SkyscraperCity banner
1 - 11 of 11 Posts

·
the mitty
Joined
·
11,023 Posts
Discussion Starter · #1 ·


Normas de calibragem europeias para 36 produtos hortofrutícolas são revogadas a partir do dia 1 de Julho. Frutas e legumes já não serão (tão) 'discriminadas' em função da forma. Portugal mantém algumas das regras.
Daniel do Rosário
22:34 Sexta-feira, 26 de Jun de 2009

É o fim de um paradoxo europeu. Um de muitos, porventura um dos mais emblemáticos.

Tão ciosa da defesa do direito à diferença ("unida na diversidade" continua a ser o lema do projecto europeu), durante anos a fio a União Europeia (UE) impediu por decreto que esta diversidade do reino vegetal chegasse às prateleiras dos mercados e mercearias. Mas a partir da próxima quarta-feira esses dias poderão pertencer ao passado. Ou, pelo menos, não se poderá acusar Bruxelas se tal continuar a acontecer.

A partir de 1 de Julho são revogadas as normas europeias que harmonizavam a calibragem das 36 frutas e legumes mais consumidos no continente, que estabeleciam, de Portugal à Lituânia, características idênticas para o diâmetro das melancias, a cor do tomate, a forma das maçãs ou a rectidão dos pepinos.

"Não fazia sentido continuar a deitar fora comida só porque tinha uma forma esquisita", explica ao Expresso Michael Mann, o porta-voz da comissária europeia responsável pela agricultura, a grande impulsionadora desta modificação. Porque era esse o destino da produção que não encaixava nas rígidas definições comunitárias: a transformação, nomeadamente para sumos, ficar a apodrecer nas árvores ou o lixo, num desperdício que ninguém consegue (ou quer) quantificar.

Doravante, estas normas são completamente revogadas em relação a 26 produtos, os quais, no entanto, têm que cumprir as "normas básicas", como explica Michael Mann: não podem estar podres, têm que estar limpos, saudáveis e seguros para o consumidor.

Estas normas acabaram por se tornar num símbolo do que muitos qualificam pejorativamente como a "fúria normalizadora" de Bruxelas, supostamente empenhada em acabar com as idiossincrasias nacionais para promover o "homem novo" europeu. Ou, neste caso, o "legume novo". E serviram para alimentar vários mitos urbanos anti-europeus, nomeadamente em países como o Reino Unido, onde os tablóides eurocépticos fizeram manchetes segundo as quais o longo braço de Bruxelas iria também impor regras comuns sobre o diâmetro das pizzas ou abolir o sistema métrico britânico.

A verdade, porém, é que nem tudo eram "mitos" e os pepinos tinham mesmo que ter uma determinada forma e tamanho. Mas mais do que da imaginação de eurocratas diabólicos, estas imposições surgiram como resposta a pedidos da indústria agro-alimentar como forma de combater a entrada da concorrência no seu território, funcionando em muitos casos como verdadeiras medidas proteccionistas.

Não foi por acaso que a proposta da comissária da agricultura, aprovada no passado mês de Dezembro, contou com o apoio de nove e a oposição de 16 países. Portugal foi um dos dois que se absteve.E se não fosse o ambiente de preocupação que reinava há alguns meses em torno da crise alimentar e do aumento dos produtos agrícolas, provavelmente as ditas normas permaneceriam de pedra e cal.

O ministro da agricultura português não esconde alguma irritação com esta "mudança radical": "parece que de repente descobrimos que a normalização é um privilégio de ricos, que há fome no mundo e que, além das facilidades de transporte e armazenamento, não traz qualidades adicionais aos produtos".

Jaime Silva disse ao Expresso estar "de acordo com o princípio", mas defende que o mesmo devia ter sido introduzido "de forma gradual". Por isso, e por terem sido gastos "milhões de euros a incentivar e a apoiar os agricultores a fazer a calibragem", explica que Portugal só não votou contra a proposta por a mesma prever a manutenção das normas em relação a 10 produtos. Que o ministro garante que continuarão a ser aplicadas no país.

Os 26 produtos que passam a ser completamente "livres" correspondem apenas a 25% do volume de negócios do mercado de hortofrutícolas. Os restantes 75% cabem aos 10 produtos em relação aos quais os Estados-Membros vão continuar a poder impor exigências relativamente ao seu aspecto, embora admitam a entrada no mercado de produtos "deformados", fora das categorias "extra", "I" e "II" e desde que devidamente rotulados como tal. Além disso, o facto de deixar de existir um standard europeu não impede que a própria indústria ou os retalhistas imponham os seus.

O que pode fazer com que, na prática, o alcance desta medida vá pouco além do seu simbolismo. Conforme o secretário-geral da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) explicou ao Expresso, os principais compradores da produção hortofrutícola europeia "são as grandes superfícies", que vão continuar a querer produtos calibrados, pois a normalização "permite encomendar e comprar sem ver o produto". O que vai limitar os apregoados benefícios para os consumidores. Para Luís Mira esta medida é "cosmética", embora admita que ela tenha impacto "ao nível dos mercados locais", onde a compra e venda de produtos "deformados" sempre existiu e poderá agora prosseguir "sem medo da ASAE".


Produtos em relação aos quais são abolidas as regras de calibragem europeias:

* Abacates
* Aboborinhas (courgettes)
* Aipo de folhas
* Alcachofras
* Alhos
* Alhos franceses
* Ameixas
* Avelãs com casca
* Beringelas
* Cebolas
* Cenouras
* Cerejas
* Chicórias whitloof.
* Cogumelos de cultura
* Couves-de-bruxelas
* Couves-flores
* Couves-repolhos
* Damascos
* Ervilhas
* Espargos
* Espinafres
* Feijões
* Melões
* Melancias
* Nozes comuns com casca
* Pepinos

Produtos em relação aos quais as normas se mantêm, mas que podem ser comercializados fora delas, desde que devidamente rotulados:

* Alfaces
* Citrinos
* Kiwis
* Maçãs
* Morangos
* Peras
* Pêssegos e nectarinas
* Pimentos doces
* Tomates
* Uvas de mesa
 

·
Uma dúzia de anos disto..
Joined
·
30,728 Posts
Nunca tive grande problemas com isso e estou certo que daqui para a frente tudo continuará igual... mas sim, devia haver por aí muita gente diminuida por essa regra!:hahano:
 

·
'tou na lua...
Joined
·
41,754 Posts
Realmente... dou o exemplo daqueles morangos enormes que pouco ou nenhum sabor têm... antes de serem modificados, e sem químicos, é que eram bons... agora nem as cebolas cheiram ao longe, é preciso esfregar o nariz numa...
Agricultura biológica é que deveria ser mais apoiada... cada vez mais tem produtores... e tem mais vantagens...
 

·
'tou na lua...
Joined
·
41,754 Posts
Yaps, antes era mais feiosa e menos perfeita de aspecto mas era mais saborosa... as maçãs eram bem mais doces e com as laranjas, agora ou escolhemos muito bem ou então compramos laranjas sem sumo nenhum. A Algarvia é mais pequenina mas muito mais docinha :)
 

·
Registered
Joined
·
11,873 Posts
excelente notícia :applause:
 

·
Registered
Joined
·
52,552 Posts
pareces o Cassete Carvalhas :sly: pois de algumas das regras convém não abrir mão de resto era um desperdicio tanta fruta deitada fora.
 

·
Hugs are always free
Joined
·
4,910 Posts
a fruta com maior dimensão é geralmente menos saborosa.
Geralmente. Mas há excepções...

Terão de ler o meu livro autobiográfico sobre "big *****"
 

·
Uma dúzia de anos disto..
Joined
·
30,728 Posts
Geralmente. Mas há excepções...

Terão de ler o meu livro autobiográfico sobre "big *****"
Refutas então, no teu livro autobiográfico que a fruta grande é menos saborosa? Escreveste-0 por conhecimento de causa ou foi o teu editor que o escreveu por ti?:D
 
1 - 11 of 11 Posts
Top