonte:
Folha de São Paulo
25/6/2007


Finalmente foram retomadas as obras do Rodoanel. Trata-se de uma boa notícia, mas, paradoxalmente, demonstra a letargia dos responsáveis pela infra-estrutura brasileira. Podemos afirmar isso ante a expansão tímida do PIB. Nesse sentido, é motivo de alívio o "espetáculo do crescimento" ficar restrito ao mundo virtual dos palanques. Caso contrário, seria o caos terrestre.

O Rodoanel vai oferecer tamanhos benefícios que é difícil entender por que ainda não foi concluído. A demora já transformou uma solução robusta em mais uma medida paliativa, já que, a cada ano, os resultados pretendidos pela idéia original se reduzem. O projeto consolidou-se como obra viável em 1992, mas só saiu do papel seis anos depois, com o início das obras do trecho oeste, que tem hoje 32 km em funcionamento.

Agora, com a retomada do trabalho, as autoridades pretendem entregar em 2011 o trecho sul, de 61,4 km, com uma defasagem de 19 anos em relação às informações que subsidiaram a idéia.

No total, o Rodoanel prevê 170 km de rodovia. Faltariam ainda 93,4 km, pouco mais da metade, quilometragem que a administração pública promete concluir em mais quatro anos -no que é difícil de acreditar.

Dizer quando a obra será totalmente concluída é coisa para videntes. Mas, com base na construção da primeira metade, é possível arriscar que a inauguração se dará praticamente meio século depois de seu planejamento. Algo como se Lula materializasse o sonho de Juscelino e, finalmente, concluísse a nova capital no Planalto Central no final do mandato.

Nesse caso, o descompasso temporal é mais grave por envolver uma fatia da economia em completa ebulição. Segundo o Sindicato das Transportadoras do ABC, as empresas de logística e transportes instaladas na região estão apresentando, anualmente, crescimento médio de 30% e aumento no volume de carga transportada de 20% a 25%.

Mesmo que haja adequações nas obras do Rodoanel, não é possível seguir esse ritmo. Essa conclusão, obviamente, não deve desestimular a construção do Rodoanel, já que cada quilômetro seu será importante. O trecho oeste, por exemplo, diminuiu em 30% o trânsito de veículos de carga nas marginais Tietê e Pinheiros. O trecho sul vai aliviar a Bandeirantes e diminuir em horas o trajeto de caminhões até o porto de Santos.

Esses são apenas alguns dos muitos benefícios do Rodoanel. Mas sua obra deve ser contextualizada diante das novas necessidades para não se tornar obsoleta antes de concluída. Para atualizar os projetos de infra-estrutura de transporte na região, é necessário desenvolver uma estratégia de diversificação de modais para escoamento da produção.

No Estado de São Paulo, 93% do transporte de cargas é realizado pelas rodovias, sistema que está saturado e, mesmo que continue recebendo investimentos, não atenderá às exigências crescentes de demanda.

Além disso, quando se trata de cargas, há alternativas mais interessantes, como um vagão, que suporta o equivalente a três caminhões de 35 toneladas. Trata-se de transporte mais barato, seguro e sem impactos no trânsito e no meio-ambiente. A construção do Ferroanel também é uma solução óbvia. Serão 150 km de trilhos para facilitar o escoamento de mercadorias da região mais produtiva do país.

Mais ainda, chegou o momento de encarar o enorme potencial da hidrovia Paraná-Tietê. Uma embarcação é capaz de transportar até mil contêineres por um preço infinitamente menor. É preciso, porém, tornar esse trecho fluvial eficientemente transitável e construir estrutura de embarque e desembarque intermodal.

Porém, todo esse planejamento esbarra na questão do financiamento. É preciso afastar as resistências e assumir que a solução se encontra na iniciativa privada, já que a estrutura pública não oferece poder de investimento, agilidade ou capacidade de gestão para construir a infra-estrutura que sustentará o desenvolvimento. As empresas privadas têm mais recursos e competência técnica para realizar os projetos e, em tempos de Operação Navalha, é bom lembrar que sua participação na execução das obras impede ralações promíscuas entre setor público e fornecedores.

A solução é acelerar as PPPs, pois não há contra-indicações nessas parcerias, desde que o poder público realize bons contratos e prestigie as agências reguladoras. No momento, esse é o único caminho para que bons projetos de infra-estrutura existentes saiam do papel e para impedir que iniciativas auspiciosas, como o Rodoanel, se concretizem apenas quando já estão ultrapassadas.

ANTÔNIO WROBLESKI , 54, doutor em finanças pela Fundação Getúlio Vargas, é presidente da Ryder Logística para o Brasil.
 

·
How about a magic trick?
Joined
·
4,805 Posts
Porém, todo esse planejamento esbarra na questão do financiamento. É preciso afastar as resistências e assumir que a solução se encontra na iniciativa privada, já que a estrutura pública não oferece poder de investimento, agilidade ou capacidade de gestão para construir a infra-estrutura que sustentará o desenvolvimento.
Sem me aprofundar na polemica sobre o setor publico, quem não tem capacidade de se gerir não deveria existir. Se nós não conseguimos nos sustentar que deixemos oficialmente esse país virar a casa da mãe Joana.

Sem duvida que a iniciativa privada deve fazer parte do desenvolvimento nacional que depende de investimentos em infraestrutura. Mas...

As empresas privadas têm mais recursos e competência técnica para realizar os projetos e, em tempos de Operação Navalha, é bom lembrar que sua participação na execução das obras impede ralações promíscuas entre setor público e fornecedores.
O estado bem belos exemplos de competência técnica. Esse texto tem um ar de "lobby do setor privado" para usar um termo da moda...

A solução é acelerar as PPPs, pois não há contra-indicações nessas parcerias, desde que o poder público realize bons contratos e prestigie as agências reguladoras. No momento, esse é o único caminho para que bons projetos de infra-estrutura existentes saiam do papel e para impedir que iniciativas auspiciosas, como o Rodoanel, se concretizem apenas quando já estão ultrapassadas.
Sem duvida, PPP's são um grande passo. Mas PPP's de verdade. O estado entrar com 75% do capital de uma obra e passar a administração para a iniciativa privada que entra com 25% é algo pornográfico.

Pior quando o estado constrói uma infraestrutura por completo e simplesmente passa para a iniciativa privada a administração. Presente para Troianos a longo prazo eu diria. O mesmo vale para as reformas de uma estrutura para posterior privatização/concessão.

A PPP da linha 4 é um soco na cara do contribuinte.

Obs: O colega falou sobre agências reguladoras. Ai temos alguns bons exemplos de como não fazer as coisas. Só ver a atuação da Anatel por exemplo.
 

·
UNICAMP
Joined
·
1,195 Posts
Discussion Starter · #3 ·
Se nós não conseguimos nos sustentar que deixemos oficialmente esse país virar a casa da mãe Joana.

O estado bem belos exemplos de competência técnica. Esse texto tem um ar de "lobby do setor privado" para usar um termo da moda...



Sem duvida, PPP's são um grande passo. Mas PPP's de verdade. O estado entrar com 75% do capital de uma obra e passar a administração para a iniciativa privada que entra com 25% é algo pornográfico.

Pior quando o estado constrói uma infraestrutura por completo e simplesmente passa para a iniciativa privada a administração. Presente para Troianos a longo prazo eu diria. O mesmo vale para as reformas de uma estrutura para posterior privatização/concessão.

A PPP da linha 4 é um soco na cara do contribuinte.

Obs: O colega falou sobre agências reguladoras. Ai temos alguns bons exemplos de como não fazer as coisas. Só ver a atuação da Anatel por exemplo.
concordo totalmente com você! postei dois post com visões bem diferentes...queria ver a reação dos foristas...
dá uma olha neste outro que eu postei:
http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=490896

realmente a visão dele é dele é bem ortodoxa, neoliberal mesmo...enfim não concordo com a opinião dele. ë muito inocente(ou esperto) da parte dele achar que "o mercado" vai resolver todos nossos problemas de infra-estrutura....é uma questão de interesse. A iniciativa privada tem como objetivo a maximização do lucro, interesse particular. Já o governo é o interesse público, o bem da coletividade. É claro que tem outras questões também...depois comento mais...
 

·
Ubique patria memor
Joined
·
1,086 Posts
Bela analise, Heilig! Concordo inteiramente com você!! [x2]
 
1 - 4 of 4 Posts
Top