SkyscraperCity Forum banner

Turismo Internacional no Brasil, os 10 destinos mais procurados para lazer

5107 Views 40 Replies 25 Participants Last post by  mazomba
Levantamento do Ministério do Turismo de 2016 (o último feito). Um detalhe importante, a pesquisa é em referência apenas ao turismo internacional, ou seja, se refere apenas aos destinos mais procurados pelos gringos, não leva em conta o turismo nacional. E além de internacional, só considera o turismo por lazer, ou seja, ignora o turismo por negócios, eventos ou convenções. Mas enfim, já sabendo dessas demarcações (turismo internacional e lazer), segue a lista:

1º Rio de Janeiro - RJ
2º Florianópolis - SC
3º Foz do Iguaçu - PR
4º São Paulo - SP
5º Armação dos Búzios - RJ
6º Bombinhas - SC
7º Salvador - BA
8º Balneário Camboriú - SC
9º Angra dos Reis - RJ
10º Parati - RJ

Uma observação interessante é que apenas as três primeiras apresentam números relevantes, o resto não é lá muita coisa. Agora, quando se fala em turismo (internacional) por negócios, eventos, convenções, festivais, congressos... Aí a lista fica:

1º São Paulo - SP
2º Rio de Janeiro - RJ

(as outras cidades apresentam números irrelevantes frente a essas duas)

Enfim, é isso; Fonte: http://www.dadosefatos.turismo.gov.br/2016-02-04-11-54-03/demanda-turística-internacional.html
21 - 40 of 41 Posts
Acho que o gráfico está errado. Como pode a Venezuela caótica e sem papel higiênico, ter mais movimento econômico de turistas do que o Chile?
^^ O Caribe venezuelano é muito visitado e tem boa infra estrutura, certamente não falta papel higiênico.

Vide Isla Margarita e Los Roques.

Acredito que o isolamento geográfico do Chile ajude o país a não ser tão visitado.
Vc quer dizer os sul-matogrossenses, né? Pq em Campo Grande (a capital do estado), os habitantes "descem" em peso para o litoral de SC (principalmente Floripa e balneário Camboriú). Na verdade o movimento é grande o ano inteiro. Mas muito maior nesta época do ano.
O Brasil inteiro tomou conta, se vê argentinos, uruguaios e paraguaios mas hoje deve se ver mais mineiros ou mato-grossenses do que eles por exemplo.
  • Like
Reactions: LuisClaudio
Mesmo aqui na Bahia, vejo muito mais argentinos do que qualquer nacionalidade europeia e creio que tenha mais americanos tbm, entre as nacionalidade europeias só alemães que vejo em um número bem significativo
Mas isso é óbvio né? Tem muitos vôos de cidades argentinas com cidades brasileiras, países fronteiriços (boa parte vem de carro mesmo), boas praias sem ser longe, destino financeiramente acessível, além de que o argentino é tão despojado quanto o brasileiro, se enturma logo.
Parabéns principalmente pra SC/PR que sabem fazer dinheiro com os nossos vizinhos, e principalmente SC que sabe como reinvestir essa grana toda. O Brasil no geral poderia explorar muito mais o mercado de classe média da américa latina. Deveríamos ser falantes de espanhol tb, nossa terceira língua um dia rs.

Em um cenário de melhor infraestrutura (aeroportos, acomodações, segurança) e um aumento na renda nacional, nosso turismo interno seria incrível!
  • Like
Reactions: GuGomes
Turismo entre Brasil e Argentina é antigo.

Lembro que nos anos 80 via muitos carros com placa da Argentina na Região dos Lagos.

Búzios é cheia de Argentinos radicados lá, desde gente que empreendeu no ramo gastronômico até artesãos (no feriado de 12/10 um artesão argentino bateu no meu carro lá. O cara vive há mais de 30 anos em Búzios)


E esse turismo, apesar de constante nos dois sentidos, tem um fluxo que varia quantativamente em função do momento das economias. Qdo a economia argentina vai bem em relação à nossa, o sul do Brasil é invadido pela classe média argentina. Qdo o Brasil está em situação melhor, nossa classe média faz a festa em Buenos Aires.


Agora algo que o Brasil deveria fazer é trabalhar mais em vender nosso turismo aos nossos vizinhos. A impressão é que focamos nos mercados Europeus e Americano, com resultado aquem do esperado (em parte por incompetência e falta de articulação dos nossos orgãos das diversas esferas) e dá as costas para a América do Sul: Colômbia, Chile, Peru, Equador são exemplos de países aqui ao lado, com baixa conectividade com o Brasil (a maioria só tem voos para SP e alguma coisa para o Rio).

Lembro que na Copa de 2014 BH foi invadida por Colombianos. Nas entrevistas, a maioria demonstrou desconhecimento prévio da região (aquela visão de Brasil = Rio) e se disse surpreendida pela receptividade, culinária, atrativos e entorno de BH (ouro Preto, Serra do Cipó, etc).

Criar conectividade maior com esses países e vender destinos como SC, sul da Bahia, Natal, Fortaleza, Recife e região, etc deve ser algo que teria bons resultados.
Mas isso é óbvio né? Tem muitos vôos de cidades argentinas com cidades brasileiras, países fronteiriços (boa parte vem de carro mesmo), boas praias sem ser longe, destino financeiramente acessível, além de que o argentino é tão despojado quanto o brasileiro, se enturma logo.
Acho ridículo o NE não entrar no horário de verão. Aquela faixa de SE ao RN já fica uma hora atrasada o tempo todo. Os europeus que vem fugindo do inverno chegam aqui e se deparam com horário de inverno no verão.
Pelo menos no verão ficariam no horário certo.
Exatamente essa tese que eu defendo...
Enquanto o Uruguai envia, todo ano, 10% de toda sua população pra cá, e Argentina e Paraguai 5%, a Colômbia envia apenas 0,3%, de uma população igual a da Argentina. Se a Argentina envia 2 milhões por ano, a Colômbia apenas 118.000.

Não creio que a centralidade de nosso trabalho com turismo deva se dar apenas no sol e praia. Temos a capacidade não apenas de diversificar tremendamente o mercado de turismo de lazer como divulgá-lo decentemente para nuestros hermanos.

Temos um vazio imenso de atrativos em regiões próximas as fronteiras, dificuldades de transporte quase intransponíveis de se solucionar, e uma demanda reprimida imensa da América Espanhola por conta de altos preços de passagem, excessiva centralidade de voos em SP, falta de divulgação de qualquer coisa fora as praias.

Colômbia trabalha o turismo internacional atrelado ao café razoavelmente bem. Aqui no Brasil, mas os brasileiros sabem que existe esse tipo de possibilidade.

Brasil tem 3 parques aquáticos entre os maiores e melhores do mundo. Basicamente só recebem brasileiros.

Brasil tem a maior fonte de água termal do mundo, com uma quantidade de leitos, contando hoteis, airbnb, aparthotéis, aluguéis de temporada, de mais de 100.000 leitos.. basicamente só vão brasileiros

Brasil tem uma área ilimitada de floresta amazônica pra trabalhar ecoturismo. Basicamente só recebe ****** mt endinheirado que tem condições de bancar os caríssimos passeios e hotéis de selva.

Imensa parte da verba e mkt da EMBRATUR vai pra tentar trazer turista europeu e norte-americano, que já é bajulado pelo mundo inteiro.. Esquece completamente dos vizinhos, que são os responsáveis por ampla maioria dos estrangeiros que recebemos. E, ainda sim, a verba de mkt da EMBRATUR é minúscula, perdendo inclusive pra vizinhos nossos, como o Peru.

Muitos gostam de citar a África do Sul como exemplo de sucesso no turismo, por receber mais de 9 milhões de gringos, contra 6,5 milhões nosso... O detalhe que ninguém fala é que quase 7 milhões desses na verdade são de visitantes dos países vizinhos, como Moçambique, Botswana, Zimbábue e Namíbia. E, ainda, a maioria desses vão visitar amigos e parentes, aproveitando pra fazer um turismo de lazer...

Grande parte de praticamente qualquer dado de fluxo de turistas internacionais em qualquer país do mundo, vai mostrar que o grosso das visitas se faz pelos vizinhos, e não trazendo gente a 10.000 km de distância apenas...
Turismo entre Brasil e Argentina é antigo.

Lembro que nos anos 80 via muitos carros com placa da Argentina na Região dos Lagos.

Búzios é cheia de Argentinos radicados lá, desde gente que empreendeu no ramo gastronômico até artesãos (no feriado de 12/10 um artesão argentino bateu no meu carro lá. O cara vive há mais de 30 anos em Búzios)


E esse turismo, apesar de constante nos dois sentidos, tem um fluxo que varia quantativamente em função do momento das economias. Qdo a economia argentina vai bem em relação à nossa, o sul do Brasil é invadido pela classe média argentina. Qdo o Brasil está em situação melhor, nossa classe média faz a festa em Buenos Aires.


Agora algo que o Brasil deveria fazer é trabalhar mais em vender nosso turismo aos nossos vizinhos. A impressão é que focamos nos mercados Europeus e Americano, com resultado aquem do esperado (em parte por incompetência e falta de articulação dos nossos orgãos das diversas esferas) e dá as costas para a América do Sul: Colômbia, Chile, Peru, Equador são exemplos de países aqui ao lado, com baixa conectividade com o Brasil (a maioria só tem voos para SP e alguma coisa para o Rio).

Lembro que na Copa de 2014 BH foi invadida por Colombianos. Nas entrevistas, a maioria demonstrou desconhecimento prévio da região (aquela visão de Brasil = Rio) e se disse surpreendida pela receptividade, culinária, atrativos e entorno de BH (ouro Preto, Serra do Cipó, etc).

Criar conectividade maior com esses países e vender destinos como SC, sul da Bahia, Natal, Fortaleza, Recife e região, etc deve ser algo que teria bons resultados.
MT...

Para o MS, não precisa nem justificar mais.
Vc quer dizer os sul-matogrossenses, né? Pq em Campo Grande (a capital do estado), os habitantes "descem" em peso para o litoral de SC (principalmente Floripa e balneário Camboriú). Na verdade o movimento é grande o ano inteiro. Mas muito maior nesta época do ano.
No Ano Novo notei que aumentou bastante o número de argentinos no Rio em comparação ao ano passado. Me senti alguma vezes até em Buenos Aires quando andei pelo calçadão de Copacabana, tamanha a quantidades deles.

Acreditava até que destino preferido deles eram mais as cidades do Sul.
  • Like
Reactions: FromRio
LeoRFG, muito pertinentes as suas análises!
  • Like
Reactions: LeoRFG
Em 2016 visitei Foz do Iguaçu, e sinceramente, nunca vi tantos turistas (internacionais) na minha vida no Brasil. Nem quando visitei o Rio de Janeiro em ano de Copa do Mundo (2014) vi tantos gringos proporcionalmente. Na entrada das Cataratas do Iguaçu, vi ônibus e mais ônibus de excursão (?), cada um cheio de jovens das mais diferentes nacionalidades: Mexicanos, Alemães, Americanos...

Para visitar Itaipu, você entra em um ônibus que vai passando pelos locais da usina, e grande parte dos passageiros nesse passeio eram japoneses (sim, japoneses). Isso fora a quantidade de mochileiros gringos que eu vi pela cidade. Isso tudo desconsiderando argentinos e paraguaios (já que é um município de fronteira).

Levando em consideração que não é uma cidade litorânea, isso é bastante surpreendente. Fiquei impressionado, porque fui visitar Foz do Iguaçu achando que só tinha um turismo local fraco, acabei quebrando a cara.
Sim! Tem muito japonês em foz e na Amazônia, acho que eles curtem esses destinos menos urbanos... mas parece que em Foz a Argentina arrecada mais do lado do parque deles do que a gente arrecada com o nosso :/

Eu inclusive pude constatar que eles são mais preparados, o parque mais bem equipado, o único problema é que a cidade base do parque está abandonada e não tem estrutura, já foz é enorme!
Em 2016 visitei Foz do Iguaçu, e sinceramente, nunca vi tantos turistas (internacionais) na minha vida no Brasil. Nem quando visitei o Rio de Janeiro em ano de Copa do Mundo (2014) vi tantos gringos proporcionalmente. Na entrada das Cataratas do Iguaçu, vi ônibus e mais ônibus de excursão (?), cada um cheio de jovens das mais diferentes nacionalidades: Mexicanos, Alemães, Americanos...

Para visitar Itaipu, você entra em um ônibus que vai passando pelos locais da usina, e grande parte dos passageiros nesse passeio eram japoneses (sim, japoneses). Isso fora a quantidade de mochileiros gringos que eu vi pela cidade. Isso tudo desconsiderando argentinos e paraguaios (já que é um município de fronteira).

Levando em consideração que não é uma cidade litorânea, isso é bastante surpreendente. Fiquei impressionado, porque fui visitar Foz do Iguaçu achando que só tinha um turismo local fraco, acabei quebrando a cara.
Eu já vejo o contrário, acho o parque brasileiro muito mais preparado, mas o lado argentino é mais bonito e interessante.
  • Like
Reactions: Osmar Carioca
Tem apenas 3 lugares no Brasil verdadeiramente internacionais, ou seja, que recebe dezenas e dezenas de diferentes nacionalidades (mais de centena, na verdade) regularmente todo ano: São Paulo, Rio de Janeiro e Foz do iguaçu..
São Paulo por conta do seu poderio financeiro e importância pra negócios e eventos.

Rio de Janeiro por uma série de fatores que o tornam verdadeiramente único no mundo (costumam comparar com Cape Town.. Já fui lá, é muito bonito, mas prefiro fácil o Rio).

E Foz do Iguaçu principalmente por conta das Cataratas. Já trabalhei tabulando dados estatísticos dos hotéis de Foz, e é impressionante como o ano todo tem gente de todo canto do planeta.. Na verdade, quando eu trabalhei com isso, vimos mais de 150 nacionalidades diferentes!!!

Os dois parques nacionais recebem quantidade parecida de visitantes, até pq geralmente as pessoas visitam os dois lados, que eu recomendo fortemente. Mas o lado brasileiro ainda recebe um pouco mais. Um complementa o outro, e se deixarem de ir em um deles a experiência será incompleta.

Já saiu estatística de visitante do PN de Iguaçu de 2017. Foram mais de 1,7 milhões de visitantes, um recorde histórico!! No PN argentino, esperavam fechar em 1,4 milhões.

Quanto à tríplice fronteira, Foz tem uma estrutura para turismo mt maior q Puerto Iguazu e Ciudad del Este. Tem alguns hotéis de classe internacional realmente muito estruturados.
Puerto Iguazu é uma cidade pequena e simples, apesar de que o PN tenha uma grande estrutura, inclusive com um sistema de passarelas que passa no meio das cachoeiras.
Ciudad del Este é a segunda maior do Paraguai e tem hotéis mais voltados pra negócios, e não se beneficia tanto do turismo internacional para as cataratas.

Fontes:https://g1.globo.com/pr/oeste-sudoeste/noticia/parque-nacional-do-iguacu-fecha-2017-com-mais-de-17-milhao-de-visitantes.ghtml

https://www.clarin.com/viajes/crece-cantidad-visitantes-cataratas-iguazu-espera-ano-record_0_rydNGhWIb.html
Oi Galera como prometido aqui segue o vídeo em Português que eu fiz sobre as cataratas com destaque para a cidade de Foz. Tem também uma versão desse vídeo em Inglês lá no canal! Agora to fazendo sobre compras no Paraguay e na Sequência tem Lado Argentino e Itaipu. Assinem o canal! tb. Eu adoro Foz, não vejo a hora de voltar para a minha terceira visita à cidade.
  • Like
Reactions: itabirinha-MG
O Brasil é caro. E os Europeus conseguem melhores preços para viagens para a Ásia e para outros destinos que para o Brasil.

Um voo para a China, saindo de Portugal, fica mais barato que para o Brasil. Cerca de 300 euros mais barato. Só como exemplo.

A falta de conhecimentos generalizada em Inglês também se torna um fator de dissuasão a par da imagem de violência das cidades Brasileiras.
Não ser um destino óbvio para os europeus não quer dizer que não tenha impacto dos europeus. Enquanto lá é inverno por exemplo, aqui é verão, período em que o fluxo de turistas no Brasil aumenta. Lembrando que é um continente rico.
Detalhe, o aeroporto de Foz do Iguaçu ainda nao comporta voos de avioes de grande porte, mas esta sendo ampliado. Parceria Infraero e Itaipu Binacional
Também em 18 de maio foi assinado um acordo entre a Infraero e a Itaipu Binacional, para ampliação da pista de pousos e decolagens do terminal paranaense, além da duplicação da pista de acesso ao terminal. A ação tem previsão de investimento na ordem de R$ 70 milhões realizados pela empresa binacional. O objetivo é aumentar dos atuais 2.195 metros para mais de 3 mil metros de extensão, melhorando a capacidade operacional de aeronaves, o atendimento à demanda local e comportar voos para a Europa e os Estados Unidos. As obras na pista foram iniciadas pela Infraero em novembro de 2017, e até o momento a empresa já aplicou R$ 11 milhões.
  • Like
Reactions: Hello_World
O aeroporto de foz do Iguaçu nem tem aquelas passarelas que conectam o edifício aos aviões, não sei o nome. Você desce dos aviões e tem de andar até o prédio do aeroporto, que também é pequeno e pouco estruturado, apesar de confortável.

Espero que, além da ampliação das pistas, eles resolvam esse imenso problema. Foz do Iguaçu é uma cidade simpática, bem planejada e bastante limpa, apesar de que achei um pouco largada quando fui, em 2017.

O passeio nas cataratas é incrível, achei o parque muito bonito e bem estruturado. Nao me esqueço daquela manhã fria onde peguei o ônibus lá dentro, que passa por 10 km de mata, com aquele ar puro e a brisa fria. Foi uma sensação muito agradável a visita.

Já a visita à Itaipu eu gostei, mas achei meio chatinha. Talvez pra quem goste de engenharia seja mais divertido. Uma coisa legal é o parque das aves, que fica bem próximo da entrada do parque Nacional. É um zoológico apenas com aves, muito bonitinho e organizado. Tinha muito ****** visitando.

Parece que a cidade vai receber um grande parque aquático. Também seria interessante se, com a hipotética liberação de cassinos, construída em um por lá, bem moderno e de porte internacional.
  • Like
Reactions: Osmar Carioca
21 - 40 of 41 Posts
This is an older thread, you may not receive a response, and could be reviving an old thread. Please consider creating a new thread.
Top