Skyscraper City Forum banner
1 - 20 of 478 Posts

·
carioca
Joined
·
7,557 Posts
Discussion Starter · #1 · (Edited)
THEATRO MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO 1909-2011​
102 ANOS DE GLÓRIAS

____​








"O berço do Ser Erudito Brasileiro, materializado em mármores, vitrais e folhas de ouro."​











É com grande satisfação que em nome de todos os amantes da arquitetura faço esse thread para dar início (pelo menos aqui no SSC) a grande festa do centenário do Theatro Municial do Rio de Janeiro.


A história dessa construção está ligada diretamente com a própria história brasileira, visto que foi construído não somente para os Cariocas, e sim para mostrar ao mundo a modernidade e sofisticação da então capital do Brasil, ou Belacap, como era conhecida.
O Theatro foi a finalização da maior reforma urbana vista na história Rio de Janeiro até o momento, organizada pelo prefeito Francisco Perreira Passos. Ele foi construído no coração do então reformadíssimo centro da Cidade, na famosa praça Cinelândia, ao lado de grandes construções como o Museu Nacional de Belas Artes e a Biblioteca Nacional.


O país nunca tinha visto nada comparado ao Theatro Municial antes. Dizem as más linguas que ele custou o equivalente a 3% da arrecadação da União no ano em que foi finalizado. O Municipal (como é chamado pelos Cariocas) é considerado o maior exemplo da arquitura eclética no Brasil.
Não existe em nenhuma outra construção uma escala de luxo parecida com a dele. Toneladas de carpete, mármores e vitrais de varias partes do mundo, afrescos, obras de arte e mais centenas de outros ornamentos que simplismente sintetizam o que houve de melhor na época, transformando cada m² em objeto de admiração.

Para comemorar o centenário dessa grande peça da nossa história, grandes nomes como BNDES, Eletrobrás, Petrobrás e a TV Globo patriocinaram a maior reforma da sua existência. Ornamentos da fachada estão sendo folheados a ouro. Todo o sistema hidráulico e elétrico está sendo modernizado. Cerca de 300 pessoas estão trabalhando na reforma orçada em 62 milhões de reais.
Com seus 100 anos, o Theatro Municipal do Rio ficará na sua melhor forma!

____________________________​



APRESENTAÇÃO​


Um dos mais bonitos prédios do Rio de Janeiro, localizado na Praça Floriano, conhecida como Cinelândia, no centro da cidade, o Theatro Municipal é a principal casa de espetáculos do Brasil e uma das mais importantes da América do Sul. Desde a sua inauguração, em 14 de julho de 1909, o Theatro tem recebido os maiores artistas internacionais, assim como os principais nomes brasileiros, da dança, música e da ópera.


O Theatro em obras

Inicialmente, o Theatro foi apenas uma casa de espetáculos, que recebia principalmente companhias estrangeiras, na maioria trazidas da Itália e da França. A partir da década de 30, o Municipal passou a ter seus próprios corpos artísticos: orquestra, coro e ballet (para a história de cada um deles veja Diretoria Artística). Os três continuam em plena atividade e realizam várias produções próprias a cada ano. Hoje, o Theatro Municipal do Rio de Janeiro é a única instituição cultural brasileira a manter simultaneamente um coro, uma orquestra sinfônica e uma companhia de ballet.


ASPECTO EXTERNO​



Na fachada se destacam: a escadaria de acesso, a visão dos dois andares e as três cúpulas da cobertura. O sentido de verticalidade desta fachada é dado pelas grandes colunas no corpo central e nas colunas menores das rotundas laterais. O equilíbrio das linhas é clássico, mas a profusão da decoração nos remete ao barroco.

Na calçada, antes e nas laterais da escadaria, duas colunas de granito, sustentam lampadários, ornamentos de bronze e o emblema do município.

Na parte inferior da fachada e das laterais, as escadarias são de granito da Candelária, bem como os pedestais das colunatas e as guarnições das portas de acesso do público.


A coloração do granito faz destacar os bronzes, as seis colunas centrais de mármore italiano e as de mármore belga das rotundas laterais.

As três portas principais são de madeira, protegidas por portões de bronze. São em arco pleno, assim como as janelas das rotundas.

As quatorze colunas principais são em mármore de Carrara, estilo corintio. O emblema do município aparece nos capitéis . Sobre as seis colunas centrais da fachada, uma pequena cornija e um friso decorativo tem, ao centro, a inscrição “Theatro Municipal”.


Acima desta, em um pequeno frontão,há a inscrição “MCMV – MCMIX”, ladeado pelas esculturas de Rodolpho Bernardelli: a Poesia e a Música na fachada central; a Dança e o Canto na Avenida Rio Branco e a Tragédia e a Comédia na Avenida Treze de Maio.

No andar superior do corpo central, das rotundas e nas escadarias laterais, existem janelões com vitrais retangulares, sendo que os três centrais e os dois das escadas laterais, ostentam preciosos vitrais alemães, com as figuras das musas protetoras das artes. Nomes de mestres da musica e da dramaturgia estão gravados sobre os janelões das rotundas: Wagner, Carlos Gomes e Verdi; Goethe, Martins Pena e Molière.


Sobre as rotundas existem duas cúpulas, revestidas de cobre. Sobre o corpo central há três diferentes abóbadas. A primeira cobre o salão do foyer, a segunda o saguão da escada principal e a terceira é a grande cúpula, em forma da sala de espetáculos.
Todas elas em cobre. Há, ainda, uma quarta cobertura sobre o palco e uma quinta sobre a área dos fundos do teatro. Sobre as três primeiras cúpulas existem, em seu topo, esferas de vidro leitoso, iluminadas de seu interior. A esfera central, que tem um diâmetro de 1,80 metros, sustenta uma águia de cobre dourado, que tem 2,80 metros de comprimento e 6 metros de envergadura em suas asas.


Nas fachadas laterais figuras de atlantes, em bronze, como se fossem cariátides, representam as estações do ano e há uma profusão de elementos decorativos ao gosto da art-noveau. Chamam a atenção, em cada lado, as loggie dotadas de balaustradas, com seis colunas de mármore cada; sobre elas, janelas em arco garantem a iluminação do bar da galeria e do Centro de Documentação. Máscaras cômicas e do deus Pã indicam a fonte clássica da maioria dos elementos decorativos usados no teatro.



ASPECTO INTERNO​


Nada mais simples do que a distribuição interna do Municipal. No corpo principal estão colocados o vestíbulo de entrada, o foyer e as escadas.


Do vestíbulo, pelas laterais, se passa diretamente à platéia e às frisas, e dele partem as duas escadas laterais que, com os elevadores à esquerda, levam aos andares superiores. Em sua entrada encontram-se duas estátuas de bronze do escultor francês de Raoul Verlet que representam, a da esquerda “A Dança”, e a da direita “A Poesia”. As duas rotundas laterais servem de descanso para o público. Toda a suntuosa decoração do vestíbulo é feita de mármores das mais variadas procedências, ônix, espelhos e bronzes dourados.

No lado oposto ao ingresso da platéia estão cinco bustos, de Carlos Gomes, João Caetano, Arthur Azevedo, Francisco Pereira Passos e Francisco de Souza Aguiar e dos corredores das frisas partem duas escadas que levam não só aos três andares superiores, bem como ao restaurante Assyrio, no andar inferior.


A escada principal dá acesso para o pavimento nobre onde se encontram o foyer, os camarotes, as poltronas do balcão nobre e as duas loggie laterais do teatro. Esta famosa escada, que quebra após o primeiro lance, abrindo-se em dois lances para os lados, é toda feita em dois tipos de ônix, bronzes dourados e cristais. Para ela se abrem as balaustradas dos pavimentos superiores sendo que as do primeiro são do mesmo material da escada,enquanto que as dos demais pavimentos são em ferro fundido e mármore. Em seu topo uma estátua de mármore de Jean Antoine Injalbert representando “A Verdade”.


Dela se passa ao foyer, todo decorado no estilo Luiz XVI, onde duas obras de arte chamam a atenção: os três preciosos vitrais que Fuerstein e Fugel criaram em Stutgart e a abóbada pintada por Eliseu Visconti de 1913 a 1916. Nas duas rotundas há que admirar os tetos, de autoria de Henrique Bernardelli, de 1908, e os painéis, com cenas de danças de diversos países, pintados em 1916 por Rodolpho Amoedo.



Nesta andar se abrem as duas belas loggies com magníficos tetos em cerâmica, pisos de mosaico veneziano e seus balcões de mármore debruçados sobre a rua. Na loja da Avenida Rio Branco um painel de cerâmica representa “A Dança Moderna”, feito em Paris. Seu equivalente, do lado da Avenida Treze de Maio, que representava “A Dança Antiga” perdeu-se após uma das reformas que o teatro sofreu. Para estas loggie abrem-se os cinco balcões existentes nos corredores do balcão simples.




A SALA DE ESPETÁCULOS​

O espectador colocando-se na direção da entrada da Sala verá, alem das 500 poltronas, da platéia – todas em madeira e couro – a cabine de luz e som e, a sua volta,as 24 frisas. Acima dela o balcão nobre com 400 poltronas e 12 camarotes. No andar superior estão os 500 lugares de balcão simples e acima destes as 723 cadeiras da galeria.


Voltando-se em direção do palco verá os dois grandes camarotes aos lados do friso da boca de cena, desenho de Elyseu Visconti, sendo o da esquerda do Governador do Estado e o da direita do Prefeito da cidade do Rio de Janeiro . Abaixo deles está o fosso da orquestra, situado em plano inferior ao da platéia, com seu piso assentado sobre um elevador hidráulico, que se movimenta verticalmente de acordo com as necessidades dos espetáculos. Em cima do friso do proscênio estão “A Poesia e o Amor afastando a Virtude do Vício” de Elyseu Visconti, flutuando contra um azulado fundo da Serra dos Órgãos.


Olhando para cima verá uma das maravilhas do teatro, o grande lustre central, todo em bronze dourado e com suas 118 lâmpadas com mangas e pingentes de cristal, circundado pela dança de “As Oreadas”, uma das obras-primas de Visconti.



HISTÓRIA​

A atividade teatral era, na segunda metade do século XIX, muito intensa no Rio de Janeiro. Mas a então capital do Brasil não tinha um teatro que correspondesse plenamente a essa atividade e estivesse à altura da principal cidade do país. Seus dois maiores, o São Pedro e o Lírico, eram criticados pelas suas instalações, seja pelo público, seja pelas companhias que neles atuavam.


Abertura da Av. Central, atual Av. Rio Branco

Em 1894, o autor teatral Arthur Azevedo lançou uma campanha para que um teatro fosse construído para ser sede de uma companhia municipal, a ser criada nos moldes da Comédie Française. Mas a campanha resultou apenas em uma Lei Municipal, que determinou a construção do Theatro Municipal. A lei, no entanto, não foi cumprida, apesar da existência de uma taxa para financiar a obra. A arrecadação desse novo imposto nunca foi utilizada para a construção do Theatro.


O Theatro em 1909

Somente em 1903, o prefeito Pereira Passos, nomeado pelo presidente Rodrigues Alves, retomou a idéia e, a 15 de outubro de 1903, lançou um edital com um concurso para a apresentação de projetos para a construção do Theatro Municipal.


A Praça Cinelândia, antes de ser arrasada pelas obras do metrô

Encerrado o prazo do concurso, em março de 1904, foram recebidos sete projetos. Os dois primeiros colocados ficaram empatados: o “Áquila”, pseudônimo do engenheiro Francisco de Oliveira Passos, e o “Isadora”, pseudônimo do arquiteto francês Albert Guilbert, vice-presidente da Associação dos Arquitetos Franceses.


Proposta de Victor Dubugras para o concurso do Theatro Municipal

O resultado deste concurso foi motivo para uma longa polêmica na Câmara Municipal, acompanhada pelos principais jornais da época, em torno da verdadeira autoria do projeto “Áquila” - que se dizia feito pela seção de arquitetura da Prefeitura – e do suposto favoritismo de Oliveira Passos, pelo fato de ser filho do prefeito, entre outros argumentos.

Como decisão final resolveu-se pela fusão dos dois projetos pois, na verdade, os dois projetos ganhadores correspondiam a uma mesma tipologia.

O Projeto do arquiteto francês...

... e do brasileiro:

O projeto final ficou a junção dos dois!

Feitas as alterações no projeto, a 2 de janeiro de 1905, o prédio começou a ser erguido, com a colocação da primeira das 1.180 estacas de madeira de lei sobre as quais se assenta o edifício. Para decorar o edifício foram chamados os mais importantes pintores e escultores da época, como Eliseu Visconti, Rodolfo Amoedo e os irmãos Bernardelli. Também foram recrutados artesãos europeus para fazer vitrais e mosaicos.


Finalmente, quatro anos e meio mais tarde – um tempo recorde para a obra, que teve o revezamento de 280 operários em dois turnos de trabalho – no dia 14 de julho de 1909 foi inaugurado pelo presidente Nilo Peçanha o Theatro Municipal do Rio de Janeiro, que tinha capacidade para 1.739 espectadores. Serzedelo Correa era o prefeito da cidade.


O Municipal no dia de sua inauguração

Em 1934, com a constatação de que o teatro estava pequeno para o tamanho da população da cidade, que tinha crescido muito, a capacidade da sala foi aumentada para 2.205 lugares. A obra, apesar de sua complexidade, foi realizada em três meses, tempo recorde para a época. Posteriormente, com algumas modificações, chegou-se ao número atual de 2.361 lugares.


Em 1975, a 19 de outubro, o Theatro foi fechado para obras de restauração e modernização de suas instalações e reaberto em 15 de março de 1978. No mesmo ano foi criada a Central Técnica de Produção, responsável por toda a execução dos espetáculos da casa.


Chícara de café do restaurante Assyrio, no interior do Theatro. Luxo!

Em 1996, iniciou-se a construção do edifício Anexo. O objetivo foi desafogar o teatro dos ensaios para os espetáculos, que, com a atividade intensa da programação durante todo o ano, ficou pequeno para eles e, também, para abrigar condignamente os corpos artísticos.

Com a inauguração do prédio, o Coro, a Orquestra e o Ballet ganharam novas salas de ensaio e bastante espaço para suas práticas artísticas.

________________________________________​

fonte: www.theatromunicipal.rj.gov.br/

PS. Obrigado ao forista Paulolescaut pelas fotos dos projetos e pelo apoio psicológico.

Desculpem-me pela falta de fotos com boa qualidade, tentei pegar as melhores. Vamos fazer desse thread o oficial e qualquer colaboração será muito bem vinda, especialmente com fotos da reforma, que está deixando o Theatro com aparência COMPLETAMENTE DIFERENTE dessas fotos que eu postei.
 

·
Registered
Joined
·
981 Posts
FANTÁSTICO!! Mas já terminou a reforma?? Já tive o privilégio de entrar nele, é lindo demais mesmo.
 

·
carioca
Joined
·
7,557 Posts
Discussion Starter · #7 ·
Estava na Igreja de Santo Antônio que fica frente ao Largo da Carioca e quando resolvi tirar umas fotos,virei pra tirar uma de longe do Municipal...

Foi quando me deparei com uma ENORME estrutura que estava montando em frente ao Municipal,só que tava mto longe, não aguentei e fui lá.

Deve ser o local onde vai haver a festa da entrega do Municipal

1-Foto que me deixou mega curioso...


2-


3-


4-


5-


6-


7-To adorando os detalhes em ouro.


8-


9-


10-Olha o tamanho da estrutura


11-
:cheers:
 

·
Piu Forte, porra!
Joined
·
7,278 Posts
Esses detalhes em dourado nas cúpulas laterais... São de que material?
 

·
Piu Forte, porra!
Joined
·
7,278 Posts
Eu pensei, mas não acreditei.
As vezes poderia ser latão fundido. hauahauhaau
 

·
Moderator
Joined
·
5,534 Posts
Folhear a ouro é algo nobre, mas não chega a ser algo absurdamente caro como vocês estão imaginando... O ouro é muito dúctil, logo as folhas de ouro rendem um bocado, algumas gramas dá pra cobrir uns bons metros quadrados.

Ao menos eram o que nos ensinavam no São Bento. Mas talvez fosse só historinha pra acabar com as idéias estúpidas que surgiam nas nossas mentes afetadas juvenis, coisas do tipo "hm, porque ninguém descasca o ouro da igreja e rouba? :crazy:"
 

·
Registered
Joined
·
12,827 Posts
Parabéns, Aleochi! O thread ficou ótimo, e faz jus ao nosso Municipal! Vamos recheá-lo de informações à medida que as reformas forem ficando prontas.

Quanto ao ouro, 100 folhas de 16cm saem por volta de 50 reais, não é muito caro, mesmo. Mas não sei como é numa obra de restauração.
 

·
A volta do malandro
Joined
·
8,633 Posts
Thread fodarástico!!! Parabens, aleochi! O Municipal está majestoso... e o café é lindo... eu não conhecia.
 
1 - 20 of 478 Posts
Top