SkyscraperCity Forum banner
1 - 20 of 198 Posts

· Registered
Joined
·
2,713 Posts
Discussion Starter · #1 · (Edited)
Dedicado ao meu amigo, forista, Soteropolis1, sem o qual jamais este trabalho teria sido realizado. Obrigado!

Recomendo ajustar o zoom do navegador para melhor visualização.




A antiga igreja da Sé, primeira Catedral do Brasil, demolida em 1933, teve a sua construção iniciada já em 1551, no topo mais alto da cidade antiga, à beira da encosta, com fachada voltada para o mar. Alguns anos depois, no mesmo local, uma nova e maior construção, em pedra e cal, substituiu a primitiva, em taipa. A invasão holandesa, de 1624, a encontrou com uma só torre, uma única porta, retangular, frontão triangular e sem janelas, apenas um óculo no alto, no típico estilo maneirista, “chão”, português. Esta, assim como todas as demais igrejas da cidade, foi saqueada pelos invasores, que a transformaram num local de culto protestante, sem imagens nem ornamentos. Pela sua posição estratégica, também a utilizaram como local de defesa. Os espanhóis e portugueses, ao retomarem a cidade, em 1625, bombardearam fortemente o local, para desalojar os holandeses, destruindo-a parcialmente. A falta de recursos, após a custosa guerra de reconquista, e a preocupação principal em reforçar as defesas da cidade adiaram a sua reconstrução.

Somente ao final do século XVII a reconstrução, em dimensões bem maiores, em estilo barroco, muito mais imponente que a anterior, foi concluída. Um padre português que aqui esteve em 1709, para participar de um encontro de bispos (sínodo) do Brasil, descreve o templo, talvez com um certo exagero, como “o mais grandioso das Américas”. Tinha então dois andares, duas torres sineiras, frontispício em pedra trabalhada, e frontão, também em pedra, com as típicas volutas barrocas. O seu interior abrigava doze capelas laterais e altar mor, em talhas douradas, barrocas, e forro da nave em abóbada de madeira, pintada em perspectiva ilusionista, de autoria de um dos maiores mestres nesta arte, no mundo, o italiano Baciccio, autor de várias outras obras, do tipo, em Roma. Em ~ 1750 esta Sé, com relógio externo e órgão, doados pelo rei de Portugal, estava em sua plenitude.

A partir dessa época começam uma série de eventos que vão resultar na sua progressiva descaracterização, culminando com a sua demolição, já no século XX. No inverno de 1755, após chuvas torrenciais, parte da encosta a sua frente desmorona, provocando rachaduras na fachada e torres. Dois anos após, a torre direita, do relógio, muito danificada, é demolida até a cimalha (cornija do telhado). Inicia-se assim a sua degradação. Em 1765 estando a, também magnífica, igreja dos jesuítas desocupada, pela expulsão da ordem no Brasil, a sede do arcebispado é transferida para lá, perdendo a Sé a função de Catedral. Desde então a sua manutenção fica a cargo de uma irmandade de poucos recursos. Novos e sucessivos deslizamentos de terra, a sua frente, causam ainda mais danos à igreja. Em 1785 acreditando-se, erroneamente, que o peso da fachada era o que causava os corrimentos de terra, mesmo após ter sido construída uma muralha de contenção na sua base, até hoje existente, decide-se demolir toda a parte superior da fachada, incluindo o frontispício e frontão em pedra e mais a torre esquerda, até então intacta, e o resto que sobrara da torre direita. Por falta de dinheiro e de interesse nunca mais a fachada original seria reconstruída.

Uma nova fachada, muito pobre, foi construída em substituição àquela demolida, e as bases, remanescentes da demolição das torres, foram cobertas por telhadinhos, dando a igreja um aspecto externo bizarro, tosco e deselegante, que persistiu até a demolição final da igreja. Só sobraram da fachada original a parte inferior do frontispício, no entorno das portas frontais. As laterais, o fundo e o interior da igreja mantiveram-se, entretanto, intactos, inclusive as molduras em pedra trabalhada das portas laterais, consideradas por vários especialistas como um dos mais importantes trabalhos em pedra lavrada do Brasil colonial, alem do passadiço coberto que ligava a igreja diretamente ao interior do Palácio Arquiepiscopal, vizinho a ela. Ao final do século XIX a irmandade do Santíssimo Sacramento, então proprietária da igreja, resolve fazer desastrosas remodelações no seu interior, substituindo as talhas barrocas, originais, da maioria dos altares, por outras mais “modernas”, neoclássicas, eliminando duas das capelas laterais e revestindo ainda as arcadas internas, em pedra, com argamassa pintada. O forro, uma das maiores obras artísticas do Brasil colonial, foi também totalmente repintado em azul, se acrescentando a ele um pequeno medalhão decorativo, de mau gosto, no centro.

Ao final do século XIX e início do século XX se inicia no Brasil a reurbanização demolidora, que destruiu todo o centro colonial de São Paulo e de parte do Rio de Janeiro e da maioria das cidades antigas do país. Em Salvador o processo se inicia em 1912, com a abertura da Avenida 7 de Setembro, resultando na demolição de varias igrejas e quarteirões inteiros de antigos casarões. A igreja da Sé, então praticamente abandonada, quase arruinada, resistiu a essa primeira leva de demolição.

Em 1933, um arcebispo e um governador, recém-empossados, pressionados e, dizem, comprados por uma companhia de bondes (a Circular), de capital inglês, em meio a grande polêmica, autorizam a sua total demolição, se declarando progressistas, alegando que a igreja não tinha valor artístico e histórico algum e que os bondes e o “progresso” precisavam de espaço para ali passar. Do vazio resultante da demolição da igreja e de alguns quarteirões de sobrados, próximos à ela, surge a atual Praça da Sé. O arcebispo ganhou de “presente” da companhia de bondes “Circular” uma confortável e espaçosa casa, cercada de amplo terreno, na Praça do Campo Grande, casa essa que ainda hoje existe (área social do edifício “Morada dos Cardeais”).

A demolição da igreja se deu de forma rápida e selvagem, sem a mínima preocupação em preservar quase nada, feita a base de picaretas e marretadas. Toda a cantaria em pedra, lisa e trabalhada, externa e interna, incluindo mármores raros do piso, e lápides centenárias de sepultamentos, foi destruída. Estes materiais, além de todo o madeirame, portas em madeira nobre, trabalhada, janelas, e demais restos da demolição foram jogados numa chácara (Quinta das Beatas), então pertencente à igreja. A área foi, anos depois, invadida por sem tetos, que usaram estes materiais nas construções de suas casas, dando origem ao atual bairro/favela de Cosme de Farias.

Da Igreja da Sé só restam hoje os alicerces, escavados há poucos anos atrás, algumas imagens de santos e objetos sacros que foram distribuídos por outras igrejas e, em parte, reunidos no Museu de Arte Sacra da Bahia, junto com a mesa do altar, toda em prata, e fragmentos de alguns altares.

É essa igreja, desaparecida, que é aqui apresentada na sua feição dos meados do século XVIII, época de seu máximo esplendor, antes das mutilações que sofreu nos períodos posteriores. Esta reconstituição, inédita, só foi possível após exaustivas pesquisas bibliográficas, medições no local e o uso das técnicas mais avançadas de computação gráfica. Esperemos que esta reconstituição contribua para a conscientização da preservação de nosso patrimônio histórico, tão rico e tão dilapidado.

Texto do forista Soteropolis1​


A seguir algumas imagens que serviram de embasamento para este trabalho:

Fachada descaracterizada - Tela de Henrique Passos. Museu da Cidade. Salvador-BA.


Telas do álbum de Diogenes Rebouças e de Godofredo Filho, "Salvador da Bahia de Todos os Santos no século XIX, editado pela Odebrecht. Feições da Catedral pouco antes de sua demolição completa:










Frontispício de Benjamim R. Mullock, de 1860:


Ilustração da p. 312 do livro de José Antônio Caldas: "Noticia Geral de toda esta Capitania", publicado em Lisboa em 1758. A melhor representação da Catedral intacta:







E AGORA!!!






Eis as imagens da Catedral da Sé Primacial do Brasil no seu auge em meados do século XVIII - A jóia perdida:​




Perspectiva da Catedral da Sé


Frontispício de Salvador na região da Ladeira da Misericórdia


Fachada da Catedral da Sé vista do seu adro


Lateral da Catedral da Sé vista da Rua da Misericórdia


Fundos da Catedral da Sé com porta da Capela Rasa


Fachada da Catedral da Sé vista de suas escadarias


Imagem aérea da Catedral da Sé com vista para a Baía de Todos os Santos


Espero que gostem e comentem!
 

· Registered
Joined
·
5,935 Posts
Finalmente a criança nasceu. Meus parabéns! Está fantástico. Vc se superou.

Me sinto orgulhoso de ter colaborado neste magnífico trabalho de trazer de volta esta Sé demolida. Um resgate do passado! Parabéns. Ficou melhor que o esperado.

:applause::applause::applause:
 

· Registered
Joined
·
2,106 Posts
O teaser não era propaganda enganosa.

Indubitavelmente um belíssimo trabalho.

Um crime sem reparação essa Catedral ter sido demolida.
 

· Dura lex sed lex
Joined
·
1,246 Posts
Parabéns por esse trabalho primoroso! Eu não tinha noção que a antiga Sé era tão bonita!

Eu gosto de fazer alguns trabalhos utilizando o google sketch up como base. Você pode me informar quais programas você utilizou?
 

· Marcelo Lisa
Joined
·
6,351 Posts
:applause::applause::applause::

Parabéns por este magnífico trabalho!! É de doer o coração saber que foi destruída . Adorei a reconstituição de como ela seria integrada na paisagem. Seu trabalho merece ser descoberto por grandes jornais daí e publicados.
Abraço e continue cultivando seu talento! :)
 

· .
Joined
·
192,999 Posts
:applause::applause:
Trabalho fantástico, sou fã de suas recriações. Fico revoltado com os crimes que já foram praticados à nossa cidade pelos préssimos governantes que possuímos. O consolo é que pelo menos boa parte do nosso patrimônio histórico ficou de pé e o desafio é a conservação e restauração do que sobrou.

Um pergunta: seria possível uma reconstrução do templo? Se fosse possível, voces concordariam?
 

· Na Suíça Sertaneja
Joined
·
25,761 Posts

· Marcelo Lisa
Joined
·
6,351 Posts
Sei que muita gente , neste fórum, deve ter vontade de me apedrejar quando emito opiniões a favor de reconstruções de patrimônios destruídos pela ignorância de gente sem visão ( e que , para mim, cometeram crimes contra toda a nação deixando estes patrimônio ruir. No caso desta catedral , se fosse no tempo da inquisição , era capaz de alguém desenterrar os ossos de quem permitiu isto e tacavam fogo neles. ) mas é revoltante ver esta reconstituição e pensar que a igreja foi amputada da paisagem com a qual ela tanto formava um belo conjunto em vários ângulos ( algo bem típico de cidades coloniais brasileiras). Enfim, se não podemos, nos dias atuais, desejar reparar erros como estes porque seria fake... então vamos simplesmente lamentar e continuar a ver fotografias do que foi e pelo jeito jamais ( diga-se nos nossos tempos... porque no futuro creio que a mentalidade vai mudar em relação a isto entre os arquitetos) será como foi.
 

· R.I.P. Niki
Joined
·
20,662 Posts
Belíssimo trabalho! Não só a Catedral, mas todo o conjunto de construções. Parabéns!!! :applause: :applause: :applause:
 
1 - 20 of 198 Posts
This is an older thread, you may not receive a response, and could be reviving an old thread. Please consider creating a new thread.
Top