SkyscraperCity banner
1 - 1 of 1 Posts

·
...
Joined
·
44,068 Posts
Discussion Starter · #1 ·
O setor industrial no Pará espera um crescimento de cerca de 10% no próximo ano, o que terá que ser acompanhado pelo fornecimento de energia elétrica. A projeção é da Federação das Indústrias do Pará (Fiepa) e foi apresentada durante o 2º Encontro Anual de Perspectivas de Mercado de Energia Elétrica do Estado do Pará, realizado pela Rede Celpa como parte do planejamento da empresa para a distribuição de energia para o Estado, onde estiveram reunidos, entre outros, representantes da Secretaria de Estado de Planejamento, Orçamento e Finanças, Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e diversas entidades do setor produtivo.

Segundo José Maria Mendonça, diretor da Fiepa e presidente do Centro das Indústrias do Pará, as perspectivas de crescimento só dependem da criação de um cenário positivo pelo governo do Estado. 'Se conseguirmos romper com os gargalos ambientais, tornando a liberação das licenças mais rápida, e se for realmente efetivada a política de incentivos fiscais para as áreas que o governo sabe que necessitam deles, teremos todas as condições para esse crescimento de 10%.'

A produção mineral é o grande impulsionador desse crescimento. 'A expectativa é que o crescimento do setor mineral fique um pouco acima da média dos outros tipos de indústria, especialmente com novos empreendimentos sinalizados pela Vale no Pará, com a siderúrgica e os projetos de exploração do níquel e do cobre.'

De acordo com a gerente de mercado corporativo do grupo Rede Energia, Míriam Gomes, a empresa deve fechar o seu planejamento para a distribuição de energia para o Pará até 30 de agosto, o que será encaminhado para a EPE. 'O governo do Estado já apontou um crescimento de 25% da economia formal. A partir do que ouvirmos aqui, vamos trabalhar na construção de três cenários, um realista, outro pessimista e outro otimista, para realizar a quantificação de megawatts/hora necessários para suprir o Estado e definir nossas metas', explica.

O superintendente comercial da Celpa, Moisés Carlos Tozze, não arriscou uma estimativa desse índice de expansão, mas lembrou que a média de crescimento do consumo do setor industrial nos últimos anos tem ficado entre 7% e 9% - entre 2006 e 2007, o crescimento foi de 9,9% - e disse que não há risco da empresa não conseguir cumprir a demanda de energia. 'Não podemos fazer uma previsão sem antes ouvir as perspectivas do setor produtivo e saber qual o tamanho do crescimento desse mercado. Mas não existe risco de não conseguirmos fornecer energia', finaliza.

Fonte: Portal ORM
 
1 - 1 of 1 Posts
Top